A Hora Mais Negra

Filmes, Drama
2 /5 estrelas
A Hora Mais Negra

A Time Out diz

2 /5 estrelas

Há uma sequência totalmente fantasiosa em A Hora Mais Negra, de 
Joe Wright, em que Winston Churchill, recém-nomeado primeiro-ministro (PM), em Maio de 1940, e em plena crise de Dunquerque, sai do carro que o conduzia a Westminster, mete-se no Metro e pede a opinião de vários cidadãos anónimos, sobre se deve negociar a paz com Hitler 
ou continuar a enfrentá-lo. 
A resposta unânime do povo
 é pela resistência aos nazis. Além de inventada – nunca 
na sua vida Churchill pôs os pés no Metro –, a sequência 
é abusiva do ponto de vista histórico. Na altura, parte da opinião pública britânica, e não só da classe política, era 
a favor do apaziguamento com a Alemanha hitleriana.


O filme de Wright, escrito por Anthony McCarthen, que já tinha tomado liberdades com a vida de Stephen Hawking em A Teoria de Tudo, contém várias destas incorrecções. 
E apresenta-se como mais
 um panegírico de Winston Churchill, centrado nas suas primeiras semanas como 
PM, enquanto o seu próprio partido punha sérias reservas à nomeação e Hitler avançava Europa dentro, contemplando toda a vulgata heróica sobre
 o velho leão de Downing Street, vista e revista em dezenas de outros filmes, telefilmes e séries. Wright filma em estilo balofo de tão empoladamente dramático e com banda sonora a condizer, e só a interpretação de Gary Oldman, um dos melhores Churchills de sempre, que desaparece no papel, não se percebendo onde começa o actor e acaba a personagem
 (e Churchill já foi vivido
 por Richard Burton, Albert Finney ou Michael Gambon), distingue A Hora Mais Negra.

Por Eurico de Barros

Por Eurico de Barros

Publicado:

Detalhes

Detalhes da estreia

Elenco e equipa

Realização
Joe Wright
Argumento
Anthony McCarten
Elenco
Gary Oldman
Lily James
Ben Mendelsohn

A vossa opinião

LiveReviews|0
1 person listening