A Ovelha Choné - O Filme: A Quinta Contra-Ataca

Filmes
Escolha dos críticos
5 /5 estrelas
A Ovelha Choné - O Filme: A Quinta Contra-Ataca

A Time Out diz

5 /5 estrelas

É um óvni. É um extraterrestre fofinho. É uma pizza voadora. É um cão astronauta. É uma ovelha a conduzir uma nave espacial. É um delírio de comédia e de ficção

Quando um adolescente rouba as chaves do carro ao pai para ir dar uma volta por aí, arrisca acabar por o meter numa valeta, espetá-lo contra uma árvore ou ser engavetado pela Brigada de Trânsito. Quando um pequeno extraterrestre rouba o comando da nave espacial ao pai para ir dar uma volta pela galáxia, arrisca acabar na Terra, perder o comando num bosque, conhecer a Ovelha Choné e todos os seus amigos da quinta de Mossy Bottom e meter-se numa confusão de proporções cósmicas.

É exactamente o que sucede em A Ovelha Choné: A Quinta Contra-Ataca, de Will Becher e Richard Phelan, a segunda longa-metragem da ovelha mais irresistível da animação, criada nos estúdios da Aardman, a casa de Wallace e Gromit, dos Creature Comforts e de filmes como A Fuga das Galinhas ou A Idade da Pedra.

Choné encontra Lu-La, um pequeno extraterrestre fofinho cuja nave aterrou no bosque ao pé da quinta. Ao tentar mandá-lo para casa, envolve-se, e a toda a pandilha animal, mais o fazendeiro e os habitantes da vila, numa odisseia que é parte comédia burlesca esfuziante, parte paródia genial ao cinema de ficção científica pós-Guerra das Estrelas, bem como a séries de televisão como Ficheiros Secretos, com uma chapelada-relâmpago a H. G. Wells.

Tudo isto, e como é tradição no ecossistema narrativo da Ovelha Choné, sem que seja pronunciada uma só palavra, recorrendo apenas a efeitos sonoros, grunhidos esparsos e a uma banda sonora muito variada; e combinando a animação fotograma a fotograma com efeitos digitais, sem que fique uma suspeita de costura a ver-se.

A história é tão gloriosamente delirante como cuidadosamente arrumada, o ritmo não dá um minuto de descanso, a metralha de partes gagas, pastiches e piadas visuais, em primeiro ou segundo plano, é em moto contínuo e mantém-se no patamar mais alto da imaginação e da qualidade cómica da primeira à última imagem (e tudo serve para fazer humor em A Ovelha Choné: A Quinta Contra-Ataca: uma pizza voadora, um contentor do lixo inspirado em Steven Spielberg, um cão disfarçado de astronauta, a moda das selfies, um arroto de extraterrestre que bebeu gasosas a mais, os maluquinhos dos óvnis, um primo inglês e burocrata de WALL-E, um Transformer do pobre ou um cartucho com batatas fritas).

Paralelamente à história principal, com a qual se vai encontrar a certa altura, decorre um enredo secundário no qual o fazendeiro encarrega o cão Blitzer de construir um parque temático ovnilógico (o Farmageddon do título original), e de cujos trabalhos se encarregam as restantes ovelhas da quinta, em sequências do melhor slapstick ovino, que os realizadores aproveitam para homenagear Buster Keaton, Charlot, Harold Lloyd ou Bucha e Estica.

A Ovelha Choné: A Quinta Contra-Ataca é o filme de animação do ano, a comédia do ano, a aventura de ficção científica do ano e a produção de temática rural do ano. Simplesmente méééééééééravilhoso.

Por Eurico de Barros

Por Eurico de Barros

Publicado:

Detalhes

Detalhes da estreia

Elenco e equipa

Realização
Will Becher, Richard Starzack
Argumento
Jon Brown, Mark Burton

A vossa opinião

LiveReviews|0
2 people listening