A Provinciana

Restaurantes, Português Santa Maria Maior
4 /5 estrelas
5 /5 estrelas
(1comentário)
A Provinciana
1/2
A Provinciana
2/2

Há uns 50 relógios na sala e são todos obra do Sr. Américo Fernandes, à frente desta casa desde 1988, depois de a ter comprado aos galegos que a fundaram em 1930. Repare-se que o tema das pipas domina e a razão é simples: o pai de Américo fazia-as em Castro d’Aire, e Américo, que sempre gostou de trabalhar madeira, aproveita-as para os trabalhos mais complexos. Na sala está a filha Carla, a tornar o serviço rápido e simpático, e na cozinha, a mulher, Judite, com mão para tudo o que aqui se serve. 

Crítica 

À segunda é certo que haverá sangue. No primeiro dia da semana a Dona Judite 
faz sempre galinha de cabidela. À terça faz chanfana (de vitela, mas a preceito), à quarta pernil assado no forno (serve com feijão e couve cozida), quinta é dia de polvo à lagareiro (pequenino, inteiro, firme, com batatas assadas) e na sexta bacalhau com grão. Ao sábado não sei, confesso, nunca cá pus os pés, e ao domingo a casa fecha.

É claro que também se pode dizer que segunda há bacalhau à minhota, terça lagartos, quarta dobrada com feijão, quinta cozido e sexta bacalhau à lagareiro. Mas isso é outro itinerário. O papel de mesa colado na montra anuncia sempre cinco a seis pratos do 
dia. Alguns são de dia certo, estes são os meus, e à segunda vou à cabidela se por acaso ando pela Baixa. O carolino chega no ponto, firme sem estar rijo; o sangue ligado sem empapar; a galinha tenra mas não enfarinhada; o vinagre afinado ao mililitro. Quando tudo isto pousa diante de mim numa dose farta por 4,75€, servida a dois passos da maior concentração de armadilhas
 para turistas desta cidade, acho sempre que testemunhei um milagre às Portas de Santo Antão.

Os pratos do dia certos não fogem dessa regra: mão apurada, dose de tacho, preço antigo. Mas hoje que vos escrevo é segunda, dia de cabidela. Cheguei eram duas e como sempre esperei como toda a gente. As mesas dão para uns 50 assim a olho e rodam umas três vezes a cada almoço. Quem gere esta azáfama com justiça precisa é Carla, o vértice da tradicional santíssima trindade de uma tasca portuguesa: mãe na cozinha, pai ao balcão, filha às mesas. Quando lamento, desamparado, o inédito arroz cozido além da conta, tenho a resposta que mereço: “isso já foi feito no tacho há duas horas, o que é que esperava?”.

Penso então que devia ter olhado um dos 50 relógios de madeira que 
o pai Américo fez por sua mão 
e pendurou nas paredes da sua tasca e, vistas as horas, seguido 
o caminho das batatas fritas às rodelas grandes que levam ao bacalhau à minhota. E suspiro por essa outra mesa de pratos certos e tachadas de conforto onde recebia assim ralhetes se acaso me sentava a desoras. Amanhã é dia de chanfana. A 
ver se venho mais cedo e trago a minha mãe.

*As críticas da Time Out dizem respeito a uma ou mais visitas feitas pelos críticos da revista, de forma anónima, à data de publicação em papel. Não nos responsabilizamos nem actualizamos informações relativas a alterações de chef, carta ou espaço. Foi assim que aconteceu.

Por José Margarido

Publicado:

Nome do local A Provinciana
Contato
Endereço Travessa do Forno, 23/25
Lisboa
1150-193
Horário Seg-Sáb 08.00-23.00
Preço Até 15€
É o proprietário deste estabelecimento?
Static map showing venue location
LiveReviews|1
1 person listening

A Provinciana é um dos meus restaurantes preferidos em Lisboa.
A comida é sempre deliciosa e o atendimento 5 estrelas. Nunca saí de lá desiludido.
Imperdível.