Três sítios para comer ramen no Porto

Com a chegada do frio, nada melhor que um prato quente e cheio de sabor para aquecer o corpo e a alma. Conheça três sítios para comer ramen no Porto

O ramen é o prato estrela do RO

Noodles, um caldo aromático e ingredientes que dão sustento para aguentar os dias frios que se vão fazer sentir nos próximos meses são os ingredientes básicos deste prato que nasceu na China e se popularizou no Japão. Descubra três sítios para comer ramen no Porto.

Três sítios para comer ramen no Porto

Japo – Tokyo Flavours

O ramen é a estrela do novo projecto do chef Ruy Leão, o Japo – Tokyo Flavours, instalado no District. Há quatro variedades para provar, entre os quais o shoyu ramen, com um molho à base de soja, e o karê ramen, picante, feito com caril japonês. Se conseguir, sente-se nos lugares ao balcão, com vista para a cozinha.

Preço: a partir de 9,60€

Batalha

RO

Ramen, ramen e mais ramen: foi o prato japonês que motivou os chefs João Pupo Lameiras e Francisco Bonneville a abrirem o RO, ou seja, o Ramen e Outros. Se gosta de sabores potentes prove o tantan, picante, feito com chachaço de porco e porco picante.

Preço: a partir de 12€

Aliados
Publicidade

Ikeda

A cozinha japonesa está bem representada na carta do Ikeda, o novo restaurante japonês da cidade e por isso o ramen não podia faltar à mesa. Leva noodles, carne de porco, ovo cozido, cebolinho e kamaboko, "uma massa de peixe prensada", explica Christian Oliveira, um dos responsáveis.

Preço: 15€

Campo Alegre

Outras sugestões

Os melhores restaurantes asiáticos no Porto

Há muito que o sushi se tornou moda, mas a gastronomia asiática é muito mais que isso. Também é ramen e okonomiyaki, pratos indianos com o picante no sítio e comida típica da China.

Por Teresa Castro Viana

As melhores sopas no Porto

Das clássicas às fora-da-caixa, das mais pesadas às mais leves, há sopas com fartura em cafés e restaurantes da cidade. Nesta lista estão meia dúzia de exemplares de qualidade, feitos com bons produtos e com a dose certa de tempero.

Por Teresa Castro Viana
Publicidade

Comentários

0 comments