Na casa de... Fernando Marques de Oliveira

A mistura entre o velho e o novo está à vista. Fernando Marques de Oliveira é o artista do equilíbrio. Tanto pinta inspirado na geometria urbana, como olha com admiração para peças de outros tempos

©João SaramagoA sala de Fernando Marques de Oliveira

Um cadeirão em tecido brocado com uns braços de madeira aconchegantes, do tempo de Napoleão III, ocupa o centro da sala. Há peças da Companhia das Índias sobre a mesa em frente ao sofá, e outras mais recentes, como os quadros de Fernando Marques de Oliveira pendurados pelas paredes cheias.

“Gosto muito de peças antigas. Estou sempre atento aos leilões e leio imensa literatura sobre o assunto. Tenho uma predilecção por objectos dos séculos XVIII e XIX, que geralmente pertenceram a casas com história, carregadas de afectos”, conta o artista plástico, que fez recentemente uma exposição antológica da sua obra na Cooperativa Árvore e no Museu Soares dos Reis, e da qual resultou o livro “Fernando Marques de Oliveira – Espaços Imprevisíveis”.

“Esta exposição deu muito trabalho, foi preciso recolher muita coisa em casa de coleccionadores. Reunimos mais de uma centena de obras”, diz, acrescentando que apesar dos 40 anos de carreira, a pintura começou bem antes na sua vida.

“O meu pai tinha uma empresa de seguros e queria que eu fosse trabalhar com ele, mas percebeu muito cedo que eu tinha uma grande tendência para as artes, o que era normal, fui educado num meio onde havia muitos artistas. Ele era, inclusivamente, coleccionador de arte contemporânea e antiguidades. Muitas peças que tenho cá em casa são de família”, explica, enquanto dá uma passa no cigarro e lança a baforada de fumo para longe.

“Lembro-me que me ofereciam muitos livros de arte e que a partir deles eu fazia cópias dos desenhos de outros artistas com lápis de cera. No livro está um desses trabalhos, feito quando tinha 15 anos”.

Desde então, o trabalho de Fernando Marques de Oliveira passou por diversas fases, como seria de esperar. “Percebi que tínhamos de ter um fio condutor no nosso trabalho e eu tive de descobrir o meu”.

Agora faz uma pintura abstracta, que vai buscar as formas geométricas às paisagens urbanas. “Fiz uns bichos pelos quais me fascinei, mas nunca consegui explicar. Foi uma fase influenciada pela chamada Bad Painting, que estava muito na moda nos anos 80”.

Alguns elementos dessas obras aparecem agora na arte abstracta e geométrica do artista que aposta nos pretos e nos cinzentos, em contraste com cores pop e texturas feitas com várias camadas de tinta.

Na casa de... Fernando Marques de Oliveira

Vidros e cristais
©João Saramago
1/7

Vidros e cristais

Uma vitrina iluminada guarda uma série de cristais da Boémia e outros vidros mais antigos. “Comprei um lote num leilão porque queria um copo específico, mas quando dei por ela, tinha outro que havia pertencido à rainha Dona Maria Pia”.

Livro
©João Saramago
2/7

Livro

“Espaços Imprevisíveis” é uma reunião de 120 obras de Fernando Marques de Oliveira com textos sobre as exposições que realizou durante estes 40 anos de carreira.

Preço: 22,50€

Colecção de pugs
© João Saramago
3/7

Colecção de pugs

Uns são antigos, outros nem tanto. O pintor pediu a um joalheiro para lhes fazer umas coleiras em prata com guizos. Começou a fazer esta colecção, que já conta com 12 cães, há 15 anos. Dois deles são um saleiro e um pimenteiro.

Guerreiro em terracota chinês
© João Saramago
4/7

Guerreiro em terracota chinês

“É uma peça a.C.. Comprei-a num antiquário em Paris, mas uma empregada deixou-a cair e partiu-lhe a cabeça. Vai agora ser restaurada no Pólo de Restauração da Universidade Católica”.

Castiçais
© João Saramago
5/7

Castiçais

“São em porcelana biscuit e representam dois índios, um rapaz e uma rapariga, que, segundo especialistas, ou são brasileiros ou são colombianos. Os pormenores da pintura são maravilhosos”.

Fruteira
© João Saramago
6/7

Fruteira

Tem duas peças, muito semelhantes, em faiança francesa do século XVIII num armário da cozinha, onde funciona também a sala de jantar. “Herdei-as, são peças de família e gosto imenso delas.”

Samovar inglês
© João Saramago
7/7

Samovar inglês

É do século XVIII. “Dentro do samovar [uma espécie de caldeira para fazer chá] colocava-se um peso aquecido nas brasas que mantinha o chá sempre quente.”

Leia mais sobre...

No armário de... Estelita Mendonça

Molly adianta-se e vem receber-nos à porta. Agita a cauda e deixa-nos entrar em casa, encarnando com sucesso a figura de um mestre de cerimónias. Há um ano que vive com João Pedro Estelita Mendonça, o designer açoriano que chegou ao Porto quando tinha apenas quatro anos e que aos 17 começou a desfilar nas passerelles como manequim. "Rapidamente percebi que não era o que eu queria." 

Ler mais
Por Mariana Morais Pinheiro

Ficha de Cliente – Sara Marques

Sara deu nas vistas quando Cristina Ferreira, a conhecida apresentadora de televisão, desfilou na passadeira vermelha do Festival de Cannes deste ano com uma das suas criações: uma gabardine que deu que falar. Mas, para trás, há muito mais para contar sobre esta designer de moda de 23 anos, que se licenciou na Escola Superior de Arte e Design, e terminou em 3.º lugar no concurso Bloom do Portugal Fashion, em 2015. Este ano, esteve lá também. 

Ler mais
Por Editores da Time Out Porto
Publicidade

Comentários

0 comments