Tudo a Nü

Não é preciso andar como se veio ao mundo para se trabalhar neste novo cowork de cerâmica. Fomos conhecer o espaço e só tirámos os casacos – porque lá dentro estava calor
Nu Coworking Criativo
©Marco Duarte
Por Mariana Morais Pinheiro |
Publicidade

A culpa foi do acaso. E ainda bem. Manuela Sousa, Manu para os amigos, aparece com um sorriso rasgado, as mangas da camisa arregaçadas, quando nos abre a porta do Nü Coworking Criativo, o seu novo espaço de trabalho no Bonfim.

“Sou brasileira mas já não vivo no meu país há 12 anos. Esta história é longa. Tens 
a certeza que tens tempo para a ouvir?” Assentimos e Manu prepara-nos uma chávena de chá. “Primeiro fui para Angola, depois estive na África do Sul, e daí decidi ir viver para um país frio. Escolhi a Suécia, onde tenho irmãs, mas não me adaptei. Entretanto apaixonei-me”, ri, “e acabei por ir para o Senegal por amor”.

Mas o país africano não foi gentil para
 a designer gráfica, que chegou a Portugal
 há quase um ano. “Infelizmente a cultura 
lá ainda é um pouco machista e como sou muito trabalhadora, não viam a minha proactividade com bons olhos.” Para passar o tempo, em casa, começou a pintar porcelana à mão e o gosto por esta arte começou a nascer. A paixão pela Invicta surgiria pouco depois.

“Um dia decidi visitar duas amigas que viviam em Portugal. Uma em Lisboa e outra aqui no Porto. Lembro-me que quando aqui cheguei, senti-me bem e disse para mim, ‘Era capaz de viver aqui’.”

A frequentar dois cursos de cerâmica ao mesmo tempo, Manu, sem um espaço para cozer as peças que cada vez mais pessoas lhe encomendavam, lembrou-se de abrir uma espécie de escritório onde pudesse juntar gente ligada à mesma arte, como o casal Daniel Carpes e Eneide Kuhn, também sócios.

“Foi assim que nasceu o Nü Coworking Criativo. Porquê Nü? Porque quando estás em contacto com a arte tens de estar despido de barreiras ou de bloqueios. E porque nü, em sueco, quer dizer ‘agora’, o que, para mim, é uma palavra muito forte.”

Tudo a Nü

Nu Coworking Criativo
©Marco Duarte

A Cerâmica

É a actividade principal deste espaço, mas não é a única. Na grande mesa de trabalho no centro da sala principal, trabalha-se a massa, o primeiro processo. “É preciso tirar eventuais bolhas de ar que quebrariam as peças quando estas fossem ao forno”, explica Manu.

De seguida, corta-se a massa consoante o tamanho desejado para a peça, que é fixa no centro da pedra de oleiro. Depois de trabalhada, seca dois a três dias numa prateleira até chegar ao ponto de couro. É nesta altura que se faz a borda e a parte inferior. Desta vez, a cerâmica tem de perder a água toda, ou seja, chegar ao ponto de osso, para poder ir ao forno.

“Por fim faz-se a vidragem, um 
processo obrigatório que torna o produto impermeável, como estas aqui”, diz Manu, apontado para a vitrina onde estão algumas peças para venda.

Nu Coworking Criativo
©Marco Duarte

Mais Artes e Projectos

Luciana trabalha num canto da mesa desde que chegámos. Faz desenhos a aguarela e tem
 um projecto chamado Giro, que consiste em vender os seus trabalhos ao volante de uma bicicleta que circula entre a Rua das Flores e o Jardim das Virtudes. Clara, numa mesa ao lado, está concentrada nas bonecas que faz à mão. Em breve, haverá workshops de costura. Ao fundo há ainda uma sala que acolherá um ateliê de serigrafia e uma outra, cheia de missangas e carrinhos de linhas, preparada para ajudar os artistas de projectos mais pequenos que aqui quiserem trabalhar.

Outras sugestões

Cerâmicas
©João Saramago
Compras, Cozinha e casa de banho

As melhores marcas de cerâmica à venda no Porto

Há cada vez mais marcas de cerâmica à venda na cidade. A pensar no jeito que lhe podem fazer em casa, no presente original que podem representar ou até naquele jantar em que anseia por um brilharete à mesa, dizemos-lhe quais as melhores marca de cerâmica à venda no Porto.

Publicidade