Bruckner, Gato, Haas

Música, Clássica e ópera
Miranda Cuckson
©John Rogers Miranda Cuckson

A Time Out diz

Atenção, continuamos a tentar dar-lhe a informação mais actualizada. Mas os tempos são instáveis, por isso confirme se os eventos continuam agendados.

Os apreciadores da
 estética wagneriana mas que engalinham com valquírias ululantes e deuses nórdicos em crise de meia-idade entregues
 a monólogos de 20 minutos, lamentam que Wagner tenha devotado a vida à ópera e
 pouco ou nada tenha deixado de música instrumental.
 Há quem recomende, como sucedâneo para as sinfonias-nunca-compostas de Wagner,
 as sinfonias de Anton Bruckner, que a Casa da Música está este ano a apresentar na íntegra, mas a verdade é que, embora este venerasse Wagner, construiu um universo sonoro próprio. O mais próximo que o compositor austríaco esteve de Wagner foi na Sinfonia n.º 3, dedicada ao autor de Tristão. Foi composta em 1872-73, revista em 1876, estreada com fraca recepção em 1877 e novamente revista em 1878 e em 1888-89, e inclui, sobretudo na 1.ª versão, citações wagnerianas. O programa deste concerto da Orquestra Sinfónica, com direcção de Baldur Brönnimann, emparelha a n.º 3 de Bruckner com a estreia de duas obras encomendadas pela Casa da Música: uma de Gonçalo Gato e o Concerto para violino de Georg Friedrich Haas, em que é solista Miranda Cuckson (na foto).

Por José Carlos Fernandes

Publicado:

Detalhes

Também poderá gostar