Festival Porta Jazz

Música, Jazz
Peter Evans
Fotografia de Peter Gannuskin Peter Evans

A Time Out diz

Atenção, continuamos a tentar dar-lhe a informação mais actualizada. Mas os tempos são instáveis, por isso confirme se os eventos continuam agendados.

Quando a Porta-Jazz organizou o seu primeiro festival, em 2010, poucos adivinhariam que este continuaria vivo e pujante dez anos depois e que o mesmo aconteceria com o Carimbo Porta-Jazz, o braço editorial da associação, que lançou até à data mais de 50 álbuns dos músicos que dela fazem parte ou que a orbitam.

Seis dos projectos que actuam na 10ª edição do festival lançaram, nos últimos meses, discos que foram elogiados nestas páginas. É o caso dos HVIT, nascidos de uma iniciativa da Porta-Jazz e do Guimarães Jazz, que propõem a aliança entre a música e as artes visuais (neste caso, Miguel C. Tavares) e de jazzmen nacionais e estrangeiros (um quarteto luso-escandinavo liderado pelo pianista João Grilo). O projecto A Incerteza do Trio Certo é liderado pelo guitarrista AP (pseudónimo de António Pedro Saramago) e estreou-se com um álbum homónimo. O trio de Pedro Neves regressou no seu terceiro álbum, Murmuration, ao excelente nível do álbum de estreia, Ausente. O saxofonista João Mortágua lançou em 2019 o quarto álbum em nome próprio, Dentro da Janela, um notável progresso em relação a Janela, de 2014. O quinteto do vibrafonista canadiano (radicado em Portugal) Jeffery Davis lançou For Mad People Only, o segundo álbum em nome próprio, e os MAU, o trio liderado pelo contrabaixista Miguel Ângelo, têm no disco de estreia, Utopia, a mais recente adição ao catálogo da Porta-Jazz.

Merecem ainda destaque as actuações do Coreto, a big band onde convergem os talentos, como compositores e intérpretes, dos vários membros da associação. Propõem um programa intitulado “Celebration”, de natureza retrospectiva, revisitando material dos álbuns Aljamia, Mergulho, Sem Chão e Analog. Peter Evans (na foto) actua com a Orquestra Jazz de Matosinhos, num programa que revisita composições do trompetista e alguns standards.

Impermanence é o quinteto da trompetista Susana Santos Silva, o elemento da Porta-Jazz com maior projecção internacional. Os Ascetica são o novo projecto do contrabaixista Hugo Carvalhais, revelado nos álbuns Nebulosa, Partícula e Grand Valis. Finalmente, o trompetista espanhol Ricardo Formoso traz na bagagem um novo álbum, Implosão, e tem como convidados Seamus Blake e Alberto Bover.

Por José Carlos Fernandes

Publicado:

Detalhes

Website Evento https://portajazz.com/
Também poderá gostar