A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
calçada
Fotografia: Manuel Manso

Calçada portuguesa reconhecida como Património Cultural Imaterial

A calçada portuguesa foi inscrita no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial. Uma importante etapa na preparação da candidatura a Património da Humanidade reconhecido pela UNESCO.

Escrito por
Renata Lima Lobo
Publicidade

Primeiro Portugal, depois o mundo. A Associação da Calçada Portuguesa viu reconhecida pela Direcção-Geral do Património Cultural a candidatura chamada “Arte e Saber-Fazer da Calçada Portuguesa”, que propunha a inclusão da calçada portuguesa no Inventário Nacional do Património Cultural e Imaterial.

A candidatura foi apresentada em Março passado e a associação, em reacção à publicação do anúncio em Diário da República esta quinta-feira, registou “com satisfação” a rapidez do processo. “A conclusão deste processo permitirá a desejada candidatura da Calçada Portuguesa a Património da Humanidade, em cuja concretização a Associação da Calçada Portuguesa está empenhada e que constituirá o seu principal objectivo”, acrescenta em comunicado.

A candidatura enviada não só destacou a arte final, como os artistas: os calceteiros, uma profissão em vias de extinção que precisa de ser salvaguardada. Por exemplo, em Lisboa só 11 calceteiros estão no activo – em 1927, havia cerca de 400. “A consideração da Arte e Saber-Fazer da Calçada Portuguesa como Património Cultural Imaterial constitui o reconhecimento da importância dos profissionais que constroem e mantêm o chão que pisamos, defende a associação. Uma arte que transporta em si a sensibilidade artística de um povo, que muito contribuiu para marcar a pegada dos portugueses no mundo, que importa proteger, valorizar, promover e Internacionalizar.”

A Associação da Calçada Portuguesa foi criada em 2017 por iniciativa da Câmara Municipal de Lisboa com o objectivo de proteger, valorizar, promover e internacionalizar a calçada portuguesa, enquanto património cultural e factor de identidade de Lisboa (onde nasceu) e de Portugal. Tem como associados a UCCLA, a Assimagra – Recursos Minerais, o Grupo Português da Associação Internacional para a Proteção da Propriedade Intelectual, a Universidade de Lisboa e a Câmara Municipal de Porto de Mós.

Descubra a edição desta semana, digital e gratuita, da Time Out Portugal

Últimas notícias

    Publicidade