A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Casa das Artes
© Pedro José Augusto de MedeirosAs sessões decorrem na Casa das Artes

Cineclube do Porto abre o ano com programação marginal

O Cineclube do Porto dedica o mês de Janeiro a um conjunto de filmes que se focam em personagens à margem da sociedade. As sessões decorrem na Casa das Artes.

Por
Ana Patrícia Silva
Publicidade

"À Margem" é o tema escolhido para abrir o ano no Cineclube do Porto. Personagens marginalizadas, deslocadas das normas na sociedade, postas de lado, são muitas vezes esquecidas e incompreendidas, levando à discriminação e segregação. São elas o foco de um conjunto de filmes que poderá ver ao longo deste mês na Sala Henrique Alves Costa da Casa das Artes.

A primeira sessão de 2021, que acontece no dia 7 de Janeiro, será o filme Roubaix, Misericórdia de Arnaud Desplechin, sobre um crime baseado numa história real numa das zonas mais pobres de França. Segue-se, a 9 de Janeiro, o documentário Capital no Século XXI, baseado no livro de Thomas Piketty, que desmonta o popular pressuposto de que a acumulação de capital acompanha o progresso social, lançando uma nova luz sobre as crescentes desigualdades da actualidade.

Nas sessões de 14 e 15 de Janeiro, o Cineclube recebe Regina Guimarães e Saguenail com duas sessões especiais: Resistência, com dois filmes feitos durante a quarentena, e Sine Canone, uma projecção de várias curtas-metragens dos dois artistas.

O Que Arde é um filme de Oliver Laxe sobre o regresso de um criminoso à sua terra natal e a desconfiança que é criada com este retorno. Pode ser visto a 16 de Janeiro. A 21 de Janeiro, será mostrado Os Miseráveis, de Ladj Ly, sobre os subúrbios parisienses e os problemas entre a polícia e os seus habitantes. O mais recente filme de Basil da Cunha, O Fim do Mundo, servirá de mote para uma conversa mais aprofundada sobre os desafios da nossa sociedade, a 23 de Janeiro. Na última semana de Janeiro, o Cineclube associa-se ao IndieJúnior, que regressa à Casa das Artes pela terceira vez. Consulte aqui a programação completa para este mês.

Devido às restrições, as sessões de quinta-feira passam para o horário das 19.30 e as de sábado para as 10.30. O uso de máscara é obrigatório no interior da Casa das Artes e durante a duração total do filme. Os lugares são marcados, com um lugar de intervalo entre os espectadores. Os bilhetes custam 3,50€ (2,50€ para estudantes e maiores de 65 anos) e a bilheteira abre 45 minutos antes de cada sessão.

+ Sara Barros Leitão lança Clube do Livro Feminista

+ Leia aqui a edição gratuita da Time Out Portugal desta semana

Últimas notícias

    Publicidade