A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
'Ensaio sobre a Cegueira'
©DR'Ensaio sobre a Cegueira'

‘Ensaio Sobre a Cegueira’ estreia-se no Teatro Nacional São João em pleno centenário de José Saramago

Nuno Cardoso, actual director artístico do TNSJ, revisita a obra de um dos maiores nomes da literatura portuguesa. A peça estreia no dia 10 de Junho.

Escrito por
Joana Moreira
Publicidade

Quando, em 2004, o Teatro O Bando levou Ensaio Sobre a Cegueira ao Teatro Nacional São João (TNSJ), no Porto, Nuno Cardoso estava na audiência. “Lembro-me de ter visto a encenação e de a ter achado muito intensa”, recorda o encenador e actual director artístico do TNSJ. “Lembro-me de ter ficado pasmado com o Saramago. Ele foi ao palco agradecer, eu estava na plateia e vi-o. Foi a única vez que estive na presença dele.”

Quase duas décadas depois, é Nuno Cardoso que revisita a obra de um dos maiores nomes da literatura portuguesa. Ensaio Sobre a Cegueira estreia-se a 10 de Junho no mesmo palco portuense, fruto de uma co-produção do TNSJ e do Teatre Nacional de Catalunya, em Espanha.

'Ensaio sobre a Cegueira'
©DR'Ensaio sobre a Cegueira'

Só que a peça a partir do romance de José Saramago, publicado em 1995, chega num momento pós-pandémico. O mundo ficcionado em que quase todos ficam cegos, numa epidemia que conduz à discriminação e isolamento dos infectados, ressoa como nunca em 2022. “O conjunto de circunstâncias que nos assola com a Covid-19 fez com que o projecto ganhasse um sentido um bocadinho quase premonitório. O teatro normalmente é muito premonitório, não é? Ou nós achamo-lo muito premonitório. O teatro discute de alguma forma as nossas circunstâncias”, acredita o encenador. “Há um conjunto de simbologias, de convenções que não necessitamos de fazer. Porque o público compreende perfeitamente. Não precisamos de ilustrar o que é o isolamento porque o público sofreu o isolamento. Isso também lhe dá outra dificuldade, que é a de resistir à tentação de colar isto à circunstância. Não é uma circunstância. Nem a cegueira de que nos fala [o autor]. É uma cegueira metafórica.” 

Nuno Cardoso conduziu um elenco bilingue, com actores portugueses e catalães unidos à volta de um texto que o escritor da Azinhaga do Ribatejo chegou a descrever como “trezentas páginas de constante aflição”. O director artístico não faz premonições sobre o grau de aflição do público perante o espectáculo, mas espera “criar alguma coisa digna, que faça jus à obra”. “É uma obra demasiado grande, diria, mesmo para mim”, confessa.

'Ensaio sobre a Cegueira'
©DR'Ensaio sobre a Cegueira'

A peça surge num ano marcado pelas celebrações do centenário do nascimento do Nobel da Literatura português. E esse é mais um motivo para levá-lo à cena, até porque “o teatro de Saramago é pouco representado”, lamenta Nuno Cardoso. No TNSJ, vários textos saramaguianos foram recentemente revisitados num projecto do centro educativo, “Visitações: A Viagem de Saramago”. Em Abril, o Teatro Municipal Sá de Miranda, em Viana do Castelo, debruçou-se sobre A Noite, a primeira peça escrita por José Saramago.

“Também há no estrangeiro adaptações. Sei que há uma adaptação do [Ensaio Sobre a] Cegueira que foi estreada no Brasil, que o Ensaio Sobre a Lucidez foi feito em Barcelona. Agora, se me disser: são vezes suficientes? Não, não são”, diz o encenador.

Depois de oito apresentações no Porto, até 19 de Junho, Ensaio Sobre a Cegueira segue para as cidades de Barcelona (Teatro Nacional da Catalunha, 29 Set-30 Out), Aveiro (Teatro Aveirense, 3 Dez) e Braga (Theatro Circo, 25-26 Nov). 

Teatro Nacional de São João (Porto). 10-19 Jun. Qua-Dom 19.30 e Dom 16.00. 10€-40€

+ Leia a edição gratuita desta semana

Últimas notícias

    Publicidade