A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Monstros Marinhos
© DRA exposição começa no pórtico de entrada da Reitoria

Estas esculturas são feitas de plástico recolhido das praias do Porto

A exposição ‘Monstros Marinhos’ de Ricardo Nicolau de Almeida está na Reitoria da Universidade do Porto até 31 de Dezembro, com entrada livre.

Por Maria Monteiro
Publicidade

Por estes dias, entrar na Reitoria da Universidade do Porto é como descer às profundezas do oceano, onde os ecossistemas que outrora prosperavam batalham diariamente pela sobrevivência face a uma ameaça sem precedentes: o plástico. Monstros Marinhos, exposição que integra o programa de comemorações dos 20 anos do Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR) e a campanha Ocean Action Hub, traz um conjunto de esculturas e instalações de Ricardo Nicolau de Almeida ao pórtico de entrada e ao pátrio interior da UP, onde podem ser vistas até 31 de Dezembro.

Entre as peças que compõem a exposição, há um polvo mirabolante com grandes tentáculos que são tubos de plástico; um peixe azul de olhos esbugalhados cujo corpo é um bidão de combustível ou plantas marinhas feitas de redes e cordas de pesca; uma série de rostos humanos coloridos que, ironicamente, ocupam a chamada “sala dos idiotas”; um conjunto de vitrines que mostra um degradé de objectos numerosos e repetidos vindos na corrente, numa componente quase museológica, ou uma instalação site-specific que mostra a variedade de formas e cores do lixo marinho.

Monstros Marinhos
A exposição começa no pórtico de entrada da Reitoria© DR

Todas as esculturas foram construídas com plástico recolhido de várias praias do Grande Porto pelo artista, que já há alguns anos se dedica à ocean trash art. Natural de Nevogilde, Ricardo Nicolau de Almeida começou por recolher o lixo das praias que lhe serviram de pátio de brincadeira, mas rapidamente estendeu o seu trabalho a toda a orla marítima do Porto – em 2019 apresentou, inclusive, uma escultura feita com materiais de toda a costa portuguesa no Melting Gastronomy Summit.

“Recolho estes materiais e uso-os em instalações para mostrar as peças e para as pessoas terem noção do que aparece e da quantidade [de plástico que vem do mar]”, afirma o artista no vídeo de apresentação da exposição. Além de alertar o público para a dimensão da presença do plástico nos ecossistemas aquáticos e o crescente envenenamento das espécies que os habitam, Monstros Marinhos apela à “necessidade de auto-reflexão e auto-crítica sobre o impacto que estamos a ter sobre o nosso oceano, para que possamos ter um oceano mais limpo”, comenta José Teixeira, curador.

O cruzamento entre arte e ciência é, a seu ver, uma ferramenta eficaz para aumentar a sensibilização ambiental, a literacia para a preservação dos oceanos e, sobretudo, activar a mudança de comportamentos, uma vez que “pode permitir passar a mensagem de uma forma bonita, artística, que mexa com os sentimentos e emoções das pessoas”. A exposição tem entrada livre e pode ser vista de segunda a sábado, das 10.00 às 18.00.

Monstros Marinhos
© DR

+ Conheça estes artistas que fazem arte com desperdício

Leia aqui a nova edição digital e gratuita da Time Out Portugal

Últimas notícias

    Publicidade