Adega do Carregal

Restaurantes, Português Cedofeita
3 /5 estrelas
Adega do Carregal
1/3
Adega do Carregal
2/3
Adega do Carregal
3/3

A minha mãe acha que eu ainda tenho 15 anos. Liga-me meia dúzia de vezes durante o dia a perguntar se tomei o pequeno-almoço, se comi bem ao almoço, o que é que vou jantar e se trinquei qualquer coisa a meio da tarde, para não me dar a fraqueza. Numa destas semanas ligou-me a avisar que andava pelo Porto, às compras, atrás de uma gravata para o meu pai.

“Anda, que eu pago-te o almoço”, disse, chantagista.

Encontrei-a minutos depois, sentada num banco da Praça Carlos Alberto, cheia de sacos enfiados nos braços. Da gravata do meu pai, nem sinal.

Fomos até à Adega do Carregal, na Baixa, a poucos metros dali. Uma adega como se quer, com um atendimento caloroso e uma decoração tradicional. As paredes são de pedra, as vigas de madeira do tecto estão à vista, e têm murais de azulejos que retratam o universo das vindimas, com homens de calças arregaçadas até meio da coxa a pisar uvas. Em cima da mesa, umas peneiras substituem os cestos de pão, de onde fui retirando pedaços de broa.

“Posta de novilho à transmontana ou arroz de sarrabulho?”, pergunta-me.
“Eu quero o polvo cozido com molho verde...”, respondo.
“Ok, então para mim pode ser um bitoque.”

O meu polvo era gordo, de grossas pernas cheias de carne, quase impossíveis de enfiar na boca (15€). Vinha carregado 
de cebola e de salsa, que me vi obrigada a empurrar para o lado, correndo o risco de ficar com um bafo insuportável. Ao lado, quatro meias batatas cozidas nadavam em azeite. Estava bom. A minha mãe não teve tanta sorte. A carne do bitoque não era má, disse, mas queixou-se, enquanto remexia infeliz no prato, que as batatas fritas eram congeladas (8€). A tristeza acalmou quando lhe trouxeram um prato de  arroz e desapareceu quando lhe pedi uma fatia de bolo de bolacha.

“Ai, adoro bolo de bolacha. Já não como há anos”.

Esta ultima frase é mentira, garanto-vos. Mas faço uma vénia a esse remate perfeito, feito com bolachas embebidas em café, barradas com uma pasta de manteiga fresca e com pedacinhos de amendoim torrado com açúcar por cima (2,50€).

A meio da tarde voltou-me
a ligar. Não para o follow up alimentar do costume, mas para lhe comprar a gravata da qual se tinha esquecido.

*As críticas da Time Out dizem respeito a uma ou mais visitas feitas pelos críticos da revista, de forma anónima, à data de publicação em papel. Não nos responsabilizamos nem actualizamos informações relativas a alterações de chef, carta ou espaço. Foi assim que aconteceu.

Por Dulce Dantas Marinho

Publicado:

Nome do local Adega do Carregal
Contato
Endereço Travessa do Carregal, 102
Porto
4050
Horário Seg-Sáb 12.00-15.00/19.30-22.00
Preço Até 20€
É o proprietário deste estabelecimento?
Static map showing venue location
LiveReviews|0
0 people listening