Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Porto icon-chevron-right Elemento

Elemento

Restaurantes, Restaurantes Galerias
5 /5 estrelas
Elemento
1/6
© João SaramagoElemento
Elemento
2/6
© João SaramagoVazia maturada, bochecha e cebolinha
Elemento
3/6
©João SaramagoElemento
Elemento
4/6
©João SaramagoElemento
Elemento
5/6
©João SaramagoElemento
Elemento
6/6
©João SaramagoElemento

A Time Out diz

5 /5 estrelas

O primeiro restaurante de fine dining do país onde se cozinha exclusivamente com o fogo abriu no Porto. À frente do projecto está o chef Ricardo Dias Ferreira, que trabalhou durante vários anos em restaurantes de topo na Austrália. Com produtos quase 100% portugueses e, sempre que possíveis, de pequenos produtores, este restaurante é um daqueles que vale a pena conhecer.

Crítica

Há muito que os restaurantes deixaram de servir apenas para comer. Tornaram-se experiências gastronómicas onde todos os detalhes contam. Do serviço à decoração. Da garrafeira ao que vem no prato. O Elemento tem tudo isto. E quer tudo isto. Que a refeição perdure, muito depois da digestão, na memória de quem lá vai.

A cozinha, aberta sobre um balcão de mármore branco, curvo e convidativo, cheio de turistas, exala um cheiro a madeira queimada que se propaga pelas paredes graníticas e pelo chão de cimento afagado. Ao fundo, um pequeno terraço com uma oliveira e, antes dele, a garrafeira debaixo de uma arcada, compõem o espaço. É de lá que vem o vinho com o qual iniciamos a refeição. Um Beyra, da Beira Interior, muito fresco 
e com um toque mineral, resultado da uva ter crescido num solo xistoso. Para quem gosta de vinhos salgados, a saber a maresia, é uma boa escolha. O pão de azeitonas do couvert chega à mesa ainda morno, com uma boa crosta, muito ar e uma ligeira acidez da fermentação. Acompanha-o uma manteiga cítrica aromatizada com cebolinho e alecrim. A meio do jantar pedimos uma segunda dose.

O primeiro prato do menu de degustação
do restaurante do chef Ricardo Dias 
Ferreira, onde toda a comida é preparada
 no fogo, sem recurso a electricidade, marca
 o statement da casa: um peixe-galo fresco,
 curado em citrinos e a saber a fumado, que 
se desfez em lascas num molho suave de 
salsa, misturando-se lindamente com um
 escabeche doce de cebola. Simples e bom,
deixou vontade para mais. Da água do mar 
veio ainda o lavagante, cozinhado no ponto
 num molho de marisco, ainda rijinho e a
 estalar entre os dentes, com um puré terroso 
de pastinaca e alga codium, elemento que foi
também transportado para o prato seguinte. A perna de polvo grelhada e muito tenra, vinha mergulhada num caldo de bonito fino e translúcido – com um toque de azeite fumado a dar ares de tradicional –, onde boiava alga alface-do-mar, salgada e de consistência delicada. Foi também aqui que comi um dos melhores filetes de pregado da vida, prato que vale a pena pedir se optar por uma refeição à la carte. Com tudo isto, até senti uma ligeira pena em abandonar os pratos de mar.

Antes da sobremesa (limão assado
 com iogurte e suspiro, o momento menos interessante de todo o jantar), serviram-nos dois pratos de carne. O primeiro, um peito 
de pato rosado com uma crosta de gordura coberta por mel e sementes de abóbora, bem guloso, vinha com alface iceberg coberta pelo avinagrado molho béarnaise. A doçura das cenouras baby e o umami dos cogumelos chanterelle equilibravam os sabores. Depois, uma entrecôte basca – um dos meus cortes de carne favoritos – suculenta e cheia de veios de gordura, com um molho feito com miso
e uma mistura de especiarias (togarashi, talvez, não me souberam dizer) que explodia na boca. Ao lado, um kimchi, mais suave do que seria de esperar.

Estas cinco estrelas vão para a ousadia do projecto; para a atenção dispensada ao cliente; para os pratos bem executados e com fio condutor entre eles ao longo de toda a refeição: e para o Ricardo, que está claramente no seu elemento, e que conquistou um lugar cativo. Primeiro na minha barriga, depois na minha memória.

*As críticas da Time Out dizem respeito a uma ou mais visitas feitas pelos críticos da revista, de forma anónima, à data de publicação em papel. Não nos responsabilizamos nem actualizamos informações relativas a alterações de chef, carta ou espaço. Foi assim que aconteceu.

Por Ricardo Capitão

Publicado:

Detalhes

Endereço Rua do Almada, 51
Porto
4050-036
Preço 70-80€
Contato
Horário Ter-Sáb 19.00-23.00
É o proprietário deste estabelecimento?

A vossa opinião

LiveReviews|0
1 person listening