Gion

Restaurantes, Japonês Baixa
4 /5 estrelas
gion
1/5
Gion
gion
2/5
Gion
gion
3/5
Gion
Gion
4/5
Gion
Gion
5/5
Gion

Há quem dobre a roupa interior por cores, ou esfregue os dentes 37 vezes de cada lado. Em cima e em baixo. O meu transtorno obsessivo-compulsivo não é tão minucioso mas é a fraqueza perfeita para me tornar o alvo de chacota da Rita, a minha mulher, que, mal entrou no Gion, não perdeu a oportunidade.

“Tens a certeza de que queres comer aqui? Não te vais sentir mal? Se calhar era melhor fazeres jejum. Não te fazia mal nenhum fazeres jejum.” As mesas estavam enviesadas em relação à parede e, adepto da simetria, não suporto coisas que não estejam paralelas.

Suei frio enquanto descia as escadinhas (dissimuladamente, claro, para não dar parte de fraco), e as mesas desalinhadas (para que coubessem mais porque o espaço é pequeno) foram rapidamente esquecidas à conta do bom atendimento. Rápido, atencioso e informado, foi dos melhores nos últimos tempos.

Uma espécie de amuse-bouche (não pedido mas cobrado) chega sob a forma de pequenos cubos de peixe branco e salmão fritos, marinados em molho togarashi, uma mistura de especiarias (2€). Ao mesmo tempo, pousam duas cervejas japonesas, uma Asahi e uma Kirin, bem frescas (ambas a 2,80€).


A saborosa panqueca okonomiaki vem bem servida de camarão e polvo, com alface e lascas de bonito que se agitam no prato em contacto com o calor. Por cima, uma maionese de ostras (10€). Um prato pelo qual o chef Bruno Cardoso, ex-Terra, se apaixonou quando foi ao Japão.

Depois, seguiram-se outros mais leves e frescos, bem cuidados, como as fatias de sashimi de peixe branco,
 atum, salmão e vieiras com tobiko, ovas de peixe voador, rematadas por cebolete e molho ponzu (11€); um temaki generoso com salmão e abóbora caramelizada, que lhe dava uma textura e doçuras fora do comum (5€); e ainda um
 set de gunkans (10€) e outro
 de niguiris (9€) com algumas falhas, mas perdoáveis. Um niguiri de salmão com molho miso revelou-se gorduroso e pesado, e um gunkan de salmão com um ovo de codorniz demasiado gelatinoso. Pequenos contratempos compensados por um niguiri de xaréu com yuzukosho, um condimento feito à base de pimenta e yuzu, um citrino, muito aromático e perfumado, e por um gunkan de corvina com ceviche de tomate e coentros. Óptimos.

A tarte de chocolate 
negro com um dulcíssimo caramelo de miso e uma outra merengada feita com yuzu, muito suave e nada amarga, são duas sobremesas altamente recomendáveis neste Gion (ambas a 5€).

*As críticas da Time Out dizem respeito a uma ou mais visitas feitas pelos críticos da revista, de forma anónima, à data de publicação em papel. Não nos responsabilizamos nem actualizamos informações relativas a alterações de chef, carta ou espaço. Foi assim que aconteceu.

Por Ricardo Capitão

Publicado:

Nome do local Gion
Contato
Endereço Rua do Comércio do Porto, 197
Porto
4050-253
Horário Ter-Qui 12.30-15.00/19.30-23.00, Sex-Sáb 12.30-15.00/ 19.30-00.00, Dom 12.30-15.00
Preço Até 30€
É o proprietário deste estabelecimento?
Static map showing venue location
LiveReviews|0
1 person listening