A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
clementinAtelier
clementinAtelier/FacebookJarras clementinAtelier

Este Natal é frágil: compre e ofereça marcas portuguesas de cerâmica

Uma loiça aqui, outra acolá, desde que tenham selo português. Tire ideias para os presentes de Natal

Escrito por
Francisca Dias Real
Publicidade

Oferecer loiça deixou de ser visto como mais uma bugiganga para o armário dos bibelots, isto se tivermos em atenção o que estamos a comprar e a oferecer, que é como quem diz, se estivermos a apoiar os artesãos portugueses. Uma jarrinha nova, uma travessa original, uma caneca inquebrável (ou quase, vá), uma malga catita ou mesmo uma peça de barro em bruto, como antigamente – há uma série de possibilidades seguras para oferecer e apoiar o que de melhor se faz por cá. Pare de atirar o barro à parede e atire estas marcas portuguesas de cerâmica para debaixo da árvore. Com cuidado – isto parte-se. 

Recomendado: Os melhores chás para oferecer este Natal

O famoso ateliê de cerâmica Studioneves, dos brasileiros Gabi Neves e Alex Hell, dedicado às cerâmicas de autor para restauração, lançou este Verão pela primeira vez uma linha de casa, acessível a todos na loja online. Estas são as novas cores disponíveis para as canecas da colecção.  

Preço: 29,50€ 

Está no topo das melhores lojas de decoração da cidade, das almofadas tatuadas à tapeçaria delicada, tudo bate a bota com a perdigota na Puracal. Aqui a marca recuou ao imaginário pop dos anos 80, reinterpretando-o com a manufactura vernacular portuguesa. Como se quer. 

Preço: 52€

Publicidade

Nascida em 2015 numa mesa de café em Berlim, a Madre é uma marca a pensar nos que passam a vida na cozinha e no escritório, tal como as designers responsáveis, Ana Areias e Raquel Rei. As linhas minimalistas e a versatilidade de cada peça marcam uma oferta feita em cerâmica, barro vermelho e vidro, com apontamentos em latão e em madeira. Este singelo copo pode levar chá, umas florinhas ou servir de porta-lápis. Quem compra escolhe. 

Preço: 8€

A Malga vem dos tempos em que Mariana Filipe se lembra de os pais cozinharem em panelas de barro, e do mestrado em design de produto que acabaria por ser aplicado na cerâmica. Aprendeu a modelar em roda de oleiro – e continua a usá-la. Dela nasceram os Cochos, a colecção em barro vidrado, com pratos, taças, chávenas, conchas e cortiços (pratos-tábua). Há ainda uma colecção de peças úteis para a casa, da qual faz parte este jarro.

Preço: 25€

Publicidade

Fundada em 2010, a marca Margarida Fabrica, criada por Margarida M. Fernandes, continua firme e hirta na produção artesanal de cerâmica. As peças de Margarida inserem-se quase sempre no universo da cozinha e em tudo o que é utilidade no dia-a-dia. Há copos, pratos, tigelas, jarras e até candeeiros, tudo discreto e minimalista. Ah, e faltam aqui as travessas, sempre de vários tamanhos e formatos.

Preço: 55€-86€ 

Rita Machado descobriu o seu amor pela cerâmica e é ela que todos os dias põe as mãos na massa para fazer nascer as peças especiais da clementinAtelier, que remetem quase sempre um universo da natureza e com texturas incríveis, das jarras aos pratos. Esta jarra delicada é exemplo dessas criações artesanais.  

Preço: 42

Publicidade

Esta é cerâmica 100% portuguesa, claro, e uma marca com preocupações éticas e sustentáveis na produção das respectivas peças. Dedicam-se sobretudo ao fabrico de peças para a mesa, com conjuntos minimalistas de pratos e bowls simples, sempre com colecções novas a cada temporada. É estar atento.

Preço: 5,20€ 

Abriu loja em Lisboa, mas fechou-a. Não é por isso, no entanto, que a ceramista francesa Cécile Mestelan deixou de trabalhar a massa – agora fá-lo num novo ateliê no mesmo bairro e com o mesmo vigor de sempre. Pratos grandes, outros mais pequenos, taças, chávenas de café, copos, caixas ou bules – tudo feito cuidadosamente à mão, tornando cada peça única, e com um leque de cores que salta à vista. A loja online é o principal veículo de vendas, mas é possível fazer marcação para visitar o ateliê para ver peças como este copinho catita ao vivo.

Preço: 20€

Publicidade

As criações em cerâmica de Anna Westerlund andavam por aqui e por ali, entre o site e as concept stores de Lisboa, mas desde que abriu a (TOGETHER), a sua loja no Chiado, que a marca deu aquele passo que precisava para se consolidar à séria e mostrar ao público este trabalho artesanal. É conhecida pelas peças de cerâmica coloridas, mas nesta colecção a ceramista ficou-se pelos pretos e brancos, numa colecção sóbria mas sempre sem perder a identidade.

Preço: 96€ (jarro preto e branco); 98€ (jarro branco alto); 65€ (jarro bolas), 92€ (jarro branco médio)

A Maria Atarefada é uma loja de loiça a peso, mas quando explorada com tempo, revela outros predicados. A começar na decoração da própria loja, feita com móveis restaurados pelas próprias donas, mãe e filha - Maria e Carolina Alcoforado. Já as loiças, são sobretudo utilitárias, mas sempre com um quê de anti-tédio. Tem loja em Benfica, com dois pisos para se perder entre cerâmicas, mas as novidades vão sendo sempre anunciadas no Facebook ou Instagram, onde também é possível fazer encomendas que são enviadas para todo o mundo. 

Preço: 7,50€ (pequena); 15€ (grande)

Publicidade

O Nü Coworking Criativo, no Bonfim, nasceu da necessidade de Manu Souza ter um espaço onde cozer as suas peças de cerâmica. Vai daí, juntou no mesmo lugar, pessoas de vários quadrantes, mas continua sempre a fazer das suas e também é lá que pode encontrar algumas das suas peças, como este pote que pode ser tanto para plantas ou como uma tigela. Está disponível em vários tamanhos.

Preço: 24€ 

A cerâmica negra faz parte da história ancestral do norte do país, que utiliza uma técnica que torna o barro negro sem usar qualquer pigmento de cor. Uma técnica que hoje já poucos se dedicam a ela, o que a torna única. A The Kiln Company encarrega-se, através de processos artesanais e de forma sustentável, de manter parte dessa tradição viva, assim como a natureza. Este prato é um exemplar que o prova.

Preço: 14€

Publicidade

As peças da Bisarro remontam também à tradição do barro negro, feito a partir da velha técnica da Soenga, um forno artesanal feito no solo que está na base do processo de transformação da cor do barro. O que a Bisarro tenta fazer é o equilíbrio entre a tradição ancestral e o design actual e utilidade das peças, como a deste pequeno pote que pode ir para à cozinha ou simplesmente ser um guarda-jóias.

Preço: 55€

Esta marca nacional de louça em grés fino, que exporta grande parte da sua produção, não é novidade para ninguém e tem de tudo um pouco ao nível das utilidades para celebrar a arte de bem servir. Vai um pratinho para bolos?

Preço: 36€ 

Publicidade

Mariana Poppe começou a participar em workshops nos tempos livres e apanhou-lhe o gosto, coisa que culminou na criação do seu próprio ateliê de cerâmica. Todas as peças da marca são feitas pela ceramista, à mão e com processos artesanais, e sempre em pequenas quantidades de cada vez, não havendo duas peças iguais. As suas criações são simples, minimalistas e o mais utilitárias possível, como estas malgas com descanso para os pauzinhos.

Preço: 30€ 

Inspirada na azulejaria dos edifícios de Olhão, de onde é originária, a Casa Cubista é conhecida pelos seus traços e cores que aliam a tradição cerâmica à modernidade das criações. Pratos e pratinhos, jarros e jarrões, é escolher a colecção e ir fazendo pandã com esta ou aquela peça, que pode encontrar na loja D'Olival Casa.

Preço: 25€

Ideias para o sapatinho

  • Compras

A resolução de Ano Novo repete-se: poupar. Mas depois chega o Natal e é um descontrolo. Prenda para a mãe, para o pai, para o cão, para a tia afastada, para o colega de trabalho que calhou no sorteio do amigo secreto... Prendas para este mundo e o outro. Não desespere nem peça já um empréstimo: juntámos uma lista de 50 presentes, todos até 10 euros. Para elas, para eles, para os mais novos e até para a casa (sim, o mais seguro é comprar qualquer coisa para a casa da tia afastada). Isto é que vai ser poupar. No final, até pode escolher qualquer coisinha para si. Boas compras.

  • Compras

Se não é dado a consumismos e se, para si, no Natal dão-se mas é lembranças, daquelas de que a conta bancária nem se vai lembrar no mês seguinte, não vá mais longe: aqui encontra presentes de Natal até cinco euros. E nem por isso são presentes sem jeito. Comece por fazer uma lista de pessoas a quem quer dar prenda e comece a riscar nomes com estas sugestões. Tem opções para vários tipos de receptores de presentes, das clássicas meias ao vinho para regar a consoada, artigos sustentáveis e muitos deles portugueses.

Publicidade
  • Compras

Andamos de um lado para o outro num frenesim só em busca da prenda perfeita para o Natal, mas agora, que o que se quer é evitar os grandes centros de consumo da cidade, dá jeito uma ajudinha a escolher, não é? Ora, para evitar que o verdadeiro espírito de Natal fique esquecido entre as incertezas deste ano, mesmo que no nosso pensamento estejam aqueles de quem mais gostamos, o melhor é anotar algumas ideias de presentes de Natal solidários. Felizmente multiplicam-se as campanhas que apelam à solidariedade e agora pode aproveitar o espírito natalício para ajudar e inspirar-se para 2021. Porque o Natal é sempre que cada um de nós o quiser.

  • Compras

O mundo está cada vez mais atento à pegada ecológica: luta-se pela justiça climática, por uma transição justa que garanta a neutralidade de carbono até ao ano de 2030 e, apesar de ser quase impossível imaginar um dia-a-dia sem plásticos, o Parlamento Europeu pretende proibir os descartáveis, como talheres, copos ou palhinhas até 2021 (está quase aí). Afinal, comprar sustentável já não é um bicho-de-sete-cabeças e para muitos é um verdadeiro estilo de vida. É a pensar no planeta e nos seres que o povoam que sugerimos alternativas de presentes de Natal amigos do ambiente: sustentáveis e fáceis de reutilizar ou reciclar. As propostas são para todos e para todas as carteiras, desde cestas artesanais a sapatos vegan, sem esquecer produtos feitos com plástico ou madeira reciclada. O difícil vai ser escolher, mas pode aproveitar para apontar ideias para (pelo menos) os próximos dez natais.

Publicidade
  • Compras

Dezembro era sempre aquele mês de fazer da agenda um puzzle de jantares com amigos, colegas e familiares. Uma azáfama. Este ano não haverá grandes jantaradas e a troca de prendas de amigo secreto tem de ser repensada e comedida. Mas pode começar mais cedo a pensar no que dar ao comparsa para não deixar para a última e comprar uma bagatela qualquer. Se entrou no espírito da época, comece lá a riscar nomes dessa lista com estas ideias de presentes para o amigo secreto – há sugestões incríveis (e estúpidas) para todos os gostos, das meias ao jogo divertido.

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade