No ateliê de... Paulo Santos Rodrigo e Raquel Silva e Sá

Esta dupla de arquitectos é especialista em emoldurar sentimentos e em colocá-los em prateleiras
Paulo Santos Rodrigues & Raquel Silva Sá
©Marco Duarte Paulo Santos Rodrigues & Raquel Silva Sá
Por Mariana Morais Pinheiro |
Publicidade

O senhor Fernandes trava-nos o passo. “Vão subir a pé? É que um primeiro andar neste prédio equivale a um quinto”, diz desencorajador o porteiro, enquanto nos empurra para dentro do elevador e fecha a portinhola de fole. “Vão em frente e depois viram à esquerda”, acrescenta.

O edifício Garagem Comércio do Porto, construído entre 1927 e 1932 por Rogério 
de Azevedo, com uma das frentes viradas para a Praça D. Filipa de Lencastre, é uma das construções mais icónicas da arquitectura modernista
 do Porto. Nos pisos inferiores ficam as garagens, cuja ligação entre pisos se faz através de uma rampa em forma de hélice; nos pisos superiores estão os escritórios, distribuídos por longos corredores de portas numeradas.

É aqui que funciona o Suave – Gestão Património Afectivo, o ateliê dos arquitectos Paulo Santos Rodrigo e Raquel
 Silva Sá. “Trabalhamos juntos há quatro anos e há três mudamo-nos para aqui. Encontrei na Raquel a mesma sensibilidade estética”, conta Paulo, extrovertido, que chegou carregado de discos. “Na verdade, este espaço começou por ser um depósito das minhas revistas e dos meus discos. Tenho para aqui toda a história da pop”, ri. Além de fazerem projectos de raiz, reabilitações de edifícios históricos ou remodelação de apartamentos, esta dupla dedica-se também a gerir o património afectivo dos outros.

“Fazemos projectos de decoração de interiores, aproveitando objectos pessoais ou com valor sentimental. Reorganizamos o espaço, a um preço acessível”,explica 
o arquitecto, acrescentando que a identidade das casas se perdeu com o aparecimento de programas de televisão como o Querido Mudei a Casa.

“Se um cliente tem discos e tem livros, devem estar à vista. Se guardar tudo, vai acabar
 por se esquecer e não usufruir deles”, diz Raquel. “Por isso, aos sábados de manhã corremos
 os antiquários, as lojas de decoração e de ferragens 
todas aqui da zona”, remata.

No ateliê de... Paulo Santos Rodrigo e Raquel Silva e Sá

Taça Lágrima
©DR

Taça Lágrima

“É da Maria Joana Duarte. O ateliê dela é aqui no prédio. As peças são feitas à mão e estão à venda na Scar.id”, conta Raquel. “Acho que foi esta peça que apareceu na Vogue inglesa sem ninguém contar" acrescenta Paulo.

À venda por 28€ em lagrimastudio.com

Elvis - Pork Salad Annie
©DR

Disco

“Foi o meu primeiro disco”, conta o arquitecto. “Para mim, o Elvis é o herói absoluto. Este Polk Salad Annie é de 1977. Ouvi a notícia da morte do Elvis na rádio e desatei a chorar. Tinha nove anos e tinha tido uma otite.”

Publicidade
Bossypants - Tina Fey
©DR

Livro

“Comprei-o em Londres. Ela é capaz de ser a melhor comediante americana. É uma inspiração. Porquê? Porque tem pouca sensibilidade e pouco bom senso”, ri Paulo, acrescentando que, tanto ele como Raquel, são fãs da actriz da série 30 Rock.


À venda na Amazon por 7,75€.

Diário de Bordo de Fernando Távora, 1960
©DR

Diário de Fernando Távora, 1960

Conjunto de desenhos e textos entre 13 de Fevereiro e 12 Junho de 1960. É o arquitecto favoritos de ambos.

À venda em wook.pt por 40€.

Publicidade
Velas
©DR

Velas

“O Paulo Cassio é uma das pessoas com quem mais nos identificamos no Porto e estas velas são dele”, dizem. Estão à venda no site e na da Rua do Campo Alegre, onde há mobiliário a peças de decoração.

À venda em cassiostore.com a partir de 32€.

The New Yorker
©DR

Revistas

Há centenas espalhadas pelo escritório, algumas com várias décadas. A i-D é do início dos anos 90. Ao lado está a última Face a ser editada – é de 2004 – e, por cima, uma capa icónica da New Yorker.

Também poderá gostar de...

A sala de Fernando Marques de Oliveira
©João Saramago
Compras

Na casa de... Fernando Marques de Oliveira

Um cadeirão em tecido brocado com uns braços de madeira aconchegantes, do tempo de Napoleão III, ocupa o centro da sala. Há peças da Companhia das Índias sobre a mesa em frente ao sofá, e outras mais recentes, como os quadros de Fernando Marques de Oliveira pendurados pelas paredes cheias. 

Publicidade