Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Porto icon-chevron-right Viagens: Casa de São Lourenço, um paraíso na Serra

Atenção, continuamos a tentar dar-lhe a informação mais actualizada. Mas os tempos são instáveis, por isso confirme sempre antes de sair de casa.

Casa de São Lourenço1/6
Casa de São Lourenço2/6
©DRCasa de São Lourenço
Casa de São Lourenço3/6
Casa de São Lourenço4/6
Casa de São Lourenço5/6
Casa de São Lourenço6/6

Viagens: Casa de São Lourenço, um paraíso na Serra

Depois de anos ao abandono, a Serra da Estrela renasceu pela mão de um casal que caiu de amor pela natureza selvagem e pelo património cultural
 da montanha

Por Nelma Viana
Publicidade

No dia 1 de Agosto de 1881, partia da capital a primeira expedição científica à Serra 
da Estrela. Precisamente 138 anos depois, reproduzimos
 os passos da comitiva de 23 carruagens onde seguiam
 Brito Capello, Sousa Martins e Mouzinho de Albuquerque, entre muitos outros representantes
 da Sociedade de Geografia de Lisboa, e subimos aos 1200 metros de altitude para uma visita cronológica à antiga estância sanatorial do país.

No lugar da velhinha Pousada de São Lourenço, construída na década de 40 para ser “um hotel que não se parecesse com um hotel” e onde os hóspedes não podiam pernoitar mais do que cinco noites seguidas devido à enorme procura de quem subia a serra atrás do seu ar puro, nasceu, há menos de um ano, o primeiro hotel de montanha de cinco estrelas. Com uma vista única sobre o Vale Glaciar, a Serra da Estrela e a vila de Manteigas,
 a Casa de São Lourenço – Burel Panorama Hotel anuncia logo 
no nome aquilo a que vem: dar continuidade a um projecto sustentável de valorização do património local sob a asa da marca Burel Mountain Originals.

João Tomás e Isabel Costa 
não trocaram Lisboa pela serra, mas é lá que passam grande parte do tempo, entre o hotel
de design Casa das Penhas Douradas, uns metros acima, e 
a Burel Factory, em Manteigas, que devolveu à localidade a produção de um tecido ancestral feito a partir da lã de ovelhas bordaleiras. E a história, claro está, repetiu-se: João, grande adepto de longas caminhadas pelos trilhos selvagens da serra, apaixonou-se pela paisagem e rapidamente decidiu que teria de criar ali qualquer coisa. Ao mesmo tempo, a mulher, Isabel, começou a pôr em marcha um plano para reactivar a antiga fábrica de lã da vila, usando apenas as máquinas e os teares originais. E de repente, a Serra da Estrela, na ressaca dos tempos de glória do turismo de montanha da década de 50, ganhou três projectos ambiciosos que mudaram aquele pedaço de terra esquecido.

Da antiga pousada ficou a estrutura do edifício principal, a memória preservada da
 obra de Rogério de Azevedo 
e o mobiliário dos anos 40, desenhado à medida por Maria Keil, cujos desenhos icónicos do lobo, da estrela e da flor foram replicados e aproveitados para a identidade da nova casa.

A entrada já não se faz pelo mesmo sítio e os três aposentos iniciais multiplicaram-se em 17 quartos e quatro suítes virados para a serra. Lá dentro convivem harmoniosamente alguns originais, como as lareiras de pedra e a sala de
 estar em madeira com peças contemporâneas de designers portugueses – a cadeira Shell, de Marco Sousa Santos, é o exemplo mais óbvio, mesmo para quem não se aventura muito nos meandros da arte.

Casa de São Lourenço

Hotéis Hotéis de luxo

O burel é usado como elemento agregador de uma estética exemplar e isso só é possível quando a matéria-prima está logo ali à mão de semear. Não é por isso de estranhar 
que se encontrem paredes 
e móveis forrados a burel, 
tectos adornados com fitas que aproveitam os desperdícios da fábrica, quadros floridos cosidos à mão e uma cúpula convertida em saleta com lareira
 coberta de lã.

Aproveitando o privilégio 
da altitude e os bons ares da serra, o spa é uma continuação da história do hotel e traz para dentro de portas uma piscina panorâmica aquecida, com passagem para o exterior e onde apetece ficar de molho a ver
a serra, mesmo nos dias mais rigorosos de Inverno. Logo ao lado, para eliminar qualquer vestígio de stress, há salas de massagens, sauna e banho turco.

À hora das refeições, importa dizer que não vai querer sair do hotel. Não só porque os 11 km que distam até Manteigas são penosos para quem enjoa em trajectos de curva-contracurva, mas sobretudo porque o chef Manuel Figueira tratou de desenhar uma carta que olha para os sabores tradicionais da Beira como ponto de
partida para uma abordagem mais contemporânea e
 criativa, mantendo, porém, a autenticidade da gastronomia local. Os pastéis de massa tenra recheados com cabrito desfiado são obrigatórios, mas avisamos já que são altamente viciantes, pelo que o mais provável é querer repetir a dose em todas as refeições. Chegam à mesa aos três e são óptimos para acompanhar com um copo
dos muitos (e bons) vinhos disponíveis na garrafeira.

E porque ainda estamos longe daquela altura do ano em que a neve toma conta da paisagem, vale a pena dar corda aos sapatos e ir explorar os trilhos em
 redor do hotel. Há os oficiais, demarcados por estacas de madeira, e os outros, descobertos por João Tomás, e que seguem um rigoroso e organizadíssimo trajecto orientado por mariolas (aqueles montinhos de pedras que se encontram pelo caminho e que eram usados pelos pastores como ponto de referência). Num deles, com duração de cerca de duas horas, respira-se a paisagem moldada pelos glaciares, descobrem-se formações rochosas surpreendentes, antigos sanatórios e lagoas de água azul turquesa onde vai querer parar para mergulhar. No Vale do Rossim, fica a dica, a temperatura da água ronda os 24 ºC e a toda a volta há pequenas enseadas de pedra para desdobrar a toalha 
e estender o farnel. Antes de se pôr a caminho, peça na recepção um mapa e uma cesta de piquenique. Também há calçado de caminhada para quem, como nós, se esqueceu das sapatilhas.

Já de regresso ao hotel, sirva-se do lanche preparado para
os hóspedes, ocupe uma das mesas do terraço e deixe-se ficar no embalo da paisagem até ao sol se pôr e a vila de Manteigas se transformar num carreiro de luzinhas que dão o dia por terminado.

Mais viagens para fazer

Cerdeira – Home of Creativity
DR

Viagens: a criatividade mora na Serra da Lousã

Viagens

Sempre que as previsões apontam para queda de neve na Serra da Estrela, significa que as estradas até à Torre vão, eventualmente, ficar cortadas. Portugal padece deste mal de não saber funcionar com condições climatéricas extremas (chove, há inundações; neva, cortam-se acessos; está calor, deixa de haver água), mas como também é um país que sabe, como nenhum outro, viver em negação permanente, todo o santo ano lá vai disto de mandar as pessoas à Serra da Estrela como se fosse possível lá chegar. Ora, não é direito do cidadão comum poder ir à Serra sem ter de pernoitar no carro à beira da estrada? Pois é. Por isso mesmo, este mês a sugestão é que suba a outra serra, a da Lousã, sem medo de ficar pelo caminho.
 Não prometemos neve mas uma experiência imersiva na natureza e no património em estado puro.

SUL Villas & Suítes
© Paulo Goulart

Viagens: A SUL, tudo vai bem

Viagens

Só há duas formas possíveis de amar os Açores: muito e muito mais. Não importa o clima esquizofrénico que passa pelas quatro estações do ano no mesmo dia, obrigando a sucessivos “tira casaco, põe casaco”, nem tão pouco a ligeira claustrofobia provocada pela insularidade. Os Açores existem para apaixonar, mas sobretudo para provar que será sempre o oceano a esconder os tesouros mais valiosos. Neste caso, uma caixinha de jóias verde-esmeralda que tem em São Miguel o ponto de partida para ir à descoberta das nove ilhas do Arquipélago. Trouxe-nos de volta a abertura do SUL Villas & Spa, o primeiro projecto a solo de Rodrigo Herédia, já experiente nas lides da hotelaria desde que em 2017 se juntou a João Reis para dar vida ao White Exclusive Suites & Villas. Podíamos dizer que desde então houve uma transformação radical na vida e dinâmica da povoação, mas a verdade é que não. Está tudo mais ou menos na mesma, e isso só tem sido possível pelo simples facto de os dois projectos de alojamento terem uma existência tão discreta quanto possível – e de a própria freguesia de Lagoa ser muito dona de si e, portanto, relativamente avessa a mudanças bruscas. Conhecida sobretudo pelas festas populares, romarias e turismo de natureza, agora passa também a ser o refúgio para onde fugir quando for preciso recuperar do frenesim das longas caminhadas, dos mergulhos e do sobe-e-desce a que uma visita aos Açores naturalmente obriga. Sem nunca perder pitada do

Publicidade
casa mãe
© DR

Viagens: sete ideias para viajar e aprender

Viagens

O Booking lançou recentemente as tendências de viagem para 2019. Surpreendentemente, numa altura em que parece que cada vez mais se viaja só para alimentar as redes sociais, a maioria dos viajantes globais manifestaram preferência por destinos com hotéis onde possam desenvolver uma nova competência. Com isso em mente, elegemos os melhores workshops e aulas de hotéis, turismos rurais e casas de campo, para que possa entrar na onda do turismo em 2019 e aproveitar que vai dar uma volta para aprender qualquer coisinha. Junte os amigos e vá à descoberta. Recomendado: Roma alternativa: Garbatella, o bairro favorito de Nani Moretti

Herdade do Sobroso
© DR

Viagens: Herdade do Sobroso, um oásis de tranquilidade no Alqueva

Viagens Escapadas

Há quanto tempo não vê um pirilampo? Pense por uns segundos. Há anos? Décadas? Os vaga-lumes desapareceram do nosso quotidiano e qualquer dia estamos a explicar aos nossos filhos que existe uma espécie de insectos com uma espécie de lâmpada na cauda e eles vão achar que estamos a gozar com eles. Mas os pirilampos existem e podem ser encontrados em sítios onde a natureza permanece imperturbada. São insectos frágeis que desaparecem às menores alterações no seu ecossistema – poluição, ruído e outros excessos praticados pela espécie humana. Se nos deparamos com uma destas criaturas quase-míticas, é porque estamos num lugar onde o ar é mais puro e a natureza consegue encontrar algum equilíbrio. Na Herdade do Sobroso, naquele Alentejo plano e de céus altos, é possível avistar pirilampos. O que quer dizer que o ar que está a entrar nos nossos pulmões possui um elevado grau de pureza. Que alegria. A herdade fica no centro de um triângulo formado por Vidigueira, Alqueva e Moura. Tem o Guadiana ali mesmo ao lado, umas sobras da barragem que mudou para sempre a paisagem  daquela zona do país a partir de 2002. A estrada para este retiro vinícola (é hotel, adega e restaurante) é uma das mais bonitas do Alentejo oriental – no caminho estreito para a Vidigueira há olivais, vinhas e outros tipos de exploração agrícola associadas àquela parte do país. Em resumo, um acompanhamento visual  às nossas aulas de Meio Físico e Social. Mas também se avistam cavalos, corsas e veados, o que transform

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade