Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Porto icon-chevron-right A Universidade do Porto vai catalogar aranhas (e não só)
Notícias / Vida urbana

A Universidade do Porto vai catalogar aranhas (e não só)

Reitoria Universidade do Porto
© DR Reitoria Universidade do Porto

O Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO-InBIO) da Universidade do Porto é a primeira instituição portuguesa a participar no Global Malaise Program.

Segundo a Universidade do Porto, este projecto pioneiro tem como objectivo catalogar artrópodes terrestres – um grupo que concentra 80% das espécies conhecidas e inclui animais como aranhas e borboletas – utilizando uma técnica inovadora de identificação de espécies através do ADN.

Os animais estudados são invertebrados, com exoesqueleto, apêndices articulados e corpo segmentado, que têm “grande importância ecológica” e são “elementos fundamentais” das cadeias alimentares e económicas, explicou à Lusa a investigadora do CIBIO-InBIO Sónia Ferreira.

Animais como abelhas, besouros, libelinhas e escorpiões "são fulcrais a todos os níveis, desde o mais agradável em termos humanos, como a produção do mel, até toda a reciclagem e decomposição, seja de corpos animais seja de matéria vegetal, passando pela agricultura" afirma a investigadora.

O Global Malaise Program – liderado pelo Centre for Biodiversity Genomics da Universidade de Guelph, no Canadá – surgiu porque o conhecimento acerca destas espécies ainda é limitado. O projecto envolve mais de 60 instituições de 30 países e utiliza uma técnica chamada DNA barcoding (código de barras de ADN).

Desde o arranque do programa em 2012 já foram catalogadas mais de 106 mil espécies e estima-se que haja mais de um milhão. À volta de metade dessas espécies ainda não tinha sido registada no BOLD (Barcode of Life Data Systems), a base de dados genéticos mundial.

De modo a analisar os animais são utilizadas armadilhas Malaise, estruturas em forma de tenda que possibilitam a recolha de amostras de artrópodes terrestres.

Em Portugal foram instaladas duas armadilhas, uma em Vila do Conde e outra em Vimioso, locais que representam diferentes regiões biogeográficas. As amostras serão recolhidas semanalmente e enviadas para o Canadá para análise.

Segundo Sónia Ferreira, estão catalogados no sistema BOLD os códigos de 700 espécies de artrópodes em Portugal.

Universidade do Porto bate recorde de estudantes estrangeiros

Publicidade
Publicidade