A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Framing Britney
DRO documentário do 'The New York Times' é transmitido no Canal Odisseia

‘Framing Britney Spears’ chega à televisão na próxima segunda-feira

Documentário sobre a carreira atribulada de Britney Spears passa no Canal Odisseia a 22 de Fevereiro, dando a conhecer o assédio que a artista sofreu ao longo dos anos.

https://d32dbz94xv1iru.cloudfront.net/customer_photos/14d3bbef-59cc-4753-a960-2f64c64804b1.jpg
Escrito por
Sebastião Almeida
Publicidade

Chegou com estrondo ao serviço de streaming Hulu no início de Fevereiro. Tanto que, poucos dias após a estreia de Framing Britney Spears, documentário sobre a batalha legal da cantora contra a tutela que o pai, Jamie Spears, exerceu durante mais de uma década sobre os seus bens e vida pessoal, o Canal Odisseia anunciou a estreia em Portugal da investigação produzida pelo jornal The New York Times, na próxima segunda-feira, às 22.00.

O documentário que tem agitado as redes sociais propõe-se a investigar a tutela legal imposta à cantora, depois de em 2008, à altura com 26 anos, ter sido internada num hospital psiquiátrico a mando do pai. Basta olhar para os últimos 30 anos para entender como a estrela da pop sempre foi um alvo fácil da opinião pública, alimentando polémicas sumarentas, que os tablóides nunca deixaram cair em esquecimento.

Sobre o documentário, o jornal britânico The Guardian escreve que é feita “uma reconstrução da carreira de Spears através de uma lente moderna, pós-#MeToo”, dando como exemplos acontecimentos que, sob esse prisma, actualmente seriam tidos como inapropriados. É o caso de uma das primeiras aparições de Britney na televisão, à altura com dez anos, no programa Star Search, de Ed McMahon. Depois de uma actuação “arrasadora”, o apresentador sexagenário diz a Britney que tem uns olhos bonitos e pergunta-lhe se quer ser sua namorada; ou das sucessivas polémicas sobre a virgindade da cantora e sobre a colocação de implantes mamários.

Além de entrevistas e depoimentos de pessoas próximas a Britney Spears, o filme explora também o movimento #FreeBritney, criado em 2009 por um grupo de fãs que desde então procura expor que a tutela legal implementada pelo progenitor nunca passou senão de um estratagema para controlar a filha e o seu dinheiro.

Desde que o documentário foi lançado, no início do mês, as redes sociais têm sido palco de reacções de várias celebridades: a actriz Valerie Bertinelli descreveu o filme como “um murro no estômago”, na rede social Twitter; Hayley William, vocalista dos Paramore, afirmou também na mesma rede social que “nenhum artista deveria ter de enfrentar a tortura literal que os media/sociedade/ultra-misóginos infligiram sobre ela”; e Courtney Love, por sua vez, pediu “desculpa” à cantora.

A batalha legal em curso contra o controlo da carreira e dos bens financeiros e imobiliários da artista tomou um novo rumo no Verão passado, quando o tribunal atribuiu um tutor independente temporário a Spears, depois de o pai em 2019 ter-se declarado inapto devido a problemas de saúde. A cantora deixou também claro que não quer mais o pai no papel de conservador dos seus bens e carreira, acrescentando que tem medo dele e que não falam há um longo período de tempo.

O novo documentário sobre a estrela da pop escrutina todas estas questões, examinando também como os media e a indústria da música contribuíram ou fecharam os olhos ao tratamento abusivo que Britney Spears sofreu desde tenra idade. O filme “apresenta, de forma abrangente, a misoginia às claras e sistémica que Spears (e que por extensão qualquer jovem mulher artista) enfrentou e enfrenta às mãos da indústria bem como fora dela”, conclui The Guardian.

+ Dez músicas para dançar sozinho

+ As melhores músicas de karaoke para brilhar

Últimas notícias

    Publicidade