A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Exposição 'Partir' de Júlio Dolbeth e Mariana a Miserável
© DRA exposição pode ser visitada até 14 de Janeiro de 2021

Júlio Dolbeth e Mariana a Miserável apresentam exposição de cerâmica

A exposição baseia-se numa técnica ancestral japonesa de reparar cerâmicas partidas, conhecida por Kintsugi. Pode ser vista na Senhora Presidenta até 14 de Janeiro.

Por Ana Patrícia Silva
Publicidade

Esta exposição deveria ter acontecido em Abril deste ano, depois de uma viagem pelo Japão, de uma mostra numa galeria em Tóquio, de recolher imagens, palavras e realidades diferentes e de maturar essas ideias novas. Mas a pandemia virou o mundo do avesso. Concebida com o apoio da Câmara Municipal do Porto, através do programa Shuttle, de apoio à internacionalização dos artistas, esta mostra de Júlio Dolbeth e Mariana a Miserável, que pode agora ser vista na galeria Senhora Presidenta, não se assume como um acto encerrado.

As peças em cerâmica que integram a série PARTIR estão a ser trabalhadas desde Outubro de 2019 na Cooperativa Árvore e são complementadas com alguns desenhos. A proposta temática baseia-se na interpretação da técnica ancestral japonesa Kintsugi, que realça a perfeição das imperfeições e encara as falhas não como defeitos, mas como factores de evolução. Esta forma de recuperação, que sobressai as cicatrizes, prolonga a vida destas peças, imprimindo-lhes valor e reforçando a sua singular beleza através do erro ou do acidente. 

PARTIR
© DR

"Numa época onde o consumismo é privilegiado, o Kintsugi surge como um lugar de contemplação, de afirmação do belo, ancorado na história e nas narrativas possíveis que as peças cerâmicas têm para contar", referem os artistas em nota de imprensa. "Interessa-nos criar uma ponte entre o figurado tradicional português, em particular o artesanato da região norte de Portugal, referenciando nomes como Rosa Ramalho e a tradição cerâmica milenar japonesa."

Cada peça é única na forma como cai e se desfaz, um registo imprevisível e uma surpresa absoluta que "tem de ser aceite como é". O mesmo acontece com os seres humanos, que ao longo da vida vão caindo e colando os cacos: "Caímos, partimo-nos aos bocadinhos, aproveitamos o que resta, colamos os fragmentos, ficamos com cicatrizes".

PARTIR
© DR

Nesta exposição é proposta uma metáfora: as cerâmicas são ficções, são pessoas, são fragmentos biográficos. Através da lógica da técnica artesanal de recuperação, reforçam-se ligações e inventam-se laços de união a emancipar significados. O título, PARTIR, remete para a fragmentação em cacos, mas também para a viagem – partir como ida, como a procura de um lugar emocional, onde as feridas são sanadas e transformadas em material visual através da ilustração.

PARTIR
© DR

Para já, estas peças ainda se encontram intactas. O objectivo será enviar algumas delas mal acondicionadas para a galeria Almost Perfect, em Tóquio, de forma a que partam pelo caminho, revelando assim a beleza das suas mazelas. 

PARTIR
© DR

A exposição pode ser vista na Senhora Presidenta até 14 de Janeiro de 2021. A galeria está aberta quinta e sexta-feira, das 14.00 às 19.00, e ao sábado, das 10.00 às 13.00. Quem quiser visitar fora do horário normal, pode contactar via email (senhorapresidenta@gmail.com) ou telemóvel (911 589 193) para averiguar a disponibilidade. As entradas são limitadas a quatro pessoas de cada vez e o uso de máscara é obrigatório.

Rua Joaquim António Aguiar 65, Bonfim (Porto). Qui-Sex 14.00-19.00, Sáb 10.00-13.00. Entrada livre.

+ Exposições a não perder no Porto

Leia aqui a edição online e gratuita da Time Out Portugal desta semana

Últimas notícias

    Publicidade