Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Porto icon-chevron-right Kombucha: a bebida que está a fermentar em Guimarães
A primeira fábrica de produção de kombucha no Norte do país é a Camellia
©DR A primeira fábrica de produção de kombucha no Norte do país é a Camellia

Kombucha: a bebida que está a fermentar em Guimarães

Publicidade

A kombucha é uma bebida viva e milenar, elaborada à base de chá, açúcar e uma simbiose de bactérias boas. A primeira fábrica de produção no Norte do país é a Camellia. Fomos conhecer a bebida, as pessoas e as bactérias que a fazem.

Parece um monstro, o scoby. Podíamos jurar que aquela gosma gelatinosa em forma de panqueca gigante seria capaz de nos comer vivos. Numa fase avançada de desenvolvimento, o scoby, o ingrediente principal da kombucha, atinge proporções descomunais. Mas é através dele que nasce esta bebida probiótica e intrigante. Terá surgido no leste asiático por volta de 220 a.C., possivelmente na China, onde era conhecida como “chá da imortalidade”. Ao longo dos séculos alastrou-se por vários países e no ano passado nasceu em Guimarães a primeira fábrica de kombucha do Norte de Portugal.

A Camellia foi criada por Sabrina Silveira, Gabriela Theófilo e Flávio Theófilo, três amigos brasileiros. Quando chegaram a Portugal não encontravam a kombucha que queriam beber e, por isso, lançaram mãos à obra. Fizeram estudos de mercado e perceberam o potencial da bebida no país. Instalaram-se no edifício da ASA, uma antiga fábrica de lençóis convertida num pólo empresarial que acolhe dezenas de pequenos negócios. E tiveram consultoria do produtor brasileiro Rafael Strapazzon na montagem da fábrica.

 

A produção
©DR

 

“Uma coisa é produzir em casa, outra é entrar numa escala industrial, é totalmente diferente”, diz Sabrina Silveira. Têm que controlar a temperatura, o pH, a densidade, fazer medições laboratoriais e testes sensoriais como cheirar, provar, ver a cor, controlar tudo para a bebida não ficar demasiado ácida ou avinagrada. Mas apesar dessa escala industrial, ressalva Sabrina, a Camellia é “uma empresa artesanal”. “Trabalhamos todo o processo só nós os três, a gente cuida de cada garrafinha.” Elas tratam mais da produção, ele do trabalho comercial.

A marca chegou ao mercado em Setembro de 2019 a produzir cerca de três mil litros por mês. Está disponível em garrafas de 33 cl com preços desde 2,75€ e em três variedades: a original tem uma agradável acidez, a de uva é mais doce, e a de gengibre, levemente picante, é a mais procurada. “O nosso diferencial é um nível de pureza a 100%, sem adição de água nem CO2”, explica Flávio. A Camellia Kombucha é 100% pura, 100% biológica, refrigerada e em garrafa de vidro, o que fica “dez vezes mais caro”, mas é garantia da qualidade e sustentabilidade do produto.

Na base usam uma mistura de chá verde e preto biológicos para colher os benefícios de ambos. “Os antioxidantes estão mais presentes no chá verde, mas o chá preto fortalece mais o scoby e o probiótico fica mais forte”, explica Sabrina. Adoçam o chá com açúcar de cana de origem certificada e acrescentam o scoby, uma colónia de bactérias que se alimenta do açúcar e da teína do chá e fermenta naturalmente durante cerca de dez dias no Verão e 12-15 dias no Inverno. Após a fermentação, a bebida pode ser consumida assim ou saborizada com frutas e temperos durante três a cinco dias. Não usam conservantes, aromatizantes nem corantes, nenhum aditivo alimentar.

A fermentação é fascinante. Parece feitiço. O scoby é uma massa mágica de celulose que agrega uma cultura simbiótica de microorganismos e leveduras. Em Novembro, um scoby com mais de 30 quilos foi eleito “funcionário do mês” na fábrica da Camellia. Foram precisas duas pessoas para conseguir pegar nele. Os scobys procriam como coelhos, crescem e multiplicam-
-se constantemente e os seus “filhos” são usados em novas fermentações. “O nosso scoby vem da Alemanha, é biológico e com certificação da qualidade e quantidade dos probióticos”, diz Sabrina. “A mãe scoby fala alemão, mas agora os filhinhos são portugueses”, acrescenta Gabriela, sem conter o riso. Não se assuste com os pedacinhos que nadam no fundo da garrafa – são garantia da pureza.

“Queremos ser um catalisador da mudança alimentar, participar dessa revolução que está a acontecer na cabeça das pessoas de pensar na longevidade. A kombucha é crucial nisso”, diz Flávio. Têm sido atribuídas qualidades à bebida, como a prevenção de doenças, o fortalecimento do sistema imunitário ou a diminuição da ansiedade. Mas nada disto está cientificamente provado. O que se sabe é que a kombucha, por ser um alimento fermentado, é rica em probióticos, que têm efeitos comprovados na saúde intestinal. E intestinos felizes fazem pessoas felizes. A kombucha não é a cura para tudo, mas pode ser uma peça no puzzle de um estilo de vida saudável. E sempre é melhor do que beber refrigerantes.

Os pedidos e os pontos de venda continuam a crescer e tudo aponta para que este seja o Verão da “explosão da kombucha em Portugal”. Para já, a Camellia está a ser distribuída em Guimarães, Braga, Porto e Matosinhos. Para os próximos tempos estão a estudar formas de eliminar o plástico na tampa da garrafa, de ampliar a fábrica, fazer assinaturas mensais, organizar workshops, vender kits para kombucha caseira, criar novos sabores, como frutos vermelhos ou goji, e, quem sabe, um espumante.

 

O produto final. Têm três versões de kombucha
©DR

 

“As pessoas dizem-nos: ‘Finalmente, uma kombucha pura e portuguesa!’ Não vamos mudar isso porque é essa a essência da Camellia. Não precisamos de ser líder de vendas, queremos ser líder de qualidade. Podemos lucrar mais devagar, mas de forma consistente”, afirma Flávio. “Mesmo que a marca cresça, não vamos mudar nunca o nosso processo”, garante Gabriela. “Vamos manter a kombucha sempre pura e artesanal, como a gente faz agora.” 

No distrito do Porto está disponível no daTerra, Vegana by Tentúgal, Apuro, Catraio Craft Beer Shop, Invicta Taproom, FixeBowl, Quintal Bioshop, Bio Mercado, Club Life, entre outros.

Share the story
Últimas notícias
    Publicidade