Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Porto icon-chevron-right Quatro perguntas a... André da Loba
André da Loba expõe na Circus Network
© DR André da Loba em processo de montagem da exposição na Circus Network

Quatro perguntas a... André da Loba

Publicidade

Deveria ter inaugurado a 20 de Março, como a Primavera, uma das protagonistas da exposição. E mesmo com a estação vivida dentro de casa, Vera, Seda, Cavalo, Vapor – exposição que fica na Circus Network até 19 de Junho – ainda faz sentido. Nela, o ilustrador André da Loba reflecte sobre a renovação associada ao ciclo da natureza e às quatro estações, em particular à Primavera. É tempo de sair a visitá-la.

À primeira vista, o nome da exposição parece um conjunto de palavras soltas. Como é que elas inspiraram as obras?

De facto, há uma série de peças soltas que se agregam sob o sentido de regeneração. Queria falar sobre a Primavera e as estações do ano e trabalhar sobre dimensões da nossa vida que nos passam ao lado. Acho que antes da pandemia ninguém tinha prestado tanta atenção à Primavera. Como a exposição é pós-Covid, acrescentámos a frase “Acabada a guerra” à sinopse inicial, que começava com “Chega a Primavera, cheia de pureza, verdade e afecto”. É a ideia de que alguma coisa nova está a surgir.

Que tipo de trabalhos podemos ver?

Esse renascimento é trabalhado em quatro quadros principais. Depois há 16 variações de cada um desses quadros, feitas a partir das formas dos originais.

Andas entre a ilustração para livros infantis, a ilustração editorial e o stop motion. Isto deve-se a uma vontade contínua de experimentação?

O mais comum é arranjar uma maneira coerente de dizer as coisas e dizê-las sempre assim. Eu não consigo olhar para um projecto e trabalhá-lo da mesma forma que há dez anos. Mas sinto que há coisas que são constantes. Uma delas é esta incessante busca pelo novo e por técnicas que me ajudem a melhorar como artista, ser humano e contador de histórias.

Como foi colaborar no novo álbum dos Clã?

Inicialmente, era para ser apenas as capas do álbum e dos singles, mas os designers e produtores dos vídeos perceberam que se podia fazer uma coisa autoral e corresponder ao que os Clã procuravam. Como iam lançar o CD e não podiam tocá-lo ao vivo, lançaram o single "Armário", que assustadoramente fazia muito sentido. Nem eu nem a Joana X somos animadores profissionais, mas fizemos o vídeo em duas semanas e foi um sucesso inesperado. Entretanto já me levou a outras coisas. É sempre assim. Trabalho gera trabalho.

 

André da Loba expõe na Circus Network

 

As formas simples e as cores vivas habitam a obra de André da Loba© DR

 

Leia aqui a nova edição digital e gratuita da Time In Portugal

+ Capicua escreveu para os Clã e André da Loba ilustrou

Fique a par do que acontece na sua cidade. Subscreva a newsletter e receba as notícias no email.

Share the story
Últimas notícias
    Publicidade