Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Porto icon-chevron-right Na rota do contrabando do café em Marvão

Atenção, continuamos a tentar dar-lhe a informação mais actualizada. Mas os tempos são instáveis, por isso confirme sempre antes de sair de casa.

Hotel Train Spot em Marvão
©DR Hotel Train Spot em Marvão

Na rota do contrabando do café em Marvão

O caminho fazia-se a pé, à noite, e durava até de manhã. Eram 10 km em direcção à fronteira com Espanha com sacos de café às costas, que nem sempre lá chegavam. Calçámos os ténis e seguimos o rasto da clandestinidade do Alto Alentejo.

Por Nelma Viana
Publicidade

Durante a ditadura, o café produzido em Portugal não podia sair para Espanha e, portanto, decretou o Estado Novo que qualquer tentativa de o vender por lá seria punida com pena de prisão. Ora isto para quem vivia da venda de café era um contratempo, mas nem por isso um impedimento. Lá encontraram maneira de contrabandeá-lo para o país vizinho, escapando (às vezes, outras nem por isso) às vigias apertadas de guardas e carabineiros que patrulhavam a raia.

De Marvão e das aldeias vizinhas, onde na altura havia meia dúzia de torrefacções em actividade, noite sim, noite sim partiam grupos de corajosos em direcção a La Fontañera com sacos de café cru às costas. O caminho fazia-se a pé, à noite, e durava até de manhã. Eram 10 km em direcção à fronteira com Espanha com sacos de café às costas, que nem sempre lá chegavam. Os homens com os mais pesados, de 60 kg, e as mulheres com os mais pequenos, de 20 kg. O percurso de 10 km fazia-se a pé pela Serra de São Mamede adentro, no breu total, levando geralmente a noite inteira a caminhar. De Espanha trazia-se dinheiro (muito) e todo o tipo de produtos que se pudesse vender nas aldeias – a bombazine, por exemplo, na altura, valia o risco.

O tempo passou e hoje aquele que é conhecido como o “Percurso do Contrabando do Café” no Alto Alentejo virou passeio turístico, apadrinhado pela Câmara Municipal de Marvão, que anualmente organiza uma caminhada comentada na primeira pessoa por quem sobreviveu à clandestinidade. Integrado na Rede de Percursos de Natureza da região, reduziu-se ligeiramente a rota para 6 km, num trajecto fácil que se estima que seja cumprido em cerca de 2h30.

A partida dá-se junto ao cemitério da pequena aldeia de Galegos, segue pelo Monte de Baixo, e já na chegada a Pitaranha é possível avistar a povoação espanhola La Fontañera, onde se fazia a venda e troca de mercadoria. Pelo caminho, há uma subida de 206 metros e uma passagem sinuosa por um conjunto de escarpas que exigem alguma resistência de pernas, mas que valem bem o esforço pela vista desafogada para o castelo de Marvão. Como companhia de viagem, apenas o bosque cerrado de sobreiros, meia dúzia de terrenos agrícolas e um pequeno curso de água. Se fugir ligeiramente da rota, ainda encontra alguns vestígios de uma calçada medieval que chegou a ser usada como trajecto oficial do contrabando mas que entretanto passou a estar nos radares da polícia e obrigou a um desvio pelo meio do mato.

O objectivo desta rota é desbravar terreno, respirar o ar puro, viver um pedaço da História que poucos conhecem e, naturalmente, aproveitar o estar na região para ir conhecer a vila de Marvão (a 12 km de distância de Galegos) e Castelo de Vide, a pouco mais de 15 minutos de carro.

Rua de São Cristóvão, 7. 91 536 8190. Seg-Sáb 11.00-21.00, Dom 15.00- 20.00.

Na rota do contrabando do café em Marvão

Hotel Train Spot em Marvão
Hotel Train Spot em Marvão
©DR

Onde dormir

No registo de reviver memórias antigas da terra, a guesthouse Train Spot é o sítio ideal para se entregar a um merecido descanso. O nome não deixa margem para dúvidas: a ocupar o edifício da antiga estação ferroviária de Marvão, tem sete quartos duplos, dois apartamentos familiares e uma sala de estar deslumbrante que ainda preserva o chão em xadrez, os azulejos centenários nas paredes e uma meia dúzia de janelas rasgadas para os carris. Lá dentro, convivem móveis contemporâneos com peças de artesãos locais e a biblioteca, bem recheada de livros de autores portugueses e jogos de tabuleiro, é a única alternativa à televisão, que é objecto que não existe em parte nenhuma da casa. Para aproveitar o tempo, que aqui corre lento entre o silêncio profundo e o canto dos pássaros, há uma novidade que vai querer experimentar: passeios em quadriciclos movidos a pedal, no fundo uns carrinhos de quatro rodas, que viajam na linha férrea até Castelo de Vide (€20 por pessoa, disponível também para o público em geral). Ainda este ano deve abrir o novo bar no armazém da estação. A partir de 60€ (quarto com wc privado).

Sarapatel do restaurante Mil Homens
Sarapatel do restaurante Mil Homens
©DR

Onde comer

Se tudo correr bem, e se tiver partido logo pela fresca, à hora de almoço já está o assunto despachado e pode, então, começar a encaminhar-se para a próxima paragem, perdão Portagem, mesmo no sopé da serra e com vista para Marvão. Portagem é, de facto, o nome da localidade onde se come o melhor sarapatel da região, mais precisamente no restaurante Mil-Homens (Rua Nova, 14), um daqueles raros sítios que dispensa o conceito e prefere apostar na comida de panela à antiga. Consta de uma sopa rica feita com os miúdos do porco, bem puxada no tempero e polvilhada com umas folhas de hortelã. Deve acompanhar com um copo de branco da casa. Praticamente na porta ao lado, na Churrasqueira Sever (Rua Nova, 24), além do clássico porco preto na brasa, pode ter a sorte de calhar num dia em que o prato de almoço é o cozido de grão e, se for o caso de não apreciar as entranhas do restaurante vizinho, esta será sempre uma boa opção. Em tempo de caça, estufam-se uns coelhos e umas lebres com feijão e abrem-se boas garrafas de vinho alentejano.

Publicidade

Como chegar

Há várias opções, mas a mais rápida é via A1, até à saída Abrantes/Castelo Branco/Torres Novas. Siga então na A23 para depois sair no IP2 em direcção a Portalegre/ N359/Nisa. Marvão aparecerá no caminho.

Mais escapadinhas

Vicki e Mitch Webber
©DR

Viagens: A Place at Evoramonte

Viagens

Muito Alto, muito louro, muito pouco preocupado com
o facto de estar a vestir um kilt escocês no calor do Alentejo. “Roubei-o à família da minha mulher, esta é a cor e o padrão 
do apelido da família dela e eles não se importam que o use”, diz Mitch Webber, uma das metades do A Place at Evoramonte, um novo alojamento local que
 surgiu na planície alentejana
 em Novembro de 2017. Mitch conheceu Vicki em 2000 e depois de alguns anos a viver
em Inglaterra e na Tailândia mudaram-se para Evoramonte em Maio do ano passado. Ela é escocesa, ele nasceu na África do Sul – “Mas eu é que o deixo usar o kilt”, relembra Vicki. Nunca tinham estado em Portugal mas tanta gente lhes recomendou que viessem cá, “porque as pessoas eram simpáticas”, que acabaram por chegar e procurar casa. Depois de correrem alguns cantos do país, optaram por Évora, mas quando se preparavam para conhecer uma casa, deram com outra, recém-chegada ao site que habitualmente consultavam. Desde logo, algo lhes saltou à vista: “Pensámos, uau!, quero viver no castelo mesmo que não esteja para venda”, conta Vicki emoldurada pela torre de menagem de Evoramonte. Tomaram um café na varanda com o agente da imobiliária e apaixonaram-se pela freguesia. Há muito que tinham vontade em abrir algo do género na Escócia, mas depois de terem vivido em Banguecoque durante quatro anos, explica Vicki, acabaram por se habituar ao calor e ao bom tempo: “A Escócia é bonita mas lá está sempre a chover”, brinca.

O Pico Ruivo
© Ágata Xavier

Viagens: Já chegámos à Madeira

Viagens

A chegada ao Funchal começa com uma gargalhada. “Senhoras e senhores, vamos aterrar no aeroporto Cristiano Ronaldo. Espero que tenham tido um óptimo voo.” A estranheza de aterrar um A330 num aeroporto que leva o nome do penta-Bola de Ouro é grande – será que teria provocado a mesma reacção se os aeroportos Humberto Delgado, em Lisboa, ou Francisco Sá Carneiro, no Porto, tivessem sido baptizados enquanto os visados estavam vivos? Talvez. A Time Out foi descobrir este jardim à beira-mar plantado, calcorrear trilhos, descer levadas, beber poncha e mergulhar em águas cristalinas. Tudo de bom, portanto. Recomendado: Roma alternativa: Garbatella, o bairro favorito de Nani Moretti

Publicidade
Pousada Palácio de Estoi
Pedro Sampayo Ribeiro

Castelo, suíte real ou mosteiro - onde vamos jantar hoje?

Hotéis

“Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara”. Esta frase retirada do Livro dos Conselhos de D. Duarte, e inscrita na contracapa de Ensaio sobre a Cegueira, do nobel português José Saramago, pode aplicar-se ao novo programa das Pousadas de Portugal. Sítios que sempre foram vistos, fazem-se agora reparar com o Pousadas Authentic Venues, um conjunto de lugares onde se pode almoçar, lanchar, jantar, ou até ver a final da Liga dos Campeões, por exemplo, a dois ou em grupo, tanto em eventos privados como empresariais — os preços dependem do número de pessoas e dos menus que se queiram escolher. Sítios tão inusitados como a torre de menagem da Pousada Castelo de Estremoz, o teatrinho da Pousada Palácio de Queluz ou a suite de D. João V, na Pousada Convento de Évora, passaram a estar abertos à gastronomia, pois, como assinalou Frederico Costa, administrador das Pousadas de Portugal, na apresentação dos ditos recantos, “A conquista do turista, sobretudo o estrangeiro, faz-se pelo estômago” (não é por isso de estranhar que grupos de visitantes corram para a mesa de sobremesas do Cozinha Velha, o restaurante do Palácio de Queluz, com um prato de sopa em riste, ao invés de um mais adequado aos doces). Para já, são sete os lugares secretos que ganharam um novo propósito, mais intimista e exclusivo, estando previsto alargar o número até ao final do ano. Fique a saber quais são.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade