Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Porto icon-chevron-right Entrevista: José Emídio, o senhor que se segue na Cooperativa Árvore

Atenção, continuamos a tentar dar-lhe a informação mais actualizada. Mas os tempos são instáveis, por isso confirme sempre antes de sair de casa.

José Emídio
© Marco Duarte José Emídio é o novo presidente da Cooperativa Árvore

Entrevista: José Emídio, o senhor que se segue na Cooperativa Árvore

José Emídio acaba de ser eleito presidente da Cooperativa Árvore. Fomos saber quais os seus planos para o futuro

Por Sérgio Gomes da Costa
Publicidade

Foi uma eleição inédita na Cooperativa Árvore. Primeiro, porque aconteceu por morte do
anterior presidente, Amândio Secca. Depois, por ter havido pela primeira vez duas listas
concorrentes. Isso aumenta ainda mais as expectativas em relação a José Emídio, o novo presidente, que herda uma instituição renovada em diversos pontos mas ainda com problemas antigos por resolver. Eis os seus próximos passos.

Como é suceder a alguém tão carismático como Amândio Secca, que esteve tanto tempo na presidência da Árvore?

É verdade. Eu não conheci o primeiro presidente desta casa Henrique Alves Costa, mas
conheci Nicolau Brandão, Egito Gonçalves, José Rodrigues e Amândio Secca. Agora sou eu e, olhando para trás, é uma lista que me deixa em sentido. Conheci bem o José Rodrigues
e o Amândio Secca, que foi uma figura determinante do ponto de vista organizacional,
estratégico e comercial desta casa. Isto, para mim, não é uma questão de sucessão, embora
se possa pensar que é a ordem natural das coisas, muita gente me disse isso neste processo
eleitoral. Na verdade, quando vim para cá integrar várias direcções nunca me ocorreu ser presidente. Aliás, já tinha sido presidente da cooperativa de ensino superior artístico do
Porto [ESAP], entre 90 e 96, e também foram circunstâncias que me levaram a isso. Na
altura fiz dois mandatos e fui o primeiro presidente a sair sem perder eleições. Provavelmente é o que vai acontecer agora, tenho 62 anos e não tenciono eternizar-me aqui. Acho que é um contributo que posso dar. Olhei à volta e apareceram algumas circunstâncias que me levaram a assumir isso.

O que há de especial nesta casa para as pessoas ficarem tanto tempo ligadas a ela?

Há muita coisa. Há ligações históricas. Eu acho que a Árvore contamina as pessoas. Numa espécie de metáfora, eu diria que é um vírus que nos invade e cria um sentimento de ligação e paixão. Isto num meio muito particular, que é o dos artistas e dos intelectuais. É um caldo de personalidades e de opiniões, e se a estes condimentos somarmos mais alguns temperos, como os ciúmes e coisas assim, temos uma casa muito especial e difícil. A Árvore está cheia de histórias destas. Mas há uma coisa que é de relevar: está aqui. Passou por muitas situações, passou por momentos complicados. O próprio nascimento da Árvore custou a avançar e é sabido que há um momento histórico, um momento de viragem: o dia 7 de Janeiro de 1975, com a bomba que foi colocada por forças de extrema-direita. Esse
episódio acabou por funcionar exactamente ao contrário do que se esperaria, criou uma
onda de solidariedade institucional e individual. Porque não foi só a Árvore que foi atacada, foi a cultura, a civilização, a intelectualidade. Foi a liberdade, fundamentalmente.

Mas nota-se um certo alheamento das gerações mais novas em relação à Árvore. O que pretende fazer para mudar isso?

Em relação a isso podia dar-lhe um exemplo que vem comprovar o que diz. Nós tentámos fazer um convite a estudantes finalistas nas escolas das artes, mostrando-nos interessados em fazer três ou quatro exposições simultâneas. Não houve reacção. Repare, quando eu
era estudante de belas artes, tomara eu que me dessem uma sala para fazer uma exposição, era uma coisa extraordinária. Claro que vamos continuar, não se deve desistir à primeira nem à segunda. Podemos é mudar a estratégia, andando nós à procura dos estudantes, vamos tentar chamá-los cá. Nós temos duas áreas que são fundamentais e que podem ser muito interessantes para um jovem estudante: as oficinas de cerâmica, gravura,
serigrafia e litografia, e também a possibilidade de poderem fazer cá as suas primeiras apresentações. Mas nós também temos artistas dessa tal geração de 20, 30, 40 anos. Por exemplo, a Ana Torrie, que é uma apaixonada pela gravura e me veio demonstrar há uns anos, quando começou a aparecer por cá, que havia futuro na gravura. É essa gente que nós temos de chamar, porque o futuro é deles.

Que planos tem para a galeria?

Em relação à galeria, este período eleitoral foi histórico por uma razão muito simples: nesta casa nunca houve duas listas. Estava a referir-lhe isto porque não sabíamos quem ia ganhar, pelo que houve uma certa contenção nas ideias de programação. Há algumas ideias, alguns nomes, e também uma espécie de matriz de exposições que nós entendemos adoptar há algum tempo.

Que matriz é essa?

É uma matriz que tem o elenco de exposições para um ano. Nós vamos ter pelo menos uma exposição com um jovem artista, alguém que achamos que se pode destacar. Vamos ter pelo menos uma exposição de carácter institucional, que pode ser de homenagem a um artista ou a alguém ligado a uma área cultural. Devemos ter uma ou duas exposições em que apostamos tudo a nível comercial. Depois, há uma outra situação que nos parece muito interessante, que é a das grandes colecções. Há também coisas que acontecem e a que temos de ter capacidade de dar resposta, situações imprevistas. No ano passado tivemos cá uma exposição do Pedro Cabrita Reis, com coisas feitas por ele nas nossas oficinas, e essa possibilidade aconteceu por uma mera casualidade. Ninguém estava à espera. Há uma outra inovação para um sócio cooperador da Árvore, que é ter direito a fazer uma exposição. A possibilidade de as pessoas se candidatarem para uma exposição estará sempre em aberto.

Há outras possibilidades não expositivas que estejam na calha?

Nós temos duas situações que vão estar na ordem do dia nos próximos tempos. Uma delas é um contrato de programa com a Câmara Municipal do Porto, que foi muito importante para
nós, no qual se entende que a Árvore pode prestar uma série de serviços e actividades de
interesse público, mediante a apresentação de um programa de actividades, como workshops, conferências, exposições e coisas deste género. O contrato que fizemos termina agora e estamos em condições de solicitar uma reunião na Câmara de modo a retomá-lo. Outras das questões fundamentais prende-se com um acordo com a Escola Profissional das Virtudes, que, para quem não sabe, nasceu aqui. Vamos criar um acordo de utilização de espaços por eles. Isso vai criar um certo desafogo para atacarmos uma das situações mais complexas e difíceis para a cooperativa, que é a dívida que vai mantendo há muitos anos aos artistas, porque nem sempre foi capaz de pagar em devido tempo. Isso seria uma conquista extraordinária para voltar a ganhar a confiança das pessoas.

Mais entrevistas

A Groove Ball é uma das festas de maior longevidade na noite do Porto
© Marco Duarte

Groove Ball: “Quando fizemos o primeiro concurso de vogue as pessoas não sabiam o que isso era"

Gay

O lema na vossa página no Facebook é: “New Way, Old Way, Vogue Femme, Dramatics, Comedians!!!!” Porquê? Inês Pando – Antes de começarmos a Groove Ball tínhamos um projecto chamado Jungle Cabaret. Era um cabaré louco. Daí vêm o “Dramatics” e o “Comedians”. E o resto? IP – O “New Way, Old Way, Vogue Femme” tem a ver com as correntes do voguing. O Igor [Ribeiro, aliás Ghetthoven, músico, ausente em digressão com Moullinex à data desta entrevista] seria a melhor pessoa para explicar isso. Arranjámos alguma coisa com que nos identificávamos para fazer uma festa queer, livre e segura. Simone Francisco – Já foi há algum tempo [as festas Groove Ball começaram em 2011]. A noite do Porto não era o que é. Agora há muito mais diversidade. O Igor era superligado ao movimento [voguing], cresceu a tentar trazer para cá um bocado dessa cultura americana que nasceu nos anos 1970, 80. Além disso, também gostávamos daquela cena dos Club Kids dos anos 80, e tudo se misturava um bocado, num nicho de pessoas que queriam ser ouvidas, ou ter um sítio para se expressar. E surge a Groove Ball. SF – Também se deve falar do Paris Is Burning [documentário de 1991 sobre a cultura das ballrooms nova-iorquinas]. Havia várias houses de vogue feitas por pessoas que eram postas de lado: queer, da comunidade afro-americana, latina. Ou seja, todos os que eram vistos como weirdos. As ballrooms eram casas de acolhimento dessas pessoas, uma forma de elas se sentirem integradas em qualquer coisa. Uma es

Nina Gruntkowski
©Marco Duarte

Nina Gruntkowski: "O prazer é o mais importante. O saudável vem logo depois"

Coisas para fazer

Aterrou em Portugal como jornalista, apaixonou-se por Dirk Niepoort e pelas camélias do Norte. Daí à dedicação ao chá verde biológico e à cultura japonesa do chá foi um passo. Li que a plantação de chá que possui em Fornelo [freguesia de Vila do Conde], e onde em 2017 se fez a primeira colheita, experimental, é caso único na Europa continental. Há várias iniciativas na Europa de miniplantações de chá mas, até agora, sem produção comercial. Há, por exemplo, uma no Sul da Suíça, na fronteira com Itália, mas é uma plantação de um museu [Casa del Tè Monte Verità], muito lindo e que faz um grande esforço para informar sobre a cultura do chá. Em geral, não é assim tão fácil encontrar o clima certo para plantar camélias [Camellia sinensis, a planta do chá]. Ela é muito adequada ao clima da zona costeira do norte de Portugal por raramente haver temperaturas abaixo de zero. Ou seja, a terra não gela. E há imensa humidade.  O clima, só por si, explica esta raridade europeia? Há outra razão: a produção é muito, muito exigente. Primeiro, a planta demora cinco anos a crescer até à primeira colheita, o que é um investimento imenso. Na Ásia, até dizem que uma plantação só começa a render a partir dos dez anos. Por outro lado, o investimento em máquinas e mão-de-obra não é fácil. Depois, a produção do chá em si é complicada, porque não é só secar a folha – implica quebrá-la, saber manipulá-la em termos de reacção enzimática e secá-la durante um certo período para criar os diferentes sabo

Publicidade
Helder Pacheco
©Marco Duarte

Helder Pacheco: "Está tudo por fazer no Porto. Reabilitação urbana. Repovoamento. Novas linhas de metro. O Salgueiros voltar à Primeira Divisão."

Notícias Vida urbana

Aos olhos de um dos maiores pensadores e documentadores da cidade, o futuro do Porto é um campo aberto e pode ser radioso. Jorge Lopes foi ao encontro de Helder Pacheco em Lordelo do Ouro. Marco Duarte captou-o entre papéis.   As crónicas reunidas no Porto nos Dias do Meu Tempo vão de 2014 a meados deste ano. Começam assombradas pela troika e seguem por uma, digamos, tentativa de reerguer dos escombros. Foi dos períodos mais conturbados que viu o Porto e o país atravessarem? Do ponto de vista das pessoas, sim. Primeiro, porque eu próprio sentia na pele a questão da chamada austeridade. Depois, como ando muito de transportes públicos, ouvia as queixas das pessoas e apercebia-me das dificuldades. Além disso, tinha amigos que ficavam insolventes, amigos com graves problemas por causa dos filhos desempregados, etc. Do ponto de vista da cidade, a verdade é que assistimos ao início da reabilitação urbana, que já vinha de trás mas que nos últimos cinco, seis anos avançou contra a corrente dos acontecimentos. É das tais contradições: nem todas as crises são negativas para todos os sectores.   A cidade foi, durante um período, como que um amortecedor para o ambiente de crise? É. E a verdade é que este boom começa a desenhar-se nesse período.   Com o correr dos acontecimentos, as crónicas vão reflectindo a mudança da paisagem desde 2014 até 2017. Reflecte. A partir de certa sinto que as pessoas começam a viver melhor. E a respirar melhor. E a pensar melhor. E a serem mais opt

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade