Groove Ball: “Quando fizemos o primeiro concurso de vogue as pessoas não sabiam o que isso era"

Entre drag queens e movimentos vogue, a Groove Ball é uma das festas de maior longevidade na noite do Porto e um santuário queer aberto a todos

© Marco DuarteA Groove Ball é uma das festas de maior longevidade na noite do Porto

O lema na vossa página no Facebook é: “New Way, Old Way, Vogue Femme, Dramatics, Comedians!!!!” Porquê?

Inês Pando – Antes de começarmos a Groove Ball tínhamos um projecto chamado Jungle Cabaret. Era um cabaré louco. Daí vêm o “Dramatics” e o “Comedians”.

E o resto?

IP – O “New Way, Old Way, Vogue Femme” tem a ver com as correntes do voguing. O Igor [Ribeiro, aliás Ghetthoven, músico, ausente em digressão com Moullinex à data desta entrevista] seria a melhor pessoa para explicar isso. Arranjámos alguma coisa com que nos identificávamos para fazer uma festa queer, livre e segura.

Simone Francisco – Já foi há algum tempo [as festas Groove Ball começaram em 2011]. A noite do Porto não era o que é. Agora há muito mais diversidade. O Igor era superligado ao movimento [voguing], cresceu a tentar trazer para cá um bocado dessa cultura americana que nasceu nos anos 1970, 80. Além disso, também gostávamos daquela cena dos Club Kids dos anos 80, e tudo se misturava um bocado, num nicho de pessoas que queriam ser ouvidas, ou ter um sítio para se expressar.

E surge a Groove Ball.

SF – Também se deve falar do Paris Is Burning [documentário de 1991 sobre a cultura das ballrooms nova-iorquinas]. Havia várias houses de vogue feitas por pessoas que eram postas de lado: queer, da comunidade afro-americana, latina. Ou seja, todos os que eram vistos como weirdos. As ballrooms eram casas de acolhimento dessas pessoas, uma forma de elas se sentirem integradas em qualquer coisa.

Uma espécie de santuário.

SF – Exacto.

IP – Era inspirado pela cena da moda na altura, a alta-costura, as supermodelos.

SF – É daí que surge o vogue. É um tipo de dança inspirado em poses de modelo.

IP – Mas nós quisemos pegar mais, não tanto na dança em si, mas no conceito de uma ballroom...

SF – Na ideia de criar um espaço seguro e que não fosse necessariamente num sítio gay. Não que tenhamos alguma coisa contra isso. Acho, obviamente, que é importante que existam esses sítios. No entanto, também acho importante que as pessoas saiam do armário. Se lutamos constantemente pela igualdade e por uma aceitação em sociedade e não saímos do armário… é contraditório. Toda a gente pode ser queer. Não tens de ser gay para ser queer. Basta integrares-te no movimento, identificares-te com ele e defendê-lo. Inclusive com abertura para as pessoas heterossexuais que, por uma questão de cultura e dos meios em que se inserem, acabam por estar muito afastadas.

As festas acontecem, desde 2011, sempre em espaços, digamos, generalistas?

SF – A primeira aconteceu no Plano B (na altura não fazia parte da organização mas já era amiga da Inês e do Igor) e depois no Maus Hábitos. Tivemos propostas de alguns sítios rotulados como LGBT e gay e nunca quisemos. A Groove Ball tem um público muito heterogéneo; desde rastas a heteros, queers, club kids, drag queens.

Já nasceu assim tão heterogénea?

IP – Já tínhamos algum público graças às performances que fazíamos [como Jungle Cabaret] e a primeira Groove Ball teve quase 900 pessoas. Surreal. Dos nossos pais aos primos, ao hetero mais hetero. Ninguém estava à espera que tivesse aquele impacto. E, não querendo ser pouco modesta, acho que isso abriu algumas portas para que coisas acontecessem noutros espaços.

Entretanto, mudaram-se para o Maus Hábitos.

SF – Começámos por um caminho um pouco diferente do que temos agora. A festa era bastante mais limitada, o nosso fundo de investimento e a margem de manobra bem menores. Inicialmente só tinha música, depois começámos a introduzir o drag, tirando-o um bocadinho do circuito gay.

Quem vai à Groove Ball dissocia o drag do circuito gay?

SF – É meio, meio.

IP – As reticências eram mais nossas do que do nosso público.

SF – Trabalhámos durante dois anos com a Camel Toe. Muita gente recebeu-a bem porque era uma coisa diferente e o nosso conceito já incluia a diferença, e outros estranharam mas entranharam.

IP – Não queríamos ter uma drag só por ser drag, só a fazer o show. Demos-lhe total liberdade e ele fazia tudo. Foi ele que começou as battles.

SF – Quando fizemos o primeiro concurso de vogue as pessoas não sabiam o que isso era, e iam para o palco fazer twerk. Achavam que era um concurso de dança. 

As pessoas desconheciam o vogue por serem demasiado novas?

IP – As pessoas associam o vogue à Madonna por causa da canção [“Vogue”, 1990], mas mais à música do que ao videoclip. Nós só sentimos a diferença [no aumento da percepção do vogue] quando a FKA Twigs fez a “Glass & Patron” [2015]. O vídeo é só voguers, uma battle ali no meio, e acho que é a partir daí que o hype surge outra vez. As pessoas foram pesquisar qual era a base daquilo.

SF – Depois, a Rihanna recrutou dois bailarinos da FKA Twigs e tinha vogue nos concertos. E assim chegou à comunidade queer. Foi um salto gigante.

Que idade tinham as pessoas nas primeiras Groove Ball?

SF – Tínhamos uma faixa etária mais nova...

IP – Isto no início, no Maus Hábitos. Na altura devia andar entre os 18 e os 25.  Agora é mais dos 25 para cima.

SF – O registo musical da festa era diferente. O final dos anos 80 e início dos 90 era muito aquela onda clubbing, house clássico, tecno. Tentámos introduzir isso e o público não foi, de todo, receptivo.

A sério?

SF – Não eram estilos que colassem muito. Naquela altura o hip-hop e o r&b tinham entrado em grande e as pessoas queriam ouvir isso. Aí, tivemos que contornar ligeiramente o nosso caminho e dar-lhes um pouco do que queriam de forma a cativá-los a virem à festa.

IP – Entretanto já lhes tirámos tudo [risos].

SF – Aos poucos fomos-lhes dando o nosso conceito. Primeiro o drag, depois os concursos, a música… Neste momento, mesmo que em algumas alturas seja mais comercial, é sempre muito mais dance music e não tanto r&b e hip-hop. E agora que o vogue é um boom, mais o [concurso televisivo] RuPaul’s Drag Race…

IP – O vogue beat está neste momento em todas as músicas. O Jay Jay [Revlon] está sempre a passar. Ele faz algumas ballrooms, e na competição o que se ouve é o vogue beat de agora e não o original.

Quem é Jay Jay Revlon?

SF – É um artista que temos em residência e com a sua própria house of vogue. É de Londres, voguer de base e DJ, e já ganhou imensas competições europeias. Trouxemo-lo pela primeira vez em Outubro e correu muito bem. Foi engraçado porque não tínhamos inscrições para o concurso [de vogue]. Achámos que as pessoas estavam com um certo medo porque pensaram que isto agora era a sério mas ele pôs todos a dançar. Ele disse que não queria palco, abriu um circulo no meio do público e foi incrível. Na altura, achámos que era um investimento fixe trazermos alguém de fora para colaborar connosco a ver se o movimento crescia, e está connosco até agora.

O movimento cresceu?

IP – Sim. Para a última edição o Jay Jay fez um workshop [de vogue] e algumas pessoas que vão à festa compareceram, para estarem completamente aptas para dançar [risos].

SF – Correu superbem. Estávamos meio reticentes porque às vezes estas coisas, no Porto, não colam. Mas de repente, num sábado à tarde, tínhamos não sei quantos miúdos à porta do Maus Hábitos. Ainda é uma comunidade pequena mas está a crescer.

IP – Queremos manter o vogue, porque faz parte da essência da Groove Ball, mas a nossa ideia é mostrar artistas queer, portugueses e alguns icónicos estrangeiros, como a Vaginal Davis, que fizeram ou fazem a diferença e lutam pelos direitos de toda a comunidade.

As festas têm uma face de divulgação cultural?

IP – É difícil convencer a maior parte dos jovens a ir ver uma exposição num domingo à tarde ou assistir a um concerto da Symone [De Lá Dragma, drag queen] sabe-se lá onde. Mas saímos de casa para beber copos. A nossa ideia passa por pegar nos copos e fazer com que as pessoas que estão lá quase que sejam obrigadas a ver gente com talento, da comunidade queer, que tem muita coisa a dizer, e que ainda devem ser os mais ostracizados. Mas há cada vez mais reconhecimento.

No final do ano passado apresentaram um projecto mais abrangente, a House of Groove Ball. Para que serve?

IP – Para abraçar artistas queer que gostassem de trabalhar nalgum tipo de projecto mas que não têm oportunidade de se mostrar. Ainda não temos espaço físico. Vamos candidatar-nos a bolsas. Queremos que seja mesmo uma casa de artistas portugueses, da pintura à música, à dança, ao teatro, o que quer que seja, desde que se foquem na comunidade queer. E que o trabalho deles seja depois mostrado na festa. Ou seja, residências artísticas e com remuneração. Uma coisa diferente das festas mas que culmine nas festas.

Qual foi o melhor momento da melhor Groove Ball?

SF – Fiquei completamente fascinada com a primeira vez em que o Jay Jay veio. A casa estava cheia e ao rubro, era uma parceria com o [festival de cinema] Queer Porto, não havia inscrições para o concurso, ela pega no micro, vai para o meio do público e, de repente, estavam umas 15 pessoas a dançar. Aquilo foi a essência de uma battle.

IP – Para mim foi a Symone na última festa [21 de Abril]. Ela divide a performance em três actos e no final cantou a “Desfolhada Portuguesa” da Simone. Eram quatro da manhã e toda a gente cantou aquilo. Até os estrangeiros estavam a apanhar o ritmo. Como é que isto acontece?

 

Mais entrevistas

Nuno Baltazar: "Um francês não vem ao Porto comprar Chanel. Para quê?"

2018 é um ano de mudanças... É. Há dois anos fiz 40 anos e este ano faço 20 de carreira. Acho que quando chegamos a determinadas etapas na vida é impossível não olhar para trás e não fazer um balanço.Percebi que as coisas me aconteceram muito cedo. Comecei a apresentar colecções na Moda Lisboa com apenas 22 anos e abri uma loja e um ateliê também muito novo. E, claro, as coisas foram ganhando uma estabilidade que, apesar de ter coisas boas, se não estivermos alerta nos faz estagnar. 

Por Mariana Morais Pinheiro

Nina Gruntkowski: "O prazer é o mais importante. O saudável vem logo depois"

Aterrou em Portugal como jornalista, apaixonou-se por Dirk Niepoort e pelas camélias do Norte. Daí à dedicação ao chá verde biológico e à cultura japonesa do chá foi um passo. Li que a plantação de chá que possui em Fornelo [freguesia de Vila do Conde], e onde em 2017 se fez a primeira colheita, experimental, é caso único na Europa continental. Há várias iniciativas na Europa de miniplantações de chá mas, até agora, sem produção comercial. 

Por Jorge Manuel Lopes
Publicidade

Beatriz Machado: "Quem vem para o Yeatman quer conhecer os vinhos portugueses"

A fiel depositária da vasta e preciosa colecção de vinhos do Yeatman anda por estes dias ocupada com o World of Wine, um centro de visitas gigantesco que ocupará 30.000 m2 no centro histórico de Vila Nova de Gaia e com abertura prevista para o Verão de 2020. Apesar de concentrada no futuro bê-á-bá do néctar, encontrou algum tempo para conversar com a Time Out... Tem uma rotina de trabalho específica para esta época das vindimas? É a altura em que recebemos mais pessoas mais direccionadas para esta área [do vinho]. 

Por Jorge Manuel Lopes

Comentários

0 comments