Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Porto icon-chevron-right DDD + FITEI: Era uma vez um superfestival

DDD + FITEI: Era uma vez um superfestival

Este ano, o DDD e o FITEI aliaram-se numa parceria de programação, mas sem deixarem de ser eles próprios. Resultado? De 24 de Abril a 25 de Maio, há quase 70 espectáculos de teatro e dança para ver entre o Porto, Gaia, Matosinhos e Viana do Castelo

"Autodance", da companhia sueca GöteborgsOperans Danskompani
1/3
© Tilo Stengel"Autodance", da companhia sueca GöteborgsOperans Danskompani
"Skid", da companhia sueca GöteborgsOperans Danskompani
2/3
© Mats Backer"Skid", da companhia sueca GöteborgsOperans Danskompani
"Autodance", da companhia sueca GöteborgsOperans Danskompani
3/3
© Mats Backer"Autodance", da companhia sueca GöteborgsOperans Danskompani
Publicidade

Está a chegar aquele que tem tudo para ser um dos grandes acontecimentos da agenda cultural de 2019: o DDD + FITEI, ou seja, a aliança entre o DDD – Festival Dias da Dança e o Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica (FITEI), duas das mais importantes e pujantes mostras de artes performativas do país. À quarta e à 42ª edição, respectivamente, o DDD e o FITEI celebram, pela primeira vez, uma parceria de programação e comunicação que visa não só rentabilizar esforços mas, sobretudo, fortalecer e diversificar a apresentação de espectáculos internacionais e valorizar as artes performativas portuguesas.

Apesar da denominação, os festivais mantêm o seu ADN, a sua própria identidade programática. “Não se trata de uma junção, mas sim de uma potenciação”, assinala Gonçalo Amorim, director artístico do FITEI. “Quando falo disto, as pessoas ficam entusiasmadas porque é um pouco contracorrente: normalmente os festivais rivalizam, tentam abafar-se.” Deste encontro nasceu um projecto comum que cruza os dois festivais: a Semana + (8 a 12 de Maio), um programa multidisciplinar dedicado à criação artística nacional, com foco na dança e no teatro. “Para essa semana convidámos programadores nacionais e internacionais para descobrir o que estes criadores andam a fazer”, explica Tiago Guedes, director artístico do DDD. Apesar de o panorama artístico contemporâneo em Portugal estar cada vez mais vibrante, a projecção e a circulação internacional dos artistas portugueses é algo que precisa de ser trabalhado, acreditam os programadores. “Há um grande desconhecimento do que são as artes performativas portuguesas”, refere Gonçalo Amorim.

A outra linha programática partilhada pelo DDD e pelo FITEI é o Foco Brasil, sem dúvida um dos pontos altos e diferenciadores deste superfestival. Este ciclo congrega coreógrafos, encenadores, dramaturgos e intérpretes jovens e consagrados do Brasil em mais de uma dezena de espectáculos que reflectem, na sua maioria, a profunda polarização político-social do país. Se, por um lado, o governo de extrema-direita de Jair Bolsonaro e os seus apoiantes estão a contribuir activamente para a proliferação e normalização da violência sistémica contra pobres, negros, indígenas, mulheres e pessoas LGBTI, por outro lado há um forte movimento de resistência e de disputa de espaços, de lugares de fala. Uma força revolucionária que, na verdade, já se mobiliza há vários anos, mas que está a ser cada vez mais ameaçada – artistas incluídos.

“Todos estes artistas são artistas de resistência”, diz Gonçalo Amorim relativamente às propostas do FITEI para este Foco Brasil. Numa edição que tem como âncora temática o “Brasil descolonizado”, o festival quis ir “ao encontro de artistas que lutam pela descolonização material e do pensamento”, com trabalhos que “espelham o afropolitismo, o feminismo, as questões de género, os corpos não-normativos”, descreve o responsável.

Se no FITEI o recorte politizado da programação e a relação com o Brasil não são novidade – afinal, o festival já serviu de refúgio para artistas exilados durante a ditadura militar do Brasil, bem como a do Chile –, já o DDD nunca assumiu uma posição política de forma tão clara. “Sim, podemos dizer isso”, concorda Tiago Guedes. “Política no sentido em que vamos poder ver que palavra é que os artistas têm hoje e o que dizem sobre o que se passa no Brasil”, continua o programador. “Os criadores estão a trabalhar em piores condições mas com muita força, e urge apresentá-los e apoiá-los.” Paralelamente aos espectáculos, há outras actividades que dão continuidade a esta reflexão, como a conversa Mulheres em Te(n)são, a 4 de Maio no Rivoli, com as brasileiras Nayse Lopez, Alice Ripoll, Lia Rodrigues e Linn da Quebrada, esta última cantora, performer e activista trans que dará também um concerto nesse dia.

À boleia do DDD, regressam ao Porto criadores consagrados como Lia Rodrigues, Marcelo Evelin, Christian Rizzo, Vera Mantero ou Tânia Carvalho, sem esquecer a presença de jovens coreógrafos portugueses e nomes menos óbvios que merecem a nossa atenção, como Amalia Fernández ou a companhia sueca GöteborgsOperans Danskompani, que apresenta no Coliseu Autodance e Skid, dois espectáculos para o grande público. Já no FITEI, onde o programa de residências, oficinas e encontros aparece reforçado, o protagonismo do Brasil é equilibrado com criações nacionais e latino-americanas. Entre os espectáculos altamente recomendáveis encontra Preto, de Marcio Abreu/ Companhia Brasileira de Teatro, cujo elenco conta com a célebre actriz Renata Sorrah e a actriz e dramaturga Grace Passô; Ela Sobre Ela, da dramaturga uruguaia Marianella Morena; ou Parasomnia, uma instalação/ performance sobre o sono (ou a falta dele) de Patrícia Portela, em que os espectadores podem dormir.

Feitas as apresentações, ficam as perguntas: será que o Porto tem pedalada para quase 70 espectáculos em cinco semanas? Há espaço para respirar? “Acho que o DDD + FITEI é também uma resposta à forma como o Porto se mobilizou à volta das artes performativas. A realidade de hoje é muito diferente da de há cinco anos”, observa Tiago Guedes. “A programação é muito diversa, muito texturada artisticamente e nas suas dimensões. Vamos ver como resulta.”

Mais para fazer no Porto

Museu de Farmácia do Porto
© João Saramago
Coisas para fazer, Exposições

Os melhores museus no Porto

A oferta cultural portuense é vasta, apesar de, por vezes, escapar ao radar dos mais distraídos. E no que diz respeito a museus, não podíamos estar melhor servidos, já que a quantidade e a qualidade falam por si só. Estão espalhados por todos os recantos da Invicta e há para todos os gostos e épocas, da escultura à imprensa, e do futebol à pintura, pelo que visitá-los devia ser instituído como uma disciplina obrigatória nas escolas do país ou como programa não-facultativo aos fins-de-semana. Para lhe facilitar a vida, preparámos-lhe o roteiro dos melhores museus do Porto, para (re)descobrir a História e as estórias que conservam.

Viola
©Casa Museu Teixeira Lopes
Arte, Obra-prima

16 obras de arte para ver no Porto

Provavelmente nunca reparou, mas há muitas obras de arte espalhadas pela cidade e, algumas delas, estão mesmo debaixo do seu nariz. A pensar na sua cultura geral e artística, reunimos 16 obras de arte para ver no Porto, de visita obrigatória. Da pintura à escultura, passando pela arte urbana, onde aparecem murais grafitados, até colecções únicas de soldadinhos de chumbo em museus, aqui tem um pouco de tudo. Para admirar sozinho ou acompanhado, com amigos ou em família, pegue nesta lista, dê um passeio pela cidade e aplauda os artistas da Invicta.

Publicidade
ó galeria
©Cláudia Paiva
Arte, Galerias

Galerias de arte que deve conhecer no Porto

Que o Porto é uma cidade cheia de arte já nós sabemos. Ora, o que o leitor pode não saber é onde encontrar essa mesma arte. Entre sem medos numa das várias galerias que existem no Porto, muitas delas concentradas na Rua Miguel Bombarda, dê uma vista de olhos, e, se quiser levar um pedacinho de arte para casa, aproveite. Ter uma secção artística no lar não é tão difícil — ou dispendioso — como possa parecer. Se não acredita, espreite as galerias que destacamos nesta lista.

Publicidade