A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Star Wars: Uma Nova Esperança (1977)
©DRStar Wars: Uma Nova Esperança de George Lucas

Os piores e os melhores filmes de ‘Star Wars’

Porque a data é para ser comemorada, passámos em revista todos os filmes da saga. 'May the 4th be with you'. Os fãs entenderão

Escrito por
Eurico de Barros
e
Luís Filipe Rodrigues
Publicidade

Será O Império Contra-Ataca, realizado por Irvin Kershner em 1980, o melhor de todos os filmes de Star Wars? E será mesmo A Ameaça Fantasma (1999), de George Lucas, o pior? Mas onde se encaixam aventuras paralelas como Rogue One (2016), de Gareth Edwards, ou Han Solo (2018), creditado a Ron Howard, no meio disto tudo? Agora que parece ter chegado ao fim a saga dos Skywalker, iniciada há muito tempo, numa galáxia muito, muito distante, respondemos a estas e outras perguntas com uma lista em que cabem todos os filmes da série.

Recomendado: 75 dos melhores filmes clássicos de sempre

Os piores e os melhores filmes de ‘Star Wars’

1. ‘A Guerra das Estrelas’, de George Lucas (1977)

Também conhecido por Episódio IV – Uma Nova Esperança, o filme inaugural do universo criado por George Lucas em finais da década de 70 é um aplicado, afectuoso, inventivo e jubilatório pastiche dos velhos e ingénuos (mas deliciosos) serials de ficção científica e das space operas de série B de décadas anteriores, feito com meios com que estes nunca sonharam. Com ele, Lucas conquistou o imaginário colectivo de milhões e milhões de espectadores em todo o planeta, revolucionou as bilheteiras, a ficção científica cinematográfica, o modelo das superproduções e o próprio merchandising dos filmes.

2. ‘O Império Contra-Ataca’, de Irwin Kershner (1980)

Muitos dos fãs dos filmes da série apontam este segundo da trilogia-mãe como sendo o seu favorito, e as assinaturas no argumento de Leigh Brackett, conceituadíssima autora de ficção científica e argumentista de fitas como O Imenso Adeus ou Rio Bravo, e de Lawrence Kasdan, têm muito a ver com isso. Pela sua história empolgante e a rebentar de peripécias, pela realização seguríssima de Irwin Kershner e pela forma como consolida o universo narrativo da série, O Império Contra-Ataca é não só um dos seus momentos mais altos, como também um dos melhores filmes do género.

Publicidade

3. 'Star Wars: Episódio II – O Ataque dos Clones’, de George Lucas (1999)

Depois de abrir a segunda trilogia da saga com o decepcionante A Ameaça Fantasma, que deixou muitos fãs desiludidos após tantos anos de espera, Lucas corrigiu o tiro neste segundo filme, onde continua a narrar os acontecimentos que precederam os que são contados nos três inaugurais. Visualmente, em termos da arrumação e do desenvolvimento do enredo, e da pura espectacularidade, O Ataque dos Clones está vários furos acima de A Ameaça Fantasma, apesar da evidente fragilidade de algumas das interpretações. Mas a saga não foi feita para dar Óscares aos actores.

4. 'Star Wars: Episódio III – A Vingança dos Sith’, de George Lucas (2005)

Também nesta segunda trilogia não há unanimidade entre os fãs, já que muitos acham que o seu terceiro filme é o melhor de todos, enquanto outros “torcem” por O Ataque dos Clones. É em A Vingança dos Sith que tudo se resolve e encaixa, e que todos os cordelinhos da intriga têm que ser devidamente atados, e o filme, o mais soturno, atarefado e intenso desta trilogia, cumpre, apresentando pelo menos uma sequência inesquecível: a do duelo – físico e mental – entre Yoda e o sinistro conde Dooku de Christopher Lee, uma das grandes aquisições da saga neste seu segundo tempo.

Publicidade

5. ‘O Regresso de Jedi', de Richard Marquand (1983)

Apesar de ser o episódio de todas as resoluções da primeira trilogia, do confronto decisivo entre a Aliança Rebelde e o Império, O Regresso de Jedi costuma ser apontado como o filme mais fraco da mesma – apesar de não ser de forma alguma um A Ameaça Fantasma. É verdade que O Regresso de Jedi padece, por exemplo, de um excesso de exposição dos fofinhos Ewoks. Mas mais não fosse, a batalha final de meia hora, com a acção a alternar entre a floresta e o espaço, e o duelo entre Luke Skywalker e Darth Vader, seguido da grande revelação da saga, compensam as coisas que funcionam menos bem.

6. ‘Rogue One: Uma História de Star Wars’, de Gareth Edwards (2016)

Surpresa: é o primeiro filme autónomo da saga A Guerra das Estrelas (baptizada Star Wars: Antologia) que se revela mais fiel ao espírito e à letra da trilogia-mãe, e que vem injectar-lhe frescura e vitalidade, e descomplicá-la. Na concepção, na vibração, nas peripécias e nas personagens (com a despachada Felicity Jones a brilhar no papel da heroína Jyn Erso), Rogue One revela uma identidade de space opera genuína e muito bem-vinda. A estupenda batalha final, travada em terra e no ar, no cenário de uma ilha de um planeta tropical, é uma das melhores de toda a saga.

Publicidade

7. 'Star Wars: A Ascensão de Skywalker’, de J.J. Abrams (2019)

Não é fácil resolver com limpeza num filme de duas horas e vinte minutos uma saga cinematográfica de ficção científica que já dura há várias décadas . Mas J.J. Abrams conseguiu fazê-lo. Star Wars: A Ascensão de Skywalker puxa as alavancas narrativas e emocionais certas, contempla todo o tipo de situações a que a saga nos habituou, vai buscar personagens bem-amadas do passado, exibe na tela os 300 milhões de dólares que custou a rodar e, no final, deixa os fios da história todos bem atados e o título explicado.

8. ‘Star Wars: Episódio I – A Ameaça Fantasma’, de George Lucas (1999)

Diz-se que há uma versão de seis horas deste primeiro filme da segunda trilogia, e que é excelente, mas muito poucos a viram. A realidade é que as pouco mais de duas horas da versão oficial de A Ameaça Fantasma não satisfizeram a maioria dos fãs, que esperava há 16 anos pelo regresso da saga, em que Ewan McGregor interpreta um jovem Obi-Wan Kenobi e são contados os acontecimentos anteriores à trilogia original. Uma das razões para essa insatisfação foi Jar Jar Binks, uma personagem de alívio cómico que acabou por simbolizar tudo o que está mal com o filme.

Publicidade

9. 'Han Solo: Uma História de Star Wars', de Ron Howard (2018)

Há três bons motivos para ver este western espacial. O primeiro é um alienígena, Chewbacca, que nesta fita sobre a juventude de Han Solo (aceitavelmente personificado por Alden Ehrenreich) trava conhecimento com o seu futuro amigo e parceiro de aventuras galácticas; o segundo é uma dróide, L3, a co-piloto de Lando Calrissian, em permanente e ruidoso comício pelos direitos dos seus, que acaba por liderar uma revolução de robôs; e o terceiro é a presença, na realização e a assinar o argumento de gente que sabe o que faz, respectivamente Ron Howard e Lawrence Kasdan (este acompanhado pelo seu filho Jonathan).

10. ‘Star Wars: O Despertar da Força’, de J.J. Abrams (2015)

Com a Lucasfilm vendida à Walt Disney, a saga foi reactivada, mas a verdade é que a Força voltou a meio gás, 30 anos depois dos acontecimentos narrados em O Regresso de Jedi. J.J. Abrams queria de certeza estar à altura da trilogia original, mas não foi capaz. No seu melhor, O Despertar da Força é um decalque esforçado, de momentos, figuras, lances e sequências espectaculares do primeiro filme. E o novo vilão, Kylo Ren, interpretado por Adam Driver, um Darth Vader de terceira escolha, revela-se pura e simplesmente embaraçoso. Este filme é um clone imperfeito.

Publicidade

11. ‘Star Wars: Os Últimos Jedi', de Rian Johnson (2017)

Esperava-se que Os Últimos Jedi fosse melhor que O Despertar da Força, mas nada feito. Apesar do regresso de Mark Hamill, agora interpretando Luke Skywalker como um velho Mestre Jedi, o filme é laborioso, muito explicativo e de uma espectacularidade rotineira e automatizada, o estereótipo do gigantismo da epopeia galáctica. Apenas Hamill, sempre que está em cena, traz consigo um lastro de boas, vibrantes e comoventes recordações da trilogia que inaugurou a saga. Tal como a personagem a que dá corpo, Hamill está mais velho, mas também mais sábio e mais poderoso.

Mais filmes para ver

  • Filmes

Se é de um filme bem-disposto que anda a precisar, pare já esse scroll infinito pela lista da Netflix. Juntamos alguns dos melhores feel good movies (como dizem lá na América) que pode assistir agora no serviço de streaming. Não são necessariamente comédias românticas. Há, por exemplo, quem se divirta ao máximo com atribuladas aventuras em mundos apocalípticos (sim, zombies) ou com um Pai-Natal animado e todo tatuado. Nesta lista encontra vários géneros do cinema que em comum têm aquela vontade de nos fazer abraçar a boa disposição. E a pessoa do lado. Recomendado: As melhores séries para ver na Netflix

  • Filmes

Há qualquer coisa de fantástico que nos faz inclinar para a frente sempre que o assunto são piratas. Talvez assim não fosse para todos aqueles que sofreram abordagens à lei da espada – e da bala –, mas quando o assunto é aventura e pilhagens em alto mar, a curiosidade dispara, e a imaginação segue-lhe o caminho. O imaginário da pirataria conquistou a humanidade pelos livros desde o seu começo, e mais tarde, foi o cinema a seguir-lhe o rasto e a transportar aos olhos tudo o que as letras já haviam descrito. Douglas Fairbanks, Errol Flynn, Burt Lancaster, Gene Kelly, Robert Shaw, Johnny Depp e até actrizes como Jean Peters, Genevieve Bujold e Geena Davis interpretam as personagens que nos deliciaram. E estes são os 12 grandes filmes de piratas que o comprovam. Recomendado: Os melhores filmes de luta no cinema

Publicidade
  • Filmes

A exemplo do western, o filme musical é um género clássico cuja morte é regularmente anunciada. Mas a verdade é que continuam a ser feitos musicais nos Estados Unidos e também, a espaços, na Europa. Certo é que a força não é a mesma que fez de títulos como O Feiticeiro de Oz ou Serenata à Chuva pedaços inesquecíveis de cinema, mas se as grandes produções dentro do género continuam a levar gente às salas de cinema e, mais tarde, aos sofás de casa, é um claro sinal de que alguma coisa continua a ser bem feita. Na lista que se segue encontra alguns desses exemplos; cinema bem feito, com um toque fresco, com uma visão diferente, com uma prestação memorável. São os melhores filmes musicais deste século. Recomendado: Os melhores e os piores filmes da Marvel

  • Filmes

Definir aquilo que podemos considerar como "filmes de luta" não é fácil. Há filmes que o são em parte, há filmes que o são num todo, há filmes com cenas de luta memoráveis, sequências inesquecíveis e filmes que, de argumento e execução tão fracos, acabamos por descartar. Aqui, o assunto luta serve de muitas formas. Há artes marciais, wrestling, boxe, luta de rua, há histórias que se constroem em torno dos punhos, há veracidade e ficção e ambas. A premissa foi combinar argumento e execução para chegar a uma obra digna, seja ela de produção megalómana Hollywoodesca ou independente, na lista que se segue tem opções para todos os gostos. Fique a conhecer os melhores filmes de luta no cinema. Recomendado: As 25 melhores séries de comédia

Publicidade
  • Arte

Se sempre quis conhecer melhor a história daquele artista que admira ou perceber o contexto em que determinada obra foi concretizada (ou se, simplesmente, aprecia mergulhar em mentes e vidas alheias), a solução pode passar por uma sessão de cinema dedicada a nomes mais ou menos conhecidos da arte nacional ou internacional. Entre documentários que resgatam escultores ou fotógrafos do anonimato, biopics que funcionam como autênticas cápsulas do tempo e nos conduzem a certos episódios da vida dos artistas ou, até mesmo filmes que nos levam aos bastidores de trabalho de reputadas figuras da arte contemporânea portuguesa, há de tudo na Netflix ou no Filmin (uma espécie de Netflix para produções independentes). Escolha um (ou vários), prepare as pipocas e aproveite. Recomendado: 10 obras de arte que nos lembram como é bom estar em casa

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade