Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Porto icon-chevron-right Fomos visitar o Six Senses Douro Valley, um dos melhores hotéis do país

Fomos visitar o Six Senses Douro Valley, um dos melhores hotéis do país

Situado numa quinta do século XIX totalmente renovada, o Six Senses Douro Valley é um dos melhores hotéis do país. Contamos-lhe tudo o que há para ver e fazer por lá

Six Senses Douro Valley
1/10
© João SaramagoSix Senses Douro Valley
Six Senses Douro Valley
2/10
© João SaramagoSix Senses Douro Valley
Six Senses Douro Valley
3/10
© João SaramagoSix Senses Douro Valley
"Amêndoas há muitas"
4/10
© João Saramago"Amêndoas há muitas"
Polvo com especiarias e açorda
5/10
© João SaramagoPolvo com especiarias e açorda
Pá de cordeiro de leite
6/10
© João SaramagoPá de cordeiro de leite
Six Senses Douro Valley
7/10
© João SaramagoSix Senses Douro Valley
Six Senses Douro Valley
8/10
© João SaramagoSix Senses Douro Valley
Six Senses Douro Valley
9/10
© João SaramagoSix Senses Douro Valley
Workshop Pickles, Iogurtes e Chás
10/10
© João SaramagoWorkshop Pickles, Iogurtes e Chás
Publicidade

Já diziam os antigos que não há uma segunda oportunidade para criar uma boa primeira impressão, e nisso – como em tudo o resto – o Six Senses Douro Valley não falha. Logo à chegada, enquanto fazemos o check-in, somos brindados com um copo de Porto, frutos secos e um chá de gengibre e canela. O primeiro contacto com o quarto não fica atrás. Mal passamos a porta, abre-se à nossa frente uma vista inspiradora, do rio Douro e do bosque do hotel, paisagem a que também temos acesso dentro do chuveiro (onde cabiam, à vontade, umas quatro pessoas). Damos um saltinho à cama para testar o colchão – superconfortável, lençóis macios, almofadas XXL. Ficávamos já aqui, mas temos agendado o workshop Pickles, Iogurtes e Chás no Earth Lab, uma oferta para os hóspedes.

Numa mesa cheia de frascos com ervas, começamos por aprender a fazer infusões. Adão, o nosso professor por um dia, fala-nos sobre as propriedades e benefícios de cada uma. Esmigalhamos as ervas na mão, cheiramos, tentamos identificá-las, e escolhemos as que queremos usar. Já com elas dentro da água, “vemos o jardim a renascer dentro da infusão”, diz Adão. Quando a maioria das ervas chega ao fundo do recipiente, quer dizer que a infusão está pronta a ser consumida. Enquanto isso não acontece, vamos para outra sala aprender a fazer iogurtes com kefir. Outro processo de fermentação caseira que experimentamos é a conservação de vegetais em pickles, que facilita a absorção das suas propriedades pelo organismo. Levamos os pickles connosco e saímos do Earth Lab mais saudáveis – incentivar-nos e ajudar-nos a ter um estilo de vida saudável, desde a forma como dormimos e relaxamos, àquilo que comemos é, aliás, um dos mandamentos do Six Senses.

Ao workshop segue-se uma prova de vinhos do Douro e Porto na Wine Library (35€), cuja sala de estar pede um momento a sós com os sofás e as revistas disponíveis. Caso prefira fazer a sua própria prova, aposte na Enomatic, uma máquina de vinhos self-service. Outra coisa que tem mesmo de experimentar é o restaurante Vale de Abraão, que tem como chef Luís Borlido e chef executivo consultor Ljubomir Stanisic, estrela da gastronomia made in Portugal. É lá que jantamos. Arrancamos com a sopa de peixes, coadjuvada por uma surpreendente cobertura de massa folhada (25€), e com a abóbora manteiga recheada de lentilhas, especiarias e leite de coco (18€), uma das várias entradas vegetarianas de um menu que privilegia ingredientes regionais, orgânicos e da época, tendo em conta o nosso bem-estar através da comida. Continuamos com polvo com especiarias, mel e vegetais, acompanhado de uma deliciosa açorda com tinta de choco (38€), e a tenríssima pá de cordeiro de leite, com arroz de miúdos (45€). Cada passo da refeição é harmonizado com um vinho, incluindo a sobremesa: a “Amêndoas há muitas” (12€), onde as várias camadas têm a amêndoa – também um trunfo da região duriense – como ingrediente central.

Na manhã seguinte, faltamos à aula de ioga e vamos explorar o spa. A piscina interior é óptima tanto para relaxar como para dar umas braçadas. A enorme janela com vista directa para o bosque é a cereja no topo do bolo. Estrategicamente virada para este cenário maravilhoso está também a sauna, um dos vários espaços da Vitality Suite, zona onde se tem acesso à sala de banho a vapor, a um banho de ervas (aromoterapia), chuveiros com diferentes temperaturas que proporcionam uma “ginástica vascular”, e ao laconium, uma sala com luzinhas de várias cores onde se recria o ambiente das antigas termas romanas. Depois de uma hora e meia bem passadas, estamos prontos para atacar o pequeno-almoço (30€). E que espanto. Pão, iogurtes, granola, sumos e compotas caseiros; uma selecção variadíssima de sementes, frutos secos e frutas; uma sala só para queijos e charcutaria; panquecas, waffles, croissants e bolos com fruta e pouco açúcar; e ainda os ovos do dia com abacate, e muitas outras coisas. Épico. Depois de um passeio pelos espaços exteriores, voltamos ao spa para uma massagem de corpo inteiro, com duração de uma hora (120€ a 135€). No final, a cambalear de tanto relaxamento, deitamo-nos num dos sofás do spa, na companhia de um chá de gengibre e canela e de frutos secos. Na recta final da nossa estadia, experimentamos a Skin Analysis By Biologique Recherche: uma avaliação da pele (50€), desde o seu nível de hidratação ao grau de elasticidade, feita por uma terapeuta com o apoio de um aparelho que era usado em trabalhos para a NASA. Esta será uma das vertentes da clínica anti-aging que vai ser inaugurada brevemente no hotel.

Por tudo isto, o Six Senses Douro Valley é considerado um dos melhores hotéis do país. Luxo, sim, mas com sobriedade, classe e serenidade. 

Quinta de Vale Abraão, Samodães (Lamego). 254 660 600. Época baixa: 290€ a 1250€. Época alta: 540€ a 1500€.

Mais sobre o Douro

Quinta da Pacheca
© DR
Viagens

Cinco quintas para se instalar no Douro

No Douro encontra tudo o que precisa para ser feliz. Há boa comida, bebida, passeios que valem sempre a pena repetir, paisagens de cortar a respiração e alojamentos que lhe vão garantir noites bem dormidas. Nesta lista, composta por cinco quintas para se instalar no Douro, encontra tudo isso e muito mais, uma vez que não lhe dizemos apenas as coordenadas geográficas das mesmas, mas também tudo o que pode fazer por lá. Conhecer o processo de produção do vinho, passeios de helicóptero e spas capazes de curar qualquer maleita são apenas exemplos do que pode fazer por estes lados. Bom proveito.

Casal de Loivos
© DR
Coisas para fazer, Caminhadas e passeios

Oito coisas para fazer no Douro

Que o Douro é a região mais bonita do mundo já toda a gente sabe. Pode é não saber o que fazer quando lá estiver, ofuscado por tanta beleza natural. A pensar nisto, damos-lhe oito coisas para fazer no Douro que lhe vão ocupar bem o tempo, encher bem o estômago e deixá-lo bem relaxado num hotel com uma bela vista sobre a paisagem. Está curioso? Enquanto vá abrindo a lista, que nós desvendemos um pouco: conte com passeios de barco, visitas a monumentos imponentes e viagens pela linha do Douro, uma das bonitas de Portugal.

Publicidade
Hotéis

Os melhores hotéis no Douro

De uma beleza que não passa de prazo, esta região vinhateira merece pelo menos uma visita por ano. Todos sabemos que há muito para fazer no Douro, mas também convém que, antes de nos fazermos à estrada, saibamos onde ficar instalados. Por isso mesmo, estes são os melhores hotéis no Douro para relaxar, passear e pôr os olhos no rio.

Publicidade