Playlist Time Out: as melhores canções da semana

De Kylie Minogue a J. Balvin, de Colombia a Lisboa, não passe sem a playlist Time Out: as melhores canções da semana

Photograph: Darenote LtdKylie Minogue

O ano 2018 começou com pé a fundo no acelerador nos universos da pop e da música de dança. Há regressos inspirados de Kylie Minogue e Tracey Thorn, fulgurante electrónica nacional graças a Branko, PEDRO e P. Adrix, e mais um tratado de reggaeton por J. Balvin. Siga pela playlist Time Out e conheça as melhores canções da semana.  

Playlist Time Out: as melhores canções da semana

Bad Gyal - "Blink"

Bad Gyal é uma cantora catalã que em “Blink” faz uma viagem musical que em teoria parece naturalíssima: partida da Ibéria, voo rasante pela América do Sul para recolher ingredientes reggaeton, paragem demorada nas Caraíbas para encher o tema com dancehall e novo atravessamento do Atlântico para chegar às ilhas britânicas, onde o produto é depositado nas mãos de DJ Florentino, cavalheiro que trocou a Colombia por Manchester e que, talvez por isso, trava o calor rítmico com ambientes que parecem vindos do grime. Atacada por auto-tune, a voz de Bad Gyal, aliás Alba Farelo, dança entre um aguaceiro de palmas digitais. O festival Sonar anda atento e chamou-a para a edição de 2017.

Branko + PEDRO - "MPTS"

Um ex-Buraka Som Sistema (Branko) alia-se a um dos produtores em ascensão no mapa da electrónica de dança sem fronteiras (PEDRO, nome civil Pedro Maurício, ex-nome artístico Kking Kong). O resultado é um toque a reunir tribal com o título certo – “MPTS” é uma contracção de “Meus Putos”. A versão integral pouco passa dos três minutos de hipnose.

Publicidade

Hayley Kiyoko - "Curious"

Desde a infância (vai nos 26 anos) que Hayley Kiyoko alterna entre cinema, televisão e música. O seu primeiro álbum em nome próprio, Expectations, está prestes a chegar (sai a 30 de Março) e contém esta inspirada variação, um pouco menos exuberante, do instrumental de “Work from Home” das Fifth Harmony. Os versos e o óptimo vídeo (co-realizado por Kiyoko em parceria com James Larese) remam na mesma direcção: este é um triângulo amoroso bissexual de conveniência onde Hayley questiona a parceira relutante em sair do armário: “I can handle things – like I wish that you would/ You’ve been out of reach, could you explain?/ I think that you should/ What you been up to?/ Who's been loving you good?”

J. Balvin, Jeon, Anitta - "Machika"

Ninguém se queixará se J. Balvin mantiver a média de pelo menos um single brilhante por ano. Em 2017 foi “Mi Gente”. Agora há um mais tenso e atarefado “Machika”, bem servido por um vídeo cujo ambiente pós-apocalíptico tem muito de Mad Max. Tema a tema, do cantor colombiano vem-se tornando seguro esperar algum do reggaeton mais state of the art deste tempo. Jeon (de Aruba) e Anitta (do Rio de Janeiro) ajudam à festa.

Publicidade

Kylie Minogue - "Dancing"

O primeiro impacto pode causar alguma estranheza. Não pela mistura de EDM com country (há anos que este é um namoro consumado, mesmo que poucas vezes feliz), mas pela presença de Kylie Minogue neste cenário, alternando um tom intimista nos versos com a explosão eufórica no refrão. À segunda ou terceira audição já é perfeitamente aceitável defender que “Dancing” não mais poderá faltar em vindouras playlists e best ofs da diva australiana. O tema foi escrito a três mãos (Minogue, Steve McEwan e Nathan Chapman, este último presente na produção de todos os álbuns de Taylor Swifft até 1989) e é carregado por uma mensagem positiva mas lúcida, rara nestes tempos, levada à conclusão lógica e feliz e metafísica na frase central do refrão: “When I go out, I wanna go out dancing”. O vídeo, entre o motel de cores carregadas e a boîte reluzente, é uma delícia. Golden, o álbum que contém “Dancing”, chega a 6 de Abril.

P. Adrix - "Zelda Shyt"

O que P. Adrix aqui apresenta ainda será kuduro, mesmo que os ritmos, indecisos e ansiosos, tenham margens  distorcidas e esbatidas, como se tivesse sido expostos aos primeiros álbuns de The Aphex Twin. A melodia, circular, poderia ser de filme britânico de suspense suburbano de uns anos 1960 monocromáticos, atravessando os dois minutos e 43 segundos de tempo de antena como prenuncio de uma psicose que não eclode.  O ambiente  está saturado mas não sobrelotado. De descendência angolana, P. Adrix nasceu e cresceu em Lisboa, tem 22 anos e vive em Manchester desde os 19. A 23 de Fevereiro chega Álbum Desconhecido via Príncipe Discos.

Publicidade

Tracey Thorn - "Queen"

A canção que anuncia a chegada do álbum Record a 2 de Março vem carregada de sentido de urgência, ao qual não será alheio a presença na produção de Ewan Pearson. O sangue galopa nas veias desta pérola synthpop-electro, com riff de guitarra a condizer irrompendo pela segunda metade do tema. Sob um certo ângulo, e com a ajuda do ambiente urbano e nocturno do vídeo, “Queen” parece o reverso enérgico de pelo menos metade do repertório dos Blue Nile.

Mais música para Fevereiro no Porto

Os melhores concertos no Porto em Fevereiro

Em Fevereiro há música de muitas latitudes para escutar nos palcos da cidade. Da Jamaica a brisas do Brasil, de França a um denso contingente britânico liderado pelo regressado Tricky, da Guiné-Bissau a, claro, Portugal. Reggae, jazz-rock, garage, trip-hop — é escolher.

Ler mais
Por Ana Patrícia Silva

As melhores noites de Fevereiro

Não é comum ter no mesmo mês, na mesma cidade, dois nomes pioneiros da música electrónica de dança, mas assim acontece no Porto em Fevereiro com Kevin Saunderson no Plano B e Carl Craig no Indústria. Mas também não faltam nomes mais recentes e entusiasmantes associados ao tecno, de Ciel a Tijana T e Amelie Lens. O difícil será optar.

Ler mais
Por Mariana Duarte
Publicidade

Comentários

0 comments