Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Porto icon-chevron-right 'Antiprincesas': Frida Kahlo e Clarice Lispector entre as protagonistas desta série de espectáculos
Notícias / Teatro e artes performativas

'Antiprincesas': Frida Kahlo e Clarice Lispector entre as protagonistas desta série de espectáculos

Antiprincesas
© Estelle Valente Leonor Cabral dá corpo a Frida Kahlo

Nasceram sem terem à espera coroas reluzentes e vestidos pomposos, longe de castelos e palácios forrados a ouro e privilégio, e cedo perceberam que nem sempre tudo acaba bem. Cresceram em contexto de guerra, pobreza e doença, mas não se deixaram conter pelas adversidades. Pelo contrário – insurgiram-se contra os cânones do seu tempo e imortalizaram-se através da obra criada em áreas como a arte, literatura, música e política.

Juana Azurduy, Frida Kahlo, Clarice Lispector e Violeta Parra são as heroínas da vida real que dão corpo a Antiprincesas, série de quatro espectáculos criados por Cláudia Gaiolas com base na colecção infantil homónima editada pela Tinta-da-China e pela EGEAC. Depois de terem sido apresentados em Lisboa em 2018, são agora mostrados em vários espaços do Porto no âmbito do programa municipal Cultura em Expansão. “A audácia, a bravura e a perseverança são características normalmente mais associadas aos meninos do que às meninas”, reflecte a encenadora, que partiu dos quatro volumes para falar das biografias de “mulheres que não são do século XXI, mas que ainda são revolucionárias nos nossos dias”.

A primeira peça pode ser vista sábado 12 no Parque da Pasteleira, onde Juana Azurduy, guerrilheira de origem indígena que lutou pela independência da Bolívia, chegará por entre as árvores. No domingo 13 é a vez das cores e dores de Frida Kahlo (que, como Azurduy, é interpretada por Leonor Cabral) ocuparem a Casa d’Artes do Bonfim. Sábado 19, a escritora e jornalista Clarice Lispector (interpretada por Cláudia Gaiolas) faz-se acompanhar pelos animais dos seus livros no Auditório do Grupo Musical de Miragaia e, no domingo 20, a cantora, compositora e activista chilena Violeta Parra (aqui por Sandra Pereira) actua no Auditório da Junta de Freguesia de Campanhã.

Estas peças “falam de mulheres, mas são para meninas e meninos”, sublinha Cláudia Gaiolas. Não se pretende condensar as histórias destas personalidades, mas “contar aquilo que é mais relevante para o público dos três aos dez anos” – sendo que a sua pertinência se aplica a todas as idades. No fundo, mostra-se “a realidade trabalhada de forma lúdica, mas muito verdadeira”. “Nós dizemos que a Frida Kahlo partiu uma, duas, três costelas, ou que o marido e os filhos da Juana Azurduy morreram todos”, exemplifica Cláudia Gaiolas. Fala-se de amor, família, dor e morte, sem “adoçar, mas sim contextualizar”.

Importa, portanto, que se fale sobre a vida como ela é: não um conto de fadas, mas um vaivém de altos e baixos que se torna num acto de resistência diário. “Estas não são princesas da Disney. São mulheres que foram contra tudo e contra todos, porque a vida não lhes foi fácil”. Entrada livre.

+ Os melhores espectáculos no Porto em Outubro

+ Coisas para fazer no Porto em Outubro

Fique a par do que acontece na sua cidade. Subscreva a nossa newsletter e receba as notícias no email.

Publicidade
Publicidade

Comentários

0 comments