Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Porto icon-chevron-right Câmara Municipal apresenta Museu da Cidade que integra 16 espaços do Porto
Câmara Municipal apresenta Museu da Cidade que integra 16 espaços do Porto

Câmara Municipal apresenta Museu da Cidade que integra 16 espaços do Porto

Publicidade

A Câmara Municipal do Porto apresentou esta quinta-feira o Museu da Cidade, um museu policêntrico que se estende de Campanhã à Pasteleira incorporando 16 espaços da Invicta, arqueológicos, museológicos, jardins e parques. Afinal, segundo palavras de Rui Moreira, "a cidade é toda ela cidade".

De acordo com o director artístico, Nuno Faria, este projecto, apelidado também de "museu rizoma", permite "interpretar a cidade através de cinco eixos": eixo sonoro, eixo natureza, eixo material, eixo líquido e eixo romântico. Os nomes foram atribuídos de acordo com os objectos, materiais e potencialidades de cada local. A título de exemplo, fazem parte do eixo liquido espaços como o Reservatório, Entre Quintas, o Rio de Vila (o ribeiro da cidade), Extensão do Douro e Bonjóia Extensão Natureza.

Neste momento, o Museu da Cidade está a funcionar a 80%, faltando abrir seis espaços, avançou o autarca. São eles o Reservatório, o Rio de Vila — "museu subterrâneo que vai começar junto à Estação São Bento e desaguar no largo de S.Domingos —, Casa dos 24, Ateliê António Carneiro, Extensão Indústria (inicialmente prevista para o Matadouro Municipal, mas que mudará de localização para o CACE Cultural, no Freixo) e Bonjóia Extensão Natureza, sendo esta última a que exige uma intervenção mais pesada. 

À excepção do Museu do Vinho do Porto, na Rua da Reboleira, que reabre a 20 Março com uma nova imagem e que passa a chamar-se Extensão do Douro, não há datas concretas para a abertura dos restantes espaços.

Rui Moreira apontou que o Museu da Cidade deverá estar a funcionar a 100% "dentro de um ano e meio". Até lá pode visitar outros locais como Casa Marta Ortigão Sampaio, Casa Tait, Banco de Materiais (localizado no Palacete Viscondes de Balsemão) ou o Arqueossítio. Estão abertos de terça-feira a domingo, entre as 10.00 e as 17.30 e a entrada é livre para as exposições temporárias. Aos sábados e domingos pode ver de graça as exposições permanentes. 

A programação do Museu da Cidade para os meses de Fevereiro e Março é variada e dedicada à natureza, destacando-se as exposições “Por trás das árvores há um outro mundo”, na Casa Guerra Junqueiro, “Revolução Liberal do Porto”, na Casa do Infante a propósito da comemoração dos 200 anos da Revolução Liberal de 1820 e ”Livros são árvores, bibliotecas são florestas”, no Gabinete Sonoro. Terão também conversas, acções performativas, encontros e percursos, por isso, fique atento.

Durante a conferência, que decorreu no auditório da Biblioteca Almeida Garrett, ficou a saber-se também que a Extensão do Romântico, antigo Museu Romântico, vai ter uma nova programação museológica em 2021.

Estão destinados 600 mil euros para programação e a parte gráfica, a cargo dos designers Lizá Ramalho e Artur Rebelo, foi inspirada nas placas toponímicas que podemos encontrar no Banco de Materiais.

Rui Moreira acabou a salientar que o Museu da Cidade é um museu do futuro, onde podem ser acrescentados novos espaços ao longo do tempo, dada a riqueza cultural do Porto. Nas suas palavras é uma "neverending story".

+ Os melhores museus no Porto

+ As maiores atracções no Porto

Fique a par do que acontece na sua cidade. Subscreva a nossa newsletter e receba as notícias no email.

Share the story
Últimas notícias
    Publicidade