A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Casa Pardal
©DRCasa Pardal

Casa Pardal: a padaria e pastelaria onde vai querer fazer ninho

Regueifas que “são as melhores do mundo”, tentadores doces conventuais e bolos gulosos de invenção própria. Fomos conhecer a casa de Amarante que está a fazer sucesso na Boavista.

Escrito por
Mariana Morais Pinheiro
Publicidade

Quinhentas dúzias de ovos, 60 quilos de açúcar e 30 quilos de amêndoas por semana são a receita infalível para o sucesso da Casa Pardal que, desde que abriu as portas em finais de Fevereiro, se tornou num autêntico fenómeno no Porto. “No primeiro sábado, à uma da tarde, fechámos a loja porque esgotou tudo. E no último, em que chovia torrencialmente, estava com medo a achar que o negócio ia ser uma desgraça, mas tivemos fila durante todo o dia. Havia pessoas debaixo da chuva à espera de vez”, conta Filipe Soares que, juntamente com a mulher, Diva Costa, gere o negócio. “Nesse domingo vendemos cerca de 250 regueifas”, acrescenta ainda meio incrédulo. 

Com fama estabelecida em Amarante, onde têm dois estabelecimentos – o primeiro desde os anos 90 –, é de lá que chegam todos os dias de manhã, bem cedo, os doces conventuais de fabrico próprio, típicos daquela cidade, como os papos de anjo, as brisas, os São Gonçalos, as lérias e os foguetes, que brilham tentadores na vitrina, carregados de colossais doses de açúcar, gemas e amêndoas (todos a 20€/kg). 

“Temos clientes que nos chamam de entregadores de pecado”, ri Filipe. Não é caso para menos. Durante os confinamentos, o casal começou a fazer entregas no Porto todos os sábados. No início eram poucas, iam casa a casa, mas tudo mudou quando em Novembro de 2020 publicaram no Facebook uma fotografia do bolo Babão. O sucesso foi imediato e de 40 entregas passaram a 180. “Adoro as fatias do Freixo que são muito parecidas com as cavacas de Resende. Só que, a partir de certa altura, o doce torna-se mais seco e eu queria uma coisa mais húmida. Na brincadeira, eu e a Diva fizemos uma massa baixinha de pão-de-ló que mergulhámos numa calda de limão, açúcar e canela. Depois, acrescentámos o nosso doce de ovos que, para mim, é de excelência e está dentro dos melhores, e ainda o açúcar.”

Além do Babão (20€/kg), na Casa Pardal encontra uma versão caseira e saborosa do mítico bolo de bolacha (15€). “É uma receita da minha mãe e a Diva deu-lhe um toquezinho”, explica Filipe. Há ainda o pudim do Santo, feito apenas com açúcar, amêndoa e cerca de duas dezenas gemas (20€); o toucinho da Pardal, que leva chila e raspas de laranja (20€/kg); os Dom Al’mendoas, com amêndoa torrada, chila, doce de ovos e massa folhada (2€); os muito conhecidos doces fálicos de São Gonçalo (3€) e ainda os conventuais (1,50€).

Mas não podemos falar da Pardal sem referir o pão. “A Pardal existe em Amarante desde o tempo da minha bisavó, que ia do Marco de Canaveses para Amarante com os açafates [cestos de vime] carregados de regueifas”, conta o dono, acrescentando que em 1988, o pai, bancário e “nascido no meio da farinha”, montou a primeira Pardal de fabrico próprio no Marco de Canaveses. “Em 1991 abre a primeira loja em Amarante. E em 2005 abre a segunda, pela qual fiquei responsável, e que deu origem a esta aqui no Porto.”

Dizem que as regueifas são “as melhores do mundo”, disponíveis ao sábado e ao domingo (2,50€), mas também vai encontrar torcidos de regueifa (1,30€), sêmeas rústicas (3€/kg), sêmeas de Moure (3 uni./0,30€), broas de milho (3€/kg) e broas de milho com fumeiro (6,50€/kg), tudo de produção própria. 

Em vez de cafetaria, na loja do Porto têm uma pequena mercearia, com uma curadoria cuidada e produtos de casas parceiras. Méis puros, de rosmaninho, de urze, ou aromatizados com laranja ou canela, frutos secos caramelizados, chocolates artesanais, biscoitos de alfarroba ou de limão e coco, cogumelos frescos ou conservados em azeite, vários tipos de azeites e enchidos, marmeladas, queijos e muitos vinhos portugueses de pequenos produtores são algumas das coisas que poderá levar para casa antes ou depois de cair em tentação e provar do pecado. 

Rua da Boavista, 655. Ter-Sáb 10.00-18.00, Dom 10.00-12.00.

Casa Pardal
©DRCasa Pardal

+ Pardal: os doces de Amarante têm uma nova casa no Porto

+ Os melhores doces tradicionais no Porto

Últimas notícias

    Publicidade