Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Porto icon-chevron-right Cultura em Expansão: até 17 de Dezembro há 46 espectáculos gratuitos para ver no Porto
Lula Pena
© DR Lula Pena

Cultura em Expansão: até 17 de Dezembro há 46 espectáculos gratuitos para ver no Porto

Publicidade

Um concerto dos Dead Combo, a 28 de Fevereiro, assinalou o arranque da sétima edição do Cultura em Expansão, iniciativa que, até ao final do ano, oferece à cidade a possibilidade de assistir, gratuitamente, a 46 projectos — cinema ao ar livre, música e teatro experimental são algumas das actividades das quais vai poder desfrutar nos próximos meses. Os eventos vão ter lugar em 22 locais da Invicta, distribuídos por quatro pólos artísticos: Associação de Moradores do Bairro Social da Pasteleira, Grupo Musical de Miragaia, Junta de Freguesia de Campanhã e Associação Moradores da Bouça. Este último integra pela primeira vez a acção, que conta com uma série de nomes emblemáticos do panorama artístico nacional na programação. Lena d’Água, Clã, JP Simões, The Legendary Tigerman, Lula Pena, Palmilha Dentada, Teatro Experimental do Porto e Três Tristes Tigres são apenas exemplos.

Em Março vai poder assistir à actuação da guitarrista, compositora e intérprete Lula Pena. Com a Igreja de S. Pedro de Miragaia como cenário, a artista vai apresentar, no sábado 7 às 21.30, Archivo Pitoresco, o seu mais recente álbum, composto por poemas cantados em diferentes línguas, do português ao italiano, passando pelo grego. 

Dia 14, também às 21.30, Raquel André sobe ao palco do Auditório do Grupo Musical de Miragaia com Colecção de Amantes. Esta criação teatral resulta de uma série de visitas, que fez desde 2014 e pretende continuar a fazer até 2024, a apartamentos de desconhecidos ao redor do mundo, com o objectivo de fotografar estes Amantes. Acompanhada pela música de Noiserv, Raquel vai contar as histórias reais ou fictícias da sua Colecção. No mesmo local e à mesma hora, mas a 28 de Março, poderá ver Tenshô, teatro de sombras com narração e música original que relata o choque de culturas entre portugueses e japoneses. Beniko Tanaka, artista plástica, é a responsável por esta manipulação ao vivo de marionetas que não deve perder.

Um espectáculo de JP Simões e amigos está entre os destaques da programação no quarto mês de 2020. No dia em que se celebra a Revolução dos Cravos, o cantor e compositor irá interpretar músicas da sua autoria e de José Mário Branco, entre outras cantigas de Abril. Para aplaudir às 17.00 na Associação de Moradores da Bouça. Antes disso, no dia 17, começam as sessões do Cinema Insuflável, que se estendem até 4 de Julho. Pelo terceiro ano consecutivo, esta sala móvel traz aos mais novos uma série de filmes categorizados por faixas etárias.

Um mês depois, a 17 de Maio, é a vez do WAVEDANCE LAB +55 Anos, projecto de formação e criação coreográfica para maiores de 55 anos, brilhar. O grupo vai desafiar os moradores do bairro da Pasteleira para a apresentação de um espectáculo final de dança, terminado um período de laboratório intensivo.

O espectáculo de rua Os Sete Pecados Mortais, resultado de uma parceria entre o Teatro da Palmilha Dentada e o Teatro Independente de Paranhos, para ver nos dias 3, 9 e 10 de Julho na Quinta do Covelo, no Bairro da Bouça e no Parque da Pasteleira, respectivamente, às 21.30; assim como os concertos de Bonga e Kussundolola, sobressaem na programação do mês de Julho. O primeiro actua na tarde de dia 5 no Parque Oriental da Cidade, numa celebração de meio século da música semba, enquanto o grupo de reggae que marcou a década de 90 em Portugal vai percorrer, dia 11 no Largo Artur Arcos, os êxitos que popularizaram.

Até ao final da edição, a 17 de Dezembro, haverá ainda tempo para um espectáculo de Lena D’água (dia 17 de Outubro, às 21.30, na Associação da Pasteleira Torres Vermelhas), onde a cantora irá apresentar Desalmadamente, o seu mais recente álbum de originais; e para Guanche (dia 28 de Novembro, às 21.30, no Auditório do Grupo Musical de Miragaia), obra de The Legendary Tigerman, da actriz Íris Cayatte e do realizador Pedro Maia. O espectáculo, que vai buscar o seu nome ao povo Guanche, “originário das Canárias” e “símbolo de resistência heróica à ocupação europeia das ilhas”, tem início no alto dos picos montanhosos da Ilha da Madeira e termina no Oceano Atlântico. O programa completo da iniciativa pode ser consultado aqui.

+ Os melhores espectáculos no Porto este mês

Fique a par do que acontece na sua cidade. Subscreva a nossa newsletter e receba as notícias no email.

Share the story
Últimas notícias
    Publicidade