A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Original Eco Mercado
©MMPOriginal Eco Mercado

De Trás-os-Montes à Alegria. No Original Eco Mercado brinda-se à terra com vinhos naturais

Cerca de 40 referências de vinhos naturais nacionais têm como companhia bons produtos transmontanos. Dos queijos aos enchidos, passando pelos frutos secos e pelas doces uvas de mesa da avó dos donos.

Escrito por
Mariana Morais Pinheiro
Publicidade

Quem diria que um espaço tão moderno, tão iluminado pelos néones cativantes pendurados no tecto e na fachada, tão delicadamente decorado a azulejos em cerâmica, tão apresentável com o seu balcão em tijolo e cadeiras de traços futuristas, e com tantos cabides com roupa estilizada, assentaria a sua génese no mais frugal, simples e verdadeiro modo de vida. “Abrir uma loja de roupa que tivesse também um bar de vinhos naturais foi, para nós, um processo normal”, começa César Sousa que, juntamente com o irmão, João Sousa, abriu, na rua da Alegria, o Original Eco Mercado. “A nossa família é de Trás-os-Montes, local onde muita gente ainda faz o seu próprio vinho, com pouca intervenção humana. E, para nós, era sempre um dia de festa quando se provava vinho novo. Ficava-se na expectativa para se ouvirem os comentários”, relembra divertido.

As lembranças desses tempos levaram-nos para junto dos vinhos naturais. “As cartas de vinhos de muitos espaços de restauração são praticamente todas iguais. Esta nossa procura por um produto diferenciador fez com que a nossa paixão pelo vinho renascesse”, conta João. No Original Eco Mercado têm cerca de 40 referências de vinhos naturais nacionais – o foco “serão sempre os produtores portugueses”, dizem – onde se destacam brancos, tintos, orange wines, rosés e espumantes, de marcas como Frey, João Pato, Rufia, Menina d’Uva ou Aparte, entre muitas outras.

Original Eco Mercado
©MMPOriginal Eco Mercado

A acompanhá-los estão os produtos transmontanos que os irmãos trazem da terra natal, lá para os lados de Mirandela, quando vão visitar a família, quase todos os fins-de-semana. “Voltámos sempre com os carros cheios de queijos, azeitonas, nozes, tomates, doces, mel e frutas da época, como as uvas de mesa da nossa avó”, enumera César. “Fazemos aqui uma espécie de merenda, como se fazia antigamente. Ao final da tarde, petiscamos pão com queijo e enchidos, uvas e tomate e bebemos um copo de vinho”.

Na ementa aparecem muitas outras coisas. Dos pães de fermentação lenta fornecidos pela Ogi, regados com azeite de Trás-os-Montes (3€), aos brioches com pasta de azeitonas (3,50€), passando ainda pelos pães com manteiga caseira e mel de rosmaninho (3,50€). Se quiser um prato mais robusto, também os há. Espargos marinados com queijo de cabra velho e queijo de cabra semi-curado, com tomate, amêndoas, nozes e pão crocante (7€) ou ovos escalfados com presunto paleta 100% bolota, espargos e pão de fermentação natural (11€) são algumas das opções.

Original Eco Mercado
©MMPOriginal Eco Mercado

Depois de se deliciar com as gulosas sobremesas tradicionais – conte com queijadas, barrigas de freira, tortas de Azeitão, pudim de ovos, toucinho-do-céu, queijo com doce de abóbora ou pão de ló com queijo da Serra amanteigado (entre 1,50€ e 7€) – limpe bem as mãos e vá visitar a loja de roupa mesmo ao lado, onde César, com experiência na área têxtil, aproveita “desperdícios de materiais de altíssima qualidade” e os transforma em peças de vestuário modernas e utilitárias “para um estilo de vida citadino”.

“Sabemos onde ir buscar esses excedentes para podermos minimizar o desperdício. E como compramos bons tecidos italianos e japoneses a preços mais acessíveis, aproveitamos para usar nas peças alguns acessórios mais luxuosos”, explica, enquanto vai mostrando os seus “básicos que compõem qualquer guarda-roupa, seja para usar no dia-a-dia, num fim de tarde ou num fim-de-semana”, diz.

Original Eco Mercado
©MMPOriginal Eco Mercado

Pela loja há coletes descontraídos, camisas suaves ao toque, calças clássicas e calções com bons acabamentos, feitos com tecidos resistentes (entre 40€ e 140€). “Sempre vivi no meio da roupa, desde que nasci. A minha mãe era costureira”, remata César. 

Rua da Alegria, 165 D. 22 319 7657. Seg-Sáb 11.00-23.00. Dom 14.00-20.00.

+ Comida caseira e boas margaritas. Neste Duello todos saem a ganhar

+ Bomfim 1896 by Pedro Lemos: o restaurante duriense que recria o espírito das cozinhas antigas

Últimas notícias

    Publicidade