Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Porto icon-chevron-right Festival Semibreve: uma utopia electrónica em Braga

Festival Semibreve: uma utopia electrónica em Braga

Publicidade

Entre sexta-feira 26 e domingo 28, Braga vai ser um palco privilegiado para uma aliança entre a música electrónica e as artes visuais. Antecipámos o que pode ver no festival Semibreve, que acontece no Theatro Circo, no Salão Medieval e no GNRation. 

Podemos ir de olhos fechados ao Semibreve e saber que dele sairemos nutridos e engrandecidos. Todos os anos, um cartaz criteriosamente construído convida a escutar as infinitas possibilidades da electrónica e das artes visuais. O Semibreve conseguiu algo inédito – marcar Braga no mapa mundial da música. O festival gravita no granito da cidade, usufrui da sua imponência histórica, abraça uma música que estranhamente se entranha na sua arquitectura.

É um dos festivais fundamentais do circuito português e ocupou um lugar próprio no calendário internacional dos eventos de música electrónica. Com uma identidade forte, com a coragem de apostar em manifestações vanguardistas e de dar espaço aos músicos para expandirem a sua criatividade em espectáculos que fundem som e imagem, o Semibreve é um palco de eleição.

 

A produtora Grouper vai trazer um concerto especial baseado nos seus dois últimos discos
© DR

 

Que o diga a compositora canadiana Sarah Davachi, que escolheu o festival para fazer a estreia mundial de um novo espectáculo com a artista visual Laetitia Morais. Ou William Basinski, figura fulcral do ambientalismo moderno que vai apresentar um novo trabalho, a editar em 2019. A produtora Grouper vai trazer um concerto especial baseado nos seus dois últimos discos ao piano, guitarra, loops de fita e voz e Qasim Naqvi vai estrear uma peça ilustrada pelas imagens psicadélicas da obra-prima Beladona de Eiichi Yamamoto.

Atenção ao pioneiro do footwork RP Boo, às orgias polirrítmicas de Jlin, ao festim techno da dinamarquesa SØS Gunver Ryberg e à distopia electro de DJ Stingray. Caterina Barbieri desenha esculturas dinâmicas através de sintetizadores modulares e Robin Fox vai disparar um espectáculo de som e lasers.

Actuam ainda os nacionais Alfredo Costa Monteiro e o recentemente reactivado duo Telectu, que recriará Belzebu, disco histórico da música experimental portuguesa. Consulte a programação aqui.

 

Caterina Barbieri desenha esculturas dinâmicas através de sintetizadores modulares
© DR

 

+ As melhores noites no Porto em Outubro

+ Os melhores concertos no Porto em Outubro

Share the story
Últimas notícias
    Publicidade