Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Porto icon-chevron-right João Azinheiro: 'O percurso de uma galeria mede-se como uma maratona'
Notícias / Arte

João Azinheiro: 'O percurso de uma galeria mede-se como uma maratona'

oão Azinheiro, galerista e fundador da Kubikgallery
© Marco Duarte João Azinheiro, galerista e fundador da Kubikgallery

Num dia como este, em 2009, era provável encontrar João Azinheiro sentado nos degraus em frente à Kubikgallery, de computador no colo, pronto a fintar o silêncio. “Eram horas e horas à espera que entrasse alguém”, recorda o galerista, que em plena crise remou contra a corrente e abriu este espaço na zona da Marginal, junto à Alfândega. Acto duplamente desafiante, já que na altura a cena de arte contemporânea da cidade se cingia quase totalmente ao quarteirão de Miguel Bombarda. “Estar a 100 metros dali já era estar fora do circuito que tinha uma grande força no Porto”, nota João Azinheiro.

Inicialmente, Azinheiro conciliava a arquitectura e o trabalho em ateliê próprio com a abertura da galeria em horário reduzido. O timing não era o melhor, o local não era o mais popular, mas a vontade em criar um lugar de representação para artistas portugueses e estrangeiros, dentro e fora do país, era maior. “O objectivo era representar artistas novos e participar na evolução deles."

Além de integrar artistas que pudessem “crescer com a galeria”, procurou implementar, desde logo, uma “sinergia cultural” que ainda hoje orienta a programação. O primeiro meio ano contou com uma série de exposições de um grupo de artistas da Eslováquia que faziam Erasmus no Porto e já tinham algum nome no seu país. Esse período serviu de teste e gerou “a visibilidade e crítica necessárias à profissionalização e ao convite a curadores e artistas nacionais e internacionais”.

Depois das primeiras exposições em casa, João Azinheiro apercebeu-se da importância de “sair da fronteira não só do Porto, mas de Portugal, através da participação em feiras de arte”. A primeira foi em 2010, em Lisboa. Seguiram-se cidades como Madrid, Viena, Buenos Aires, Miami ou São Paulo. Solidificou-se, assim, a presença internacional e a rede de artistas com que trabalhava, numa perspectiva de “representação de família”. “Se nós estamos bem, o artista está bem. Se nós estamos mal, o artista está mal”, resume o galerista.

Pedro Tudela, Ana Linhares, Carlos Azeredo Mesquita,Martin Derner ou Carme Nogueira são alguns nomes que têm crescido com a galeria, cujos dez anos parecem “ainda muito pouco”. “O percurso de um artista ou de uma galeria mede-se como uma maratona em vez de um sprint”, considera João Azinheiro, cujo posicionamento passa por apresentar “artistas com uma resposta coerente e crítica ao que se passa no mundo”.

A horizontalidade da relação entre galerista e artista, acrescenta, é essencial para manter a qualidade do trabalho desenvolvido de forma independente. “Todos nós somos qualificados para pintar paredes e fazer montagens. Quando não sabemos, o artista ajuda-nos. Não há estrelas na galeria."

Instalação de Pedro Tudela na Kubikgallery

 

Instalação de Pedro Tudela na Kubikgallery
© Marco Duarte

 

Para João Azinheiro, “ser galerista é mais do que ser amigo”, já que a dinâmica, apesar de profissional, envolve “outro tipo de confiança”. Confiança que o levou a Itália depois de uma conversa fugaz com Patrizia Sandretto, uma das mais influentes coleccionadoras de arte contemporânea daquele país. A presidente da Fundação Sandretto Re Rebaudengo, em Turim, interessou-se por uma obra de Hernâni Reis Baptista – artista portuense representado pela Kubikgallery –, que já não estava disponível. Duas semanas depois, João estava em Turim com várias obras na mala. “Senti que era importante para o artista estar naquela colecção e para a galeria ter esse ponto de contacto."

A colaboração com nomes importantes da arte contemporânea a nível internacional é uma das conquistas do projecto, considera João Azinheiro. Destaca a parceria com a paulistana Galeria Luísa Strina, em 2018, numa exposição de Pedro Vaz que coincidiu com a segunda presença da Kubikgallery na SP-Arte, feira de arte contemporânea de São Paulo. "A Luísa está entre as 100 pessoas mais influentes da arte contemporânea mundial e foi muito importante expor no espaço dela”, diz João Azinheiro, acrescentando que as “relações com o Brasil são para continuar", já que é "o segundo país mais representado na galeria”, com artistas como Emanuel Nassar, Felipe Cohen e Leda Catunda.

Dez anos volvidos, o balanço é positivo. Tudo mudou: a galeria, a arte, o público, a cidade. Hoje, entram mais estrangeiros na Kubikgallery; portugueses também, embora ainda olhem o cubo branco com hesitação. No futuro, a galeria quer “aumentar o tecido de artistas e públicos” e cultivar a “sinergia com artes como a dança, o teatro ou a performance”, adianta João Azinheiro. A ideia é promover o encontro entre artistas de diferentes contextos com todos os que vivem no Porto, de passagem ou em permanência. “A experiência de uma cidade também se faz do factor surpresa em dobrar uma esquina e encontrar uma galeria."

Mais de 40 artistas na exposição de aniversário

10/40 é a exposição colectiva que arranca com as comemorações dos dez anos da Kubikgallery. Conta com mais de 40 nomes que estão ligados ao percurso da galeria e que pensaram a apresentação com um twist. “Desafiámos artistas, curadores e galeristas a convidar outros artistas a expor, incluindo alguns que nunca estiveram na galeria”, revela João Azinheiro. O fundador da galeria partilha a curadoria de 10/40 com clientes e amigos, entre eles Pedro Oliveira, da Galeria Pedro Oliveira, Manuel Ulisses, da Quadrado Azul, e Luísa Strina, da Galeria Luísa Strina, em São Paulo – “galeristas e galerias que foram importantes no percurso da Kubikgallery”.

Além dos nomes da casa, estão representados artistas como Albuquerque Mendes, Bruno Leitão, Fernanda Fragateiro ou Miguel Teodoro, e curadores e críticos de arte como João Ribas, Miguel Von Hafe Pérez ou Nuno Crespo. Ao contrário do habitual, as obras vão ocupar a Kubikgallery como “espaço de continuidade" – além da parede, os trabalhos em desenho, pintura, escultura ou instalação estarão espalhados pelo tecto e pelo chão. As obras, algumas já existentes e outras criadas para esta exposição, não têm tema definido. A única ressalva feita aos participantes foi que os trabalhos seleccionados deveriam ter “dimensões reduzidas”, de forma a contornar o espaço diminuto da galeria.

Até 14 de Setembro, a Kubikgallery será uma espécie de “salão do século XX, cheio de arte e de vários artistas e discípulos de várias áreas, como diz o Albuquerque Mendes", conclui João Azinheiro. Além da agenda preenchida nos próximos meses, está previsto o lançamento de um catálogo das exposições da última década para meados de 2020.

+ Galerias de arte que deve conhecer no Porto

+ 16 obras de arte para ver no Porto

Fique a par do que acontece na sua cidade. Subscreva a nossa newsletter e receba as notícias no email.

Publicidade
Publicidade

Comentários

0 comments