Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Porto icon-chevron-right Teatro Sá da Bandeira. O imóvel está à venda, mas o espectáculo continua
Notícias / Vida urbana

Teatro Sá da Bandeira. O imóvel está à venda, mas o espectáculo continua

Teatro Sá da Bandeira
© João Saramago A programação vai manter-se igual e o edifício vai continuar a ser reabilitado

2,19 milhões de euros. Este é o valor base, o mínimo que a Câmara Municipal do Porto espera receber em hasta pública com a venda do Teatro Sá da Bandeira. Comprado em 2017 pela autarquia, a alienação do imóvel acontece depois da candidatura a “Entidade de Interesse Histórico e Cultural ou Social Local” pela Direcção-Geral do Património Cultural, e da sua integração no programa municipal Porto de Tradição, que protege os edifícios históricos da cidade.

Ainda não há data prevista para o início do processo, mas a venda vai ser feita sob condições específicas definidas pelo município, entre elas a obrigatoriedade de manter o edifício como sala de espectáculos. Salvaguardados os interesses históricos e culturais, Rui Moreira, em declarações à imprensa, diz que “não é vocação da Câmara, nem da empresa municipal de cultura ser barriga de aluguer de um teatro comercial”.

Na proposta aprovada pela autarquia lê-se ainda que se “considera esgotada a utilidade de manter no património público o edifício em questão, razão pela qual pode agora ser alienado, desde que a operação não represente prejuízo”. Para a empresa Rocha Brito & Vigoço S.A., que actualmente explora o teatro, o futuro passa por adquirir o imóvel, à semelhança do que tentaram fazer em 2017, quando a autarquia usou o direito de preferência.

“Estamos interessados na compra desde sempre”, disse Dino Gomes à Time Out, considerando “muito importante” o papel da Câmara na protecção da instituição. Em relação à programação, o Teatro Sá da Bandeira vai continuar a ser o que era. “Pretendemos manter tudo como está e, ao mesmo tempo, continuar as obras de reabilitação do espaço de forma faseada”, descreveu o responsável.

Assim, em cena vão continuar as peças de comédia, as actuações de stand-up, o teatro infantil, o teatro musical e os festivais de música. Recorde-se ainda que esta é a sala de espectáculos mais antiga da cidade, em funcionamento desde 1846. Abriu as portas com o nome de Teatro Circo e sob a forma de um barracão de madeira onde se faziam habilidades circenses com cavalos. Mais tarde, no final do século XIX, passou a chamar-se Teatro Príncipe Real. Recebeu o nome actual em 1910, com a Implantação da República. Pelo seu palco passaram artistas como Amália Rodrigues, Vasco Santana, Rita Ribeiro, Maria Rueff, Joaquim Monchique ou Ruy de Carvalho.

+ Os melhores espectáculos no Porto em Maio

+ Os melhores museus no Porto

Fique a par do que acontece na sua cidade. Subscreva a nossa newsletter e receba as notícias no email.

Publicidade
Publicidade

Comentários

0 comments