A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Verónica Dias, dona e padeira da Brites
©DRVerónica Dias, dona e padeira da Brites

Verónica Dias, padeira da Brites: “Cada vez há mais mulheres na área, precisamos é de algum palco”

A padeira de 29 anos fala sobre o lugar da mulher na panificação, do seu percurso e dos pães apetitosos e dos muitos bolos gulosos que vende e produz na sua nova padaria junto ao Marquês.

Escrito por
Mariana Morais Pinheiro
Publicidade

Já Janeiro ia avançado no calendário quando Verónica Dias abria, junto ao Marquês, as portas da Brites, a padaria e pastelaria de fabrico artesanal, que aposta na fermentação natural para a confecção dos seus pães e bolos. Foi assim baptizada em homenagem à mais famosa de todas as padeiras portuguesas: a padeira de Aljubarrota, também chamada de Brites de Almeida.

No rescaldo do Dia da Mulher, como é ser padeira num meio dominado por homens?

É um desafio representarmos uma autoridade como mulheres na área porque, normalmente, em todas as áreas temos de lutar, em todas as áreas há sempre uma luta interna, por parte de quem é mulher, para ocupar o seu espaço e ver reconhecida a sua autoridade. Por isso é que o projecto se chama Brites que, para nós, significa resiliência. Queremos que a resiliência seja considerada uma coisa positiva, associada a técnica, a profissionalismo, a responsabilidade, a um cargo importante. Porque, normalmente, quando as mulheres são resilientes, são rotuladas pela sociedade como chatas ou autoritárias. A Brites surgiu nesse sentido. Esta é, notoriamente, uma área dominada por homens, mas há cada vez mais mulheres padeiras e pasteleiras. Acontece é que às vezes são um bocadinho abafadas. Até há muitos anos eram elas as responsáveis pela produção do pão. Nos fornos comunitários e ainda hoje nas aldeias, as pessoas mais antigas que fazem o pão não são homens, são mulheres.

Quando é que aconteceu essa mudança de tarefas?

O papel do homem na área começou com a industrialização [da panificação], porque este era considerado um trabalho mais pesado e associado a um horário nocturno. As mulheres ficavam em casa a cuidar dos filhos, já se sabe. Mas cada vez há mais mulheres na área, precisamos é de algum palco. E de não nos importarmos de ter essa posição, a de nos verem como impertinentes ou chatas. É preciso termos o nosso lugar e assumirmos o nosso lugar, por mais que isso incomode. 

Como surgiu o pão na tua vida?

Estive associada a um projecto, o Intrigo, na Ribeira, muito ligado ao pão, e o gosto surgiu aí. Lá era obrigatório e mandatório ter bom pão. Nesse sentido, fui aprender de uma forma muito despretensiosa — não sabia o que era fermentação natural, nem massa mãe, nem nada. Sabia que bom pão comia-se no Alentejo, então, fui até lá para aprender com as pessoas que faziam pão em fornos comunitários, em casa em fornos a lenha, ou com padarias com processos ainda muito artesanais. Com a diferença de que não havia muito fundamentalismo à volta disso. Eu comecei a aprender a fazer pão de fermentação natural, sem saber que era pão de fermentação natural, a chamada massa velha ou isco, feita com a massa do dia anterior. Sou padeira desde 2015 e nessa altura ainda não se falava de fermentação natural. Primeiro aprendi de uma forma muito prática e empírica e só depois é que aprendi a ciência por de trás do pão. Recorri e ainda recorro a literatura internacional. 

Pastelaria, Padaria, Brites, Croissants, Porto
©DRBrites, Croissants

Como é o teu pão?

No pão, a minha identidade é ir buscar a simplicidade das farinhas ou fazer um mix com algumas. Tudo com a melhor qualidade que encontramos, mas sem muitos fundamentalismos. A nossa farinha não é biológica, mas é moída a mó de pedra e maioritariamente portuguesa.

E o que é que as pessoas podem encontrar aqui?

Tenho alguns pães mais especiais com adições, como azeitonas ou ervas aromáticas, mas mais ao fim-de-semana. Diariamente tenho trigo, trigo e centeio, de azeite, baguete de tradição francesa e os especiais, de aveia, de sementes, de mistura ou integral e malte. Na pastelaria, todos os dias temos croissants, croissants brioches e recheados, pain au chocolat, cookies, bolas de Berlim e palmiers. Faço tudo com manteiga — um quilo de manteiga custa 10€/kg, enquanto um quilo de margarina fica por 1,50€/2€ — por isso, obviamente que os nossos produtos são mais caros, mas a margem de lucro também é menor. Não tenho as máquinas mais robotizadas, não tenho o chocolate mais barato, nem os sucedâneos, mas tenho uma boa matéria-prima. Os cremes, os recheios e até a própria gianduia, uma mistura de chocolate e avelã, com a qual recheamos alguns croissants, é feita cá. Temos uma grande oferta, tendo em conta que abrimos há pouco tempo e ainda tenho duas pessoas a aprender. Fui “obrigada” a contratar porque todos os dias, ao meio-dia, tudo esgotava.

O pão?

Tudo.

Tudo?

Tudo.

Rua da Constituição, 661(Marquês). 92 814 9181. Ter-Sáb 08.30-18.30, Dom 09.00-13.00

+ As melhores padarias no Porto

+ O melhor pão de fermentação lenta no Porto

Últimas notícias

    Publicidade