Há mar e mar, há ir à Madeira e voltar

Ir à Madeira e não aproveitar as actividades marítimas é deixar a experiência pela metade. Nadámos com golfinhos, desafiámos as leis da Física numa aula de paddle surf e descemos às profundezas do oceano

Stand Up Paddle pela costa da Madeira

Observar golfinhos, mesmo que muito lá ao fundo, é um dos poucos fenómenos que levanta dezenas de pessoas da toalha em direcção à beira-mar, onde ficam de mão em pala e olhos fixados no horizonte à espera de ver uma cauda ou um focinho luzidio em mergulho enrolado. Na Madeira, é possível vê-los de perto e até nadar com eles, e mesmo quem julga não ter interesse em participar da excursão, no momento vai acabar por alinhar – afinal, quantas vezes na vida é que uma experiência destas nos aparece à frente?

Recomendado: The Escapist - como desaparecer completamente

Há mar e mar, há ir à Madeira e voltar

Há mar e mar, há ir à Madeira e voltar

Há mar e mar, há ir à Madeira e voltar

Mas antes, algumas informações úteis: das 28 espécies oficiais que podem ser observadas ao largo da Madeira, apenas duas, os golfinhos comuns e os pintados, permitem aproximação humana. Os outros, dizem os especialistas, são um bocadinho avessos à confusão e quando se sentem “apertados” podem tornar-se antipáticos (a ideia de um golfinho antipático parece uma contradição, mas que os há, há).

A Rota dos Cetáceos é uma empresa de animação turística que gosta de fazer pessoas felizes e, a pensar em quem tem o sonho de privar com os mamíferos mais fofinhos dos mares, organiza três viagens de barco diárias (08.45, 12.30 e 16.00), com partida do porto do Funchal, que prometem um contacto muito próximo com os bichos no seu habitat natural. O passeio é feito num semi-rígido e tem a duração de cerca de 2 horas
 e 30 – a quem costuma enjoar nestas andanças aconselha-se 
a toma de um comprimido de precaução já que as condições marítimas podem não ser especialmente tranquilas. Os adultos pagam 49,50€ para a observação simples e 65€ se quiserem entrar na água e tentar um contacto. Esta pode ser a primeira aventura marítima na Madeira, e talvez até seja a mais emocionante, mas não deve ser a única.

A temperatura da água 
do mar a 21ºC pode ser a desculpa perfeita para desafiar o equilíbrio numa aula de stand up paddle. Não é uma aula comum, não, senhores, é um dois em um que junta, naturalmente, a aprendizagem da técnica de remar em cima de uma prancha de surf com uma visita guiada e comentada pela costa. Garantir uma experiência genuína e de conhecimento
 das tradições locais enquanto desfruta da beleza do cenário, é a missão da Madeira Native Motion, empresa líder no arquipélago 
no que toca a actividades em terra e mar, desde surf trips, caminhadas e trilhos, mergulho, passeios de barco ou bicicleta, canoagem ou stand up paddle, recentemente acrescentado à oferta. A experiência de paddle inclui um passeio de prancha
 ao largo da costa em sessões privadas ou de grupo (a partir de 60€ por pessoa) e tem a duração de 2 horas e 30.

E porque o mergulho faz parte da lista de actividades obrigatórias em qualquer destino de mar, ir à Madeira e não descer às profundezas do Oceano Atlântico é deixar a coisa pela metade. Ao largo da ilha existem várias áreas naturais protegidas como 
o Parque Marinho Eco do Funchal, a Reserva Garajau e as Ilhas Desertas (há passeios guiados por marcação mas se 
a ideia era aproveitar um dia
 de praia entre a areia branca
 e o mar translúcido que verá nas fotografias do Google, 
pode já esquecer: visitar é possível, permanecer nem por isso). Mas voltando ao tema 
do mergulho: importa saber que a Madeira se caracteriza pela ausência de plataforma continental, facto que permite que se encontrem grandes profundidades bem perto da costa. Vai daí é de aproveitar a viagem para conhecer a fundo a biodiversidade local, rica em peixes pelágicos, mamíferos marinhos e tartarugas. Através do centro Explora Madeira
 pode inscrever-se em aulas de mergulho livre (em apneia) ou autónomo durante uma viagem de barco que acompanha e explica as diferentes espécies 
de fauna e flora presentes na ilha. As viagens são combinadas directamente entre a escola e o cliente e os cursos de iniciação são sempre personalizados (para cada aluno, um instrutor), até um máximo de quatro pessoas por sessão.

No final de tanta aventura e de ter a cabeça cheia de informação, vai saber bem aterrar numa cama fofa e entregar o corpo aos cuidados do melhor spa da ilha. Instale-se no grandiosíssimo Savoy Saccharum Resort &
 Spa (Rua Serra de Água, 1, Arco da Calheta. Tel. 29 182 0800. Desde 110€), e entre num merecido retiro de descanso – a praia privativa é uma delícia para fugir à confusão turística da época.

Outras sugestões

Ciao bella Firenze

Ninguém avisa que assim que se aterra em solo italiano é-nos aplicado um qualquer filtro de Instagram nos olhos. Não que Florença precise disso para ser (ainda) mais bonita, mas é a sensação que
se tem: parece que estamos dentro de uma cidade com muralhas (apesar de estas já não existirem), cheia de edifícios robustos e onde é fácil acreditar em contos de fadas e romances históricos com finais felizes. 

Por Inês Bastos

Marraquexe: conhecer os cantos à Medina

Mas valeu-nos a lembrança de um tempo em que também nós, comuns mortais, fomos muitos felizes em Marraquexe. Vai daí, fomos ao álbum de memórias resgatar o roteiro essencial daquela que é uma das cidades mais coloridas, vibrantes e aromáticas de Marrocos. E do mundo. 

Por Nelma Viana
Publicidade

Roma alternativa: Garbatella, o bairro favorito de Nani Moretti

Quando se tem como destino uma das cidades
 mais procuradas da Europa, a possibilidade de não conseguir usufruir ou sequer aceder convenientemente a grande parte dos checkpoints turísticos é altíssima. Há sempre que ter em conta que no mesmo dia
 e à mesma hora dezenas de milhares de pessoas tiveram
 a mesma ideia que nós. E isto podia bem ser um resumo
 de uma ida a Roma. Coliseu? Esqueçam, as filas à porta desmotivam o mais entusiasta dos turistas.

Por Nelma Viana

Porto Santo. Um pedacinho de Verão enquanto o Verão não chega

Vai-se a ver e um terço do ano de 2018 já passou. Isto depois das festas é um tirinho até à Primavera. Neste mês, que marca a tão esperada chegada das andorinhas, dos dias mais longos e dos pores-do-sol cor-de-rosa-alaranjados, começa a crescer aquela ânsia por calor, roupa leve e passeios ao ar livre. Na verdade, o que se quer mesmo, mesmo, mesmo é que chegue depressa o tempo da praia mas, na impossibilidade de viajar até aos trópicos, a exactamente 1196 km de distância do Porto encontra-se o arquipélago da Madeira e nele um clima oceânico subtropical que já dá para matar o bichinho do Verão. 

Por Nelma Viana
Publicidade

Comentários

0 comments