A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Arroz do Mar do restaurante Gruta
©We Blog YouArroz do Mar do restaurante Gruta

Gruta, o novo restaurante na Rua de Santa Catarina, aposta forte nos peixes e mariscos

A sustentabilidade é um dos grandes pilares do restaurante. É quase tudo local e grande parte dos peixes e dos vegetais são fornecidos por pescadores e produtores do Norte.

Escrito por
Mariana Morais Pinheiro
Publicidade

Centenas de pessoas sobem e descem a rua apressadas, abeiram-se das montras, espreitam para dentro, tiram fotografias para as redes sociais encostadas a bonitas paredes forradas a azulejo, interrompem o trânsito pedonal, criam congestionamento, resmungam e seguem caminho. Mais à frente, encontram um conhecido, trocam dois dedos de conversa, sorriem por de trás das máscaras, despedem-se com os cotovelos e entram numa loja de onde saem cheias de sacos impedindo, uma vez mais, a ideal fluência do tráfego na rua de Santa Catarina, uma das mais movimentadas do país. É por isso que uma gruta, ali bem no meio do caos citadino, vinha mesmo a calhar. 

A Gruta, o restaurante de Rafaela Louzada e João Ricardo Moraes, é uma espécie de abrigo no epicentro do bulício portuense. O portão de ferro antigo, que abre passagem para um pequeno túnel, faz questão de nos separar do que acontece lá fora, naquela artéria pulsante. À medida que se desce a rampa, descem também os decibéis e os batimentos cardíacos, que encontram a paz no pátio das traseiras, resguardado do mundo em geral.

O restaurante de Rafaela Louzada aposta na sustentabilidade
©We Blog You

Através de uma janela no pátio, onde as heras dos vasos começam a espraiar-se pelas paredes em pedra, vê-se Rafaela, a chef, em acção, comandando uma cozinha só de mulheres, que se debruçam delicadamente sobre o peixe e o marisco, os produtos estrela da casa. “Quando eu era pequena, todos os fins-de-semana ia com o meu pai ao Mercado de São Pedro, lá em Niterói, comprar peixes e mariscos que depois eram cozinhados na brasa”, recorda, elogiando a biodiversidade da costa portuguesa. “Compro tudo fresco. A gente abastece-se na lota de Matosinhos”, diz, acrescentando que a sustentabilidade é um dos grandes pilares do restaurante. “É quase tudo local, grande parte dos peixes e dos vegetais são fornecidos por pescadores e produtores do Norte”. 

Só as ostras é que vêm do Sado, mas isso é porque se identificaram com o projecto Neptune Pearl, empresa de produção de ostras em Setúbal que reproduz e reabilita uma espécie endémica. Vêm aos pares para a mesa, acompanhadas de vinagrete de chalotas e de uma fatia de limão (5€). Além das ostras frescas, no campeonato das entradas figuram ainda nuvens de bacalhau (3,50€/2 uni.), semelhantes aos bolinhos, mas inspiradas numa receita da avó de Rafaela, que era portuguesa, e com um twist. “Junto clara de ovo na massa, que os deixa mais leves.” 

Bisque de lagostins com erva-príncipe (7€), gambas rosas com salsa verde (12€), carpaccio de polvo (10€) e uma fresquíssima salada de curgete com limão, menta, pinhões e parmesão (7€) encerram o primeiro capítulo. Depois, há moqueca de peixe com azeite dendê e leite de coco e com arroz basmati com castanha de caju e farofa a acompanhar (17€), arroz do mar e um prato de peixe do dia, pescado à linha, com puré de batatas e legumes da estação (ambos a 18€), raviólis com queijo da Serra e cogumelos (14€) e ainda o mítico Lobster Roll, um brioche caseiro recheado com lavagante azul da costa, maionese de kimchi e chips crocantes (20€).

Gruta
©We Blog You

Tudo preparado com cuidado. “Terminamos os pratos com sensibilidade, pomos brotos e flores, para dar leveza e frescura. Gosto de fazer pratos bonitos, com cor e sabor.” Este espaço, há muito sonhado por Rafaela, é uma “cozinha de vivências” e reflecte o conhecimento adquirido pelos sítios por onde passou. Trabalhou no The Yeatman, com Ricardo Costa, e no Le Chalet de la Forêt, em Bruxelas, também com duas estrelas Michelin.

Antes ainda do café e do adeus, há que referir a óptima torta de maçã, com uma bola de gelado de Porto Tawny da Gelataria Portuense, que chega à mesa ainda quente (5€) e a carta de vinhos verdes e do Douro que complementam bem a refeição. Do Rio de Janeiro, de onde Rafaela e João Ricardo vieram, ao Porto, onde moram há dois anos, há um oceano de possibilidades e de coisas boas para comer. 

Rua de Santa Catarina, 447. 911 017 007. Qua-Sex 19.30-23.00. Sáb 12.00-15.00; 19.30-23.00. Dom 12.00-15.00.

+ O Paraíso do Chocolate belga chegou à Maia

+ Porto Beer Fest: a festa da cerveja regressa em Setembro

Leia aqui a edição digital e gratuita da Time Out Portugal

Últimas notícias

    Publicidade