Do Minho para o mundo: as cervejas artesanais

Quer mais uma razão para ir ao Minho? Há muita cerveja artesanal a nascer por lá e isso, aliado à natureza envolvente, é a receita ideal
Cervejas Artesanais Minho
©João Saramago
Por Ana Patrícia Silva |
Publicidade

Já não é novidade aparecer mais uma cerveja artesanal portuguesa no mercado. O Minho, região de boa bebida e comida, não perdeu o comboio e a prova disso são estas oito marcas de cerveja artesanal.

Do Minho para o mundo: as cervejas artesanais

Cerveja Letra A
©João Saramago

Letra

Corria o ano de 2010 quando as primeiras sementes da Letra foram lançadas. Filipe Macieira e Francisco Pereira fizeram uma tese de mestrado em Engenharia Biológica sobre produção de cerveja e iniciaram aí os protótipos da bebida. Hoje é uma das marcas de cerveja artesanal mais estabelecidas e reconhecidas no mercado nacional e neste momento, o abecedário da Letra começa no A (Weiss), segue pelo B (Pilsner), C (Stout), D (Red Ale), E (Dark Strong Ale) e termina em F (India Pale Ale). Mais letras virão. Em Junho deste ano abriram a Letraria em Vila Verde, terra com tradição de plantação de lúpulo há mais de 30 anos, onde pode observar o processo de produção da cerveja na fábrica e saborear uma refeição harmonizada com a Letra. Cerveja Letra

Cerveja Amphora
©João Saramago

Amphora

A Amphora nasceu em 2012 pelas mãos do bracarense João Palmeira. Quis desafiar a crise que o deixou no desemprego e criar uma bebida com uma ligação à história da sua cidade. Em 2014, mudou as suas instalações para a antiga escola primária de Águas Santas (Póvoa de Lanhoso), para produzir mais e melhores cervejas. Ao fim de um ano e meio de produção constante, a empresa cresceu. De momento existem dez variedades: Bracara (Cream Ale), Avgvsta (Sweet Stout), Rvber (Scotch Ale), Maria da Fonte (American Pale), Gladiator (IPA), Centvrivm (Imperial Stout) e a Imperator, uma Quadrupel feita com lúpulo de Trás-os-Montes. Destaque ainda para a Nemesis (só disponível no Natal), para a Lvsitania, uma Saison elaborada com lúpulo português e laranja do Algarve, e para a Elysivm, uma Honey Ale feita com mel da Serra do Gerês. Cerveja Amphora

Publicidade
Cerveja Areias
©João Saramago

Areias

A cerveja vimaranense foi lançada em Maio de 2015 pelas mãos de Tiago, Pedro e Ricardo, todos da família Areias – todos eles usavam bigode quando a cerveja foi criada, daí a sua imagem de marca. É elaborada com malte de cevada, lúpulo, levedura e água de nascente da montanha da Citânia de Briteiros, o local onde a Areias é produzida. Actualmente produzem quatro variedades: German Pilsner, Old English Bitter, IPA e Irish Stout. Para já, a Areias está apenas disponível na Sala 141, um espaço de tapas e petiscos regionais em Guimarães. Cerveja Areias

Cerveja Galdéria
©João Saramago

Galdéria

Juntavam amigos, faziam festas e bebiam cerveja. Os amigos provavam e aprovavam e em Janeiro deste ano criaram a empresa responsável pela produção da vianense Galdéria. Durante os primeiros meses, destinaram toda a produção para captar opiniões, produzindo só para barril – em Abril, a Galdéria IPAfoipremiadanumconcursoda Cerveteca em Lisboa. A procura foi crescendo e em finais de Agosto iniciaram a mudança de instalações para um novo e maior espaço. Em breve vão lançar a Galdéria em duas variedades: Dubbel e IPA. Cerveja Galdéria

Publicidade
Art Beer
©João Saramago

Art Beer

Nasceu como brincadeira em 2011. Paulo Bártolo começou por produzir a Art Beer apenas para jantaradas com amigos, e depois foram-se juntando amigos de amigos de amigos. De momento comercializa apenas duas variedades: uma rubi de 8 graus e uma de trigo que corresponde a 4,5 graus. Há somente um sítio neste mundo onde pode ser provada: em Real (Braga), no restaurante The Art Beer House (anteriormente conhecido como Casa das Artes). E como quem bebe também gosta de comer, o restaurante prima pelo prego no pão com queijo da Serra e a francesinha com bife do lombo. The Art Beer House

Cerveja Buja
©João Saramago

Buja

Sediada em Viatodos (Barcelos), com produção numa fábrica em Nine (Famalicão), a Buja é produzida por Hugo Silva e Carlos Campos. Tudo começou de forma caseira em 2011. Durante três anos desenvolveram diferentes receitas e investiram em equipamentos de produção e maturação desenvolvidos pelos próprios. A Buja é elaborada unicamente com água, malte, lúpulo e levedura. Sem corantes nem conservantes e com carbonatação natural produzida pela levedura. Regularmente são produzidos três tipos de cerveja (Pilsner, Stout e Trigo) e em Setembro iniciaram a produção das variedades IPA e DUVEL. Cerveja Buja

Publicidade
Cerveja Folk
©João Saramago

Folk

Germinou em 2013 através das mãos de Hélder Jorge R. Melo. Quis proporcionar “a descoberta de outros aromas e sabores que não podemos encontrar nas cervejas do mercado”. Até ao momento, tem produzido cervejas de Trigo, Irish Stout, Castanhas e Mel e American Ambar Ale. E o que distingue a Folk das outras cervejas? “O facto de ser bastante aromática e saborosa. É uma cerveja que não é filtrada, pasteurizada e não contém corantes nem conservantes. É uma produção completamente artesanal e muito reduzida.” Folk Beer

Cerveja Alma
©João Saramago

Alma

A Alma é o mais recente membro da família minhota. Tem estado a maturar desde 2013, mas é este mês que é oficialmente lançada. São três os sócios que dão o corpo à Alma. João Seabra é o mestre cervejeiro, que é também um conhecido humorista de stand-up comedy; Cláudia Vilaça traz a sua intuição feminina para um mundo cervejeiro dominado pelos homens; e Rui Las Casas é o homem dos números. Em cada variedade procura-se representar a alma das várias regiões portuguesas, utilizando produtos característicos: Minhota, uma India Pale Ale muito perfumada, Alentejana, uma cerveja de trigo com poejo e mel de rosmaninho, Transmontana, com as castanhas da região, Algarvia, uma cerveja preta com alfarroba e figo preto seco, Lisboa, de cor rosé com framboesas e pimenta rosa, e Douro, uma cerveja produzida uma vez por ano e que estagia em pipas de vinho do Porto. Cerveja Alma

Para quem gosta (mesmo) de cerveja

Letraria - Craft Beer Garden
© Cláudia Paiva
Bares, Cervejaria artesanal

Os melhores bares de cerveja no Porto

Não nos opomos à barriga de cerveja - é bem portuguesa e não brincamos com a tradição. Mas com barrigadas desnecessárias não compactuamos, se é para beber um fino que seja como deve de ser. Não se perca e vá atestar o depósito com a melhor cerveja do Porto. 

BOP
© João Saramago
Bares, Cafés/bares

Os melhores cafés no Porto

Beber um café é um hábito antigo que hoje em dia pode ser feito com muito mais estilo nos novos espaços da cidade. Falamos de coffee houses e de cafés onde sabe bem comer ou ouvir discos. Mas não só. O simples acto de beber um café ficou ainda mais arrojado com o aparecimento dos lattes e dos cafés artesanais. Dos clássicos aos mais recentes, estes são os melhores cafés no Porto.

Publicidade
Marisqueira de Matosinhos
© João Saramago
Restaurantes

As melhores marisqueiras no Porto e arredores

Qualquer altura é boa para comer marisco, é certo, mas no Verão, com cervejas e praia à mistura, o programa é ainda mais irresistível. Se quer fazer um roteiro das melhores marisqueiras no Porto e arredores, este artigo é para si.

Publicidade