Zambujeira do Mar: são cravos, senhor, são cravos

O Craveiral Farmhouse, em São Teotónio, foi o ponto de partida para redescobrirmos as gentes, as paisagens, a gastronomia e a pureza da Zambujeira do Mar
Craveiral Farmhouse
©DR Craveiral Farmhouse
Por Nelma Viana |
Publicidade

À mesa do restaurante Protásio, (Rua Trás das Escolas, São Teotónio), Manuel, o dono da casa, lamenta que a proliferação de estufas na região esteja a matar a paisagem. Ele, que é madeireiro de profissão e conhece estas terras como a palma da mão, sabe identificar, uma a uma, as casas compradas por estrangeiros que entretanto se cansaram do calor do litoral alentejano e deixaram os terrenos ao abandono, ou os projectos de construção que prometem um novo futuro para a freguesia de São Teotónio. E até sabe dizer que na escola da terra há crianças de 23 nacionalidades.

Recomendado: Há mar e mar, há ir à Madeira e voltar

 

Zambujeira do Mar: são cravos, senhor, são cravos

Craveiral Farmhouse
©DR

Despedimo-nos ao balcão com um copinho de medronho, que dá por terminada a refeição de javali estufado, trazido por Leocínio, outro homem da terra que, apesar de ter sido responsável pela matéria-prima do repasto, não é caçador profissional, antes mestre numa das obras mais aguardadas do concelho de Odemira: o Craveiral Farmhouse. É o mais novo projecto de vida de Pedro Franca Pinto, Luís Capinha e João Canilho, vindos directamente de Lisboa mas que se sentem alentejanos de gema.

Juntaram-se para fazer nascer um turismo rural entre o mar e a serra onde pudessem juntar a pureza e simplicidade da vida no campo com os confortos da vida moderna – portanto, um poiso perfeito para urbano-depressivos que se convencem que gostam do contacto com a natureza mas que entram em pânico quando só apanham um tracinho de wi-fi. Ocuparam um terreno de nove hectares que já tinha servido uma plantação de cravos (daí o nome) e foram vendo nascer uma pequena aldeia dentro da aldeia, com 38 casas independentes, todas com terraço, cozinha e decoradas integralmente com mobília, arte e electrodomésticos de assinatura portuguesa.

A isto acrescentaram o restaurante Farmtable, com uma lareira no meio da sala, um forno a lenha para pão e pizzas feitas com os ingredientes trazidos da horta ali ao lado e uma carta que promete ir buscar, a cada estação, os sabores e temperos do receituário regional com a promessa de refeições gulosas, que é como devem
 ser as experiências à mesa no Alentejo, e digestões demoradas que podem não combinar com
o plano que se segue: uma tarde de papo para o ar na “piscina grande”.

Chamamos-lhe assim para não confundir com a outra piscina exterior, reservada à zona exclusiva para adultos, onde as casas estão mais afastadas da movida central, num recanto alheio a bombas, choros e correrias e com um ambiente relaxado pensado para maiores de 18 anos (nada disso em que está a pensar, mas naturalmente que os assuntos do coração também estão contemplados na estratégia).

No Verão talvez não apeteça muito passar pelo centro de bem-estar com piscina coberta, sauna, jacuzzi e ginásio, mas fica a dica para quando os fins de tarde começarem a arrefecer e já souber bem ficar a ver o pôr-do-sol de molho em água tépida.

Mas e fora do Craveiral, há o que fazer? Há, assim haja vontade de sair. A vontade de passar o portão e voltar ao contacto com a vida normal é muito pouca, ainda assim a passagem por A Barca Tranquitanas (Estrada das Barcas, Zambujeira do Mar) para uma travessa de percebes que rapidamente se estende a uma massada de peixe, a uns camarões ao alhinho e a uma garrafa de vinho branco é obrigatória. Para almoçar ou jantar a ver o mar, aconselha-se a ir com tempo para assegurar lugar na esplanada. A viagem até ao restaurante pode ser feita por caminhos de terra batida num jipe UMM e incluir uma paragem na Praia do Carvalhal, uma visita pouco oficial às estufas de morangos e ainda, se os anfitriões tiverem disponibilidade, a uma destilaria de medronho no sopé da Serra de Monchique, onde calha acontecerem almoços improvisados à base de porco preto. Se alguém perguntar como é que soube disto, diga que vai da nossa parte.

Mais férias para planear

Garbatella
©DanMasa
Viagens

Roma alternativa: Garbatella, o bairro favorito de Nani Moretti

Quando se tem como destino uma das cidades
 mais procuradas da Europa, a possibilidade de não conseguir usufruir ou sequer aceder convenientemente a grande parte dos checkpoints turísticos é altíssima. Há sempre que ter em conta que no mesmo dia
 e à mesma hora dezenas de milhares de pessoas tiveram
 a mesma ideia que nós. E isto podia bem ser um resumo
 de uma ida a Roma. 

Viagens

Porto Santo. Um pedacinho de Verão enquanto o Verão não chega

Vai-se a ver e um terço do ano de 2018 já passou. Isto depois das festas é um tirinho até à Primavera. Neste mês, que marca a tão esperada chegada das andorinhas, dos dias mais longos e dos pores-do-sol cor-de-rosa-alaranjados, começa a crescer aquela ânsia por calor, roupa leve e passeios ao ar livre. Na verdade, o que se quer mesmo, mesmo, mesmo é que chegue depressa o tempo da praia mas, na impossibilidade de viajar até aos trópicos, a exactamente 1196 km de distância do Porto encontra-se o arquipélago da Madeira e nele um clima oceânico subtropical que já dá para matar o bichinho do Verão. 

Publicidade
Djemaa el Fna
©DR
Viagens

Marraquexe: conhecer os cantos à Medina

Fomos ao álbum de memórias resgatar o roteiro essencial daquela que é uma das cidades mais coloridas, vibrantes e aromáticas de Marrocos. E do mundo. Ora o centro de Marraquexe tem a particularidade (tem várias particularidades, na verdade) de ter uma geografia aparentemente complicada, com ruas e ruelas e becos escondidos que vão dar a outros becos que acabam por desembocar em pequenas pracetas, mas uma navegação surpreendentemente simples. 

Publicidade