A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Naki Gaglo, African Lisbon Tour, Tabernáculo
©Gabriell VieiraNaki Gaglo

A Lisboa Negra de Naki Gaglo

Música para dançar até de manhã, comida para aconchegar em qualquer altura, marcas inovadoras e projectos sociais. Há uma Lisboa a acontecer pelas mãos de pessoas negras que toda a gente deveria conhecer.

Escrito por
Francisca Dias Real
Publicidade

Nasceu no Togo, antiga colónia de alemães, franceses e ingleses. Chegou há sete anos a Portugal e, passado pouco tempo, percebeu que a história africana da cidade não era assunto para os de cá, os mesmos que dizem viver numa Lisboa multicultural. Feita de quê? Escravatura, colonialismo, guerra, imigração e outros tantos factores fazem da cidade o que é hoje. Para que esse passado não caia no esquecimento, Naky criou o projecto African Lisbon Tour, passeios que percorrem a Lisboa africana de outros tempos – desde o monopólio das trocas no século XV à abolição da escravatura no império no século XIX –, construindo pontes para a arte, a gastronomia, a música e a cultura contemporâneas. Trabalha no ramo imobiliário, mas arranja sempre tempo para as suas tours. “Há tantos negócios geridos por negros em Lisboa que merecem ser conhecidos que decidi incluí-los nos passeios. É uma forma de as pessoas falarem com a comunidade, provarem a nossa comida, comprarem as nossas coisas e abrir os horizontes àquilo que tanto gostam de chamar de multicultural”, afirma. No fim, oferece aos participantes listas com outros locais, para que sigam o roteiro. “Não fui criado cá, mas sei que a história [portuguesa] é contada de forma romantizada, da perspectiva do colonizador”, diz. “É isso que tem de mudar, é preciso contar a história de uma forma humana, que mostre também o lado de quem foi colonizado e escravizado. Não podemos mudar a história, mas podemos corrigir a narrativa.” Para Naky, a educação é a pedra de toque. Mas é preciso criar oportunidades. “Na América, o movimento negro tenta manter o dinheiro dentro da própria comunidade. Cá, se pudermos fazer isso apoiando os nossos negócios, pode ser um começo. A comunidade negra precisa de uma força económica para poder subir e ter oportunidades iguais aos outros.”

Da revista para o Centro Cultural de Cabo Verde: Lisboa Negra é agora uma exposição

  • Bares
  • Cais do Sodré

“A vibe deste sítio fala por si. O irmão Hernâni, o que ele fez aqui, a história dele, uma pessoa que toda a gente conhece, o que ele conseguiu construir em Lisboa e para a comunidade, tem muito valor. É um lugar onde podes vir comer, ouvir música ao vivo, beber um copo. Cada pessoa é tratada como um cliente habitual.”

  • Restaurantes
  • Chiado/Cais do Sodré

“O Sr. Domingos, dono do restaurante, foi a primeira pessoa com quem criei uma relação quando vim para Lisboa, morava mesmo ao lado. Serve pratos inacreditáveis de comida de Cabo Verde, é um sítio que me é muito querido, por todas as razões. Faz parte da minha tour, é lá que terminamos muitas vezes o passeio e há muita gente que não conhece.”

Publicidade
  • Restaurantes
  • Chiado/Cais do Sodré

“É um restaurante de uma família de São Tomé e Príncipe que faz a típica comida de conforto. Nestes sítios, até porque a comida africana é muito aconchegante, acabamos por nos sentir parte desta família, somos acolhidos de uma forma muito calorosa. Fruta-pão, calulu, feijoada da terra ou kisacá, a comida é maravilhosa.”

  • Restaurantes
  • Africano ocidental
  • Grande Lisboa

“Este é daqueles sítios com selo de aprovação de muitos amigos meus, que já foram lá e já provaram. É dos próximos locais onde quero ir, até para apoiar os restaurantes. Come-se peixe Andala, fruta-pão, omelete à moda de São Tomé, búzio de mato.”

Publicidade
  • Compras
  • Castelo de São Jorge

“Conheço a Romana, a dona, há algum tempo e acho que a moda africana é muito característica. Ir à Royal Skuare não serve só para quem quer vestir de forma tradicional africana. Ela faz magia com os tecidos típicos e consegue fazer roupa moderna e muito urbana aplicando detalhes mais coloridos e tecidos diferentes, pequenos detalhes da nossa cultura”.

Lisboa é uma cachupa rica

  • Coisas para fazer

Dino D’Santiago canta “Nova Lisboa”, mas sabe que não é tão nova assim. Novo talvez seja o olhar que nos conseguiu pôr nos olhos. “Infelizmente, ainda há muito preconceito”, diz. Mas a nova geração é mais desprendida e assume que “somos todos crioulos e vamos começar uma nova narrativa”. E essa narrativa começa nas periferias de Lisboa, onde está “a diversidade toda”.

  • Coisas para fazer

Formou-se em engenharia, mas é na comunicação que se sente completa. É radialista na Cidade FM, criadora de conteúdos e youtuber. “Batalhei para ir tendo as minhas oportunidades e sei que estou numa posição quase privilegiada nesse sentido, por ter uma voz, mas sei que há uma série de profissionais capazes, negros, que acabam por ficar pelo caminho”, refere.

Publicidade
  • Coisas para fazer

Cineasta e activista. Duas facetas de Lolo Arziki praticamente impossíveis de dissociar. Muito do que faz é consequência da sua experiência – por cá, pelo Luxemburgo, por Cabo Verde, pelo Brasil. Tem 29 anos e não dá descanso à luta, mesmo quando a luta parece querer vencê-la pelo cansaço.

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade