O melhor guia de Lisboa

Restaurantes, bares, concertos, exposições, lojas, eventos e muito mais na agenda de Lisboa

Três sugestões para um fim-de-semana perfeito
Coisas para fazer

Três sugestões para um fim-de-semana perfeito

Escolher um sítio para jantar, um concerto a não perder, uma boa sessão de cinema, uma visita para se deixar guiar, uma feira para dar largas às compras. Parece simples, mas às vezes dá trabalho. É para isso que cá estamos. Não dê mais voltas à cabeça a decidir o que fazer no fim-de-semana. A não ser que lhe digamos para ir andar na montanha russa.

Os melhores sítios para ver a bola em Lisboa
Coisas para fazer

Os melhores sítios para ver a bola em Lisboa

No sábado, às 20.30, há Sporting vs. Benfica. Os bilhetes estão esgotados mas em frente a estas televisões arranjará sempre boa vista para o relvado. Estes são os melhores sítios para ver a bola em Lisboa.

Fim-de-semana perfeito em família
Miúdos

Fim-de-semana perfeito em família

Este fim-de-semana pode levar os rebentos ao teatro, fazer deles chefs especializados em hambúrgueres ou explorar os primórdios da música. Ora espreite.

Tudo o que precisa de saber sobre o novo JNcQUOI
Blog

Tudo o que precisa de saber sobre o novo JNcQUOI

O JNcQUOI é inaugurado esta quinta-feira à noite na Avenida da Liberdade e é uma das aberturas mais aguardadas do ano. Mas o que é, afinal? São três andares onde há de tudo: um restaurante, um bar, uma mercearia e uma loja de moda de luxo. Pelo meio também há macarons da famosa casa francesa Ladurée.  O investimento de quatro milhões de euros é do grupo Amorim Luxury, detentor das lojas Fashion Clinic e por este novo espaço. “Queremos oferecer uma experiência que toque em todas as partes da vida dos nossos clientes”, explica Maria Pimentel, responsável de marketing do grupo. Por isso, no mesmo edifício tem de tudo: um lugar para fazer compras, para relaxar com um copo de vinho, para petiscar ou para comer uma refeição encorpada. Fizemos um guia com tudo o que pode encontrar nos novos números 182 a 184 da Avenida (no edifício do cineteatro Tivoli). Não se perca. O restaurante   Arroz de lavagante com garoupa Fotografia: Arlindo Camacho         Se quiser ir directo ao restaurante, é entrar pelo número 184 e subir as escadas. Quando entrar não se assuste com o velociraptor que está no meio da sala. Foi construído de propósito para a sala pelo arquitecto catalão Lázaro Rosa-Violán, que concebeu todo o edifício. O tecto alto e as janelas largas iluminam bem as mesas – é da maneira que vê bem os pratos do chef António Bóia (ex-Rio’s, de Oeiras), que reinterpreta pratos clássicos portugueses e internacionais. Comece pelo camarão morno (22€), siga para a especialidade

A Time Out desta semana
Blog

A Time Out desta semana

"Não te deixaremos morrer Bairro Alto". A declaração, em jeito de promessa, é nossa. Foi feita em Novembro de 2013, numa capa da Time Out Lisboa que relembrava aos lisboetas o melhor do bairro mais boémio da cidade. Passaram mais de três anos e o Bairro Alto não morreu. Não morreu não senhor, que nós percorremos cada uma das suas ruas e batemos a cada uma das suas portas para descobrir quem abria do lado de lá. Entre turistas e lisboetas castiços, cruzámo-nos com mais de 100 restaurantes, outros tantos bares e ainda lojas very typical (e não tão very typical assim). Ele pode acordar estremunhado pela manhã e fazer ronha até às seis da tarde, mas só volta a ir para a cama de madrugada. O Bairro Alto está vivo – e recomenda-se.  Mas nem só entre a a Rua das Gáveas e do Século vive a revista desta semana. Vem aí o 25 de Abril e vale a pena explorar os programas do Abril em Lisboa, que incluem exposições, concertos, speed dating com deputados e a exibição do filme Censura: alguns cortes. Pode ler a entrevista com o realizador Manuel Mozos aqui. Também vem aí o Verão e as marcas portuguesas de swimwear já decidiram como querem que os alfacinhas desfilem pelos areais e vão a banhos nos meses quentes. Os The Gift estão de volta com disco novo e produtor badalado: Brian Eno. A entrevista completa a Nuno Gonçalves, um dos líderes da banda de Alcobaça, já está disponível aqui, com vídeos dos dois primeiros singles. Aproveite ainda as ofertas Dois por Um desta semana. Truz-truz, es

Últimas notícias

eCooltra: Scooters para partilhar na cidade
Blog

eCooltra: Scooters para partilhar na cidade

Há uma nova modalidade de partilha em Lisboa. As scooters eléctricas da Cooltra andam aí. À distância de uma aplicação Depois de uma experiência bem sucedida em Barcelona, a eCooltra expandiu-se para mais três cidades de uma assentada. A par de Madrid e Roma, Lisboa foi uma das capitais europeias contempladas com uma rede de scooters eléctricas. Em Lisboa já existe um sistema de partilha de carros, o CityDrive; a partilha de bicicletas municipais está a caminho; e agora passa a ser possível apanhar lambretas na curva. Esta nova forma de mobilidade em Lisboa já está a ser testada há dois meses, mas só agora foi oficializada a relação de partilha com a Cooltra, uma empresa espanhola que nasceu em 2006 com um serviço de aluguer de scooters para turistas e barceloneses. O ano passado aventuraram-se com uma frota de 250 scooters, um número que entretanto já subiu para os 350. Para já em Lisboa há 170 veículos espalhados pela cidade. São da marca alemã Govecs, têm um limite máximo de velocidade de 48km/h e 50cc, o que o impede de conduzir ao sabor do vento na 2ª circular ou no Eixo Norte/Sul.  Para usar o serviço começa-se por fazer o download da aplicação na App Store ou Google Play, localizar a scooter mais próxima e reservá-la. Quando terminar a viagem basta estacioná-la, guardar os capacetes e finalizar sessão na aplicação. Também não precisa de andar carregado, nem com o capacete nem com a bateria: cada scooter tem dois capacetes incluídos (tamanhos M e L, com touca desca

É uma osteria? É uma pizzaria? É o novo Pasta Non Basta
Blog

É uma osteria? É uma pizzaria? É o novo Pasta Non Basta

Três é a conta que Deus fez e este novo restaurante, junto à Praça de Espanha, junta três pilares fundamentais da gastronomia italiana. É uma osteria com petiscos, um ristoranti com pratos de massa e risotos, e ainda uma pizzaria, com pizzas cozinhadas em forno a lenha. “Fazemos comida italiana, simples mas genuína, já que todos os nossos ingredientes vêm de Itália, à excepção dos frescos, que compramos localmente”, conta Frederico Seixas, um dos sócios da Brotherfood, a empresa que explora o quiosque Bambu, na Avenida da Liberdade, e o restaurante Out Of, perto das Amoreiras. Com ele, nesta empreitada, está também António Oliveira e Silva, um dinossauro da restauração alfacinha – o Este Oeste, em Belém, é dele. Mas vamos ao que interessa. Na parte da carta onde diz Osteria, que significa taberna em português, vai encontrar focaccias (2,80€), crostinis de abacate, gambas, alcaparras e funcho (5,50€), bruschettas com legumes assados em forno a lenha e mozarela de búfala (5,50€), fatias fininhas de bresaola, que é como quem diz, vitela fumada (9,50€), e boas almôndegas com molho de tomate e lascas de parmesão (5,50€) para abrir o apetite, como estas que aqui vê. Há ainda muitos queijos e enchidos que podem ser levados para casa ao peso.   Almôndegas com molho de tomate e lascas de parmesão Fotografia: Manuel Manso     Depois, temos o ristoranti. Aqui servem-se pratos mais robustos com massas menos conhecidas, como é o caso do trofie al pesto (12,50€) ou o spaghetton

Time Out Market: o melhor dos próximos dias
Blog

Time Out Market: o melhor dos próximos dias

Os próximos dias estão marcados por workshops que podem torná-lo o chef de eleição nas refeições deste Verão, do pequeno-almoço ao jantar. Se preferir o papel de taster, opte por se deliciar com uma mariscada ao fim do dia. Para aprender         Cozinhas do Mundo: EUA. A influência dos Estados Unidos na cultura europeia sente-se também na comida. Todos temos a nossa ideia de comfort food norte-americana, muito alimentada pelo imaginário cinematográfico dos Diners e das Food Trucks. Neste workshop, o foco estará em pratos míticos como o Sloppy Joe e o Mac n' Cheese, e terminará com uma deliciosa Apple Pie. Isso mesmo: tarte de maçã. Sexta-feira, 20h. Preço: 35€ (inclui workshop e jantar). Bilhetes aqui.        "S de Salada": Pequenos-almoços saudáveis. O Verão está aí à porta, e se é daquelas pessoas que gostavam de comer saudável mas não consegue imaginar um pequeno-almoço sem a clássica meia de leite e um croissant com compota, este é o workshop certo para si. Sara Marques dos Santos, autora do blog "S de Salada", dará dia 22 um workshop de pequenos-almoços saudáveis na Academia Time Out. Quem sabe se não ficará fã do mote de Sara: "A alimentação saudável não é uma moda, é um modo de vida". Sábado, 11h. Preço: 25€ (inclui workshop e degustação). Bilhetes aqui.   Para provar Fotografia: Inês Calado Rosa       Petiscos da Marisqueira Azul. Já começámos a ver pessoas de areia nos pés a circular por Lisboa depois de um dia de praia. O comboio de Cascais 

Tasca Fit: Nesta tasca há comida saudável
Blog

Tasca Fit: Nesta tasca há comida saudável

Há uma tasca saudável em Lisboa. Se é possível? Pelos vistos, sim, e foi André Borralho quem teve a ideia. Abriu em Arroios, no final de Março, um restaurante onde em vez de se servirem bitoques, se preparam fitoques. “Isto é, em vez de servirmos o bife de porco frito, servimos peru grelhado. No lugar do ovo estrelado, temos um ovo escalfado e substituímos a batata frita por puré de batata doce”, diz o dono. E tem sido um sucesso. André, que também é manequim e já foi atleta de alta competição, estudou Engenharia Alimentar na Universidade de Coimbra, tem um mestrado em Segurança Alimentar e uma pós-graduação em suplementação desportiva. Num gabinete ao lado do restaurante põe a teoria em prática e dá consultas de aconselhamento nutricional. Quanto à carta, tem vários menus, como o de pequeno-almoço composto por panqueca, sumo do dia e café (5€), o pré-treino com pão de sementes e manteiga de amendoim, sumo do dia ou um café americano (2,50€) e o pós-treino que leva claras mexidas, com opção de chá (5,50€). Há ainda taças de iogurte grego com sementes (4,25€ e 4,50€) ou com açaí e fruta (3,45€/pequena e 5,65€/grande).   Taça de açaí com fruta fotografia: Manuel Manso     As tapiocas ocupam também uma grande parte da lista. Umas são salgadas, com frango e azeitonas; salmão e guacamole; ou queijo e presunto. E outras são doces, com recheios de banana, mel e canela; chocolate negro e morango; manteiga de amendoim e banana; leite condensado e coco; ou, então, Nutella

Guia de sobrevivência para a Lisbon Cocktail Week
Blog

Guia de sobrevivência para a Lisbon Cocktail Week

A Lisbon Cocktail Week acontece entre 21 e 29 de Abril e este ano há 62 espaços a aderir. É normal que se sinta perdido e não saiba para que cocktail se há-de virar, por isso respondemos às suas dúvidas. O que raio é a Lisbon Cocktail Week? Pense nisto como uma época de saldos nos bares de cocktails da cidade. Na compra de um cocktail oferecem-lhe outro e os bares que aderiram à ocasião prepararam três diferentes (este ano a aposta é nos cocktails clássicos). Alguns espaços prepararam também mocktails, a pensar naquele seu amigo esquisitinho que não bebe álcool.     Onde posso beber cocktails? Há 62 espaços da cidade a celebrar a Lisbon Cocktail Week e claro que na lista estão os bares mais conhecidos da cidade. A tal promoção dos cocktails acontece apenas entre as 18.00 e as 23.00, por isso seja pontual e prepare-se para enchentes, especialmente em espaços populares como o Red Frog.   Têm algumas sugestões de bares para mim? Pode sempre consultar a nossa lista de dez cocktails para beber durante a Lisbon Cocktail Week. Esta é uma boa oportunidade para visitar espaços conceituados onde um cocktail não custa menos de 10 euros, como o Red Frog ou o Cinco Lounge. E também para passar pelos bares com a melhor vista.   Há mais alguma coisa a acontecer na cidade? Há um conjunto de eventos, workshops, degustações, festas e iniciativas em lojas de bebidas, divulgados normalmente no site da Lisbon Cocktail Week. O destaque vai para a presença daquele que foi considerado

Mais notícias do Blog

Viva a Primavera

5 novas aulas de ginásio para chegar ao Verão em forma
Coisas para fazer

5 novas aulas de ginásio para chegar ao Verão em forma

Equilíbrio dentro da piscina, ballet para totós, treinos de alta intensidade e exercícios para quem não tem medo de alturas - está oficialmente aberta a época do regresso ao ginásio. E já que é para suar à grande, ao menos que também seja divertido. Estas não só são as mais animadas, como também as mais recentes aulas que os ginásios em Lisboa têm para oferecer.

10 sinais de que a Primavera chegou a Lisboa
Coisas para fazer

10 sinais de que a Primavera chegou a Lisboa

Chegou a Primavera – e todos os alfacinhas sabem, mesmo que ainda não tenham aberto o seu Facebook. Descubra aqui 10 sinais de que a nova estação invadiu Lisboa e não perca a Time Out da próxima quarta-feira, com piqueniques, esplanadas, quiosques, cocktails, mercados e tendências da Primavera 2017. 

Os melhores passeios de barco no rio Tejo
Coisas para fazer

Os melhores passeios de barco no rio Tejo

Podem meter copos e sushi, podem incluir DJs ou ser mais silenciosos, para observar passarinhos. Podem ser do género turístico, radical, romântico ou familiar. Podem ser quase tudo o que imaginar. Atire-se connosco ao rio e fique a conhecer os melhores passeios de barco no Tejo. 

Esplanadas em Lisboa: petiscar, beber e contemplar
Restaurantes

Esplanadas em Lisboa: petiscar, beber e contemplar

[ES-PLA-NA-DAR] v. | acto de permanecer sentado ao ar livre na companhia de um refresco; forma de socialização que requer apenas duas pessoas e duas cadeiras; técnica de fotossíntese muito popular entre os humanos; modalidade de exibição dos Jogos Olímpicos de 2020 (proposta da Time Out Lisboa no dia em que arranca a Primavera 2017). 

Derreta-se com as melhores gelatarias em Lisboa
Restaurantes

Derreta-se com as melhores gelatarias em Lisboa

Oreo ou arroz doce, bolacha Maria ou pistáchio, o céu é o limite no mundo dos gelados. E a verdade é que a lista de gelatarias em Lisboa não pára de engordar. Ora comece por estas.

Oito coisas que aprendemos sobre hortas biológicas com Mariano Bueno
Coisas para fazer

Oito coisas que aprendemos sobre hortas biológicas com Mariano Bueno

Mariano Bueno garante que quem se mete nisto do cultivo biológico, sofre menos de stress e sente-se melhor – fala por experiência própria, afinal, antes de se dedicar à agricultura biológica e se converter ao vegetarianismo, tinha 90 e muitos quilos, problemas de cansaço e muitas alergias. Agora vive numa quinta a 200 quilómetros de Barcelona e é um dos maiores especialistas em agricultura biológica do mundo. O seu novo livro A Horta-Jardim Biológica (da ArtePlural Edições,19,90€) acaba de ser lançado em Portugal e Mariano veio a uma escola em Lisboa ensinar algumas técnicas às crianças, porque é de pequenino que se torce o pepino. Reunimos oito coisas que aprendemos sobre hortas biológicas com Mariano Bueno.

25 de Abril em Lisboa

A revolução para garotos: três livros infantis sobre o 25 de Abril
Miúdos

A revolução para garotos: três livros infantis sobre o 25 de Abril

A famosa fotografia do menino de cabelinhos aos caracois a pôr um cravo numa arma está muito desactualizada. Esse garoto tem agora para cima de 30 anos. Para os que não chegam aos dois palmos de altura mas já estão a perguntar o que é isso de revolução dos cravos, seleccionámos três livros que vale a pena ler em família.   Conheça os últimos lançamentos de livros sobre a revolução na Time Out desta semana.

Há sempre alguém que resiste, há sempre Abril em Lisboa
Blog

Há sempre alguém que resiste, há sempre Abril em Lisboa

O local de apresentação da programação EGEAC "Abril em Lisboa" não podia ser mais apropriado. No Museu do Aljube, antiga prisão política da ditadura militar, falou-se de resistência e liberdade. E também de concertos, conversas e até um speed dating com deputados nacionais. “Há sempre alguém que resiste, há sempre alguém que diz não”, lembra o poema escrito por Manuel Alegre em 1963. Mas difícil vai ser resistir à programação que promete animar a cidade de 19 a 25 de Abril, em que destacamos alguns momentos. Operação Condor – Exposição de fotografia de João PinaO fotógrafo João Pina entrou no Aljube pela primeira vez na apresentação do programa "Abril em Lisboa". Ao contrário do avô, lembrou, que aqui passou uns anos. Também pela primeira vez chega a Portugal esta exposição que roubou o nome a uma operação secreta chilena e que já deu a volta ao mundo. Um projecto desenvolvido entre 2005 e 2014 directamente relacionado com as seis antigas ditaduras da América Latina. O resultado é uma espécie de mapa de repressão política em imagens que poderá ver de 21 de Abril a 18 de Julho no Torreão Poente da Praça do Comércio. João Pina   Festival PolíticaÉ uma modalidade festivaleira que já tem décadas de existência noutros países, como o Reino Unido ou Itália. Sob o tema Abstenção, chega pela primeira vez a Portugal um certame cheio de debates, workshops, conversas e cinema, em que destacamos o Cara a Cara com Deputados: durante cinco minutos os participantes podem conversar c

Sete filmes sobre o 25 de Abril
Filmes

Sete filmes sobre o 25 de Abril

É verdade, sim, a maioria dos cineastas nacionais não são muito dados a escarafunchar o passado, desenterrar e autopsiar o salazarismo. A guerra colonial, essa, então, é praticamente tabu. Poucos ousaram. Sete estão a seguir registados. São os melhores filmes sobre o 25 de Abril.   

Canções Para Revoluções
Música

Canções Para Revoluções

Repertório revolucionário português e ibero-americano, interpretado pelos cantores António Zambujo, Lura, Sílvia Perez Cruz, Vitorino, Marina Pacheco e Mário Alves e os instrumentistas Pedro Jóia, Alexandre Frazão e Norton Daiello. Com direção musical do maestro Cesário Costa e direção artista de Luís Varatojo.

40ª Corrida da Liberdade
Coisas para fazer

40ª Corrida da Liberdade

A 25 de Abril de 2017 vai-se correr e caminhar pela liberdade. E pela 40ª vez, num evento inclusivo e popular, onde todos podem participar, mesmo cidadãos que praticam Desporto Adaptado.Há três percursos especiais de corrida e uma caminhada. Em comum têm a hora de partida, fixada às 10.30, o amor à camisola (até porque o único prémio para todos os participantes é uma t-shirt) e a meta na Praça dos Restauradores. O Percurso A tem 11km e é só para séniores e veteranos, iniciando-se na Pontinha, junto ao Quartel de Engenharia 1. O Percurso B, onde se podem inscrever seniores e veteranos femininos, juniores e juvenis corta para mais de metade os quilómetros percorridos: são 5km com ponto de partida no Largo do Carmo. Quem tem menos andamento nos pés ou está sem muito tempo para festejar a liberdade, pode sempre optar pelo Percurso C, com apenas 1km, do Marquês de Pombal aos Restauradores. Em vez de correr também pode caminhar, com a versão mais lenta da prova ao longo de 2,5km. A Caminhada da Liberdade tem início no Saldanha.As inscrições são gratuitas e estão abertas até 17 de Abril no site da Associação Colectividades do Concelho de Lisboa. Se preferir também pode inscrever-se no próprio dia num dos quatro locais de partida até 30 minutos antes do início da prova que escolher. Mais informações no site da Câmara Municipal de Lisboa.

A vossa opinião
  • 5 /5 estrelas
10 canções revolucionárias
Música

10 canções revolucionárias

Multiplicam-se por estes dias os concertos em Lisboa (e não só) com repertório revolucionário. Desde as actuações da Frente Popular, sábado, na Casa Mocambo, e segunda, no Sabotage, ao espectáculo Canções Para Revoluções, na Praça do Comércio, que junta os cantores António Zambujo, Virotino, Lura, Sílvia Perez Cruz, Marina Pacheco e Mário Alves aos instrumentistas Pedro Jóia, Alexandre Frazão e Norton Daiello, com direção musical do maestro Cesário Costa e direção artista de Luís Varatojo. Inspirados pelo espírito de Abril, escolhemos algumas das mais marcantes canções da revolução dos cravos. 

Comer e beber em Lisboa

Os melhores ceviches em Lisboa
Restaurantes

Os melhores ceviches em Lisboa

É fresco, baixo em calorias, exótico e sabe bem. O Verão pede ceviches – esse prato ícone da gastronomia peruana – por isso, andámos atrás dos melhores ceviches em Lisboa e dizemos-lhe onde os provar. E temos cá de tudo: ceviches de peixe branco do dia, de salmão, de carapau, de manga, de polvo, de camarão da nossa costa e até de tremoço, veja lá.

Onde beber os melhores sumos naturais em Lisboa
Restaurantes

Onde beber os melhores sumos naturais em Lisboa

Tempo quente pede bebidas frescas e nós estamos cá para o ajudar: seja para lhe tratar da saúde (e da forma física) ou simplesmente para refrescar a meio do dia, estes são os melhores sítios para beber sumos naturais em Lisboa. 

Os três melhores sítios para comer croissant francês em Lisboa
Restaurantes

Os três melhores sítios para comer croissant francês em Lisboa

Croissants há muitos: brioches, recheados, açucarados, mistos ou em miniatura. Mas nada bate os franceses - excepto Portugal, na final do Euro 2016. Já provámos os melhores croissants em Lisboa, e agora fomos atrás dos folhados, o crème de lá crème daquela que é a estrela dos nossos pequenos-almoços. Estes são os melhores sítios para comer croissant francês em Lisboa.

O Sangue na Guelra está de volta
Blog

O Sangue na Guelra está de volta

O Sangue na Guelra faz cinco anos e está a apostar as fichas todas num evento de arromba. Durante o mês de Maio não vão faltar actividades à volta do peixe e do marisco português, que vão de simpósios a jantares arrojados, passando por festivais de rua com estrelas Michelin. Ora atente. O III Simpósio, que acontece no dia 5 de Maio no HUB Criativo do Beato, vai contar com a presença de vários chefs nacionais com estrelas Michelin no palmarés, como é o caso de João Rodrigues, do Feitoria (uma estrela), José Avillez, do Belcanto (duas estrelas), Henrique Sá Pessoa, do Alma (uma estrela), e Alexandre Silva, do Loco (uma estrela). Vão estar à conversa sobre quatro importantes temas da cozinha portuguesa: sangue, sal, frituras e pão. “Os chefs encararam este desafio de trabalharem os temas em conjunto de forma muito entusiástica: reúnem-se, trocam ideias, técnicas, experiências, vídeos, fotografias… tem sido um processo inédito e muito estimulante para todos”, diz em comunicado Ana Músico, uma das mentoras do projecto, juntamente com Paulo Barata. ©Gonçalo Villaverde   A festa continua nos dias seguintes, no mesmo espaço, com o Blood n’Guts Lisboa Food Festival. E o que é isto? É um festival de rua que acontece a 6 e 7 de Maio e que conta com cerca de duas dezenas de chefes conceituados, nacionais e estrangeiros, que vão preparar as suas interpretações de comida de rua. Esta é altura ideal para provar, a preços acessíveis, algumas das criações de chefs com nomes sonante

Saiba de outros sítios onde comer e beber na cidade

Críticas de restaurantes

12, 1º Andar
Restaurantes

12, 1º Andar

Sopinha de massa é uma coisa péssima. Lembra esparguete sobrecozido e lembra o Diogo, um colega de carteira que me enchia a sebenta da Primária de perdigotos. Talvez por isso, desta vez uso o estrangeirismo: falemos de noodles, de sopa de noodles chineses. No espaço de metros quadrados, ali entre o Martim Moniz e a Rua da Palma, há pelo menos três salas clandestinas, com mesas forradas a toalha de plástico (ligeiramente pegajosa), que se dedicam a servir sopas de noodles, que não são sobrecozidos, à comunidade sino-moura das imediações. A melhor é a do número da Rua Fernandes da Fonseca, mesmo ao lado do supermercado Hua Ta Li, num primeiro andar. Na cozinha está um chinês grande que tem a virtude de mexer muito bem no wok e o defeito de dar primazia à sua comunidade. Se acontecer, vale a pena protestar (com modos) e vale a pena esperar. Os noodles são frescos, estendidos e cortados na hora, e o caldo caseiro translúcido tem uma combinação deliciosa de elegância e complexidade. Aconselho a de porco, que traz um entrecosto assado para comer à colher. Vá lá e não diga a ninguém. *As críticas da Time Out dizem respeito a uma ou mais visitas feitas pelos críticos da revista, de forma anónima, à data de publicação em papel. Não nos responsabilizamos nem actualizamos informações relativas a alterações de chef, carta ou espaço. Foi assim que aconteceu.

A Time Out diz
  • 4 /5 estrelas
Bagos
Restaurantes

Bagos

O arroz de grelos com feijão e filetes de polvo fritos deste Bagos não me sai da boca nem da cabeça. Tenho ideia que sonhei com ele e, neste preciso momento em que escrevo, sinto segregações salivares só de pensar no assunto. Um assunto sério. Os grelos não se vêem, estão incorporados no arroz, mas nota-se o amargo do vegetal, que bate certo com o doce do arroz, aqui al dente mas ligado, que bate certo com uns feijõezinhos pequenos e divinais. Por cima, ainda melhor: tentáculos de polvo fritos, crocantes por fora e tenros por dentro – tudo perfeito, um extraordinário prato português feito por um extraordinário chef português. Falemos dele.Henrique Mouro está de regresso à cidade. Já foi uma estrela da companhia. Passou pela Bica do Sapato, arriscou-se a solo no Assinatura, deu-se mal no Tavares (quem não se deu?), depois fugiu do radar, acabando a ajudar na produção do MasterChef português. Como outros cozinheiros do seu tempo, no passado entusiasmou-se com espumas e outras habilidades moleculares e talvez tenha sido isso parte do problema. Felizmente para ele e para nós, algumas vanguardices sensaboronas estão estafadas e os ventos sopram de outro lado. Não me parece que este ainda seja o seu restaurante. O espaço é frio e tem falta de personalidade, com a sala principal abaixo do nível do solo, fechada. E depois há o conceito. A ideia é tudo ter arroz, o que faz algum sentido no país da Europa que mais o consome. O problema dos conceitos – dos restaurantes de conceito –

A Time Out diz
  • 4 /5 estrelas
Focca
Restaurantes

Focca

E esse cuidado sente-se à primeira trinca. O pão é muito leve, estaladiço, tem alecrim e uma gordura ligeira, típica da tradicional focaccia. Surpreendeu-me logo à partida, quando chegou em cubos pequenos para acompanhar a tábua de queijos e enchidos – um picante chouriço calabrese, salpicão, speck em fatias finas, tudo excelente, e um parmesão, já mais rijo –, mas ganhou todo o meu respeito depois de o ver a entalar os ingredientes das sanduíches. Casa bem com a focaccia Pecorino, com um bom queijo pecorino da Sardenha derretido, queijo taleggio, fatias de speck e curgete grelhada – no final um conjunto bem equilibrado, com alguns ingredientes frios. E casa melhor ainda com a Arrosto, com fatias de pernil assado (uma moda portuense que o dono, portuense, trouxe), queijo provolone derretido, cebola confitada e um molho de mostarda. À excepção do espaço, a inóspita praça de restauração do Picoas Plaza e de um brownie que mais parecia uma tablete de chocolate, está tudo certo no Focca. Até o preço: 23€ por tudo, com vinho incluído. Por Francisco Beltrão *As críticas da Time Out dizem respeito a uma ou mais visitas feitas pelos críticos da revista, de forma anónima, à data de publicação em papel. Não nos responsabilizamos nem actualizamos informações relativas a alterações de chef, carta ou espaço. Foi assim que aconteceu.

A Time Out diz
  • 4 /5 estrelas
Double9
Bares

Double9

Fui jantar ao Double9 num sábado à noite, convencida de que ia dividir uns pratos imaginados por Joachim Koerper, acompanhá-los por cocktails em vez de vinho, conversar um pouco, ouvir boa música e estava feito. Sabia que não estava a entrar num restaurante convencional, já que o sítio se assume como gastrobar; sabia que outros conceitos semelhantes tentaram vingar em Lisboa mas sem sucesso (exemplo do extinto Bocca) e por isso levava alguma expectativa para ver a execução deste; e sabia que o mais parecido com a ideia de bar gastronómico é o vizinho Mini Bar, mesmo não havendo ninguém a chamá-lo de bar... Mas nada me tinha preparado para o que encontrei. Música alta, que foi ficando mais alta à medida que a noite avançou (lá se foi a conversa), algumas mesas de mulheres bem vestidas, com cocktails à frente, numa reencarnação perfeita de O Sexo e a Cidade, empregados simpáticos, solícitos, a mandar algumas piadas (uma linha Hard Rock, mas muito civilizada), casais portugueses e estrangeiros, grupos de homens, grupos mistos de turistas, um anfitrião italiano extremamente simpático e de gargalhada alta, cocktails a saírem do bar envoltos em nuvens e fumo... Bom, vou desembuchar: senti-me no Guilty. Não o digo em tom de crítica. Digo-o porque poucos sítios em Lisboa conseguiram ser bar e restaurante ao mesmo tempo. E porque o castanho dos sofás capitoné também me transportou para lá. Com a diferença que aqui não há pizzas e hambúrgueres, mas uma cozinha de chef com estrelas Mi

A Time Out diz
  • 2 /5 estrelas
Mais críticas de restaurantes

Hotéis em Lisboa

Os melhores hotéis em Lisboa
Hotéis

Os melhores hotéis em Lisboa

Passa por cá a correr ou vem para ficar? Quer namorar ou fazer amigos? Traz a família toda a reboque ou chega só e abandonado? Saiu-lhe o Euromilhões ou já está a contar tostões? Seja qual for o seu perfil de turista e o seu ideal de férias, juntámos os melhores hotéis em Lisboa para todos. Escolha o seu preferido e faça bom proveito.

Hotéis bons e baratos em Lisboa
Hotéis

Hotéis bons e baratos em Lisboa

Hotéis em Lisboa há muitos e difícil é arranjar uma boa pechincha. Andámos à caça de hotéis bons e baratos em Lisboa e descobrimos oito, com preços entre os 50 e os 70 euros por noite. Se o preço não for um problema, espreite os melhores hotéis de luxo em Lisboa. E se vier em clima de romance, vale a pena espreitar os melhores hotéis românticos em Lisboa.

Os melhores hotéis boutique em Lisboa
Hotéis

Os melhores hotéis boutique em Lisboa

Que em Lisboa não faltam hotéis toda a gente sabe. E que o número de hotéis aumentou consideravelmente nos últimos anos, consequência do hype mundial à volta da nossa cidade, também. Assim, passámos a pente fino tudo quanto é unidade hoteleira para lhe trazer os melhores hotéis de charme em Lisboa.  Considerados o parente rico do Bed&Breakfast e da típica pousada, os hotéis boutique distinguem-se pela personalidade e ambiente acolhedor. Mais pequenos do que os das grandes cadeias internacionais, vivem quase sempre sustentados num projecto arquitectónico diferenciado ou instalados num edifício histórico. O ambiente descontraído, muitas vezes criado pelos proprietários, pretende levar os hóspedes a sentirem-se em casa. Estes são os melhores hotéis boutique em Lisboa – cada um deles, um excelente pretexto para fugir à rotina.

Os melhores bares de hotel em Lisboa
Hotéis

Os melhores bares de hotel em Lisboa

De Alfama a Belém, há boas razões para explorar os hotéis que se seguem. E já sabe que se beber um copo a mais, tem sempre a opção de fazer check in. Estes são os melhores bares de hotel em Lisboa.

Coisas para fazer em Lisboa

12 peças obrigatórias na Cosmos Discovery
Coisas para fazer

12 peças obrigatórias na Cosmos Discovery

A luz, reduzida, joga-nos para um ambiente taciturno, silencioso, não muito diferente daquilo que deve ser estar a dois passos da Lua. E assim se mantém pelos 2500m2 e mais de 200 artefactos originais da NASA e de outras agências espaciais.  A World Crew Events, que organizou a exposição sobre o corpo humano “Real Bodies”, na Cordoaria Nacional, em 2015, volta a fazer das boas. Agora no Terreiro das Missas, em Belém, onde já foi o “LX on Ice” e outros eventos culturais. Uma coisa é certa, seja mais team Rússia ou team EUA, vai ficar boquiaberto com alguns dos detalhes que vai descobrir nesta exposição. Aliás, o que importa mesmo é que seja team Cosmos. Os bilhetes custam 16€ e ainda não há data de encerramento.

Grátis em Lisboa esta semana
Coisas para fazer

Grátis em Lisboa esta semana

Trazemos-lhe cinco sugestões para aproveitar, à borla, tudo o que a cidade tem para oferecer esta semana.

100 biquínis e fatos de banho para arrasar neste Verão
Compras

100 biquínis e fatos de banho para arrasar neste Verão

Este Verão vai ter espaço para tudo: para marcas portuguesas, para biquínis brasileiros, para fatos de banho recatados e para flores e frutas exóticas. Haja sol e calor para poder experimentá-los todos. Porque os preparativos para a época balnear já começaram, escolhemos os nossos 100 modelos favoritos, entre biquínis, triquínis e fatos de banho. Prepare-se para ir a banhos e, de caminho, espreite o que as marcas portuguesas de fatos de banho andaram a preparar na revista desta semana. 

Depois das seis
Coisas para fazer

Depois das seis

Violinos, pakoras, livros de ficção científica: esta semana, em Lisboa, a coisa anima depois das 18.00. 

5 novas aulas de ginásio para chegar ao Verão em forma
Coisas para fazer

5 novas aulas de ginásio para chegar ao Verão em forma

Equilíbrio dentro da piscina, ballet para totós, treinos de alta intensidade e exercícios para quem não tem medo de alturas – está oficialmente aberta a época do regresso ao ginásio. E já que é para suar à grande, ao menos que também seja divertido. Estas não só são as mais animadas, como também as mais recentes aulas que os ginásios em Lisboa têm para oferecer.

Os melhores concertos em Lisboa esta semana
Música

Os melhores concertos em Lisboa esta semana

Por toda a cidade há concertos. Alguns valem mais a pena do que outros, por isso siga as nossas sugestões dos melhores concertos em Lisboa esta semana.

Mais coisas para fazer na cidade

Filmes e Séries

Sete filmes sobre o 25 de Abril
Filmes

Sete filmes sobre o 25 de Abril

É verdade, sim, a maioria dos cineastas nacionais não são muito dados a escarafunchar o passado, desenterrar e autopsiar o salazarismo. A guerra colonial, essa, então, é praticamente tabu. Poucos ousaram. Sete estão a seguir registados. São os melhores filmes sobre o 25 de Abril.   

Novos Olhares na Cinemateca – Parte II da Parte II
Filmes

Novos Olhares na Cinemateca – Parte II da Parte II

Semana diversa, esta, com filmes de várias metragens e diversos interesses e maneiras de ver. Filmes que podem ser documentais da mais pura escola, experiências plásticas, cinema social e biográfico e até um filme de carácter marcadamente nostálgico e comercial. Eis o que pode esperar da segunda parte do ciclo Novos Olhares na Cinemateca.

Dez séries de espionagem que fizeram história da televisão
Filmes

Dez séries de espionagem que fizeram história da televisão

Mr. Solo, Olho Vivo, Missão: Impossível, O Santo ou Os Vingadores fazem parte desta dezena de séries de espionagem que marcaram este género na televisão e conquistaram várias gerações de telespectadores.

Kenzi Mizoguchi: Nove filmes sobre a beleza, a vida e a mulher
Filmes

Kenzi Mizoguchi: Nove filmes sobre a beleza, a vida e a mulher

A mulher tem nos filmes de Kenzi Mizoguchi uma papel primordial. Um papel que reflecte as preocupações do realizador com a injustiça da sua situação secundária e, tantas vezes, humilhante. Nove filmes, restaurados digitalmente, menos de 10 por cento da sua filmografia, são o que há. Mas são nove ensaios sobre a beleza. E começam a ser exibidos hoje no Nimas.   

Michael Caine em dez filmes essenciais
Filmes

Michael Caine em dez filmes essenciais

John Huston, Woody Allen, Brian De Palma, Joseph L. Mankiewicz ou Lewis Gilbert são alguns dos realizadores com os quais Michael Caine fez os melhores filmes da sua longa e rica carreira cinematográfica. Agora pode vê-lo no grande ecrã em Ladrões com Estilo, com mais dois grandes, Morgan Freeman e Alan Arkin. Leia a crítica aqui.   

Cinco filmes que Paula Rego recomenda ver na Cinemateca
Arte

Cinco filmes que Paula Rego recomenda ver na Cinemateca

Esta é a semana de Paula Rego: o documentário Paula Rego: Histórias e Segredos, uma conversa íntima com o filho, Nick Willing, estreia quinta-feira e na sexta inaugura uma exposição com o mesmo nome na Casa das Histórias Paula Rego, em Cascais. Através das suas obras, algumas nunca expostas em Portugal, ou dos segredos que o filho capta no filme, descobre-se que a vida e a obra desta pintora são um contínuo, sem separações. Algumas das fontes de inspiração para as suas obras vão estar durante todo o mês de Abril na Cinemateca Portuguesa, no ciclo "Carta Branca a Paula Rego". São dez filmes escolhidos pela artista que vive em Londres e que contam com a sua presença e apresentação na primeira sessão, esta quarta-feira, às 19h, para ver Quando os Sinos Dobram, de Michael Powell e Emeric Pressburger. Olhámos para as escolhas de Paula Rego e escolhemos cinco que mostram como são ecléticas. Leia mais sobre o documentário e a exposição na Time Out desta semana. Cinemateca Portuguesa, Rua Barata Salgueiro, 39. Seg-Sáb. 3,20€