Os melhores jantares de Natal em grupo em Lisboa
Os melhores jantares de Natal em grupo em Lisboa icon-chevron-right
32 Coisas Incríveis Para Fazer em Lisboa
32 Coisas Incríveis Para Fazer em Lisboa icon-chevron-right
Os melhores mercados de Natal em Lisboa
Os melhores mercados de Natal em Lisboa icon-chevron-right

Últimas notícias

Há chuva de meteoros esta semana
Notícias Há chuva de meteoros esta semana

Apesar desta chuva de meteoros já ter começado, em Portugal só agora começa a ser visível. A melhor forma de assistir ao fenómeno é evitar a poluição...

Há espectáculo no Maxime: a Madame Liz Bonne fica até Março
Notícias Há espectáculo no Maxime: a Madame Liz Bonne fica até Março

É uma novidade, mas já parece querer ficar. O jantar-espectáculo que tem animado as sextas e sábados no restaurante do novo Maxime Hotel é um caso de...

Xmas Time: um mercado de Natal nacional no Time Out Market
Notícias Xmas Time: um mercado de Natal nacional no Time Out Market

Se está a ver os dias passar e ainda não conseguiu tratar das prendas de Natal, não desespere. Entre os dias 21 e 23 de Dezembro será a vez do Estúdio Time...

Há um século e meio que a pastelaria Benard adoça Lisboa
Notícias Há um século e meio que a pastelaria Benard adoça Lisboa

A Benard começa a celebrar o seu 150.º aniversário esta quinta-feira, 13 de Dezembro, a partir das 17.00. O período de celebrações do clássico lisboeta (e...

A Pikikos abriu em Campo de Ourique e é loja, café e cabeleireiro sustentável
Notícias A Pikikos abriu em Campo de Ourique e é loja, café e cabeleireiro sustentável

É uma mistura improvável, é certo, mas que resultou num novo espaço em Campo de Ourique, a Pikikos. O projecto de Natasha Cálem é de escolha múltipla: café,...

B.leza celebra 23 anos com mega festa africana
Notícias B.leza celebra 23 anos com mega festa africana

O B.leza Clube celebra 23 anos este mês, no dia 21 de Dezembro, sexta-feira. No alinhamento, esperam-se muitos dos artistas que já subiram ao palco da...

Crianças e jovens de bairros problemáticos dão concerto de Natal
Notícias Crianças e jovens de bairros problemáticos dão concerto de Natal

Entre os dias 17 e 21 de Dezembro irá decorrer a terceira edição do Acorde Maior, o primeiro projecto de responsabilidade social do Village Underground...

Carris já tem 15 autocarros ecológicos com Wi-Fi
Notícias Carris já tem 15 autocarros ecológicos com Wi-Fi

A partir desta sexta-feira começam a circular os primeiros autocarros da nova frota de 250 veículos da Carris, cuja gestão passou para o município em 2017. ...

Fidelidade fica com os terrenos da antiga Feira Popular
Notícias Fidelidade fica com os terrenos da antiga Feira Popular

Foram precisos 238,5 milhões para a seguradora fechar negócio com o município, numa hasta pública que já tinha sido adiada por três vezes. À quarta foi de...

ArtesanaLis: mais de cem cervejas artesanais à escolha em Alvalade
Notícias ArtesanaLis: mais de cem cervejas artesanais à escolha em Alvalade

O novo bar/loja de cerveja artesanal fica em Alvalade e tem 105 diferentes para levar para casa ou para consumir ali. Um espaço capaz de satisfazer tanto...

icon-chevron-right
icon-chevron-right

Coisas para fazer em Lisboa

Passatempo | Antestreia em Lisboa de "Depois de Tudo"
Filmes Passatempo | Antestreia em Lisboa de "Depois de Tudo"

Elliott (Jeremy Allen White), um jovem de 23 anos de Nova Iorque, leva uma vida selvagem e inconsequente. Enquanto trabalha numa loja de sanduiches, projeta a próxima app de sucesso. Após um encontro inesperado o deixar apaixonado pela enigmática e introvertida Mia (Maika Monroe), Elliott é diagnosticado com uma doença rara e potencialmente mortal. Isso leva-o a repensar a sua atitude despreocupada. Com um sentido de urgência, Elliott e Mia apaixonam-se, apesar das dúvidas de família e amigos. Um romance único, que conjuga drama sincero com comédia inconvencional, Depois de Tudo revela como as maiores dificuldades da vida podem levar a uma surpreendente felicidade. A antestreia de Depois de Tudo é já no dia 4 de Dezembro, às 21.30, no Cinema NOS Amoreiras, e temos dez convites duplos para oferecer.Para participar basta responder a este formulário. Consulte aqui os termos e condições deste passatempo.  

Time Out 2POR1: as ofertas desta semana
Coisas para fazer Time Out 2POR1: as ofertas desta semana

Todas as semanas, a Time Out Lisboa tem as melhores ofertas da cidade a preço de saldo. Venha descobri-las e, aconteça o que acontecer, não perca o 2por1 desta semana. + A Time Out desta semana

O melhor do Outono em Lisboa
Coisas para fazer O melhor do Outono em Lisboa

Chegou, mas demorou a dar um ar de sua graça. Com a mudança para o horário de Inverno, fica difícil negar que o Outono está aqui. Os dias estão mais curtos, as camadas de roupa aumentam e a chuva já faz parte dos nossos dias. Tudo isto pode motivar o seu enclausuramento entre quatro paredes, mas temos o guia perfeito para o arrastar para fora de casa e aproveitar o melhor da estação em Lisboa. Esqueça o sofá e a manta nas pernas, com tanto para fazer não tem como se aborrecer. 

Cinco passeios em Lisboa para fazer esta semana
Coisas para fazer Cinco passeios em Lisboa para fazer esta semana

Bem no centro da cidade todas as semanas há uma série de passeios em Lisboa. E os dias que se seguem trazem uma programação particularmente variada. Temos sugestões para ocupar o seu fim-de-semana. Mas, para não ficar a ver navios, já sabe que o melhor é agilizar o processo de reserva e inscrição nas diferentes actividades (muitas delas esgotam num ápice). Quanto ao kit de sobrevivência, calçado e roupa confortável são recomendação da praxe. Combine o melhor dos cenários com a história e o exercício físico e desfrute dos melhores passeios e caminhadas. Recomendado: Os melhores passeios para fazer em Lisboa

As melhores coisas radicais para fazer em Lisboa
Coisas para fazer As melhores coisas radicais para fazer em Lisboa

Aviso prévio: este artigo é impróprio para cardíacos. Os níveis de adrenalina prometem subir só de ler. É que saltar para o Tejo, entrar num quarto escuro para fazer amigos ou numa sala para partir tudo, fazer coastering, ir a um restaurante clandestino, saltar de asa delta ou passear pela serra de Sintra à noite não é para meninos. Não tem medo e gosta de se pôr à prova? Veio ao síito certo. Destemidos da cidade: aqui estão as coisas mais radicais para fazer em Lisboa – e riscar da bucket list. Recomendado: Sítios onde um adulto pode ser criança em Lisboa

Os melhores mercados em Lisboa este fim-de-semana
Coisas para fazer Os melhores mercados em Lisboa este fim-de-semana

Roupa, calçado, acessórios, livros, material para a praia para aproveitar e dar uns mergulhos. Pode contar com cada uma destas coisas nos mercados deste fim-de-semana. Mercados em Lisboa há muitos e nós dizemos-lhe aqueles que não pode perder. É só ir e começar a rechear o armário com as novidades das colecções Outono-Inverno que começam a chegar aos charriots. A viagem começa em Cascais, segue para Alvalade e acaba no Bairro Alto, pode correr as capelinhas todas. Afinal, ir ao mercado é sempre uma óptima desculpa para pôr o pé na rua e aproveitar este sol de Lisboa, enquanto ainda é Outono disfarçado de Verão. Recomendado: Fim-de-semana perfeito em Lisboa

As melhores lojas de decoração em Lisboa
Compras As melhores lojas de decoração em Lisboa

Lisboa tem algumas das melhores lojas de decoração mesmo à mão de semear. Dos candeeiros às cadeiras, do vintage às linhas mais contemporâneas, as novas tendências já espreitam e se a missão dos próximos tempos é mesmo redecorar então prepare-se para abrir os cordões à bolsa. Nestas lojas há universos próprios, estilos para todos os gostos, porque de quando a quando é mesmo preciso dar um novo ar à nossa casa – acredite que a decoração pode fazer toda a diferença. Estas lojas são paragens obrigatórias para quem se quer armar em especialista.  Recomendado: As melhores concept stores em Lisboa

Os 22 melhores parques e jardins em Lisboa
Coisas para fazer Os 22 melhores parques e jardins em Lisboa

Em Lisboa há parques para todos os gostos e nós escolhemos os melhores para brincar com os miúdos, ler um livro ou fazer um piquenique, independentemente da altura do ano. Afinal todos os dias são bons para uma pausa num destes parques e jardins de Lisboa. Do jardim da Estrela ao pulmão verde de Lisboa – falamos do Monsanto, pois claro –, espaços verdes não faltam na cidade. Com parques infantis, espaços para praticar desporto e correr ou simplesmente para se deixar estar. Vale tudo, menos ficar em casa. Recomendado: Gaste calorias sem gastar dinheiro nestes ginásios ao ar livre em Lisboa

Tire a trela ao cão e deixe-o brincar nestes parques caninos em Lisboa
Coisas para fazer Tire a trela ao cão e deixe-o brincar nestes parques caninos em Lisboa

Nem todos têm aquele espaço exterior lá em casa ideal para atirar a bola um bocado mais além da mesa da sala de jantar. Lisboa está bem servida de espaços verdes e em alguns começam a nascer pequenos núcleos totalmente dedicados à espécie Canis lupus familiaris que agora pode ser um bocadinho mais feliz na cidade. Equipamentos para treino, água para saciar a sede e até casas de banho para patudos. Descubra (ou relembre) estes parques caninos em Lisboa onde pode levar o seu animal de estimação e delicie-se a vê-lo fazer novos amigos. Recomendado: Conhece o gato mais famoso da Colina de Santana? A sua vida deu um livro

Sete novidades de Outono a não perder
Coisas para fazer Sete novidades de Outono a não perder

Salas para partir a loiça toda, pão ao domicílio, um mercado renovado ou escadas rolantes ao ar livre são algumas das novidades que deram o pontapé de saída para mais uma estação, antecipando-se mesmo à queda das folhas dos plátanos. Afinal, há muitos motivos para ficarmos felizes com a chegada do Outono, sem contar com o fresquinho que a cidade já andava a pedir há algum tempo. Mas mesmo com a baixa das temperaturas está convidado a derreter-se com estas sugestões. Estas são as sete novidades de Outono que não pode perder. Recomendado: Os melhores sítios para estudar em Lisboa

Mistérios e curiosidades: os maiores segredos de Lisboa
Coisas para fazer Mistérios e curiosidades: os maiores segredos de Lisboa

A cidade é rica em questões intrigantes e curiosidades trancadas a sete chaves. Destapamos os segredos de Lisboa, dos mais bem guardados aos que, na verdade, todos sabem. Somos conhecidos pelos nossos tops – “os melhores disto”, “os mais daquilo” –, por isso não podíamos deixar de partilhar com os nossos leitores outro top. O mais esquivo de todos: o top secret. Ao longo dos anos fomos acumulando mistérios, confidências e respostas para as questões mais intrigantes. Podíamos ter ficado em silêncio, fundar uma espécie de maçonaria dos curiosos ou fechar os factos mais interessantes num cofre. Mas não fomos capazes. Damos com a boca no trombone – e o resultado é esta sinfonia de curiosidades.  Recomendado: Acha que sabe tudo sobre Lisboa?

Cinco coisas que não sabe sobre o Castelo de São Jorge
Coisas para fazer Cinco coisas que não sabe sobre o Castelo de São Jorge

É um castelo medieval com cerca de 80 anos. Confuso? Passamos a explicar: o castelo que vemos hoje foi reconstruído entre 1938 e 1940 a partir das fundações da fortaleza original – que foi abaixo várias vezes, como numa partida má de Jenga. Até aos anos 40 o topo da colina era ocupado por estruturas militares e ruínas. Pode organizar lá uma festa de anos. Há um programa de festas de aniversário para crianças dos 6 aos 12 anos chamado Aventuras no Castelo. Aos fins-de-semana e feriados a garotada pode lanchar e descobrir o mundo dos cavaleiros, reis e princesas numa visita guiada por D. Sancho e D. Urraca. Infelizmente não são os fantasmas dos monarcas mas sim dois técnicos de museologia e património.  É gratuito para os lisboetas. Residentes no concelho de Lisboa não pagam entrada no Castelo de São Jorge, mas atenção: é preciso apresentar o cartão do cidadão e saber o PIN. O bilhete normal fica a 8,50€, por isso se calhar vale a pena ir procurar o verso do envelope onde escreveu despreocupadamente o código, que a seguir guardou numa caixa que pode agora estar no sótão por detrás daquela porta que ninguém abre. Tem lá dentro uma câmara obscura. Podemos descrevê-la como uma espécie primitiva de videovigilância: um sistema de lentes e espelhos que reproduz em tempo real um panorama 360º da cidade. A qualidade da imagem depende das condições meteorológicas. Esta sexta-feira os canhões voltam a disparar. Não se assuste, não é uma tentativa de acertar no nariz do Cristo Rei ou

icon-chevron-right
icon-chevron-right

Comer & Beber

Os melhores restaurantes para comer trufa branca em Lisboa
Restaurantes Os melhores restaurantes para comer trufa branca em Lisboa

Novembro é a época da trufa branca, um fungo valioso e exclusivo. O cheiro é inebriante, inconfundível. Tem tanto de intenso como de delicado e no prato a história é a mesma. De tão rara, a trufa branca, um género de cogumelo subterrâneo que existe apenas na zona de Alba, em Piemonte, no noroeste de Itália, ascende aos milhares e milhares de euros. Cresce em simbiose com carvalhos e outras árvores como os choupos e as nogueiras, e não é fácil encontrá-las – são apanhadas por caçadores de trufas, acompanhados por cães, embora antes este fosse um trabalho feito com porcos.  Assistimos ao corte da maior trufa da década – 1,153 kg, no Come Prima – e depois caçámo-la à mesa de quatro restaurantes com menus de luxo especiais.  Recomendado: Os melhores sítios para comer carbonara em Lisboa

Os 80 melhores restaurantes do mundo de Lisboa
Restaurantes Os 80 melhores restaurantes do mundo de Lisboa

Já sabemos que não há comida como a nossa, mas é bom variar. Hoje em dia não tem de ir aos shoarma de centro comercial nem aos chineses com chop soy para ser uma boca viajada. O mundo é redondo como um prato e cabe inteirinho em Lisboa. Se dúvidas houvesse, demos a volta ao mundo em Lisboa com uma visita a 80 restaurantes que nos pôs a barriga a dar horas em todos os fusos horários. Dizemos-lhe onde comer em Lisboa a comida internacional. Aperte o cinto e atire-se aos melhores restaurantes do mundo em Lisboa. Recomendado: Restaurantes com estrela Michelin em Lisboa

Fechado há anos, o restaurante do Parque Eduardo VII é agora o Praia no Parque
Notícias Fechado há anos, o restaurante do Parque Eduardo VII é agora o Praia no Parque

Após anos de abandono, há nova vida naquele que foi outrora o restaurante Botequim do Rei – o espaço junto ao mítico lago do Parque Eduardo VII está de cara lavada e trouxe a praia para o centro da cidade. O Praia no Parque replica em Lisboa o mesmo conceito do projecto sazonal Praia na Villa, em Vilamoura, e faz a ponte entre o jantar e a noite sem ter de sair do restaurante. Os pórticos em betão, que faziam parte da esplanada dos anos 50, mantiveram-se intactos e estão integrados na decoração do restaurante – agora há grandes vidraças que lhes dão continuidade e que deixam uma vista desafogada para o lago, mesmo ao lado. “Este restaurante é um híbrido. Ao almoço tem um ambiente mais de negócio, ao fim-de-semana é mais familiar, e à noite instala-se a festa aqui”, explica-nos Nuno Santana, um dos sócios do local. O Praia no Parque segue a mesma onda do de Vilamoura: de quinta a sábado, a noite começa mais cedo e quem vai ali jantar sabe que vai acabar a dançar e de copo na mão.   A zona de bar está no meio do restaurante e com lugares em redor de todo o balcão Fotografia: Duarte Drago   À mesa, a conversa é outra. Para a cozinha trouxeram o chef Gualberto Silva, que tinha estado no Praia na Villa e já conhece os cantos à casa, e a chef Luisinha Fernandes. “Não nos quisemos definir como steakhouse aqui em Lisboa, há um equilíbrio maior na carta para poder agradar a todos”, refere Nuno. Primeiro tiveram o projecto Sea, Salt & Pepper, na Costa da Caparica, com uma car

A Davvero tem agora um bar com gelados alcoólicos no Cais do Sodré
Notícias A Davvero tem agora um bar com gelados alcoólicos no Cais do Sodré

Amarguinha, Saint Germain, spritz, mojito, margarita de maracujá, caipirinha, gin com cardamomo, vodka preta, limoncello, vodka limão, champanhe, ginja. É esta a lista do novo bar do Cais do Sodré. Com uma particularidade: estamos a falar de gelados alcoólicos servidos em cocktails e como shots – é a Davvero, a marca de gelados artesanais italianos, que se estreia num conceito híbrido de bar gelato. Os primeiros testes para este novo bar/gelataria começaram a ser feitos no quartel-general de Santos, que inauguraram em Fevereiro com produção própria de pastelaria, mas quando surgiu a oportunidade de voltar para o Cais do Sodré, onde começaram a aventura da Davvero em 2015, Ricardo Farabegoli e Fillipo Licitra não hesitaram. “Fizemos lá uma parte de bar [na mezzanine da gelataria de Santos], mas inserido no conceito da gelataria. Aqui vamos ter o bar gelado que vai ter um horário de bar, funcionar à noite como qualquer um dos bares aqui à volta”, diz Ricardo, relembrando os tempos em que a gelataria da Praça de São Paulo (na loja mesmo à frente desta nova), mais parecia um bar, com música e uma atmosfera sempre divertida.   Shots de amarguinha, ginja e margarita Fotografia: Duarte Drago   Aqui há também uma parte de gelataria normal, com cerca de 20 sabores rotativos, a funcionar desde a hora de almoço – no Verão vão ter até uma janela express, com os sabores mais vendidos. Mas a novidade é mesmo o bar, com uma vitrine com dez sabores de gelados alcoólicos, que também

Restaurantes com estrela Michelin em Lisboa
Restaurantes Restaurantes com estrela Michelin em Lisboa

A primeira gala do Guia Michelin em Portugal ditou apenas mais duas insígnias douradas para os restaurantes lisboetas na temporada 2018-2019. No total há agora oito restaurantes na grande Lisboa que podem com orgulho ostentar a estrela do mais importante guia gastronómico do mundo. Dá para correr a cidade toda, do centro a Cascais, ainda dando um saltinho a Sintra, ou fazer uma caminhada mais amiga e ficar-se apenas pelo Chiado, agora considerado como o centro da alta gastronomia em Lisboa. Abra o mapa da cidade, guarde uns trocos e marque os pontos desta lista. Recomendado: Os melhores restaurantes em Lisboa

Três sítios para comer mexilhões
Restaurantes Três sítios para comer mexilhões

A expressão popular diz que quem se lixa é sempre o mexilhão e neste caso é literal: o bivalve acabou sempre no tacho. Há várias maneiras de o comer. Na Bélgica, onde é petisco e refeição tradicional para almoços em família, os mexilhões são cozidos em molho de vinho branco, manteiga e ervas, e acompanham com batatas fritas, mergulhadas no caldo em que os frutos do mar foram preparados. Por cá não damos tanta atenção a esta combinação improvável mexilhão-batata frita, mas há sítios que a homenageiam e arriscam em outros molhos exóticos.  Se for mais purista, marque na agenda a tradição anual da apanha do mexilhão na sexta-feira santa nas praias do concelho de Sintra. Recomendado: As melhores cervejarias em Lisboa

Estes restaurantes em Algés valem a viagem
Restaurantes Estes restaurantes em Algés valem a viagem

Com vista para o Tejo, Algés está entre o centro da cidade e as praias da Linha e esconde muito para comer – mergulhos aqui só gastronómicos, atenção. Siga o nosso roteiro por restaurantes japoneses, mexicanos, ou do mais tradicional que existe. Há de tudo aqui, em conta ou mais carotes, dependendo daquilo que procura. Alguns são já bem conhecidos. A verdade é que há várias razões para rumar a Algés e sentar-se a uma destas mesas. E desde já se aconselha que faça também uma visita ao Mercado de Algés. Se entretanto se entusiasmar, continue a vasculhar as melhores bancas da cidade.  Recomendado: Oito paragens obrigatórias em Algés

Os melhores petiscos em Lisboa até dez euros
Restaurantes Os melhores petiscos em Lisboa até dez euros

Comer fora é caro. Cada vez mais. Mas restam alguns verdadeiros achados. Andámos atrás das melhores pechinchas que se vendem na cidade e olhando para esta lista de 15 pratos, tem de tudo um pouco para petiscar à grande, sem ficar com fome ou com dores na carteira. Tem desde um prato de noodles asiáticos mais ou menos picantes à mais tradicional sandes serrana com presunto alentejano e o cremoso queijo da Serra. Petiscos em Lisboa até dez euros mas que fazem uma viagem pelo mundo: começando no nosso Portugal, neste guia temos paragens no Japão, Israel ou Índia. Recomendado: Os melhores restaurantes em Lisboa até dez euros

Três sítios para comer mil-folhas
Restaurantes Três sítios para comer mil-folhas

Mil-folhas há muitos, mas como estes nem por isso. São feitos ao melhor estilo francês, com diferentes camadas trabalhadas com todo o cuidado. São gulosos, bem recheados e com a massa no ponto, estaladiça q.p.. Seja de baunilha, frutos vermelhos, limão ou chocolate, nestes três sítios que lhe sugerimos um mil-folhas nunca desilude e compõe qualquer lanche (ou pequeno-almoço se é daqueles que precisa de uma boa dose de acúçar para arrancar o dia). Prepare-se é para sujar as mãos, mas o é que isso comparado com o bem que sabe? 

Os melhores sítios para lanchar em Lisboa
Restaurantes Os melhores sítios para lanchar em Lisboa

Todos sabemos que o pequeno-almoço é aquela refeição que nunca devemos saltar mas os médicos defendem também que não devemos ficar mais do que duas a três horas sem comer e por isso há que cumprir a recomendação. Comece já a pensar onde vai lanchar. Seja durante uma tarde de trabalho, para matar saudades daquele amigo ou familiar e pôr conversa em dia, ou ao fim-de-semana para ficar toda a tarde a relaxar. Nestes sítios para lanchar em Lisboa sai sempre revigorado e/ou de barriga cheia: estamos a falar de pain au chocolat, croissants, merendas mistas, cupcakes, bowls, éclairs doces ou salgados... e por aí fora.

As melhores esplanadas para o Outono em Lisboa
Coisas para fazer As melhores esplanadas para o Outono em Lisboa

Somos bons esplanadores e não é o Outono que nos vai fazer sair da cadeira ao lusco-fusco. Pelo contrário. Não deixe que os fins de tarde escuros o façam ir logo para casa e aproveite happy hours, esplanadas com aquecedores ou com aquela mantinha que já cai bem pelas costas. Saia de casa mas abrigue-se de brisas leves, ventanias e do briol que já se sente à noite numa destas esplanadas: temos propostas à beira-rio, nas alturas ou outras mais escondidas dentro de edifícios. Das já clássicas às novidades mais recentes, estas são as melhores esplanadas para o Outono em Lisboa. Recomendado: Onde comer bem no Príncipe Real

Os melhores pães em Lisboa
Restaurantes Os melhores pães em Lisboa

Dos mais simples – de trigo limpo, farinha amparo –, aos levedados da breca. Das novas padarias artesanais que estão na mó de cima, com o elogio à fermentação natural e lenta, às clássicas com quem ninguém se atreve a fazer farinha. Corremos a cidade, puxámos pelo miolo, pusemos as mãos na massa e só não nos levantámos de madrugada para ir ter com os padeiros. Aqui vai poder conhecer os melhores pães em Lisboa. Compre, fatiado ou não, e faça um brilharete naquele jantar de amigos (leve um queijinho e uma garrafa de vinho). Recomendado: As melhores pastelarias com fabrico próprio em Lisboa

icon-chevron-right
icon-chevron-right

O melhor do Time Out Market

Time Out Market: o melhor dos próximos dias
Coisas para fazer Time Out Market: o melhor dos próximos dias

Em dez mil metros quadrados de Time Out Market há sempre muita coisa a acontecer. Muito mais do que comida e bebida.  Mas há mais: a Academia Time Out, por exemplo, vai estar animada nos próximos dias, com workshops e até um curso de cozinha. Claro está que pode apenas passear pelos corredores do mercado, que tem uma selecção dos melhores restaurantes da cidade, ou beber um cocktail no Time Out Bar. No final, se planear bem, ainda consegue apanhar um mercado, uma festa ou um concerto no Estúdio ou mesmo no food hall.  Dê uma espreitadela à programação do Mercado da Ribeira. Eis o melhor dos próximos dias no Time Out Market Recomendado: Fim-de-semana perfeito em Lisboa

Nova colecção Outono-Inverno do Time Out Bar
Bares Nova colecção Outono-Inverno do Time Out Bar

Muda a temperatura, muda a carta de cocktails do Time Out Bar. Apresentamos cinco novidades para acompanhar a nova estação, mas há mais na nova carta. É a colecção Outono/Inverno, por isso não se deixe vencer pelo frio e aventure-se no Time Out Market, onde há sempre muita coisa a acontecer. Pica daqui, pica dali. O difícil vai ser vir embora. Não resista e prova um destes novos cocktails. Se não souber o que escolher, deixe-se guiar por quem sabe e está ali para satisfazer os seus gostos. Recomendado: Time Out Market – o melhor dos próximos dias

Os workshops de cozinha da Academia Time Out a não perder em Novembro
Coisas para fazer Os workshops de cozinha da Academia Time Out a não perder em Novembro

Chegou o frio mas o ambiente na Academia Time Out não arrefece. Em Novembro, a agenda de cursos de cozinha está bem recheada, à espera apenas de gente com vontade de pôr as mãos na massa. Para dar a volta ao mundo, não precisa de fazer as malas: basta vestir o avental e embarcar nos workshops de cozinhas como a de Cuba ou a de Itália. Se antes de viajar para longe, prefere aprender as bases nacionais, vai encontrar aulas sobre  pratos tradicionais portugueses incontornáveis, como os pastéis de nata ou de bacalhau. Os miúdos não foram esquecidos e para eles também há aulas de volta dos tachos: que tal aprender a fazer umas pizzas? Toca a vestir o avental. 

E se o jantar de Natal este ano for antes um workshop?
Notícias E se o jantar de Natal este ano for antes um workshop?

Agora que o frio já se faz sentir e a cidade e os centros comerciais já se encheram de decorações de Natal, é mais do que altura de começar a pensar em marcar o sítio para o jantar ou jantares de Natal. E falamos no plural porque sabemos que há o jantar dos amigos das corridas, do grupinho dos “fixes” da firma, dos amigos de sempre, dos amigos de infância, dos colegas da empresa, etc. Resumindo, são muitos e há que variar. O que a Academia Time Out tem para apresentar é muito diferente de um qualquer tradicional jantar num restaurante da cidade. A escola de cozinha do Time Out Market propõe um formato bem mais divertido. A ideia é que todos venham cozinhar o seu próprio jantar, seja em formato de workshop ou de competição entre equipas. O tema do workshop pode ser escolhido consoante os gostos do grupo (de cozinha tradicional portuguesa à tailandesa) ou com base num dos menus propostos pela equipa da Academia, com preço de 35€ ou 40€ por pessoa. Depois é só arregaçar as mangas e aprender a cozinhar sob a batuta do chef de serviço. No final, puxe um banco e jante o que acabou de confecionar. E acredite que, tal como numa festa de Natal tradicional, nesta também pode terminar com uma gravata na testa. Para marcações e mais informações contacte academia@timeoutmarket.com ou 91 3383935. + Time Out Market: o melhor dos próximos dias

Os pratos mais lisboetas do Time Out Market
Restaurantes Os pratos mais lisboetas do Time Out Market

Tanto para escolher e não sabe por onde começar? E umas pataniscas e peixinhos da horta para início de conversa. Amêijoas à bulhão pato a seguir e um bacalhau à brás e uns ovos verdes de bacalhau para continuar, sem esquecer o clássico do prego para terminar. Por fim, um docinho: o pastel de nata da Manteigaria, cujas fornadas estão sempre a sair. Debaixo do mesmo tecto, o Time Out Market reúne muito do melhor de Lisboa. Mas há uns pratos que são mais alfacinhas do que outros. São esses que destacamos esta semana. Recomendado: Time Out Market – o melhor dos próximos dias

Comida para todos
Restaurantes Comida para todos

Dez mil metros quadrados. Dezenas de restaurantes. Chefs famosos e premiados. O Time Out Market pode ser um verdadeiro tormento para os mais indecisos. Mas podemos aumentar ainda mais o grau de dificuldade na hora de escolher o que comer no Mercado da Ribeira, no Cais do Sodré: alergias, intolerâncias e regimes alimentares especiais, vegan ou vegetarianos. E agora? Andámos de restaurante em restaurante, falámos com chefs, picámos daqui e dali – tudo para encontrar os melhores pratos para todos (até para os mais gulosos que não passam sem uma boa sobremesa). Recomendado: Time Out Market - o melhor dos próximos dias  

icon-chevron-right
icon-chevron-right

Bilheteira Time Out

A Pior Comédia do Mundo
icon-location-pin Chiado
A Pior Comédia do Mundo

E se de repente a porta dos bastidores se abrisse e o espectador tivesse acesso ao que por lá se passa? Foi a partir deste pressuposto que Michael Frayan escreveu esta comédia agora encenada por Fernando Gomes. O objectivo é, claro, fazer rir, através de um “olhar alucinante sobre o teatro e as loucuras e devaneios dos que o fazem, cujas tendências para crises descontroladas de ego, falhas de memória e alguma promiscuidade, transformam cada actuação numa verdadeira aventura de alto risco” interpretada, além do encenador, por Ana Cloe, Cristóvão Campos, Elsa Galvão, Inês Aires Pereira, Jorge Mourato, José Pedro Gomes, Paula Só e Samuel Alves.

Cascais Christmas Village
icon-location-pin Cascais
Cascais Christmas Village

O Natal é quando um homem quiser, e Cascais quer que seja de 6 de Dezembro a 1 de Janeiro. A Christmas Village está de volta ao Parque Marechal Carmona, onde em anos anteriores – que reuniram mais de 100 mil visitantes – houve renas de verdade, uma árvore de Natal com oito metros, um carrossel à antiga e um Pai Natal digno de anúncio da Coca-Cola. Dias 6, 7, 11, 12, 13 e 14 10.00-19.00; Dias 8, 9, 15 a 23 e 26 a 30 11.00-20.00; dias 24 e 31 11.00-17.00 e dias 25 e 1 de Janeiro 2019 14.00-20.00

Gisela João
icon-location-pin Belém
Gisela João

Gisela João é, hoje, uma das melhores fadistas portuguesas, capaz mesmo de cativar gente desligada do fado. Os sentimentos que canta são universais e intemporais, mas a forma como os comunica é só dela. E tem o condão de se superar a si própria, de disco para disco e de concerto para concerto. Nestas datas no Centro Cultural de Belém, porém, não se vai propriamente cantar o fado. Respondendo a um desafio lançado pela organização, vai dar um concerto de Natal inspirado no Songbook americano, com uma envolvência cénica diferente e especial.

Joan Baez
icon-location-pin Santa Maria Maior
Joan Baez

Com mais de 60 anos de carreira, marcados pelo activismo por várias e justas causas, Joan Baez é uma referência da música folk e da canção de protesto americana. No primeiro de Fevereiro regressa ao Coliseu dos Recreios, naquela que é anunciada como a sua última digressão. O alinhamento não estará, ainda assim, circunscrito ao seu valoroso passado, que esta mulher ainda tem coisas para dizer e editou em 2018 o primeiro álbum de música nova em dez anos, Whistle Down the Wind.

Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban
icon-location-pin Parque das Nações
Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban

Não há uma sem duas, nem duas sem três. Depois de Harry Potter e a Pedra Filosofal, de Chris Columbus, ter sido exibido na então MEO Arena, em 2017, com acompanhamento ao vivo da Orquestra Filarmónica das Beiras, e, este ano, a mesma orquestra ter acompanhado Harry Potter e a Câmara dos Segredos ao vivo, na mesma sala, chega a vez de ver e ouvir o terceiro filme da série: Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban. Como nas ocasiões anteriores, o filme de Alfonso Cuarón será acompanhado pela Orquestra Filarmonia das Beiras, enquanto é projectado num ecrã de 20 metros de largura e 8 de altura, em alta definição.

Snow Patrol
icon-location-pin São Sebastião
Snow Patrol

Os Snow Patrol são uma banda de pop-rock com uma pegada global, apesar de não venderem tantos discos (nem terem tantos streams) como alguns dos seus correligionários. Regressaram às prateleiras em 2018, com Wildness, sete anos depois do anterior Fallen Empires (2011) e 20 anos depois da estreia com o álbum Songs for Polarbears. Em Julho vieram ao NOS Alive e voltam a Lisboa em Fevereiro do próximo ano.

A História do Hip-Hop Tuga
icon-location-pin Parque das Nações
A História do Hip-Hop Tuga

O espectáculo "A História do Hip-Hop" foi apresentado pela primeira vez em 2017, no Sumol Summer Fest. Era para ter sido um concerto único, mas a pedido de muitas famílias vai repetir-se a 8 de Março na Altice Arena. A ideia é a mesma de 2017: juntar em palco alguns dos maiores nomes do hip-hop nacional ao longo dos últimos 25 anos, num concerto que é uma aula de história rimada. E ritmada.  O elenco é vasto e inclui rappers como Ace, Presto, Bispo, Black Company, Bob Da Rage Sense, Boss AC, Capicua, Carlão, Chullage, Dealema, Deau, Dillaz, General D, GROGNation, Holly Hood, Micro, NBC, Nerve, NGA, Phoenix, RDC, Piruka, ProfJam, RDC, Sam The Kid, Sanryse & Blasph, Sir Scratch, SP & Wilson, Tekilla, Tribruto, Vado Mas Ki Ás, Wet Bed Gang e Xeg. E ainda os DJs Bomberjack, Cruzfader, Kronic e Nel Assassin, os bboys 12 Macacos e Gaiolin City Breakers e os writers Nomem e Youthone, numa celebração do hip-hop em todas as suas vertentes.

Jimmy Carr - The Best Of Ultimate Gold Greatest Hits
icon-location-pin Avenida da Liberdade
Jimmy Carr - The Best Of Ultimate Gold Greatest Hits

Ao contrário da maior parte das bandas de rock dos anos 70, não são muitos os humoristas com suficiente material para uma digressão de greatest hits. Mas Jimmy Carr tem um catálogo tão vasto e recheado de piadas arriscadas e bem afiadas que se pode dar ao luxo de escolher as melhores para as datas de "The Best Of, Gold, Ultimate, Greatest Hits Tour".  É uma presença regular na televisão britânica e um dos comediantes (de stand-up e não só) mais atarefados do país: sempre em digressão, sempre a escrever e ainda assim com tempo para apresentar uma série de programas na televisão, como 8 Out of 10 Cats ou The Big Fat Quiz of the Year. Além disso, o seu riso de cano entupido reconhece-se a um quilómetro de distância.

Salvador Sobral
icon-location-pin Santa Maria Maior
Salvador Sobral

Salvador Sobral vai dar o primeiro concerto em nome próprio no Coliseu de Lisboa a 10 de Maio do próximo ano. A ideia é apresentar um novo álbum de originais, a editar em Março. O cantor português encontra-se, de momento, a trabalhar no novo disco, que deve incluir os singles "Mano a Mano" e "Cerca del Mar". Em palco, no Coliseu de Lisboa, será acompanhado pelos cúmplices Júlio Resende, no piano, André Rosinha, no contrabaixo, e Bruno Pedroso, na bateria.

icon-chevron-right
icon-chevron-right

O melhor de Lisboa, bairro a bairro

Parque das Nações
Coisas para fazer Parque das Nações

Esqueça o sentimento de culpa caso decida refastelar-se numa das mesas que se seguem. É que depois do repasto não faltam quilómetros e mais quilómetros de áreas verdes para fazer a digestão a preceito. Para os mais atléticos, aconselhamos a saltar cedinho da cama ou a aproveitar o melhor da vista ao cair do dia. Em plena zona oriental da cidade, o Parque das Nações é um convite descarado à boa vida, com opções gastronómicas, culturais, desportivas e de lazer. Aproveite o melhor de um bairro que é para toda a família.   Recomendado: As melhores coisas para fazer à beira rio

Alvalade
Coisas para fazer Alvalade

Alvalade é um bairro a ter em conta sempre que falamos do melhor da cidade. 

Santos e Madragoa
Santos e Madragoa

Um jardim pronto, cafés da moda, gelados a chamar pelo Verão, restaurantes imperdíveis e muito mais. Venha daí por Santos e Madragoa.

Chiado
Chiado

Corremos o bairro de uma ponta à outra e reunimos o melhor do Chiado nesta lista. Lojas, restaurantes, hotéis. Estas são as melhores coisas para fazer no Chiado.

Avenida de Roma
Avenida de Roma

Dez sítios que fazem da Avenida de Roma um dos melhores bairros para viver em Lisboa.

Baixa
Baixa

Finte as armadilhas para turistas e descubra pérolas históricas e um fresquíssimo hype traçado a régua e esquadro que quer devolver a Baixa aos lisboetas.

Lx Factory
Lx Factory

Peças de decoração, oficinas criativas, jogos com temática burlesca, vista para o Tejo, noites encantadas e muito mais. Explore esta cidade dentro da cidade com as nossas sugestões de coisas para fazer na Lx Factory.

Príncipe Real
Príncipe Real

Por muito que se conheça e palmilhe o bairro, há sempre qualquer coisa para descobrir.

Alcântara
Alcântara

Se passa por lá sempre que ruma ao ocidente da cidade, desta vez pare e descubra o melhor de Alcântara.

Graça
Graça

Dos restaurantes aos bares, este bairro tem um encanto especial. Descubra o melhor da Graça

icon-chevron-right
icon-chevron-right

Não perca, já nas bancas

A Time Out desta semana
Coisas para fazer A Time Out desta semana

Ora então feliz Natal, especialmente para si. O nosso presente é mais ou menos mesmo de sempre. É o que já lhe oferecemos no passado, é o que lhe queremos continuar a oferecer no futuro. É um guia do melhor que encontramos nesta cidade. A nossa originalidade, se alguma temos, está nessa repetição – e por isso repetimos esta conversa. A Time Out é escolha. Dia após dia na edição online, semana após semana nas bancas, ano após ano consigo, o que oferecemos é um olhar assumidamente selectivo sobre a cidade. Procuramos, experimentamos, comparamos, escolhemos. Esta semana, não sendo excepção, é excepcional. Pela primeira vez, a edição de Natal reúne um roteiro com 85 lojas de rua, organizadas bairro por bairro, para o ajudar a desembrulhar-se da tarefa das prendas de forma um nadinha mais original e sustentável. Juntamos casas com história e novidades com dias, apostamos em lojas de bairro, recomendamos marcas portuguesas, sugerimos presentes solidários. A base não é outra que não o nosso trabalho diário a seleccionar o melhor que Lisboa nos oferece – e que nós, como sempre, embrulhamos para lhe oferecer a si. Não perca ainda as nossas ofertas 2 por 1. Esta revista vale: uma refeição na Taberna do Mar, uma massagem no Spirito Spa, um petisco da Madame Petisca, uma obra gráfica do Centro Português de Serigrafia e um bilhete para A Bela Adormecida.

Guia dos melhores restaurantes de Lisboa
Notícias Guia dos melhores restaurantes de Lisboa

Saíram 16, entraram 36, mas ficaram os mesmos. Podia ser o princípio de uma adivinha bem engendrada ou o final de uma conta mal feita, mas é apenas o resumo desta edição do Guia de Restaurantes de Lisboa da Time Out. Este ano, além dos 150 melhores restaurantes e das 25 melhores tascas, acrescentamos 20 apostas. São casas que não abriram há tempo suficiente para entrar nestas contas e que não tivemos tempo oportunidade de criticar, mas que já experimentámos ou que, por experiência, apostamos que vão valer a pena. Porquê fazer esta ginástica? Recapitulemos então. Os críticos da Time Out visitam os restaurantes anonimamente e pagam pelas suas refeições - o mesmo é dizer, como qualquer cliente – e, na melhor parte dos casos, repetem a visita antes de se pronunciar. Acresce que nenhum restaurante é criticado antes de cumprir três meses de porta aberta e, por princípio, nenhum é aclamado com cinco estrelas ou despachado com apenas uma sem que um segundo crítico subscreva essa avaliação. Já sabia de tudo isto? É provável que sim. Estes últimos 470 caracteres são descaradamente copiados do guia do ano passado. Mas podiam também ter sido roubados à edição do ano anterior a esse ou à de outro antes ainda. Porque há onze anos que a Time Out faz questão de repetir esta cartilha em tudo o que faz e de a respeitar sem cedências. O que é que isso vale? Ainda e sempre, é a si que cabe dizer.   Os guias do Porto e de Lisboa Fotografia: Inês Félix     O que temos, contas redondas

Lisbon for Visitors
Notícias Lisbon for Visitors

Em 2010 a Time Out fez uma capa com o título “Tem turistas em casa?”. No mesmo ano do tremor de terra no Haiti, do eclipse solar mais longo do terceiro milénio, da vitória da selecção espanhola no Mundial da África do Sul, e do fenómeno Wikileaks, o turista era, como o amor no filme de Sofia Coppola, um lugar estranho. Nesse número há uma ilustração de uma nave espacial a sobrevoar uma casa, dotando o turista de um passaporte intergaláctico. Em oito anos Lisboa escalou tendências e tornou-se destino obrigatório de quem quer conhecer uma cidade do velho mundo repleta de mundos novos. Passear em toda a terra dos alfacinhas (os "little lettuce" dos anglo-saxónicos), e não apenas na Baixa ou em Alfama transformou-se num encontro de culturas e de linguagens: uma Torre de Babel, como a que está no Museu Nacional de Arte Antiga, pintada por Joos Momper II. É a pensar nesses aliens legais, lá dizia o Sting, que a Time Out voltou a criar uma revista com o melhor de Lisboa para quem a visita. Está escrita em inglês mas destina-se a todos os que queiram descobrir a nossa cidade. Podem começar por entrar em 101 portas lisboetas e desvendar o que escondem, almoçar numa tasca, percorrer as lojas da Avenida, provar um dos 21 pratos que seleccionámos no Time Out Market, beber um copo ao fim do dia e ver até onde a noite os leva. No dia seguinte basta abrir outra vez a revista e seguir pistas novas, podendo, quem sabe, acabar o dia a comer um travesseiro em Sintra ou a brindar com um vinho

Estrada Nacional 2: Guia 2018/2019
Coisas para fazer Estrada Nacional 2: Guia 2018/2019

Quando pensamos em férias, pensamos em praia. Quando pensamos em road trips, pensamos numa viagem longa pela costa Alentejana. Ou, os mais ambiciosos, numa ida aos EUA para fazer a route 66. Em Portugal, quando pegamos no carro é para ir de A a B - não é para percorrer o alfabeto todo. Podemos dizer, armados em chatos, que não há cultura de fruição rodoviária em Portugal. Podemos. Mas não podemos dizer que nos faltam oportunidades para percorrer grandes extenções de alcatrão. Sobretudo quando temos entre nós uma das maiores e mais antigas estradas do mundo: a Estrada Nacional 2. São 738 quilómetros que fatiam o país ao meio, mas que ainda não existem enquanto roteiro turístico - é só alcatrão, uns marcos quilométricos à beira da estrada, umas faixas a promover este itinerário e nada mais. Este guia da Time Out quer convidar toda a gente a fazer-se à estrada, a conhecer a EN2 e a explorar Portugal. É, também, uma forma de promover o interior do país e fazer com que a expressão "interior do país" deixe de significar apenas desertificação, esquecimento e pobreza. Há muitos "portugais" dentro de Portugal e estão todos unidos por uma linha de setecentros e tal quilómetros que vai de Chaves a Faro. Da próxima vez que pensar em férias, pense na EN2.  À venda em todo o país.PVP:3,90€.

icon-chevron-right
icon-chevron-right

Cinema e televisão

Os melhores papéis de Idris Elba na televisão e no cinema
Filmes Os melhores papéis de Idris Elba na televisão e no cinema

Revelado na televisão em 2002, graças ao seu papel de Russell "Stringer" Bell na memorável série policial The Wire, Idris Elba tem vindo a impôr-se como um actor de grande presença, perfeitamente capaz de interpretar uma personagem negativa, a seguir vestir a pele de um herói tradicional e logo depois personificar um cidadão comum, sem que isso afecte a sua imagem. Elba, que recentemente afastou a ideia de que poderia ser o próximo James Bond, é agora também realizador, com Yardie, uma história de vingança ambientada nas décadas de 70 e 80, na Jamaica e depois em Londres. Das séries The Wire e Luther a filmes como Beasts of No Nation, eis as interpretações mais destacadas de Idris Elba. Recomendado: Vinganças femininas no cinema

Cinema alternativo em Lisboa esta semana
Filmes Cinema alternativo em Lisboa esta semana

Se é daqueles que não deixa passar uma estreia, pode espreitar aqui os filmes em cartaz esta semana, mas se é um verdadeiro cinéfilo (ou um aspirante a), deve ter em mente que algumas pérolas do cinema escapam às grandes salas. São clássicos para ver e rever – ou apenas filmes fora da rota comercial – e por isso fora dos grandes centros comerciais.  Todas as semanas damos-lhe três sugestões de cinema alternativo em Lisboa, habitualmente fora das grandes salas. Não perca a oportunidade de ver (ou rever) alguns filmes obrigatórios, grandes clássicos ou filmes fora da rota comercial. Recomendado: Filmes em cartaz esta semana

Dez filmes para ver este Natal no cinema
Filmes Dez filmes para ver este Natal no cinema

Falta só um mês e poucos dias para o Natal, e por isso fazemos aqui a lista dos filmes que vão estar nos cinemas nesta quadra das festas, e que se dirigem em grande parte, e naturalmente, aos mais pequenos, aos adolescentes e às famílias. Há longas-metragens de animação por computador, comédias de imagem real, títulos de fundo religioso, fitas em que as vedetas são o Homem-Aranha e Aquaman, a continuação do clássico 'Mary Poppins', da Disney, agora com Emily Blunt no papel principal, e até um musical com "zombies", para os apreciadores destes dois géneros.  Recomendado: Os melhores filmes de Natal para ver em família

Os 100 melhores filmes de ficção científica de sempre
Filmes Os 100 melhores filmes de ficção científica de sempre

O potencial cinematográfico (e não só) da ficção científica é quase infinito. É nestes filmes que os nossos maiores pesadelos podem tornar-se realidade e os nossos sonhos concretizar-se, ao mesmo tempo que é dito e posto em causa algo sobre o nosso presente. E o género sempre fez as delícias do público, desde o tempo dos efeitos especiais básicos e rudimentares dos filmes mudos ao excesso digital dos blockbusters contemporâneos. Hoje, no entanto, é a própria crítica quem aplaude e celebra muitos destes filmes, tal como acontece com os super-heróis e o terror. A pensar nisso, elegemos os 100 melhores filmes de ficção científica de sempre. Recomendado: Cinema alternativo em Lisboa

Os 100 melhores filmes de terror de sempre
Filmes Os 100 melhores filmes de terror de sempre

O cinema de terror é monstruoso. Destratado, incompreendido e alvo de virulentos ataques críticos, consegue ainda assim andar para a frente, deixado um rasto de destruição no seu caminho. Para alguns, os filmes de terror são pouco melhores do que pornografia, preocupando-se apenas em gerar uma reacção no público – seja horror, desassossego ou repugnância – e sem tempo a perder com aspirações mais elevadas. Para outros, são filmes que se vêem bem, engraçados até: uma oportunidade de gritar e/ou rir dos pesadelos alheios. Mas quem presta atenção reconhece que a história do terror é uma história de inovação e inconformismo cinematográfico, um lugar onde ideias perigosas podem ser exprimidas, técnicas radicais exploradas, e onde realizadores afastados da corrente dominante conseguem ter impacto cultural. Se o cinema tiver um inconsciente, um lugar escuro de onde emergem novas ideias, trémulas e deformadas, tem de ser o terror. A verdadeira questão é: quais são os melhores filmes de terror? Depois de consultarem um painel de actores, realizadores, argumentistas e fãs do género, os críticos da Time Out elegeram os 100 melhores filmes de terror de sempre. Recomendado: As escolhas dos peritos

Os 100 melhores filmes de comédia de sempre
Filmes Os 100 melhores filmes de comédia de sempre

Qualquer lista de melhores filmes de comédia de sempre é discutível (mas qual é que não é?), que isto do humor varia muito de pessoa para pessoa. Então como é que se escolhem os melhores? Com seriedade e abrangência. Mais concretamente, falando com peritos, desde cómicos a actores, realizadores e escritores.  Desde películas clássicas a outras mais recentes e de sucessos de bilheteira a filmes mais experimentais, por assim dizer, estas comédias são fonte contínua de gargalhadas ou sorrisinhos sarcásticos, tanto faz, perante a imaginação cómica ou o puro disparate transformado em arte de fazer rir. Recomendado: As escolhas dos peritos

Sete filmes sobre mulheres assaltantes
Filmes Sete filmes sobre mulheres assaltantes

Não são só os homens que levam a cabo ousados assaltos no cinema. Nos sete filmes desta selecção, há mulheres que se juntam para concretizar roubos de todo o tipo, ou que então lideram homens (e dão-lhes a volta ao mesmo tempo). Jamie Lee Curtis, Jada Pinkett Smith, Queen Latifah, Diane Keaton, Katie Holmes, Kristen Stewart, Emma Watson, Sandra Bullock ou Cate Blanchett são algumas das actrizes que personificam essas mulheres, em títulos que não se limitam à acção, ao suspense e ao drama, incluindo também algumas comédias, caso de Um Peixe Chamado Wanda ou Apanhem Essa Garota.   Recomendado: Vinganças femininas no cinema

Os filmes mais pirateados de sempre
Filmes Os filmes mais pirateados de sempre

Cinismo à parte – quem nunca pecou que atire a primeira pedra – descarregar filmes sem pagar (sem contar com a pornografia) é uma das práticas mais correntes entre os internautas. Cada um tem a sua explicação, mas, convenhamos, embora nem sempre seja ilegal, a maior parte das vezes que sacamos um filme estamos a praticar um acto de pirataria. E fazemo-lo conscientemente. Como a Time Out não anda aqui pela moral, mas pelos factos, procurámos os ditos. Encontrámos o quê? Segundo as contas do site TorrentFreak, 212 milhões de downloads ilegais, e isto só dos 15 filmes mais populares. E continua a contar. Recomendado: Sete filmes sobre internet e redes sociais que o vão fazer ter medo do Google  

Seis filmes portugueses para ver até ao Natal
Filmes Seis filmes portugueses para ver até ao Natal

Comédias, dramas, adaptações literárias, histórias passadas nas décadas de 30, de 50 ou nos nossos dias, politicamente empenhadas, com mochila social ou sem outras intenções que não sejam entreter e divertir. Eis, num breve resumo, aquilo que podemos esperar dos seis filmes portugueses que vão chegar às salas entre o próximo mês de Novembro e o Natal. E temos obras de realizadores estreantes, como Bruno Gascon e o seu Carga, e de consagrados, como António-Pedro Vasconcelos, com Parque Mayer. A interpretar estas fitas, muitas caras conhecidas: Alexandra Lencastre, Maria Rueff, Carloto Cotta, Vitor Norte. Adriano Luz e Miguel Guilherme. Recomendado: Sete filmes portugueses tão maus que até fazem doer  

Filmes de animação que não pode perder na Netflix
Filmes Filmes de animação que não pode perder na Netflix

Há muitos filmes para crianças na Netflix, mas o cinema de animação há muito que não é apenas para os mais pequenos. Os filmes animados tornaram-se num dos géneros mais populares em todo o mundo, onde trabalham algumas das melhores mentes criativas do cinema, e onde a inspiração cómica, um registo habitual, é muitas vezes genial. Há carências óbvias no catálogo de filmes de animação da Netflix em Portugal, no entanto, em comparação com a parca oferta de bons filmes de outros géneros no serviço de streaming, a selecção destaca-se pela positiva. Recomendado: Os piores e os melhores filmes da Disney  

icon-chevron-right
icon-chevron-right

Arte e Cultura

As peças de teatro para ver esta semana
Teatro As peças de teatro para ver esta semana

Como dizer? É mais ou menos aquela coisa do, vá lá, não seja forreta, vá lá, não seja preguiçoso. Se vemos tantos filmes no cinema, se vamos a tantos bares e restaurantes, mercados e exposições, qual a justificação para não irmos mais vezes ao teatro? Esta é a nossa forma, delicada, de lhe dizer para se fazer à cena, para se fazer ao palco. Sim, que mostrar-se solidário perante a comunidade artística fica bem, mas sabe a pouco. A agenda cultural de Lisboa está ao rubro, com muitas peças boas para ver. Estas são as que pode ver já esta semana.    Recomendado: As peças de teatro em Lisboa a não perder  

O Estado dos SillySeason no Temps d’Images
Notícias O Estado dos SillySeason no Temps d’Images

A partir de Rei Lear, e com os seus pais em cena, o colectivo questiona as representações de poder e o seu legado. Testamento em Três Atos é o novo espectáculo dos SillySeason para ver no CAL–Primeiros Sintomas de quarta a domingo, integrado na programação do Temps d'Images.  No último espectáculo dos SillySeason, Sugar, o fim era uma corrida até à saída do último espectador. Em Testamento em Três Atos – nova criação que apresentam de quarta a domingo no CAL–Primeiros Sintomas, integrado no Temps d’Images – o arranque dá-se com aquilo a que apelidam de festa de não-acção, corpos imóveis no chão pedem socorro pelo olhar enquanto as luzes fazem ricochete, uma espécie de disney-techno apregoa o seu ritmo. É, no fundo, a maquinaria a funcionar, metáfora para Estado, que os violenta para a imobilidade. E é também a certeza que nos SillySeason os espectáculo “não são estanques”, afirma Cátia Tomé antes de acrescentar: “Há uma decadência, estamos espalhados pelo chão, é quase o exercício de pensar o que seria se tivéssemos continuado a correr até ao público voltar”, afirma, referindo-se a Sugar. Convém ainda avisar que durante esta festa há um narrador invisível, que se expressa através de legendas num ecrã, que se define como Lear e que está aqui para nos dizer que esta geração que o público aprecia em palco está cheia de possibilidades, que gosta de ir a festivais de verão e de ir ao ginásio, ao mesmo tempo que tranquiliza os espectadores como que a dizer que está tudo contro

Tudo aqui é rock, até Brecht. Não sabia? Vá a Almada
Notícias Tudo aqui é rock, até Brecht. Não sabia? Vá a Almada

Peter Kleinert, encenador alemão, volta a Almada, de novo com Brecht. É a velha questão do ser bom ou pagar as contas. Em 1981, Peter Kleinert, encenador alemão, fez com a Companhia de Teatro de Almada o espectáculo “A excepção e a regra”, de Bertolt Brecht. Recentemente, a mesma companhia voltou a cruzar-se com este nome, no site da Schaubühne, uma das casas de teatro mais importantes do mundo, em Berlim. Enviaram-lhe um mail para que viesse assistir ao Festival de Almada, Kleinert veio e no último dia de festival perguntaram-lhe se gostaria de voltar a trabalhar com eles. “Gostei do festival e vendo as condições do teatro, a estrutura, disse ‘sim, porque não?’”, conta. E ditou a história – mais a vontade de Kleinert, que quer o teatro realista, efervescente, narrativo – que voltasse a ser Brecht. A Boa Alma de Sé-Chuão estreia esta sexta-feira no Teatro Municipal Joaquim Benite, onde fica até 11 de Novembro. Tal como na altura, o elenco é compostos por vários jovens actores nacionais escolhidos por Kleinert num casting em Maio. Mas essa é das poucas semelhanças entre os dois momentos: “O espaço é muito maior, agrada-me todas estas possibilidades de som, de luz, de design de palco, nesse aspecto é muito diferente. Em 1981 estávamos num pequeno espaço em Almada Velha, eles não tinham dinheiro. Essa é a grande diferença. Para mim o mais importante no teatro são os actores, na altura tive um elenco maravilhoso, tal como agora, nesse aspecto não há diferenças.” Larguemos agor

Do Porto para Lisboa: a juventude revolucionária ocupa o D. Maria II
Notícias Do Porto para Lisboa: a juventude revolucionária ocupa o D. Maria II

O Grande Tratado de Encenação, do Teatro Experimental do Porto, estreou em Abril de 2017 no Porto e desce agora até ao D. Maria II. É o primeiro capítulo de uma trilogia sobre a juventude inquieta do Portugal das décadas de 50, 70 e 90.  O Portugal jovem e revolucionário da luta antifascista. O Portugal jovem e revolucionário da luta pela “revolução cultural”. O Portugal jovem e revolucionário da luta contra as propinas, contra um país a ser esfaqueado por Cavaco Silva, da agricultura às pescas, com dinheiro de Bruxelas e um sorriso na cara (e as hemorragias perduram). O Grande Tratado de Encenação, criação do Teatro Experimental do Porto (TEP), é o primeiro capítulo de uma trilogia sobre a juventude inquieta de um Portugal de outros tempos – mais precisamente das décadas de 50, 70 e 90 –, mas sempre a ver o que acontece em 2018. É sobre jovens a sacudir ideias e a sonhar em voz alta dentro de um sótão, a pensar em “como fazer um espectáculo de teatro, em como fazer um país”, resume o encenador Gonçalo Amorim. Tudo isto para ver até dia 27 no Teatro Nacional D. Maria II. O primeiro round faz-se com os olhos postos nos anos 50. E no teatro. Não é por acaso que um dos pontos de partida foi o livro O Pequeno Tratado da Encenação (1962), de António Pedro, um dos nomes ligados à fundação do TEP. A ponte com o presente é óbvia, nota Gonçalo Amorim. “O surgimento do TEP é uma coisa incrível mas leva 50 anos de atraso em relação à Europa. O António Pedro entra de cabeça no Brecht,

As peças de teatro que tem de ver nos próximos meses
Teatro As peças de teatro que tem de ver nos próximos meses

Assim como as férias dos políticos e as compras do regresso às aulas, há tradições que são para manter. Setembro já cruzou a porta do quintal e com ele voltam os teatros e as suas programações. Por aqui, esticamos isto até ao final do ano, porque a rentrée teatral vai sempre mais longe. Sim, nas próximas linhas dizemos o que não pode perder nos palcos da cidade até Dezembro, para se organizar com tempo suficiente para não utilizar a falta de tempo como desculpa para falhar. Que venha de lá esse teatro. Do Teatro Nacional D. Maria II à Culturgest, são sete as casas de teatro (e dança) que analisamos para levantar o pano para os próximos meses em cena. Espreite e aponte o que mais lhe entusiasma. Estas são as peças de teatro que tem de ver nos próximos meses. Como perceberá, os palcos estão em grande. E as cadeiras chamam por nós. Recomendado: As peças de teatro em Lisboa a não perder

icon-chevron-right
icon-chevron-right

Música

Os melhores concertos em Lisboa esta semana
Música Os melhores concertos em Lisboa esta semana

Por toda a cidade há concertos. Há bandas de rock e suas derivações, artistas populares de diferentes proveniências, metais leves e pesados, música portuguesa e estrangeira, inevitavelmente americana mas não só. Há concertos para todos os gostos e carteiras, é o que queremos dizer. Só que nem todos são iguais. Alguns valem mais a pena do que o resto, uns são potenciais surpresas enquanto outros são valores mais ou menos seguros, e por isso toda a informação ajuda. Siga as nossas sugestões dos melhores concertos em Lisboa esta semana. Recomendado: Os melhores concertos de jazz e clássica em Lisboa esta semana

Os melhores concertos de jazz e clássica em Lisboa esta semana
Música Os melhores concertos de jazz e clássica em Lisboa esta semana

Em igrejas barrocas profusamente decoradas com talha dourada e no espaço despido de antigas fábricas. Em grandes auditórios e em bares tão pequenos que os músicos ocupam metade do espaço disponível. Por um saxofonista solitário e pelos cem músicos de uma orquestra sinfónica. Por músicos que há mais de meio século pisam os mais prestigiados palcos do mundo e miúdos que ainda andam na escola. Visando recriar com máxima fidelidade as sonoridades de tempos passados ou apostando na miscigenação, desfazendo barreiras, sobrepondo épocas e baralhando geografias. Com música minuciosamente ensaiada ou criada no momento por músicos que se encontram pela primeira vez. Há concertos de jazz e música clássica em Lisboa para todos os gostos e circunstâncias e esta selecção reflecte essa variedade. Recomendado: Os melhores concertos em Lisboa esta semana

Márcia: "A música é o meu divã"
Música Márcia: "A música é o meu divã"

A volta da mesa, a olhar para o cd: Isto ainda faz sentido?Faz. Qual?Sem isto, para mim, era como se o disco não existisse. É importante o suporte físico. Se isto não há noção de obra, de todo?Fica disperso. É como a quantidade de fotografias que tens no iphone, a quantidade de conversas que tens no email, no whatsapp. Consegues ter dez conversas ao mesmo tempo em janelinhas. Acontece-me, reconheço, não consigo não responder… isto é mais saudável. Os objectos são saudáveis?Não os objectos, não… sou desprendida dos objectos. Mas como artista - não só como cantora, eu vi das Belas Artes, fiz Pintura, fiz Desenho - o material físico é importante… O analógico.Sim. Se não às tantas é tudo muito virtual. Como é que as Bela Artes e o Cinema, que também estudaste, te influenciaram?Fiz um documentário muito pessoal, que se chamava Mana, precisamente sobre a minha irmã. As pessoas desconfiaram: que disparate isto não vai ter piada nenhuma. No final acabou por ser uma surpresa, toda a gente acabou por adorar o documentário. E aí percebi que talvez o meu caminho era falar do meu universo íntimo. E as artes plásticas?Eu habituei-me muito a evadir-me dos sítios onde me sentia aborrecida. Foi assim que comecei a fazer pintura e foi assim que comecei a fazer música. Em ambos os casos a mesma matriz... Imaginar cenários.Isso, imaginar que estou noutro cenário. Um prazer no outro sítio onde não estou. Neste disco há uma sensação transversal de sentimentos de medo, de perd

Cinco canções para o movimento #MeToo
Música Cinco canções para o movimento #MeToo

Há práticas inadmissíveis que se instalam e subsistem durante décadas ou até séculos, mas que apesar de serem do conhecimento geral apenas são mencionadas “à boca pequena” e são encaradas com complacência, como se fossem irrelevantes ou inevitáveis. O assédio sexual só deixou este limbo quando em Outubro de 2017 surgiram reportagens detalhadas e circunstanciadas no New York Times e na New Yorker relatando o longo e tenebroso historial do produtor de cinema Harvey Weinstein. Foi o princípio do movimento #MeToo, que não tardou a revelar que estas práticas não eram correntes apenas em Hollywood, mas (pasme-se!) estavam presentes em muitas outras facetas da vida em sociedade, da moda ao desporto. Recomendado: Vinganças femininas no cinema

Concertos gratuitos de Jazz & Clássica em Novembro
Música Concertos gratuitos de Jazz & Clássica em Novembro

Os concertos gratuitos do mês dão especial destaque a Claude Debussy, compositor de quem se assinala este ano o aniversário da morte, e aos compositores clássicos brasileiros, que não se resumem a Heitor Villa-Lobos. Mas também há espaço para portugueses e arménios. Depois, ainda tem por onde escolher entre os mais nomes sonantes nomes da música: Bach, Mozart, Brahms, Haydn ou Mendelssohn. E ouvir as suas composições ao vivo, um pouco por toda a cidade de Lisboa, não custa um cêntimo. Basta querer – e pôr os ouvidos ao caminho. Recomendado: Os oito melhores sítios para ouvir jazz em Lisboa

13 discos indispensáveis de jazz português
Música 13 discos indispensáveis de jazz português

O jazz em português está bem e recomenda-se. A prova disto são estes 13 discos que lhe trazemos para que não perca fio à meada. Não sabe por onde começar? Da famosa dupla Maria João e Mário Laginha, a Carlos Bica e Azul, passando por L.U.M.E. ou Júlio Resende, estes são alguns dos nomes que constam desta lista de discos indispensáveis de jazz português. Porque nunca é demais lembrar que o nacional é bom e precisa de ser ouvido, como estes discos o confirmam. Já sabe por onde começar? Recomendado: 12 pianistas de jazz portugueses que precisa de ouvir

Anna Calvi: “Estou farta de ver mulheres a serem caçadas”
Música Anna Calvi: “Estou farta de ver mulheres a serem caçadas”

O novo álbum da cantora britânica Anna Calvi, Hunter, é uma boa surpresa. O registo é assumidamente queer e aborda abertamente questões que, até agora, se encontravam apenas nas entrelinhas do seu trabalho, ou melhor, de algumas canções. É natural, por isso, que a nossa conversa sobre o disco e o concerto de sábado, no Capitólio, tenha sido dominada por essas questões de género. Tal como, segundo palavras da própria, “foi natural” que as mesmas questões dominassem o disco.  O teu anterior álbum, One Breath, saiu há cinco anos. Porque demoraste tanto tempo a gravar o seu sucessor? Desta vez quis fazer o disco com mais calma. Quis garantir que podia dar a cara por ele e sentir-me orgulhosa do que fiz, e por isso não isso não quis apressar o processo. Fazer a melhor música possível foi mais importante do que despachar-me a lançar um disco. Já estavas a trabalhar nisto há três anos, quando disseste que não querias mostrar as canções que estavas a fazer ninguém porque tinhas medo de que as ideias dos outros afectassem a tua opinião. Como é que elas mudaram – se é que o fizeram – depois de as mostrares ao teu produtor e à banda? Sou muito solitária quando trabalho. Depois, quando toco com a banda, as faixas ganham uma nova vida. Mudam de maneiras que eu não estava à espera, e é por isso que é tão entusiasmante tocar com outros músicos. Mas, como tinha maquetes muito detalhadas, o coração da canção manteve-se o mesmo. Nessa entrevista de há três anos também se lia a dada altura

As melhores músicas dos anos 80
Música As melhores músicas dos anos 80

As melhores músicas dos 80 vão continuar a ouvir-se durante muitos e muitos anos. É natural. Afinal, a década deu-nos grandes hinos pop, canções de karaoke intemporais e algumas das melhores músicas para fazer exercício. Sem exagero. E, de Whitney Houston ("I Wanna Dance with Somebody") aos Tears For Fears ("Everybody Wants to Rule the World"), passando por Michael Jackson ("Beat It"), a lisboeta adoptiva Madonna ("Into The Groove"), Prince ("When Doves Cry"), Bruce Springsteen ("Dancing in the Dark") e outros nomes inevitáveis, há música para todos os gostos nesta lista. Recomendado: 10 grandes discos com 50 anos

Os discos para ouvir até ao final do ano
Música Os discos para ouvir até ao final do ano

Há vários grandes lançamentos nacionais agendados para os próximos meses, ainda que sem títulos nem datas finais. Em Outubro, o popular fadista/cantor de música popular António Zambujo vai lançar o primeiro álbum de originais desde Rua da Emenda, de 2014. Boss AC, que este ano já nos deu o EP Patrão, também deve editar um novo disco pela Universal, tal como Luísa Sobral. E em Novembro é a vez de Pedro Abrunhosa partilhar com o público o sucessor de Contramão, de 2013. O mais aguardado, porém, é mesmo o primeiro álbum em nome próprio de Manel Cruz, ex-Ornatos Violeta, que também deve sair este ano. Na colheita estrangeira destacam-se os novos discos dos Mudhoney, Cat Power, Elvis Costello & The Imposters e mais gente boa.

Os concertos mais aguardados até ao final do ano
Música Os concertos mais aguardados até ao final do ano

Desde figurões do samba como Zeca Pagodinho a históricos cantauroes portugueses como Fausto Bordalo Dias (ainda por cima a cantar a sua trilogia sobre a diáspora), passando por nomes cruciais da música anglo-saxónica como os Low, há muita música para ouvir até ao final do ano. Portanto, tem de se organizar. Não faz contas para as suas contas? Não cria tópicos e lembretes telefónicos para bater tudo certo e o orçamento esticar até ao final de cada mês? É encarar os concertos como o IMI ou o IUC e escolher ao que vai. Recomendado: Sete canções indie para a rentrée

icon-chevron-right
icon-chevron-right

As melhores escapadinhas

Sete sugestões de escapadinhas por Portugal
Viagens Sete sugestões de escapadinhas por Portugal

A Equipa Time Out adora a sua cidade do fundo do coração, mas às vezes sabe-lhe bem ir dar uma volta. Vai daí e fez uma selecção de sete hotéis onde a palavra de ordem é descansar. Seja em quartos com vista para o Douro, em casas nas árvores ou em tendas de luxo, seja para entrar em casas modernas de inspiração nórdica, num spa desenhado por Álvaro Siza ou provar um menu de Ljubomir Stanisic, são várias as sugestões que encontrámos para que possa passar uns dias longe de tudo. Recomendado: Os novos turismos que valem a viagem  

Os dez bairros mais cool no mundo
Viagens Os dez bairros mais cool no mundo

Ninguém se quer sentir como um turista nos dias de hoje. Viajantes experientes querem viver a cidade como os locais, e isso significa olhar para além das vistas e encontrar os melhores bairros onde dormir, comer, beber e passear. Mas o que é que dá a uma zona da cidade este factor cool de que falamos? Foi essa a questão que tivemos de colocar quando começámos a classificar todos os bairros do mundo que entraram para a lista. E como a Time Out faz 50 anos, casámos uma coisa com a outra e chegámos aos 50 melhores bairros do mundo – descubra a lista completa aqui. Para nos ajudar nesta tarefa, recorremos aos especialistas: editores e jornalistas da Time Out de todo o mundo, que conhecem as suas cidades como ninguém. Também perguntámos a mais de 15.000 pessoas em todo o mundo sobre os melhores (e mais sobrestimados) bairros nas suas cidades, no nosso City Life Index. Queríamos saber: há um burburinho sobre essa zona da cidade, com novos espaços a abrir? A maioria das pessoas poderia dar-se ao luxo de aqui morar? É um bom lugar para se ficar hospedado? E, mais importante que tudo, parece ser um lugar concorrido e com procura? De seguida, debruçamo-nos sobre os números, discutimos entre nós e chegámos àquela que consideramos ser a lista definitiva dos melhores pontos culturais e gastronómicos do planeta – que é como quem diz, os sítios para se estar em 2018. Prepare-se para esta volta ao mundo. Visitou um destes lugares? Partilhe a experiência no Instagram e identifique na fotog

City Breaks. Cinco escapadinhas urbanas para os próximos meses
Viagens City Breaks. Cinco escapadinhas urbanas para os próximos meses

Para partir já ou para planear com tempo, você decide como vai ser. São destinos clássicos com dicas mais inesperadas, perfeitos para uma fuga de fim-de-semana (ou um pouco mais). Sempre dissemos que o que faz em casa é consigo, o que faz na rua é connosco – seja aqui, ou noutro lugar qualquer do mundo. Vai daí, deixamos-lhe cinco ideias para aproveitar algum fim-de-semana grande que possa aproveitar para fazer uma escapadinha na Europa. São city breaks que vão saber a férias – bem programado nem terá de gastar muito. Recomendado: Conheça os dez bairros mais cool no mundo

Comer, comprar e passear: as melhores coisas para fazer no Estoril
Coisas para fazer Comer, comprar e passear: as melhores coisas para fazer no Estoril

Aqui mesmo ao lado de Lisboa, do monte até ao mar, o Estoril tem muito para descobrir, seja qual for a estação do ano. Escondido entre Cascais e a Parede, durante anos foi a estância balnear mais luxuosa da Linha – sem esquer São Pedro do Estoril e São João do Estoril, também com muito para fazer. Comer, comprar, passear: eis as melhores coisas para fazer no Estoril, sozinho, com amigos ou em família. Siga o nosso roteiro, para uma passagem por um destino intemporal. Vá por nós, uma escapadinha na Linha sabe sempre bem. Recomendado: As melhores praias da linha de Cascais

Quarteirão: 5 motivos para visitar o bairro alternativo de Ponta Delgada
Viagens Quarteirão: 5 motivos para visitar o bairro alternativo de Ponta Delgada

As ruas Carvalho Araújo, Pedro Homem e D’Água, no centro histórico de Ponta Delgada, foram recuperadas e ganharam uma nova vida. O projecto Quarteirão agrega uma série de espaços como galerias, estúdios, livrarias, bares, ateliês, restaurantes e até uma tipografia. Há mais: uma praça com bancos desenhados pelo colectivo de arquitectos italianos Orizzontale para o Festival Walk & Talk, e onde qualquer um se pode sentar e mergulhar na cultura e arte local. O objectivo é continuar a trazer as indústrias criativas para o centro da cidade — e, para tal, o Quarteirão está num bom caminho. Damos-lhe cinco bons motivos para lá passar. Recomendado: As melhores coisas para fazer em São Miguel

Os dez lugares mais bonitos de Madrid
Viagens Os dez lugares mais bonitos de Madrid

Quando se fala de lugares bonitos em Madrid é difícil que não pensemos logo em parques e jardins onde se está bem em qualquer altura do ano. Também há os edifícios históricos sobre os quais já ouvimos falar em alguma ocasião, e com razão. O que muita gente não sabe é que não é preciso sair de Madrid para encontrar lugares pouco habituais, como um jardim que parece saído do deserto do Arizona ou um “hospital” onde se cuida do património artístico de Espanha e que só pelo seu valor arquitectónico faz parte do património nacional. Esta é uma selecção de lugares bonitos que merecem ser conhecidos numa visita a Madrid. Recomendado: Cinco coisas para fazer em Madrid

Nove experiências obrigatórias em Munique
Viagens Nove experiências obrigatórias em Munique

Se Berlim é conhecida pela sua vida animada, Munique é muitas vezes deixada de fora dos elogios à Alemanha. No entanto, nos últimos anos, a cidade tem conseguido reinventar-se. Do ponto de vista arquitectónico, os edifícios históricos, marcados pela guerra, ganham agora uma nova vida como parte de um plano de recuperação levado a cabo pela cidade. Acrescente-se uma economia em crescimento, impulsionada por grandes empresas como a BMW, grandes centros culturais e uma cultura gastronómica apaixonada – além da cerveja, cerveja e mais cerveja. Munique continua no topo das listas das melhores cidades para viver no mundo. Eis, as melhores coisas para fazer em Munique.

Tome Nota: Le Guess Who? — a melhor razão para ir à Holanda
Viagens Tome Nota: Le Guess Who? — a melhor razão para ir à Holanda

Esqueça as coffeeshops, as tulipas, os museus e as bicicletas. Em Novembro há um bom motivo para viajar até Utrecht e chama-se Le Guess Who? Marque já as datas: de 8 a 11 de Novembro a 12ª edição do Le Guess Who? regressa a Utrecht, a meia hora de comboio de Amesterdão, na Holanda, para um festival de quatro dias em duas dezenas de salas da cidade, de igrejas a galerias, de armazéns a teatros. Recomendado: City Breaks. Cinco escapadinhas urbanas para os próximos meses

Cinco bebidas que valem a viagem
Viagens Cinco bebidas que valem a viagem

Escapadinha de fim-de-semana ou viagem mais longa, na hora de escolher o destino de uma viagem há muitos factores a influenciar, da comida local às atracções, museus e parques ou jardins. É inevitável. Se é fã de gin, cerveja, whiskey ou vodka, damos-lhe cinco sugestões de viagens para a Europa para juntar ao roteiro de viagem. São cinco bebidas que têm destilarias e museus a contar a sua história e com uma parte interactiva ou até de masterclasses para aperfeiçoar os dotes de bartender em casa. Em Inglaterra, beba gin; em Dublin opte por uma cerveja ou um copo de whiskey; dê um pulinho à Amesterdão para conhecer as raízes de outra cerveja ou faça all in em Varsóvia, no museu da vodka. Recomendado: Comidas e bebidas fofinhas em Tóquio

Escapadinha ao Porto: sete sugestões que valem a viagem
Viagens Escapadinha ao Porto: sete sugestões que valem a viagem

São tantas as razões para uma viagem ao Porto que a dificuldade está em reduzir o leque de opções. Afunilámos a lista para sete sugestões que podem ser visitadas ou sempre, no caso da loja Banema Lab, ou quase sempre, no caso das exposições, peças de teatro e concertos. Espreite a Iconic Images — mostra fotográfica dedicada ao músico David Bowie que toma conta do Arrábida Shopping —, ou vá pelo seu próprio pé perceber se a polémica em torno da obra de Robert Mapplethorpe, artista que alargou os horizontes da fotografia de nu e que ocupa o Museu de Serralves até Janeiro, tem razão de ser.  Recomendados: Os melhores hotéis no Porto

Descobrir os Açores: as melhores coisas para fazer no Pico
Viagens Descobrir os Açores: as melhores coisas para fazer no Pico

Um estratovulcão de 2531 metros de altitude, a montanha mais alta de Portugal, o ponto mais elevado da dorsal meso-atlântica. O Pico é imponente, mas por detrás de um perfil duro está uma ilha delicada que vale a pena descobrir com calma. Todas as ilhas são, na verdade, montanhas no meio do Oceano. Mas esta parece representar esse facto da forma mais dramática possível – “estão a ver? É assim que se faz uma ilha.” Para além das lições de geologia, o Pico ensina-nos muita coisa sobre vinhos e baleias. Recomendado: 8 coisas a não perder na Terceira

Guia de Praias de Portugal
Coisas para fazer Guia de Praias de Portugal

Estas são as melhores praias de Portugal. De alto a baixo, são 850 quilómetros de areal. Não o corremos todo de uma vez. Fomos correndo. Mas reunimos todos esses quilómetros de areia, sol e sal num guia pensado para o orientar à beira-mar. Pelo meio, descubra ainda os restaurantes e bares de praia para se pôr à sombra a petiscar e a beber um copo. Encontre-nos também nas bancas e guarde-nos no porta-luvas. Recomendado: Guia de Viagens

icon-chevron-right
icon-chevron-right

Os melhores hotéis em Lisboa

Tivoli Palácio de Seteais: à noite no museu
Hotéis Tivoli Palácio de Seteais: à noite no museu

Alerta excêntricos, criados de um dia para o outro ou não: uma das grandes novidades do Tivoli Palácio de Seteais é o programa “Own a Palace for a Day” (30 mil euros), que, como o próprio nome indica, permite que o hotel de luxo em Sintra seja vosso por um dia. Todo vosso: os 30 quartos (incluindo a impressionante suite diplomática e os cinco quartos deluxe), os salões cheios de frescos e outras obras de arte impecavelmente recuperadas e restauradas pela Fundação Ricardo Espírito Santo, os jardins ao estilo francês e a piscina com vista para o mar de um lado e para o Palácio da Pena e o Castelo dos Mouros do outro.

Regresso ao passado: o Maxime renasceu como hotel
Hotéis Regresso ao passado: o Maxime renasceu como hotel

"Já fui aqui tão feliz". As palavras são de um antigo cliente do bar, que, entrando porta adentro, foi assolado por boas memórias. Quem conta o episódio é António Gonçalves, administrador do Grupo Hotéis Real, cadeia que não só devolveu o Maxime a Lisboa (embora reinventado) como ampliou a experiência. E ampliar a experiência significou ocupar os pisos superiores do edifício, outrora com escritórios e onde agora encontramos 70 quartos standard (um deles para pessoas com mobilidade reduzida) e mais cinco temáticos com 25 metros quadrados cada. Já subimos o elevador. Vale a pena voltar atrás: a experiência começa logo à entrada com um peepshow. Numa parede, encontra um pequeno buraco a que vai querer dedicar um segundo ou dois: é que ao espreitar vemos uma criação da artista Diana Coelho, profissional do cruzamento entre as artes performativas e visuais, que aqui nos diz que as paredes têm ouvidos. Ao espreitar por esse buraquinho vemos um vídeo com caras bem conhecidas: Humphrey Bogart ou Sean Connery, sentados à mesa e rodeados de bailarinas. Uma peça inspirada em factos verídicos por alturas da II Guerra Mundial, quando Lisboa era um ninho de espiões e as bailarinas vendiam informações de uns a outros. Logo a seguir, não uma cara mas uma peça também conhecida dos antigos clientes. O grande balcão do Maxime está lá, aquela que chegou a ser a maior barra da Europa não foi a lado nenhum, num espaço que acumula como bar e restaurante (liderado pelo chef Luca Bordino) e onde se

Neya Hotel Lisboa: pegada e dormida ecológica
Hotéis Neya Hotel Lisboa: pegada e dormida ecológica

Preparado para uma estadia ecológica no meio da cidade?  Carimbado com selos de sustentabilidade e ecologia, o Neya é um eco-hotel que aquece a própria água, faz reciclagem de resíduos e tem bicicletas para os hóspedes. Quem dorme por aqui vai carregar o peso das responsabilidades sociais e ambientais – e ninguém fica ilibado no que toca ao futuro do planeta. 

12 novos hotéis em Lisboa
Hotéis 12 novos hotéis em Lisboa

Cama, mesa e roupa lavada pode ser um objectivo de vida tão válido como sonhar com uma casa no campo ou um saudoso emprego das 9 às 5. Pernoitar num hotel pode ajudar a alcançar a meta, ou sonho, de não ter de fazer a cama, de preparar uma refeição ou de engomar a roupa. E a cidade está cheia deles, alguns ainda a cheirar a novo. O mais recente inaugurou no início de Outubro e renova uma das mais antigas casas dedicada ao burlesco de Lisboa: o Maxime, na Praça da Alegria. Recomendado: Os 18 melhores hotéis com SPA em Lisboa

Os melhores hotéis em Lisboa
Hotéis Os melhores hotéis em Lisboa

Passa por cá a correr ou vem para ficar? Quer namorar ou fazer amigos? Traz a família toda a reboque ou chega só e abandonado? Saiu-lhe o Euromilhões ou já está a contar tostões? Seja qual for o seu perfil de turista e o seu ideal de férias, juntámos os melhores hotéis em Lisboa para todos – nenhum com menos de 9 na pontuação atribuída pelos hóspedes no Booking. Escolha o seu preferido e faça bom proveito.

Hotéis bons e baratos em Lisboa
Hotéis Hotéis bons e baratos em Lisboa

Hotéis em Lisboa há muitos e difícil é arranjar uma boa pechincha. Andámos à caça de hotéis baratos em Lisboa e descobrimos oito bons, com preços entre os 50 e os 70 euros por noite. Se o preço não for um problema, espreite os melhores hotéis de luxo em Lisboa. E se vier em clima de romance, vale a pena espreitar os melhores hotéis românticos em Lisboa.

Os melhores hotéis românticos em Lisboa
Hotéis Os melhores hotéis românticos em Lisboa

Que Lisboa é a cidade mais romântica já nós sabíamos, mas que tinha tantos hotéis para levar as escapadinhas românticas a um novo nível foi uma surpresa. Seja com pequenos-almoços na cama ou vistas de cortar a respiração, os melhores hotéis românticos em Lisboa não desiludem.

Os melhores hotéis de luxo em Lisboa
Hotéis Os melhores hotéis de luxo em Lisboa

Dos clássicos incontornáveis que já pertencem à história da cidade, aos mais recentes que apostam no design ou no conceito boutique, estes são os melhores hotéis de luxo em Lisboa. Destinados a um público alvo muito específico, com sangue azulado a correr-lhe nas veias, estes hotéis nasceram e existem para todos os que se recusam a abdicar dos seus caprichos.

Os melhores hotéis com jacuzzi no quarto em Lisboa
Hotéis Os melhores hotéis com jacuzzi no quarto em Lisboa

Entre os melhores hotéis de Lisboa, há uns que convidam mais ao romantismo. Não é fácil encontrar um hotel que tenha jacuzzi no quarto mas a verdade é que se tiver uma banheira aos pés da cama ou no terraço, com água aquecida borbulhante, tudo fica melhor. Reunimos os melhores hotéis com jacuzzi no quarto em Lisboa.   RECOMENDADO: Os melhores hotéis com spa em Lisboa

Os 20 melhores hotéis boutique em Lisboa
Hotéis Os 20 melhores hotéis boutique em Lisboa

Lembra-se de quando a sua avó dizia que ia à boutique? Na altura, em tempos que a fast-fashion não dominava o mundo, uma ida a uma loja de roupa era um evento com direito a um francesismo. Algumas décadas depois, o requinte do termo alargou-se à hotelaria, passando a nomear pequenos hotéis de luxo, quase sempre discretos e com uma arquitectura de autor ou de matriz histórica. Os hotéis boutique distinguem-se também pelo ambiente acolhedor e pela descontracção que leva os hóspedes a sentirem-se em casa (mesmo estando a dividir um T15 com pessoas que não conhecem). Espreite a nossa lista com os 20 melhores boutique-hotéis de Lisboa.  Recomendado: Os 14 melhores hotéis com piscina em Lisboa

icon-chevron-right
icon-chevron-right