Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right O melhor guia de Lisboa
Restaurantes que vão abrir em Lisboa nos próximos meses
Restaurantes que vão abrir em Lisboa nos próximos meses icon-chevron-right
Os espaços pop-up que não pode perder em Lisboa
Os espaços pop-up que não pode perder em Lisboa icon-chevron-right
Dez espaços emblemáticos que fecharam na última década
Dez espaços emblemáticos que fecharam na última década icon-chevron-right

Últimas notícias

Palácio de São Bento abre as portas ao design português
Notícias Palácio de São Bento abre as portas ao design português

Exposição na residência oficial do primeiro-ministro inaugura este sábado e mostra uma representação do design nacional. Vai continuar a abrir ao público no...

A loiça a peso da Maria Atarefada mudou-se para Benfica
Notícias A loiça a peso da Maria Atarefada mudou-se para Benfica

À terceira é em Benfica, mas pode não ser de vez. A loja de loiça Maria Atarefada nasceu na Lapa, mudou-se para Campo de Ourique e agora para Benfica – as...

Chris Lowe, dos Pet Shop Boys: "Não quero o Grammy, odeio cerimónias"
Notícias Chris Lowe, dos Pet Shop Boys: "Não quero o Grammy, odeio cerimónias"

Quatro décadas depois, os Pet Shop Boys não dão sinais de abrandar. Falámos com Chris Lowe, metade do duo britânico, sobre Hotspot, o disco que é...

A nova galeria de Lisboa é uma Oficina Impossível
Notícias A nova galeria de Lisboa é uma Oficina Impossível

Abriu no ano passado na Calçada Marquês de Abrantes, mas ganhou agora vida nova. A Oficina Impossível já não é uma loja de arte e peças vintage, livros e...

O Metropolis Club vai (mesmo) fechar
Notícias O Metropolis Club vai (mesmo) fechar

O Metropolis Club despede-se da subcave do Centro Comercial Imaviz a 1 de Fevereiro. O espaço foi comprado por uma “multinacional hoteleira”. O rock parece...

Mercado no Bairro está na Alameda com gastronomia, moda, arte e livros
Notícias Mercado no Bairro está na Alameda com gastronomia, moda, arte e livros

O tempo pode andar incerto, mas nem assim o Mercado no Bairro deixa de acontecer. A feira – onde poderá encontrar produtos gastronómicos, moda, arte ou...

Jean-Luc Picard está de novo aos comandos de Star Trek
Notícias Jean-Luc Picard está de novo aos comandos de Star Trek

Patrick Stewart decidiu voltar a interpretar Jean-Luc Picard em Star Trek: Picard, que começa esta semana na Amazon Prime. Dizemos o que sabemos sobre a nova...

Há concertos, teatro e marionetas nos 72 anos do Metro
Notícias Há concertos, teatro e marionetas nos 72 anos do Metro

A primeira rede de metropolitano de Portugal foi inaugurada a 29 de Dezembro de 1959. Mas os Estatutos do Metropolitano de Lisboa foram aprovados muito...

Tem demasiada roupa a que não dá uso? Aproveite este mercado de trocas
Notícias Tem demasiada roupa a que não dá uso? Aproveite este mercado de trocas

A primeira edição do Mind The Switch realizou-se em Dezembro. O sucesso foi tanto que o mercado sustentável regressa já este este fim-de-semana: o objectivo...

Para falar sobre a II Guerra Mundial, comecemos por um outro amor
Notícias Para falar sobre a II Guerra Mundial, comecemos por um outro amor

O novo espectáculo de Tiago Vieira, para ver entre quinta-feira e sábado na Rua das Gaivotas 6, serve-se do manifesto para repensar o amor, à boleia de...

icon-chevron-right
icon-chevron-right

Coisas para fazer em Lisboa

Fique em forma nestes ginásios em Lisboa
Coisas para fazer Fique em forma nestes ginásios em Lisboa

Há sempre aquele momento na vida em que pára para pensar como podia ter sido menos sedentário, comido melhor, feito mais exercício. Mas depois ocorre-lhe também sempre algum tipo de desculpa que o impede de dar o passo de se chegar à frente para se inscrever no ginásio. “Amanhã é que é”, “para o ano começo a sério”, “antes do Verão é que vai ser”: são só algumas das frases mais ouvidas na hora de sair da bolha do sedentarismo. Para os bombadões, para quem quer perder massa gorda, para quem precisa de melhorar a postura, para quem quer aprender a dançar ou para quem gosta de descarregar o stress num saco de boxe – há espaço para todos. Aqui estão alguns dos melhores ginásios em Lisboa que lhe enchem as medidas (ou esvaziam, depende da perspectiva) e o ajudam a pôr, finalmente, o certo neste ponto da checklist. Mexa-se, vá. Recomendado: Gaste calorias sem gastar dinheiro nestes ginásios ao ar livre em Lisboa

Ano Novo Chinês em Lisboa: roteiro pelos melhores eventos da cidade
Coisas para fazer Ano Novo Chinês em Lisboa: roteiro pelos melhores eventos da cidade

Não há doze badaladas, muito menos doze passas e flutes de champanhe. O Ano Novo Chinês entra oficialmente a 25 de Janeiro com o signo Rato, mas as celebrações começam mais cedo já por este fim-de-semana. O Rato é o primeiro dos 12 animais do zodíaco chinês, o que torna 2020 um ano propício a novos projectos. E se for de seguir as dicas do zodíaco saiba que é bom comer alimentos apreciados pelo rato – como os frutos secos ou queijo. O Museu do Oriente é onde encontra mais ofertas, mas há mais. Eis um roteiro das festividades, que é também um convite a celebrar a cultura chinesa em Lisboa.   Recomendado: Coisas para fazer em Lisboa em Janeiro

Ideias inusitadas para Lisboa
Coisas para fazer Ideias inusitadas para Lisboa

Nesta lista damos-lhe um best of de 2019 da rubrica Também Queremos, que semanalmente surge nas páginas da Time Out Lisboa. É aí que reunimos coisas incríveis que descobrimos noutras cidades e que nos deixam a suspirar de inveja. Nem sempre úteis, a maior parte das vezes loucas, são ideias de espaços, eventos e experiências que nos fazem soltar a nossa galeria especial de exclamações e adjetivos de surpresa: incomuns, invulgares, estranhas, esquisitas, insólitas, inabituais, raras, surpreendentes, excepcionais, excêntricas, peculiares. Ou simplesmente, como bem define Hendrick’s Gin, inusitadas.

Conteúdo patrocinado

Mais
Huawei: o todo é muito mais do que a soma das partes
Coisas para fazer Huawei: o todo é muito mais do que a soma das partes

Uma experiência revolucionária presa ao seu pulso, enfiada no seu bolso e instalada nos seus ouvidos.

Conteúdo patrocinado

Mais
Cursos e workshops em Lisboa que não pode perder
Coisas para fazer Cursos e workshops em Lisboa que não pode perder

É desta, desta é que é. Todos os anos começam assim, com promessas que agora é que vai ser, que vamos mover mundos e fundos e aprender uma mão-cheia de coisas novas. Deixando de lado as desistências, não queremos que lhe faltem ideias para se atirar àquele curso ou workshop que tanto o fascina. Quer tornar-se num especialista em vinho? Ou prefere pôr as mãos na massa? Também há linhas e dedais para quem gosta do corte e costura. Sem esquecer os fanáticos por cozinha que gostam de viajar pelo palato. Aqui encontra cursos e workshops em Lisboa que respondem a todos os gostos e necessidades.  Recomendado: Coisas para fazer em Lisboa este mês

Pistas de gelo em Lisboa para deslizar no Inverno
Coisas para fazer Pistas de gelo em Lisboa para deslizar no Inverno

Tem queda para a patinagem? Na verdade, não precisamos de saber, porque estas pistas de gelo espalhadas pela cidade e arredores estão preparadas para todos — profissionais e amadores, crianças e adultos. O objectivo é esquecer durante uns instantes (o suficiente para um trambolhão ou uma pirueta) a azáfama dos presentes de Natal e a confusão das lojas. O programa é, aliás, muito simples: passar uma tarde diferente de patins calçados e tentar não cair nos primeiros minutos. Por isso junte os amigos ou a família (quem sabe não tem em casa um patinador artístico escondido) e aventure-se nestas pistas de gelo em Lisboa que lhe sugerimos. Recomendado: Os melhores mercados de Natal para visitar em Lisboa

O Natal está na rua: encante os miúdos e desencante grandes presentes
Coisas para fazer O Natal está na rua: encante os miúdos e desencante grandes presentes

Um mercado aqui, outro acolá, luzinhas que tremem, que lindo que está. Mal entra Dezembro, as luzes iluminam as cidades, o artesanato dos mercados substitui o azáfama dos centros comerciais e há pistas de gelo, carrosséis e rodas gigantes a competirem pela melhor atracção da festa. O MEO deu uma mãozinha a tornar alguns destes mercados e festivais ainda mais especiais, sobretudo para os miúdos, que se pelam por um bom parque de diversões natalício. Uma aldeia do Natal? Há. No meio da cidade? Sim, claro. E no meio da serra? Também. Tudo isto com workshops, concertos, jogos tradicionais, pinturas, comida e até cartas ao Pai Natal. Lisboa, Sintra e Santa Maria da Feira são as paragens deste pequeno roteiro de mercados e festivais que o ajudam a entrar no espírito e oferecem muito espaço para brincar. Até porque, afinal, o Natal é das crianças (mesmo que sejam aquelas que ainda restam dentro de nós).  Recomendado:  Temos a prenda ideal para toda a família neste Natal Os melhores mercados de Natal em Lisboa

Conteúdo patrocinado

Mais
Coisas para fazer sozinho em Lisboa
Coisas para fazer Coisas para fazer sozinho em Lisboa

Há muitos motivos para celebrar a cidade de forma ímpar sem nunca se sentir sozinho: vale tudo menos dar de comer aos pombos (a sério, não o faça, é deprimente). Pode antes jogar golfe, pedalar junto ao rio, relaxar num spa, enfardar uma sobremesa inteira, beber uns copos ou ir passear o cão (sim, não estará sozinho, mas também não terá de se preocupar em fazer conversa e, na pior das hipóteses, corre atrás do bicho que entretanto já não quer voltar para casa). Vá, dispa lá o pijama, saia de casa e aproveite para passar tempo de qualidade com a pessoa mais importante da sua vida: você. Recomendado: Escapadinhas para aprender coisas novas

Oito startups de Lisboa que inspiram a cidade inovadora
Coisas para fazer Oito startups de Lisboa que inspiram a cidade inovadora

Lisboa está na moda e a culpa é dos lisboetas. E não estamos a falar de turistas nem de pastéis de Belém nevados de açúcar e canela. É de inovação, criatividade, empreendedorismo, risco e ambição. Há dez anos, os lisboetas foram chamados a votar no orçamento participativo da cidade e, entre 200 projectos, deram prioridade a uma dúzia deles. Um dos quais era uma incubadora de empresas. É essa a génese da Startup Lisboa, que abriu portas em 2012 e se tornou rapidamente no principal estímulo à criação de empresas de tecnologia, comércio e turismo. O antigo secretário de Estado da Indústria João Vasconcelos – que morreu em Março, aos 43 anos – foi o seu primeiro director e o grande impulsionador de um ecossistema que tem florescido e está a transformar a cidade. A Web Summit é apenas a face mais visível da Lisboa inovadora. A notoriedade da feira de tecnologia – a maior do mundo – parece esgotar-se naqueles atarefados quatro dias em que mais de mil convidados entusiasmam toda a gente com vislumbres fenomenais do futuro. Este ano, a Web Summit decorre de 4 a 7 de Novembro entre a Altice Arena e a vizinha FIL (que vai duplicar de tamanho até 2022, precisamente devido ao acordo para dez anos com a organização liderada por Paddy Cosgrave). Mas, quando tudo acaba, a cidade continua a carburar – com empreendedores nacionais e estrangeiros a gerir operações que começam por parecer uma excentricidade geek e acabam a facturar milhões, captando investimento de multinacionais e com cliente

Neste Natal, deixe os miúdos entregues aos heróis
Filmes Neste Natal, deixe os miúdos entregues aos heróis

Este ano, as férias de Natal são ainda maiores - uma óptima notícia para as crianças, não necessariamente para o resto de nós. São quase 20 dias longe da escola, é muito tempo que entreter. Para dar uma ajuda, o MEO lançou o canal “Heróis da Galáxia”, na posição 49 da sua grelha, onde reuniu uma colecção de grandes heróis do universo Disney Channel. O canal funciona durante todo o mês de Dezembro e é gratuito para todos os clientes MEO ADSL e Fibra (com MEOBox), Satélite e MEO Go (tablet, smartphone e PC). Para que entenda a razão porque estes heróis os vão prender ao ecrã e continuar a invadir mochilas e festas de anos, fazemos-lhe uma apresentação das melhores séries de animação que vão fazer companhia aos miúdos nestas férias. Tudo em linguagem simples que até um adulto consiga entender. No final, o mais certo é que queira juntar-se a eles no sofá.

Conteúdo patrocinado

Mais
20 espaços de cowork em Lisboa para trabalhar em comunidade
Coisas para fazer 20 espaços de cowork em Lisboa para trabalhar em comunidade

A vontade de trabalhar por conta própria, a precarização das condições de trabalho, a possibilidade de trabalhar remotamente. Há razões de sobra para que nos últimos anos tenham nascido coworks em palácios, mercados, casas de família, bibliotecas ou armazéns abandonados em Lisboa. Muitos deles dão especial atenção à indústria criativa e startups, mas qualquer um pode apresentar o seu negócio e ter um local de trabalho que não implique esvaziar a carteira para alugar um espaço. Nestes espaços, pessoas e empresas podem partilhar conhecimentos para que as suas ideias ganhem forma, sendo que o objectivo maior dos coworks é criar uma espécie de comunidade de partilha e ajuda mútua. Siga as nossas sugestões de alguns dos espaços de cowork em Lisboa que se podem adaptar ao seu trabalho. Recomendado: Os melhores cafés para trabalhar em Lisboa

Os sítios mais assustadores em Lisboa
Coisas para fazer Os sítios mais assustadores em Lisboa

Lisboa é linda e tem espaços que fazem figura, sejam restaurantes, bares ou lojas. Mas esta lista contém cenas susceptíveis de impressionar os leitores mais sensíveis. A culpa é de máscaras de cera que reproduzem doenças dermatológicas, de uma cabeça preservada em formol, de um imponente jazigo com 140 restos mortais, de algumas múmias que descansam num museu, das celas disciplinares usadas pela PIDE ou até de um escape room inspirado no filme Saw. Se quiser desafiar a coragem ou o medo, descubra alguns dos sítios mais assustadores em Lisboa. Recomendado: Os 100 melhores filmes de terror de sempre

icon-chevron-right
icon-chevron-right

Compras

Conheça estas lojas em segunda mão
Compras Conheça estas lojas em segunda mão

Nunca se falou tanto em sustentabilidade como agora – não pela falta de aviso, mas pela urgência da situação e na mudança de hábitos que nos dizem respeito e que só nós podemos mudar. Comprar em segunda mão ou apostar nas peças vintage não é só sinal de moda, é mais que isso – é reflexo de um comportamento mais sustentável. Não comprar, constantemente, roupa nova (ainda que pareça uma boa ideia) ajuda a que não contribua para a produção têxtil massificada e, por sua vez, para menos poluição – sim, fique com o fun fact de que a indústria da moda é das mais poluentes do mundo. Recheie o armário nestas lojas em segunda mão em Lisboa, e quando fizer limpeza do armário, lembre-se que nem tudo é lixo e pode canalizar a sua imaginação para o upcycling, a chamada reutilização criativa que transforma peças ou produtos que já não usa ou em fim de vida em novos materiais. Recomendado: As novas lojas em Lisboa que tem mesmo de conhecer

As melhores lojas da Avenida da Liberdade
Compras As melhores lojas da Avenida da Liberdade

O encanto da 10.ª rua mais luxuosa do mundo está nas lojas que enchem as belíssimas montras de peças de roupa, sapatos, jóias e relógios com preços com mais de quatro dígitos. Junte-se aos turistas mais ricos para ver as modas, cumprimentar o segurança à porta e estoirar o ordenado sem culpas, se por acaso é isso que lhe apetece fazer. Mas saiba que entre as melhores lojas da Avenida da Liberdade também se encontram espaços acessíveis e até algumas pechinchas. Não acredita? As provas estão aqui mais a baixo. Recomendado: Os melhores sítios para fazer compras na cidade

Os melhores mercados em Lisboa este fim-de-semana
Coisas para fazer Os melhores mercados em Lisboa este fim-de-semana

Mercados em Lisboa há muitos e nós dizemos-lhe aqueles que não pode perder. Roupa, calçado, acessórios, livros e decoração. Pode contar com cada uma destas coisas nos mercados deste fim-de-semana, incluindo opções para consumir de forma ambientalmente responsável. É só organizar a agenda e começar a rechear o armário com a colecção para a próxima estação. Pode até comprar peças de decoração para a casa (vai certamente encontrar coisas fora da caixa). Afinal, ir ao mercado é sempre uma óptima desculpa para pôr o pé na rua e aproveitar a cidade.  Recomendado: Fim-de-semana perfeito em Lisboa

As melhores lojas para homem em Lisboa
Compras As melhores lojas para homem em Lisboa

Da alfaiataria ao streetwear, as lojas de roupa e acessórios exclusivamente dedicadas ao universo masculino estão a crescer a olhos vistos. Com a vaidade aumenta a exigência, por isso neste roteiro pelas melhores lojas para homem em Lisboa também vai encontrar algumas das mais bonitas, além daquelas famosas concept stores onde apetece perder a cabeça e comprar tudo.  Do fato por medida aos ténis de edição especial, passando pelas marcas atentas à sustentabilidade, os senhores também têm direito a um universo de compras só para eles para poderem encher o armário à vontade. Recomendado: Os melhores sítios para fazer compras em Lisboa

As lojas e marcas sustentáveis em Lisboa que tem de conhecer
Compras As lojas e marcas sustentáveis em Lisboa que tem de conhecer

Hoje em dia, estar atento à pegada ecológica e tornar-se consciente das suas escolhas enquanto consumidor já se tornou habitual – comprar sustentável deixou de ser um bicho de sete cabeças e, para alguns, é já um estilo de vida. Também por isso Lisboa tem cada vez mais espaços e marcas que promovem este modo de vida. Reunimos marcas sustentáveis que tem de conhecer, desde a cosmética ao calçado passando pelo vestuário feminino, masculino ou infantil, sem esquecer os sapatos ou até mesmo roupa de banho e decoração para a casa. Olhe com atenção para estas estas marcas amigas do ambiente se quiser encher o armário a pensar num consumo sustentável.  Recomendado: As melhores lojas e mercados biológicos em Lisboa

As melhores lojas de decoração em Lisboa
Compras As melhores lojas de decoração em Lisboa

Lisboa tem algumas das melhores lojas de decoração mesmo à mão de semear. Dos candeeiros às cadeiras, do vintage às linhas mais contemporâneas, as novas tendências já espreitam e se a missão dos próximos tempos é mesmo redecorar então prepare-se para abrir os cordões à bolsa. Nestas lojas há universos próprios, estilos para todos os gostos, porque de quando a quando é mesmo preciso dar um novo ar à nossa casa – acredite que a decoração pode fazer toda a diferença. Estas lojas são paragens obrigatórias para quem se quer armar em especialista.  Recomendado: As melhores concept stores em Lisboa

As novas lojas em Lisboa que tem mesmo de conhecer
Compras As novas lojas em Lisboa que tem mesmo de conhecer

Reunimos as melhores lojas que abriram nos últimos meses para que não perca o fio à meada na hora de renovar a artilharia toda lá de casa, dos moveis às plantas. Há lojas em grandes palácios e outras que vão buscar inspiração ao outro lado do mundo ou a outras épocas. Mesmo para aqueles que se preocupam com a sustentabilidade há lojas à espera da visita. Ou mesmo aquelas loiças para a casa que nunca parecem ser suficientes. As lojas abriram e nós registámos. Agora é só abrir os cordões à bolsa e decidir que caminho vai tomar. Recomendado: Os melhores sítios para fazer compras em Lisboa

Vinhos de Lisboa: uma região para descobrir (até pelos lisboetas)
Compras Vinhos de Lisboa: uma região para descobrir (até pelos lisboetas)

De todas as razões que fazem de Lisboa um destino obrigatório, há uma menos óbvia que permanece desconhecida dos turistas e, em boa verdade, até da maioria dos lisboetas. A saber: que Lisboa é também uma região vitivinícola que produz grandes vinhos, com muito carácter, em cada vez maior quantidade e qualidade. A comprová-lo, Lisboa foi mesmo apontada pela imprensa internacional da especialidade como um dos melhores destinos vínicos de 2019. Com uma área de vinha de aproximadamente, 18 mil hectares, a região tem 9 Denominações de Origem Controlada (DOC): Alenquer, Arruda, Bucelas, Carcavelos, Colares, Encostas d’Aire, Lourinhã, Óbidos e Torres Vedras. Tem, também, a Indicação Geográfica Protegida (IGP) homónima, que se traduz no vinho Regional Lisboa. De todo este território nasce uma produção que é hoje exportada para mais de 80 países, sendo a região portuguesa que envia para o exterior a maior percentagem dos vinhos (não espumantes) que certifica. Tudo isto com uma qualidade geral que cresce a cada ano que passa. Para o ajudar a descobrir a região, damos-lhe dez sugestões de grandes vinhos que deve experimentar agora. No final, acrescentamos ainda mais um tesouro produzido neste território singular. Já conhece estes vinhos de Lisboa? Recomendado: Bons vinhos até 5 euros, quem quer?

As melhores concept stores em Lisboa
Compras As melhores concept stores em Lisboa

Não se assuste com o estrangeirismo, nós explicamos tudo direitinho. As concept stores são lojas com universos próprios, com espaço para moda, decoração, livros, acessórios e até comida. E ninguém se chateia, nem as marcas, nem os designers, nem os artistas, nem os donos das lojas – que só agradecem. Vivem todos em harmonia nestas lojas, como se fossem uma só (e são, na verdade) unidas por um conceito. Todos juntos, fazem destas magníficas a elite do roteiro de compras de Lisboa. Fique a conhecer as melhores concept stores em Lisboa. Recomendado: Vamos às compras? Estas são as melhores lojas no Chiado

Os melhores vinhos que provámos nos últimos tempos
Compras Os melhores vinhos que provámos nos últimos tempos

A escolha de uma garrafa de vinho para um almoço de família ou jantarada de amigos pode tornar-se um verdadeiro quebra-cabeças para os menos entendidos neste mundo, tal a imensidão de marcas e tipos de vinhos que encontramos à venda no mercado. Mariana Lopes, crítica de vinhos (@winemariana no Instagram), apresenta-nos todas as semanas tintos, brancos, verdes ou rosés novos ou antigos, desmistifica castas e explica notas. São poções mágicas e, como tal, cada uma serve um propósito. Aceite as dicas e escolha o vinho que vai levar para impressionar no próximo jantar. Estes foram os melhores vinhos que provámos nos últimos tempos Recomendado: Vinho a copo: os melhores bares de vinho em Lisboa 

icon-chevron-right
icon-chevron-right

Comer & Beber

Os melhores restaurantes indianos em Lisboa
Restaurantes Os melhores restaurantes indianos em Lisboa

Uma das primeiras referências dos portugueses no que respeita à cozinha étnica foram os restaurantes indianos. E não há como os contornar. Nos restaurantes desta lista não faltam chamuças, caris ou pães naan quentinhos. Cada um com as suas especialidades, um mais moderno e perito em fazer dosas (que são uns crepes gigantes); outros mais clássicos e prontos para darem aos comensais o que querem. E, no meio disto tudo, quase numa categoria à parte, um par de goeses que operam uns furos acima da competição, o Jesus é Goês e o Tentações de Goa. Benditos.  Não tenha medo e prepare as papilas gustativas para ver se aguentam esta viagem pelos melhores restaurantes indianos em Lisboa. Se tiver dúvidas, aqui também lhe dizemos como comer picante como um indiano. Recomendado: Os melhores restaurantes do mundo em Lisboa

Os melhores novos restaurantes em Lisboa
Restaurantes Os melhores novos restaurantes em Lisboa

A restauração floresce a grande velocidade na capital. Aliás, a nossa cidade tem uma diversidade cada vez maior no que à restauração diz respeito. E é mesmo caso para dizer: venham eles. Queremos toda a comida do mundo, chefs a abrir restaurantes de fine dining ou conceitos mais democráticos com caldinhos, muito peixe, japoneses a ensinarem-nos que esta gastronomia não é só peixe cru e sushi, boa comida portuguesa. Ou até comida que nos trata da alma e traz bom astral. Queremos ficar sentados no restaurante a conversar e apreciar as vistas ou pegar e levar para casa. Fizemos-lhe um guia com os melhores novos restaurantes em Lisboa abertos nos últimos meses. Não se sinta desactualizado e marque já mesa – é só escolher a gastronomia que mais lhe apetece hoje. Recomendado: Os melhores restaurantes em Lisboa

Os 10 restaurantes que marcaram a cidade na última década
Restaurantes Os 10 restaurantes que marcaram a cidade na última década

Os anos 2010-2020 foram a década de ouro da restauração lisboeta, a década em que descobrimos que havia mais do que sushi e chop suey e em que o fine dining se democratizou.  Nestes dez anos, venceu o petisco e a tasca moderna, a alta cozinha portuguesa e as comidas do mundo. Há hambúrgueres que merecem sempre um regresso, dumplings, comida de tacho e pratinhos para partilhar sem ficar com um ratinho no estômago. Nunca foi tão entusiasmante comer na cidade – e as 10 casas que aqui lhe apresentamos tiveram muito a ver com isso.  Recomendado: Os 165 melhores restaurantes em Lisboa

As 10 tendências que marcaram a década (e aquelas que não teremos saudades)
Restaurantes As 10 tendências que marcaram a década (e aquelas que não teremos saudades)

Há coisas que já estão de tal forma enraízadas nos nossos hábitos de consumo que já nem nos lembramos quando começaram. A verdade é que foi nesta década que começámos a ver chefs tatuados na cozinha, que começámos a partilhar pratos de comida e a petiscar em grupo, que nos lambuzámos com gelados artesanais italianos sem corantes ou conservantes e que prestámos mais atenção à cozinha asiática. Começámos a beber vinho a copo, deixando a febre do gin tónico para trás. E depois há as outras coisas que morreram e que queremos que fiquem bem enterradas – acabaram as trouxas de alheira e os cupcakes e a cozinha molecular já lá vai. Confira as 10 tendências que marcaram a década (e aquelas que não teremos saudades). Recomendado: Dez restaurantes que marcaram a década em Lisboa

Três sítios para comer xerém em Lisboa
Restaurantes Três sítios para comer xerém em Lisboa

A receita pode variar consoante a geografia mas nunca se altera de forma dramática, fazendo deste um prato consistente e cremoso. O xerém, ou xarém, habitualmente associado à região algarvia, mas que faz também parte do receituário cabo-verdiano e brasileiro, consiste numa papa de farinha de milho a que são depois acrescentados ingredientes como berbigão, carne de porco, camarão ou amêijoas. Em Lisboa, Alexandre Silva adoptou-o com berbigão no Fogo, onde é feito com caldo de berbigão e de peixe. No Frade, Carlos Afonso trouxe a receita de família e aperfeiçoou-a, juntando-lhe o berbigão e a carne de porco frita. Já na Taberna do Mar, Filipe Rodrigues e Hugo Gouveia apostaram na polenta e é servido com choco, berbigão e cebolo à carta. Escolha a mesa e prepare o palato porque nós damos-lhe os três sítios para comer xerém em Lisboa. Recomendado: Três sítios para comer cachupa

Bons vinhos até 5 euros, quem quer?
Coisas para fazer Bons vinhos até 5 euros, quem quer?

Vivemos num país afirmativamente vinhateiro, com cerca de 285 castas autóctones, ou seja, 285 uvas que nasceram neste pedaço de terra com apenas 218 km de largura e 561 de comprimento, e nas nossas ilhas. Uma área pequena, onde fizemos caber 14 regiões vitivinícolas, tal é a diversidade do clima e do solo português. O que não valorizamos, por vezes, é que também por isso nos chegam às mãos vinhos óptimos a preços bastante acessíveis, muitos à venda por menos de cinco euros nos super ou hipermercados. Resta saber quais, porque nem todos têm esta excelente relação qualidade/preço. Aqueles aqui apresentados têm várias coisas em comum: são todos boas escolhas, fáceis de encontrar, e prometem não desiludir, quer seja numa mesa de amigos ou num momento a dois (ou até mesmo para beber sozinho).

Os melhores restaurantes italianos em Lisboa
Restaurantes Os melhores restaurantes italianos em Lisboa

A viagem é longa. Do norte ao sul, de costa a costa, Roma, Nápoles, Milão, Génova, a gastronomia italiana em Lisboa chega de todos os pontos, mas para lhe chegar não precisa de aviões. E desengane-se quem pensa que Itália é só sinónimo de pizza. Pastas, risotos, polentas, ossobucos, lasanhas, tudo tem espaço nas cartas, sem esquecer as burratas, focaccias e os preceitos associados. A massa de fermentação lenta, pasta fresca, ou sobremesas como tiramisù e pannacotta. Nos últimos anos há cada vez mais – e melhores – espaços que nos trazem o melhor da cozinha do país em forma de bota e nós agradecemos. A lista abaixo dá-lhe alguns dos melhores sítios da cidade para treinar o sotaque italiano enquanto gesticula de prazer a cada garfada. São os melhores restaurantes italianos em Lisboa. Mamma Mia! Recomendado: As melhores pizzas em Lisboa

Os melhores sítios para lanchar em Lisboa
Restaurantes Os melhores sítios para lanchar em Lisboa

A meio da manhã ou a meio da tarde, há dias em que o ratinho no estômago precisa de ser consolado com mais do que uma bolacha de água e sal ou um papo-seco sem graça. E depois também há dias em que o melhor mesmo é tirar a tarde e se dedicar à nobre arte do chá das cinco e lanchar em sítios novos ou clássicos, fortes no açúcar ou no salgadinho. Aqui tem isso tudo: bons cafés para se deixar ficar (até pode estar a trabalhar lá sossegado), luminosos e espaçosos, e outros bem confortáveis para pôr a conversa em dia com amigos que já não vê desde o último lanche. Escolha um destes sítios para lanchar em Lisboa. Recomendado: Os melhores pequenos-almoços em Lisboa

Os melhores restaurantes no Parque das Nações
Restaurantes Os melhores restaurantes no Parque das Nações

A mesa é das desculpas mais sólidas para rumar a Oriente e aqui tem garantidas muitas viagens, da China a Itália, de Portugal ao Japão, de Angola ao Uruguai. O Parque das Nações está a crescer muito graças à quantidade de empresas que poisaram por ali – são assim os lisboetas que ganham com novos e espaçosos restaurantes a nascer no lugar a que já chamámos Expo. Bons velhos tempos. Actualize-se no nome da zona e na restauração, que está a ganhar moradas e qualidade a olhos vistos, e siga este roteiro dos melhores restaurantes no Parque das Nações. Recomendado: 16 coisas para fazer no Parque das Nações

Chá das cinco. Nestes hotéis pode lanchar como um rei
Hotéis Chá das cinco. Nestes hotéis pode lanchar como um rei

Aqui a banalidade não entra e luxo é a palavra de ordem. São lanches dignos de Marie Antoinette, com pratos de dois, três ou mais andares carregados com doces e salgados com apresentação cuidada e muita variedade. É provável até que perca o apetite para o jantar, mas vai valer a pena. Estes lanches, que pode e deve marcar para as cinco da tarde para cumprir o ritual, são servidos ora em imponentes palácios, ora em lounges de hotéis luxuosos mas modernos. Tem propostas very british ou lanches bem portugueses, alguns com dedo e dedicação de chef.  Recomendado: Os melhores sítios para lanchar em Lisboa

Restaurantes para comer cozido à portuguesa todos os dias
Restaurantes Restaurantes para comer cozido à portuguesa todos os dias

Um cozido à portuguesa por dia, não sabe o bem que lhe fazia – no frio do Inverno ou mesmo sob o calor abrasador do Verão, para os mais aficionados. Em Lisboa, não há dia marcado para se deliciar com este clássico da gastronomia nacional (ainda que uma larga maioria dos restaurantes de cozinha tradicional privilegie as quartas e quintas-feiras para o repasto). De tascas mais acolhedoras a restaurantes mais requintados, pode sentar-se à mesa e esperar por um prato que lhe vai encher a barriga e aquecer o coração. Aqui vão 17 restaurantes para comer cozido à portuguesa todos os dias, de segunda-feira a domingo. Guarde esta lista na porta do frigorífico.  Recomendado: A melhor comida de tacho em Lisboa

Cinco sítios para comer francesinhas em Lisboa
Restaurantes Cinco sítios para comer francesinhas em Lisboa

O tema é controverso e não faltam opiniões sobre boas francesinhas em Lisboa, mesmo que haja quem diga que só no Porto é que se come bem este monumento ao colesterol. Mas que as há, há. E bem boas. Já foi eleita umas das melhores sandes do muito, embora seja muito mais do que uma sandes, ora atente nos ingredientes básicos: bife, lombo assado, salsicha, linguiça, fiambre e queijo (muito queijo!). E depois há o molho – para muitos o segredo de uma francesinha está exactamente no molho. Com ou sem ovo, mas sempre em camadas, dizemos-lhe cinco sítios para comer francesinhas em Lisboa. Recomendado: A melhor comida de tacho em Lisboa

icon-chevron-right
icon-chevron-right

O melhor do Time Out Market

Time Out Market: o melhor dos próximos dias
Coisas para fazer Time Out Market: o melhor dos próximos dias

Em dez mil metros quadrados de Time Out Market há sempre muita coisa a acontecer. Muito mais do que comida e bebida.  Mas há mais: a Academia Time Out, por exemplo, vai estar animada nos próximos dias, com workshops e até um curso de cozinha. Claro está que pode apenas passear pelos corredores do mercado, que tem uma selecção dos melhores restaurantes da cidade, ou beber um cocktail no Time Out Bar. No final, se planear bem, ainda consegue apanhar um mercado, uma festa ou um concerto no Estúdio ou mesmo no food hall.  Dê uma espreitadela à programação do Mercado da Ribeira. Eis o melhor dos próximos dias no Time Out Market Recomendado: Fim-de-semana perfeito em Lisboa

Os restaurantes do Time Out Market Lisboa
Restaurantes Os restaurantes do Time Out Market Lisboa

Uma revista que se come. Consegue imaginar uma coisa assim? O Time Out Market Lisboa, no Cais do Sodré, é a revista Time Out Lisboa em 3D, para comer e beber em vez de folhear e ler. Para não se perder entre as páginas do Mercado da Ribeira – perdão! Os balcões e restaurantes – fazemos-lhe uma visita guiada pelo espaço que reúne o melhor da cidade debaixo do mesmo tecto. Há uma ala de chefs, muitos deles premiados com estrelas Michelin, e especialidades para todas as horas e todos os gostos, para todas as idades e até para todas as alergias e intolerâncias.  Recomendado: Time Out Market - o melhor dos próximos dias

Os workshops de cozinha da Academia Time Out a não perder em Novembro
Coisas para fazer Os workshops de cozinha da Academia Time Out a não perder em Novembro

Este mês, a escola de cozinha do Time Out Market recebe um dos chefs com restaurante na Ribeira para mais um workshop Chef do Mercado. No dia 7 de Novembro, Henrique Sá Pessoa conduz um curso onde os sabores da gastronomia portuguesa vão estar em destaque. As receitas que vai ensinar a cozinhar incluem o famoso leitão confitado a baixa temperatura e o ovo a 64 graus, com puré de trufa, espargos verdes e fatias de presunto. As viagens continuam pelas cozinhas da Grécia, Japão, China e Marrocos. Toca a vestir o avental. Recomendado: Coisas para fazer este mês em Lisboa

O melhor do Time Out Market para miúdos
Restaurantes O melhor do Time Out Market para miúdos

O melhor da cidade debaixo do mesmo tecto? Os miúdos vão lá querer perder uma coisa destas. O Time Out Market, no Cais do Sodré, está preparado para todas as famílias, incluindo as que têm elementos esquisitinhos na hora de comer. Até porque a experiência neste espaço com dez mil metros quadrados não se resume aos comes e bebes: há uma escola de cozinha onde os pequenos chefs podem apurar os seus dotes culinários e uma loja d'A Vida Portuguesa onde vale a pena descobrir brinquedos de outros tempos. Fique ainda atento à agenda do Mercado da Ribeira, onde também vão surgindo espectáculos infantis. Recomendado: Os pratos mais lisboetas do Time Out Market  

Três receitas do Time Out Market Lisboa
Restaurantes Três receitas do Time Out Market Lisboa

Dentro do Time Out Market há uma escola de cozinha para aprender pratos de várias gastronomias – pode ir consultando a agenda aqui – mas se ficou com a pulga atrás da orelha quando foi comer a um dos restaurantes do food court e até dá dá um pezinho na cozinha lá de casa, descubra aqui três receitas fáceis (relativamente, vá) de fazer em casa. Pode começar pelos croquetes de queijo de cabra e cebola caramelizada da Croqueteria, para uma entrada salgadinha, seguir para o bife tártaro asiático da Tartar-ia, bem fresco, e acabar com um dos pregos clássicos do Prego da Peixaria. Siga as receitas passo a passo nestes vídeos. Recomendado: Os pratos mais lisboetas do Time Out Market

icon-chevron-right
icon-chevron-right

Bilheteira Time Out

The W Experience
icon-location-pin Alcântara
The W Experience

Lisboa prepara-se para receber a primeira edição de The W Experience, um evento para noivos e profissionais, onde poderá encontrar tudo o que precisa para a organização de um casamento personalizado, criativo e exclusivo. Entre os dias 14 e 16 de Fevereiro, na LX Factory, terá a oportunidade de explorar meia centena de expositores com as últimas tendências em áreas como wedding planning, design floral, iluminação decorativa e fotografia. O evento contará ainda com conferências, palestras, actuações e até workshops.

Shrek: O musical
icon-location-pin Cascais
Shrek: O musical

Era uma vez um pântano distante, onde vivia um ogre chamado Shrek. De repente, o seu sossego é interrompido pela invasão de personagens de contos de fadas que foram banidos do seu reino pelo maldoso Lorde Farquaad. Determinado a salvar o lar das pobres criaturas, e também o dele, Shrek faz um acordo com Farquaad e parte para resgatar a princesa Fiona. Mas resgatar a princesa pode não ser nada comparado com seu segredo profundo e sombrio. Com encenação de Henrique Feist, este musical é uma estreia absoluta em Portugal.

Combat Kitchen: A competição culinária
icon-location-pin Cais do Sodré
Combat Kitchen: A competição culinária

Se trata os tachos por tu e acha que tem os melhores pratos lá do bairro, está na altura de se por à prova. Em Janeiro, a Academia Time Out lançar a maior competição culinária para cozinheiros amadores de sempre. Uma caixa surpresa e um prato a concurso é tudo o que tem de fazer para se elevar ao olimpo dos vencedores. Traga um ajudante, a sua criatividade e paixão, nós tratamos do resto. O Combate na Cozinha é liderado pelo Rodrigo Meneses, que tem a seu cargo a escolha do melhor prato e que vai ajudar todos os participantes a fazerem a sua melhor receita de sempre. O vencedor ganha o cobiçado trofeu da Academia Time Out. 60€ para 2 pessoas (inclui jantar). Duração: 2h.

Festival Termómetro
icon-location-pin Marvila
Festival Termómetro

Fernando Alvim anda a tirar a temperatura à música portuguesa (e não só) há 25 anos. Os concorrentes da final de mais um Termómetro são Bia Maria, Flor, Foggy, Rope Walkers e SOHO SOHO. Os First Breath After Coma (na foto) são a banda convidada.

Cozinhas do Mundo: Indonésia - Nasi Goreng
icon-location-pin Cais do Sodré
Cozinhas do Mundo: Indonésia - Nasi Goreng

Todos os meses, o chef Miguel Mesquita conduz as viagens gastronómicas da Academia Time Out por diferentes cozinhas do mundo. Em Janeiro, a Academia Time Out recebe os sabores da Indonésia através de um dos seus pratos mais icónico, o Nasi Goreng. Venha aprender e descobrir os segredos e técnicas deste prato indonésio, mas também aprender a fazer um Chicken Satay. 35€ (inclui workshop, jantar e bebidas). Duração: 2h. A parter dos 16 anos.

Maxime Cabaret Show
icon-location-pin Avenida da Liberdade/Príncipe Real
Maxime Cabaret Show

A vida é um cabaret. Pelo menos dentro do Maxime. Mas este espectáculo imersivo é especial: uma viagem deslumbrante pelo mundo do cabaret, burlesco e circo, acompanhada por um jantar de quatro surpreendentes pratos. A cada semana um espectáculo diferente com artistas residentes e convidados, entre os mais notáveis a nível nacional e internacional, que colocam o Maxime Restaurante-Bar no roteiro mundial de artistas de cabaret, numa gloriosa ode ao espírito de Vaudeville. No São Valentim e no dia seguinte, 14 e 15 de Fevereiro, há um menu único e exclusivo e show a condizer.

Rodrigo Leão
icon-location-pin Belém
Rodrigo Leão

Rodrigo Leão volta a pisar o Grande Auditório do Centro Cultural de Belém a 27 de Fevereiro. O compositor português, que comemorou em 2018 os 25 anos de carreira a solo, continua a mostrar as canções do futuro álbum em que está a trabalhar.

Disney On Ice - 100 Anos de Magia
icon-location-pin Parque das Nações
Disney On Ice - 100 Anos de Magia

Um século é muito tempo, e merece uma celebração à altura. Cinquenta convidados de luxo calçam os patins para fazer a festa em Lisboa: do clássico Mickey às mais populares princesas da Disney, todos prometem revisitar sobre a pista de gelo canções inesquecíveis como “Hakuna Matata”, d’O Rei Leão, ou “Já Passou”, de Frozen – O Reino do Gelo.

Bon Iver
icon-location-pin Parque das Nações
Bon Iver

A banda que se confunde com o cantautor Justin Vernon começou por explorar terrenos indie-folk, em For Emma, Forever Ago (2007) e Bon Iver, Bon Iver (2011). Até que, em 22, A Million (2016), as guitarras foram suplantadas por teclados, sintetizadores e uma parafernália de samples e efeitos. O mais recente disco, i,i, combina essas experiências com a abordagem mais clássica dos primeiros tempos.

Nick Cave & The Bad Seeds
icon-location-pin Parque das Nações
Nick Cave & The Bad Seeds

Tinha concerto marcado para o Campo Pequeno, mas o local foi mudado e a data antecipada. É em Lisboa que arranca a digressão de apresentação de Ghosteen, o 17.º álbum de estúdio da banda, o primeiro gravado de raiz após a morte trágica do filho, em 2015, quando caiu de um penhasco em Brighton. Sem surpresas, Ghosteen é duro e bonito, como se espera que sejam os concertos. Uma experiência para não esquecer.

icon-chevron-right
icon-chevron-right

O melhor de Lisboa, bairro a bairro

Parque das Nações
Coisas para fazer Parque das Nações

Esqueça o sentimento de culpa caso decida refastelar-se numa das mesas que se seguem. É que depois do repasto não faltam quilómetros e mais quilómetros de áreas verdes para fazer a digestão a preceito. Para os mais atléticos, aconselhamos a saltar cedinho da cama ou a aproveitar o melhor da vista ao cair do dia. Em plena zona oriental da cidade, o Parque das Nações é um convite descarado à boa vida, com opções gastronómicas, culturais, desportivas e de lazer. Aproveite o melhor de um bairro que é para toda a família.   Recomendado: As melhores coisas para fazer à beira rio

Alvalade
Coisas para fazer Alvalade

Alvalade é um bairro a ter em conta sempre que falamos do melhor da cidade. 

Santos e Madragoa
Santos e Madragoa

Um jardim pronto, cafés da moda, gelados a chamar pelo Verão, restaurantes imperdíveis e muito mais. Venha daí por Santos e Madragoa.

Chiado
Chiado

Corremos o bairro de uma ponta à outra e reunimos o melhor do Chiado nesta lista. Lojas, restaurantes, hotéis. Estas são as melhores coisas para fazer no Chiado.

Avenida de Roma
Avenida de Roma

Dez sítios que fazem da Avenida de Roma um dos melhores bairros para viver em Lisboa.

Baixa
Baixa

Finte as armadilhas para turistas e descubra pérolas históricas e um fresquíssimo hype traçado a régua e esquadro que quer devolver a Baixa aos lisboetas.

Lx Factory
Lx Factory

Peças de decoração, oficinas criativas, jogos com temática burlesca, vista para o Tejo, noites encantadas e muito mais. Explore esta cidade dentro da cidade com as nossas sugestões de coisas para fazer na Lx Factory.

Príncipe Real
Príncipe Real

Por muito que se conheça e palmilhe o bairro, há sempre qualquer coisa para descobrir.

Alcântara
Alcântara

Se passa por lá sempre que ruma ao ocidente da cidade, desta vez pare e descubra o melhor de Alcântara.

Graça
Graça

Dos restaurantes aos bares, este bairro tem um encanto especial. Descubra o melhor da Graça

icon-chevron-right
icon-chevron-right

Não perca, já nas bancas

A Time Out desta semana
Coisas para fazer A Time Out desta semana

Beber até cair. Calçar saltos altos. Encontrar os amigos. Ver e ser visto. Sacudir o pó dos ossos. Brindar. Dançar agarradinho, como se fosse um preliminar. Não dormir a sesta de domingo à tarde. Queimar calorias. Apanhar ar. Experimentar novos cocktails. Pôr a conversa em dia. Vestir outra pele. Ouvir música. Conhecer pessoas novas. Espairecer depois de uma semana difícil de trabalho. Virar um shot. Passaram anos desde a última vez que saímos à noite – perdão, desde que dedicámos um tema de capa à noite em Lisboa – mas qualquer desculpa vale para explorar a cidade depois de o sol se pôr. A movida nunca esteve tão animada e se a luz de Lisboa é um dos clichés favoritos dos guias para turistas, parece que o escurinho não lhe fica atrás, com a cidade a ganhar fama além-fronteiras como grande metrópole de borga. Esta semana saímos à noite e chegámos a casa com o sol já bem alto – tudo para fazer um guia completo dos melhores copos e pistas da cidade. Entre um shot e um passinho de dança, ainda ficámos a saber as histórias e peripécias de oito lisboetas que escolheram a noite como forma de vida. Não perca ainda as nossas ofertas 2 por 1. 

Edição Especial Time Out Lisboa: Best Of 2019
Coisas para fazer Edição Especial Time Out Lisboa: Best Of 2019

Melhor. É a palavra que mais se gasta nesta revista. Também pode ser servida como substantivo, advérbio ou interjeição, mas é como adjectivo que quase sempre a escolhemos usar. Porque melhor é a palavra que melhor ilustra uma escolha. E a Time Out é escolha. Procuramos, experimentamos, comparamos, escolhemos. Dia após dia na edição online, semana após semana nas bancas, ano após ano consigo, o que oferecemos é um olhar assumidamente selectivo sobre a cidade. Ora, esta publicação é também uma escolha. Esta é uma edição em que passamos o ano em revista com as reportagens que mais gozo nos deram a fazer, ler e editar ao longo de 2019 - memória selectiva, portanto - mas que nos dá uma ideia da cidade sob muitas perspectivas. Retratamos a Lisboa que já foi e aquela que ainda não é, a Lisboa que resta debaixo do chão e a que vive em cima do acontecimento, a cidade que se quer sustentável, que inova e se projecta no futuro, a cidade perdida que já só guardamos em imagens, que cultiva o vintage, que preserva tradições à mesa enquanto se abre cada vez mais às cozinhas do mundo. Neste como nos 12 anos anteriores, procurámos o melhor de Lisboa, dando o melhor de nós. Se com isso continuarmos a merecer a sua preferência, tanto melhor. PVP 5,90€. Já nas bancas.   Não perca ainda a edição semanal da Time Out Lisboa, todas as quartas-feiras nas bancas.

Time Out 2POR1 Deluxe 2020 - Conheça todas as ofertas
Restaurantes Time Out 2POR1 Deluxe 2020 - Conheça todas as ofertas

Vamos lá começar a despachar os presentes de Natal – ou começar já a cumprir aquela resolução para 2020 de sair mais cedo para conhecer novos restaurantes. A metade do preço. Este ano temos três caixas Time Out 2POR1 Deluxe e pode comprar a sua aqui e nas lojas FNAC de todo o país. Mas vamos a apresentações, para começar já a estudar qual a melhor para si, para aquele familiar ou amigo foodie: temos a caixa 20 Grandes Restaurantes de Lisboa (69,90€), a 10 Novos Restaurantes (49,90€) e uma terceira com os 10 Melhores Brunches (39,90€).  O valor das caixas é exclusivamente para ter acesso às promoções. Saiba mais sobre cada uma das caixas Time Out 2POR1 Deluxe 2020 na lista que se segue.

2por1 Deluxe 2020 - 20 Grandes Restaurantes de Lisboa 2020
Restaurantes 2por1 Deluxe 2020 - 20 Grandes Restaurantes de Lisboa 2020

As caixas 2por1 Deluxe da Time Out estão de volta e melhores que nunca, com as melhores ofertas de restaurantes para 2020. Para si ou para oferecer de presente a alguém especial, são perfeitas para foodies, reis da pechincha, amigos do garfo e faca e de comer muito – e bem – e pagar pouco. Compre já a sua nas lojas FNAC e em timeout.byblueticket.  Na edição dos 20 Grandes Restaurantes de Lisboa, descubra 20 espaços para experimentar a metade do preço, numa refeição para duas pessoas. Toda a refeição está incluída no desconto – excepto as bebidas - o que significa que pode desfrutar de uma refeição a dois com tudo a que tem direito (entradas, pratos principais e sobremesas), e só pagar metade da conta. Na caixa dos 20 Grandes Restaurantes de Lisboa, com 20 refeições para duas pessoas com 50% de desconto, excluindo bebidas, encontra: o Cantinho do Aziz, o Café São Bento, Os Tibetanos, a Confraria Lx, o Monte Mar Lisboa, o The Old House, o Sumaya, o Ararate, o Crispy Mafya, o Afuri, o Jamie's Italian, o Izanagi, o Mano a Mano, o Avenida SushiCafé, o Arola, o The Green Affair, o The Decadente, o Água pela Barba, o Season e o Local – Your Healthy Kitchen. Com funciona?Dentro da caixa encontra 20 cartões, um para cada restaurante aderente. Para usufruir de uma das 20 ofertas, basta escolher o restaurante, efectuar a reserva – sem precisar de referir que irá utilizar o cartão – e desfrutar de uma refeição a dois. No final, basta apresentar o cartão no momento de pedir a conta. Ca

2por1 Deluxe 2020 - 10 Novos Restaurantes de Lisboa 2020
Restaurantes 2por1 Deluxe 2020 - 10 Novos Restaurantes de Lisboa 2020

As caixas 2por1 Deluxe da Time Out estão de volta e melhores que nunca, com as melhores ofertas de restaurantes para 2020. Para si ou para oferecer de presente a alguém especial, são perfeitas para foodies, reis da pechincha, amigos do garfo e faca e de comer muito – e bem – e pagar pouco. Compre já a sua nas lojas FNAC e em timeout.byblueticket.  Na edição dos 10 Novos Restaurantes de Lisboa, descubra 10 espaços para experimentar a metade do preço, numa refeição para duas pessoas. Toda a refeição está incluída no desconto – excepto as bebidas - o que significa que pode desfrutar de uma refeição a dois com tudo a que tem direito (entradas, pratos principais e sobremesas), e só pagar metade da conta. Esta caixa é dedicada a dez dos melhores restaurantes que abriram portas durante o último ano e tem opções que vão da gastronomia mexicana aos cortes de carne de alta qualidade. São refeições para duas pessoas com 50% de desconto, excluindo bebidas, no El Taco Chingón, no Capim Limão, no Degust'AR Lisboa, no Chutnify Bairro Azul, no Bistrô Bicho Mau, no Jamie Oliver’s Pizzeria, no Meat Me, no Big Fish Poké, na Taberna Albricoque e no Basque. Com funciona?Dentro da caixa encontra 10 cartões, um para cada restaurante aderente. Para usufruir de uma das 10 ofertas, basta escolher o restaurante, efectuar a reserva – sem precisar de referir que irá utilizar o cartão – e desfrutar de uma refeição a dois. No final, basta apresentar o cartão no momento de pedir a conta. Cada cartão apen

2por1 Deluxe 2020 - 10 Melhores Brunches de Lisboa 2020
Restaurantes 2por1 Deluxe 2020 - 10 Melhores Brunches de Lisboa 2020

As caixas 2por1 Deluxe da Time Out estão de volta e melhores que nunca, com as melhores ofertas de restaurantes para 2020. Para si ou para oferecer de presente a alguém especial, são perfeitas para foodies, reis da pechincha, amigos do garfo e faca e de comer muito – e bem – e pagar pouco. Compre já a sua nas lojas FNAC e em timeout.byblueticket.  Na edição dos 10 Melhores Brunches de Lisboa, descubra 10 espaços para experimentar a metade do preço, numa refeição para duas pessoas. Ideal para quem não dispensa um grande pequeno-almoço demorado ou uma verdadeira barrigada para começar o dia, estes brunches a metade do preço são nos restaurantes Ohana By Naz, DeliDelux, Naked, The Therapist, Cotidiano, Infame, Charlie Bistro, Miolo, Chérie Paloma e Dacquoise. Com funciona?Dentro da caixa encontra 10 cartões, um para cada restaurante aderente. Para usufruir de uma das 10 ofertas, basta escolher o restaurante, efectuar a reserva – sem precisar de referir que irá utilizar o cartão – e desfrutar de uma refeição a dois. No final, basta apresentar o cartão no momento de pedir a conta. Cada cartão apenas poderá ser utilizado uma vez. O valor das caixas é exclusivamente para ter acesso às promoções. Ao usufruir dos descontos ser-lhe-á imputado o valor de 50% da conta e o valor total das respectivas bebidas. No momento da reserva, não precisa de referir a promoção. Só tem de escolher o dia e preparar-se para uma refeição inesquecível. Conteúdo da caixa:10 cartões de desconto de 50%,

icon-chevron-right
icon-chevron-right

Cinema e televisão

Dez séries espanholas a não perder
Filmes Dez séries espanholas a não perder

Produzidas pela estatal TVE, pelas estações privadas do país vizinho ou então para a Netflix, as dez séries espanholas que escolhemos destacar nesta selecção marcaram as duas últimas décadas na televisão e na internet, tendo algumas delas sido exibidas em Portugal ou vistas em canais do cabo. Contemplam géneros tão variados como o policial, o fantástico, o drama de época ou a biografia histórica  Entre elas encontramos títulos tão variados como O Colégio da Lagoa Negra, Os Mistérios de Laura, Grande Hotel, Carlos V, Tiempos de Guerra e, inevitavelmente, esse colossal sucesso internacional que é La Casa de Papel. Recomendado: Itziar Ituño: "La Casa de Papel dá poder às pessoas"

Sete versões de Drácula no cinema e na televisão
Filmes Sete versões de Drácula no cinema e na televisão

O dinamarquês Claes Bang interpreta um conde Drácula entre o aterrorizador e o camp, na nova versão do clássico de Bram Stoker em exibição na Netflix. Aproveitando a deixa, recordamos outras interpretações anteriores da personagem do vampiro aristocrata, que vão do Drácula negro personificado por William Marshall nos anos 70, até às versões cómicas em que actores como David Niven, George Hamilton e Leslie Nielsen deram corpo a um vampiro mais dado às gargalhadas do que às mordidelas nos pescoços alheios. E não esquecemos, no registo de terror clássico, os papéis de Jack Palance, Louis Jourdan e Christopher Plummer. Recomendado: Os dez melhores filmes de vampiros

As estreias de cinema que não pode perder até ao final do ano
Filmes As estreias de cinema que não pode perder até ao final do ano

A conversar é que a gente se entende. A pensar nisso, damos-lhe uma dúzia de bons tópicos de conversa – em forma de estreias de cinema – para não ficar de fora das discussões cinematográficas. Logo a abrir Janeiro, por exemplo, vem Dark Waters, de Todd Haynes, com Mark Ruffalo que produz e interpreta neste filme baseado em factos reais. Mas há também Mulherzinhas, a adaptação ao cinema do clássico de Louisa May Alcott, Mulan, a nova versão do clássico da Disney, um novo 007, o regresso de Top Gun e até um remake de Steven Spielberg do musical West Side Story.  

The Outsider: terror e manipulação assinado por Stephen King
Notícias The Outsider: terror e manipulação assinado por Stephen King

Stephen King é o autor do livro policial e de terror The Outsider, que foi transformado numa série pela HBO, com estreia na segunda-feira.  Publicado em 2018, The Outsider é mais um livro de Stephen King a ser transformado numa série de televisão – neste caso, pela HBO –, com argumento da responsabilidade do consagrado escritor e argumentista Richard Price, que já assinou filmes como A Cor do Dinheiro, de Martin Scorsese, ou Passadores, de Spike Lee, e supervisão do próprio King. A história combina o policial e o sobrenatural e passa-se em Flint City, uma cidadezinha do Oklahoma. Ralph Anderson, um detective da polícia local, está a investigar o caso do assassínio do jovem Frank Peterson, de 11 anos, cujo corpo horrivelmente mutilado foi encontrado numa floresta. O caso é tanto mais penoso para o detective, porque está ainda de luto e a sofrer pela morte recente do seu próprio filho. Anderson acaba por prender, em público, durante um jogo de basebol, Terry Maitland, um popular professor e treinador da equipa de crianças de Flint City, provocando a indignação dos habitantes. O detective está totalmente certo de que Maitland é o culpado, já que tem testemunhas oculares e provas forenses concludentes. No entanto, Maitland nega ser o assassino e apresenta um álibi: estava numa conferência, numa vila vizinha, quando do crime. E não só várias pessoas o viram lá, como a conferência foi filmada na íntegra e Maitland aparece nas imagens. Tudo aponta para uma impossibilidad

As dez melhores séries de 2019
Filmes As dez melhores séries de 2019

Não param de aparecer plataformas de streaming no mercado e de o encher de séries dos mais variados géneros. Algumas delas são muito boas, mesmo brilhantes; outras são para esquecer, mas a média apresenta uma inquestionável qualidade. A Time Out fez a sua selecção das dez melhores séries de ficção vistas este ano, abrangendo produções que vão de maior realismo à fantasia e ao sobrenatural, passando pelo policial. Dela constam títulos como Watchmen, Chernobyl, Unbelievable, O Cristal Encantado: A Era da Resistência, Top Boy ou When They See Us e tanto têm origem nos EUA como na Europa. Recomendado: Os melhores filmes de 2019

Momentos de música em filmes que não são musicais
Filmes Momentos de música em filmes que não são musicais

O formato musical pode não ser, no cinema, algo que atinja consenso. E mesmo que seja possível chegar a acordo, a vontade nem sempre é de preencher o filme incessantemente com música. É certo que na sétima arte existem grandes clássicos musicais, com temas que hão-de perdurar na memória, mas esta é uma proposta diferente. A lista que se segue leva-nos a recortes cinematográficos incomuns, excertos, recados, pequenos pedaços de música que se deixam encaixar no meio da história sem que lhe definam a estética. São momentos íntimos ou intimistas, são actores e actrizes que, por uns quantos minutos, nos desprendem da trama principal e nos levam a outro território. Conheça alguns dos momentos de música em filmes que não são musicais. Recomendado: Cinquenta dos melhores filmes clássicos de sempre

Os musicais de Andrew Lloyd Webber que melhor chegaram ao cinema
Filmes Os musicais de Andrew Lloyd Webber que melhor chegaram ao cinema

Autor de alguns dos musicais mais aclamados, premiados e lucrativos das últimas décadas, quer no West End londrino, quer na Broadway novaiorquina, Andrew Lloyd Webber foi certa vez classificado por um dos seus pares como tendo "revolucionado praticamente sozinho" este formato artístico e o teatro musical. Esta semana estreia-se em Portugal Cats, realizado por Tom Hooper, adaptação ao cinema do musical que Lloyd Webber tirou do livro de poemas de T.S. Eliot Old Possum's Book of Pratical Cats e que é o seu mais estrondoso e longevo êxito. Eis os musicais de Andrew Lloyd Webber que melhor chegaram ao cinema. Recomendado: Os melhores filmes musicais deste século

Os melhores filmes de Adam Driver
Filmes Os melhores filmes de Adam Driver

Revelado em 2012 na série Girls, graças à qual teve três nomeações consecutivas para os Emmys, e tendo pouco depois sido escolhido para interpretar o papel de Kylo Ren em Star Wars: Episódio VII: A Força Desperta, Adam Driver não levou muito tempo a mostrar que é um dos actores mais interessantes da sua geração. Para o que têm igualmente contribuído os filmes que fez sobre a direcção do seu amigo Noah Baumbach, o último dos quais é Marriage Story, que pode ser visto na Netflix e poderá valer a Driver uma nomeação ao Óscar de Melhor Actor. Recomendado: Os melhores filmes de Scarlett Johansson

19 filmes originais Netflix que tem de ver
Filmes 19 filmes originais Netflix que tem de ver

Já lá vai o tempo em que a Netflix só nos fazia colar aos monitores e ecrãs pelas séries. Não que tenha deixado de o fazer, mas a gigante do stream apontou baterias a outras paragens e a aposta tem compensado. A mudança de paradigma no cinema, as burocracias dos estúdios e a insistência da rentabilidade nas bilheteiras sobre a história fizeram com que muitos projectos nunca vissem a luz do dia. É para esse campeonato que a Netflix tem olhado e tudo começou com Roma, o filme de Alfonso Cuarón que conquistou o Leão de Ouro em Veneza e conseguiu para o serviço de streaming um triunfo nas nomeações para os Óscares com 10 indicações – venceu nas categorias de Melhor Realizador, melhor Filme Estrangeiro e Melhor Fotografia. Seguir-se-iam outros recortes luxuosos como os mais recentes O Irlandês, de Martin Scorcese ou Marriage Story, de Noah Baumbach. Aventure-se neste zapping que lhe damos e não perca estes filmes originais Netflix.  Recomendado: Dez séries originais Netflix que não pode perder

Foodie Love: uma série afrodisíaca
Notícias Foodie Love: uma série afrodisíaca

Depois de ter recusado a realização de episódios de séries como Narcos ou Homeland, Isabel Coixet estreia-se na televisão com Foodie Love, um retrato dos tempos modernos. De restaurante em restaurante, de mesa em mesa, de balcão em balcão. Haverá melhor forma de conhecer um novo parceiro se não à volta da comida? Não só pela conversa que o tema pode garantir, como pelo prazer. Especialmente, pelo prazer. Há muito tempo que a realizadora espanhola Isabel Coixet (A Vida Secreta das Palavras e A Minha Vida sem Mim) tinha uma história para contar em televisão. A HBO deu-lhe a oportunidade e nasceu Foodie Love, uma série de oito episódios de meia hora cada sobre um casal que se conhece através de uma aplicação de encontros para foodies. Em cada encontro, há uma aventura gastronómica, de restaurantes finos a tascas e gelatarias – e muito desejo. Em Espanha, onde já se estreou, Foodie Love tem dado que falar, valendo vários elogios a Coixet. Multiplicam-se também os roteiros gastronómicos pelos sítios da série, quase toda passada em Barcelona, mostrando que a realizadora fez um tiro certeiro. Poucos serão aqueles que não se identificarão aqui ou ali com o encontro deste casal, interpretado por Laia Costa e Guillermo Pfening. Os sítios da moda, o café artesanal, a alta gastronomia e as tascas, ou as fotografias para alimentar as redes, são a desculpa para espelhar uma guerra dos sexos com muita tesão à mistura. Não por acaso, Coixet disse ao site espanhol Serielizados que es

icon-chevron-right
icon-chevron-right

Arte e Cultura

Cinco exposições em Lisboa a não perder nos próximos meses
Arte Cinco exposições em Lisboa a não perder nos próximos meses

A agenda de exposições em Lisboa vai de vento em popa. E há cinco, pelo menos, que não pode perder ao longo de 2020, a começar pela primeira mostra individual de Gabriel Abrantes num museu português, passando por uma exposição interactiva dedicada a Vincent Van Gogh ou uma exibição de fotografias de viagens e espaços urbanos do austríaco Andreas Bitesnich, e terminando nos objectos e arte antiga de "Guerreiros e Mártires. A Cristandade e o Islão na formação de Portugal". Tome nota destas exposições em Lisboa que vale a pena ver. Recomendado: Exposições em Lisboa para visitar este fim-de-semana

As peças de teatro que tem de ver nos próximos meses
Teatro As peças de teatro que tem de ver nos próximos meses

O novo ano traz consigo motivos para esfregarmos as mãos de alegria, pelo menos no que às artes cénicas diz respeito. Nas próximas linhas dizemos quais as peças de teatro que tem de ver nos próximos meses, para se ir organizando e depois não utilizar a falta de tempo como desculpa para falhar ao chamamento dos palcos. Do Teatro Nacional D. Maria II à Culturgest, passando pelo TBA, são sete as casas de teatro (e dança) em cujas cadeiras se vai querer sentar. Espreite esta lista, aponte o que mais lhe entusiasma, e que venha de lá esse teatro.  Recomendado: As peças de teatro em Lisboa a não perder

Os melhores eventos em Lisboa em Janeiro
Coisas para fazer Os melhores eventos em Lisboa em Janeiro

O mês de Dezembro é sempre de excessos e em Janeiro não precisa de abrandar. O melhor até é juntar o útil ao agradável e gastar as calorias recém-adquiridas num workshop ou num passeio de fim-de-semana com a família. A premissa é preencher os seus dias com eventos para todas as horas e tirar o máximo da vida na cidade, para não dar por si a fazer planos em cima do joelho. Se estiver motivado, comece a tratar das resoluções de ano novo: fazer um curso, ir mais vezes ao teatro, não perder aquela exposição, experimentar um novo restaurante. Estes são os melhores eventos em Lisboa em Janeiro. Recomendado: As melhores agendas para planear o próximo ano

MAAT só reabre no final de Março, após estragos provocados pelo mau tempo
Notícias MAAT só reabre no final de Março, após estragos provocados pelo mau tempo

“Condições climatéricas extremas” fizeram ceder parte do tecto do museu, na noite de quinta-feira. Obras de manutenção que estavam previstas para Fevereiro serão, por isso, antecipadas. Serão três meses o tempo que o MAAT permanecerá encerrado, depois de a chuva intensa e os fortes ventos provocado pela depressão Elsa terem destruído parcialmente, ao início da noite desta quinta-feira, o tecto do edifício em Belém. “O encerramento do museu é motivado por obras que visam repor a parte do tecto que cedeu devido às condições atmosféricas extremas”, segundo um breve comunicado publicado nesta sexta-feira. A data prevista para a reabertura da estrutura da Fundação EDP é 27 de Março. “Estava já previsto que o MAAT fecharia entre Fevereiro e Março para obras de manutenção e melhoria que são assim antecipadas”, informa a mesma nota, partilhada no Facebook. “As obras previstas visam adaptar o espaço do museu à nova programação de 2020 e 2021.” O MAAT tinha patentes oito exposições, além de visitas guiadas e um leque de actividades programadas para a quadra natalícia. A vizinha Central Tejo, que funciona em articulação com o museu, continuará aberta com o horário habitual (de quarta a segunda-feira, entre as 11.00 e as 19.00) e três exposições para ver – “Economia de Meios”, da Trienal de Arquitectura de Lisboa; “Dreamers Never Learn”, de Vasco Barata; e “AWDIˈTƆRJU”, de Pedro Tudela (além do habitual Circuito Central Eléctrica). O Museu de Arte, Arquitectura e Tecnologia foi inaug

Exposições em Lisboa para visitar este fim-de-semana
Arte Exposições em Lisboa para visitar este fim-de-semana

Acha que não se passa nada em Lisboa este fim-de-semana? Temos mais de duas mãos cheias de exposições para provar que está bem enganado. Queremos ajudar a tornar os próximos dias mais culturais, sozinho ou com a família toda atrelada (sim, há muitas exposições kids friendly). Com tantos museus e galerias na cidade, é impossível não ter o que ver. Não queremos que se perca e por isso dizemos-lhe quais as exposições a que deve prestar atenção em Lisboa. Não há desculpas para não sair de casa. Recomendado: Guia para não pagar entrada nos museus em Lisboa

Museus interactivos em Lisboa e arredores para visitas divertidas
Museus Museus interactivos em Lisboa e arredores para visitas divertidas

Nem todos são grandes fãs de percorrer um museu que apresente a sua colecção apenas com a ajuda de pequenas legendas ou escritos nas paredes que enquadram o percurso. Ir a um museu não tem de ser uma seca e há cada vez mais espaço para a interactividade no desenho museológico nacional. Não substituem a riqueza analógica de um Museu Nacional de Arte Antiga ou de uma Fundação Calouste Gulbenkian, mas piscam o olho à modernidade e ao crescente hábito de metermos a mão em tudo o que é ecrã-táctil. A realidade virtual está também cada vez mais presente nos museus de Lisboa, Sintra ou Cascais e estas são as nossas sugestões para as melhores visitas interactivas da região. Recomendado: Museus para crianças em Lisboa? São mais que as mães e bem divertidos

Conheça estes museus grátis em Lisboa e arredores
Museus Conheça estes museus grátis em Lisboa e arredores

Não é ao domingo de manhã, sábado à tarde ou segunda de madrugada. Estes museus são de entrada gratuita sempre que a porta está aberta ao público. E a busca pela descoberta de um museu gratuito também pode significar a descoberta de um museu que nem sempre está na ribalta. Fomos à procura dos museus grátis em Lisboa e concelhos vizinhos e descobrimos algumas pérolas museológicas. Da sala de operações do Movimento das Forças Armadas ao museu que respira dinheiro, há muito para aprender sem gastar um tostão. Aventure-se também nestes museus grátis em Lisboa e arredores. Recomendado: Museus em Lisboa: as obras de arte que tem mesmo de ver

Estas exposições gratuitas em Lisboa valem a visita
Arte Estas exposições gratuitas em Lisboa valem a visita

Preza a arte mas custa-lhe dar dinheiro por ela? Aliás, custa-lhe dar dinheiro para a poder ver? Uma entrada num museu ou numa galeria sai-lhe quase sempre dos bolsos, mas ainda há exposições gratuitas em Lisboa para quem anda sempre à procura de uma borla. Das duas uma: ou aproveita aqueles dias em que os museus promovem entradas gratuitas ou segue estas nossas sugestões de exposições onde não pagará nem um cêntimo para apreciar uma obra de arte – o mais provável é acabar o dia a descobrir novos artistas.  Recomendado: Conheça estes museus grátis em Lisboa e arredores

‘O Fantasma da Ópera’ não vai ser o espectáculo de que está à espera
Notícias ‘O Fantasma da Ópera’ não vai ser o espectáculo de que está à espera

Le Fantôme de l'Opéra, de Gaston Leroux, é um romance gótico francês, ofuscado pelo sucesso da sua adaptação a teatro musical, que bateu o recorde de permanência na Broadway e continua em palco até hoje, desde a primeira vez em cena, em 1986. Este ano, chega a Portugal em versão concerto. Antes da estreia, bate-se texto, fazem-se marcações e ensaia-se muito. Os primeiros ensaios com todo o elenco arrancaram em Julho, na Igreja de São Jorge de Arroios. No salão da paróquia, decorado com cadeiras verdes e um cortinado amarelo-torrado, é difícil imaginar a grandiosidade que se espera da estreia da versão em concerto d’O Fantasma da Ópera, em Outubro e Novembro, no Coliseu do Porto e no Campo Pequeno, em Lisboa, respectivamente. Acompanhados apenas por um piano portátil Roland FP-4, os artistas focam-se nas indicações do encenador e tentam apurar as cenas o melhor possível, embora o resultado final inclua um dispositivo cénico de fazer cair o queixo, com mais de uma centena de nomes em palco. O responsável pela produção é Armando Calado, que também tem formação musical e não hesita em cantar durante os intervalos. A partir dos bastidores, filma tudo com o seu iPad, para mais tarde poder oferecer aos artistas um registo em vídeo. A acompanhá-lo, sentado atrás da cadeira do encenador e cenógrafo Pedro Ribeiro, está o resto do elenco. No meio do salão, em frente ao piano, Sofia Escobar e Bruno Almeida treinam as marcações feitas. Duarte Drago Sofia Escobar interpreta Christ

Exposições de fotografia para ver em Lisboa
Arte Exposições de fotografia para ver em Lisboa

Os museus e galerias da cidade são os locais perfeitos para encher a agenda de final de tarde ou fim-de-semana. Se é fã de fotografia tem mesmo de deitar o olho – ou a lente, se quiser registar o que já foi registado por outros – a estas exposições. Damos a nossa palavra de como são paragem obrigatória. Da Lisboa registada por Joshua Beloniel, pioneiro na reportagem fotográfica portuguesa, passando pelas imagens surrealistas do designer Fernando Lemos, até à fotografia contemporânea desde que foi implementada a moeda única na Europa. Pode ver de tudo nestas exposições. Recomendado: Próxima objectiva: cursos de fotografia em Lisboa

icon-chevron-right
icon-chevron-right

Música

Madonna e o mega-espectáculo intimista de Madame X
Música Madonna e o mega-espectáculo intimista de Madame X

Poucas estrelas brilham com a intensidade de Madonna. Pode já não ser a rainha da pop, mas continua a ser uma das mais curiosas e magnéticas figuras do género, e no seu mais recente álbum, Madame X, volta a dialogar e a trazer para dentro da sua música outras músicas. Como sempre fez. Criado entre Lisboa, Londres, Nova Iorque e Los Angeles, é um disco pop global, onde há espaço para aproximações ao fado, ao batuque cabo-verdiano, ao trap, ao reggaeton e a outras músicas latinas.  Depois das oito datas em Lisboa, que se prolongam até 23 de Janeiro, a cantora viaja para Londres e mais tarde Paris. Mas antes de chegar à Europa, Madonna esteve nos Estados Unidos. A digressão de Madame X devia ter começado a 12 de Setembro, em Nova Iorque, no entanto os primeiros espectáculos foram cancelados. Arrancou finalmente no dia 17 do mesmo mês. Na altura, ela justificou o atraso com o seu “perfeccionismo”. Disse que “tinha subestimado quanto tempo seria preciso para apresentar este tipo de experiência teatral aos fãs”. Os primeiros concertos de Nova Iorque foram apenas três dos vários que foram cancelados no ano passado nos Estados Unidos. Antes sequer de sair de Nova Iorque, teve de voltar a afastar-se dos palcos por uns dias, abdicando da data de 7 de Outubro, na sequência de uma lesão no joelho. A primeira actuação em Los Angeles, a 12 de Novembro, também foi cancelada por atrasos e problemas na produção. E nunca chegou a ir a Boston, onde devia ter estado entre 30 de Novembro e 2 de

Dez grandes discos com 40 anos: 1980
Música Dez grandes discos com 40 anos: 1980

A Joy Division e os The Cure confirmaram as promessas dos discos de estreia, Siouxsie and the Banshees reencontraram o rumo com uma nova formação, e tiveram lugar as estreias em longa duração de Echo and the Bunnymen, U2, Bauhaus, The Sound, The Teardrop Explodes e Killing Joke. Bem longe dali em termos geográficos, mas próximos em termos estéticos, surgiam os primeiros discos dos Tuxedomoon (em São Francisco) e dos The Birthday Party, de Nick Cave (em Melbourne). À margem dos ambientes depressivos e lúgubres, estreavam-se os bucólicos e impressionistas The Durutti Column, de Vini Reily, e os ultra-minimalistas Young Marble Giants. Quem passou mais semanas (29!) no top indie britânico foi Grotesque, o terceiro álbum dos The Fall. Recomendados: Dez grandes discos com 50 anos: 1970  

Concertos em Lisboa em Janeiro
Música Concertos em Lisboa em Janeiro

Janeiro é altura de balanços, de mudanças e promessas de melhoramento pessoal que não tardam muito a ser quebradas. Talvez por isso, ou por causa do frio que se costuma sentir, os concertos não abundam – a agenda ainda vai encher-se um pouco mais, de semana para semana, mas não muito. O que não quer dizer que não haja quem se esforce para nos fazer sair de casa. E é gente boa, de Angel Olsen aos Keane. E claro, Madonna, que vai dar uma série de concertos no Coliseu dos Recreios para apresentar Madame X, disco com cheirinho a Lisboa. Recomendado: Concertos em Lisboa

Concertos gratuitos de Jazz e Clássica em Janeiro
Música Concertos gratuitos de Jazz e Clássica em Janeiro

Após a barrigada de borlas da época natalícia, a oferta em Janeiro é mais curta e centrada na música para piano e na música de câmara, mas não deixa de ser variada. Podem ouvir-se peças para flauta de Der Getreue Musik-Meister, uma colecção de 70 peças destinadas a diversas combinações instrumentais e vocais compostas pelo alemão Georg Philipp Telemann – as peças foram publicadas em fascículos em 1728-29 e o seu título pode ser traduzido como “O Verdadeiro Mestre de Música”. Num registo bem diverso está o bailado Petrushka, de Stravinsky, inspirado nas personagens do teatro de fantoches russo, com origem que remonta ao século XVII; a obra foi composta para os Ballets Russes de Sergei Diaghilev, estreou em Paris em 1911, com coreografia de Michel Fokine e Nijinsky no papel de Petrushka. Recomendado: Concertos em Lisboa em Janeiro

Tiago Bettencourt: “Faziam concursos para dizer mal de nós”
Música Tiago Bettencourt: “Faziam concursos para dizer mal de nós”

Tiago Bettencourt faz um intervalo nas gravações do novo disco para regressar ao Coliseu dos Recreios, nesta quinta-feira. Num palco 360º, tal como no ano passado. Mariana Norton e Cláudia Pascoal, vencedora do Festival da Canção a quem produziu o disco de estreia, estarão no coro. Conversámos com o músico com a sala já disposta no formato circo – e começámos logo com um animal. Comecemos pelo elefante na sala: parece que não se pode ouvir Tiago Bettencourt e estar entre as pessoas da moda. O que se passa aí?Não se passa aqui, passa-se aí. É tão simples como isso. Eu apareci no mundo da música com sucesso e o mundo da música reagiu de uma maneira infantil. No entanto, esse estigma vai-se dissipando a partir do momento em que as pessoas ouvem a música. É um trabalho árduo que tenho feito. Há um desencontro gritante entre a atenção que recebia com os Toranja e depois a solo. É snobeira?Depende dos meios. A “Carta” chegou a um público mais popular, que não tinha a ver com os Toranja. Íamos a terrinhas e a seguir vinha o Emanuel. Fugi a isso tudo. Nunca quis fama. A única coisa que me interessava era que ouvissem a minha música. Quando comecei a solo, o percurso foi natural. Não sei do que estás a falar. No primeiro álbum, a “Canção Simples” foi um sucesso e esteve em tudo quanto é rádio. No segundo, o “Só Mais Uma Volta”... Admito que seja um problema da minha bolha. Deve ser. Em termos de imprensa, sim. A imprensa sempre embirrou bastante. Exactamente por causa de ser muito

Valete: “Desgastei-me com a polémica mas aprendi”
Música Valete: “Desgastei-me com a polémica mas aprendi”

A música de Keidje Torres Lima nunca se baixou. Indiferentes à ronda, ao adversário, ou à proximidade das cordas, as suas rimas sempre lhe valeram, fosse no bairro, ou no conflito com o racismo e a desigualdade. Das janelas de Benfica, Odivelas, Amora ou Damaia, os locais em que viveu, escrevia uma realidade que havia de transpirar para dois discos, Educação Visual (2002) e Serviço Público (2006). Os pares reconheceram-lhe a fome e a força, o público empurrou-o com devoção para a dianteira, cobrando-lhe a eloquência como característica ora valiosa, ora ostracizante. Valete, como nos habituámos a conhecê-lo, tornou-se um peso pesado, o único capaz de se abrandar a si mesmo mas, paralelamente, em aceleração contínua até aos seus próprios limites. Com três novos singles, Em Movimento, o novo disco, anunciado e três datas no Capitólio, duas das quais esgotadas, o rapper está de regresso ao serviço. Fomos saber com que força e o que esperar. Afinal, quando é que vai ser lançado o Em Movimento?É lixado porque quero fazer alguns clips dessas obras [temas] e isso é o que demora mais. Vou fazer clips para 60, 70%. No estúdio, a coisa está a um ritmo fixe e consigo prever bem os tempos. Quantas faixas é que vamos ouvir?Quando fazes um disco segues um guião e é suposto teres coerência. Neste caso, a ideia é estar em estúdio a fazer o que me apetece e o que eu sentir que vale a pena pôr cá fora, ponho. Tenho sons cantados, sem rap, estou a gostar de fazer isso. Já tinha feito uma coi

Os clássicos do hip-hop tuga que fizeram história
Música Os clássicos do hip-hop tuga que fizeram história

Arrancou em Portugal no final dos anos 1980; tarde, se o compararmos ao trabalho que já se fazia do lado de lá do Atlântico. Mas isso não lhe tirou fome ou força. Em 1994, a compilação Rapública levou-o além dos bairros periféricos e juntou, pela primeira vez, o talento num só disco. Black Company, Boss AC ou Líderes da Nova Mensagem abriam caminho aos nomes que se haviam de seguir e cimentar o movimento. Sam The Kid, Regula, Valete, Xeg, Chullage, Sir Scratch ou Tekilla seguiram-se numa nova vaga – sem esquecer a contribuição dos djs Bomberjack, Cruzfader ou Kronic –, impulsionada por Da Weasel, Mind da Gap ou Micro, e levaram o hip-hop às casas, aos walkmans, discmans e leitores de mp3. Era o movimento a tomar conta de si mesmo, a crescer, e a devolver às ruas o que as ruas fizeram caber em faixas. E estes são alguns dos clássicos de hip-hop que fizeram história. Recomendado: Uma história do trip hop em 10 (+1) canções

Mariza: "Falta-me fazer tudo"
Música Mariza: "Falta-me fazer tudo"

A fadista Mariza acaba de lançar um novo disco que partilha o nome com ela, onde volta a trabalhar com o produtor Javier Limón e colabora com um par de nomes mais ligados às músicas africanas, Héber Marques e Matias Damásio. Falámos antes dos concertos desta sexta-feira e sábado, no Coliseu dos Recreios. Ao fim de quase 20 anos de carreira vais lançar um disco chamado apenas Mariza. Porquê? O disco esteve para ter vários nomes. Primeiro era para se chamar Amor, porque o amor é tão importante que fazemos tudo à volta disso. E as canções que eu canto falam todas muito de amores, fazem-nos sonhar, pensar melhor. Depois, como eu danço muito em palco, passou para Fado Bailado. Mas não estava convencida, achava que nenhum nome fazia jus ao que tinha feito. E finalmente ficou Mariza. Há muito tempo que a tua música vai além do fado: escutamos a tua herança africana, a tua paixão pelo Brasil. Isso volta a acontecer neste disco. Quão importante é trazer essas outras músicas para dentro do fado? As pessoas acham que isso é um acto consciente, mas não é. Esses ritmos vão aparecendo inconscientemente. Não sei se é porque toda a minha vida ouvi muitos géneros musicais diferentes, se também pela minha vivência dos últimos anos. Como é o Héber Marques e o Matias Damásio surgem aqui? O Matias e eu somos representados pelo mesmo escritório e temos o mesmo manager. Foi uma sugestão dele. Confesso que nunca pensei que o Matias escrevesse para outras pessoas, e foi um processo engraçado po

Ornatos Violeta: “O nosso combustível sempre foi a amizade”
Música Ornatos Violeta: “O nosso combustível sempre foi a amizade”

Bastaram discos (Cão! em 1997 e O Monstro Precisa de Amigos em 1999) para garantir aos Ornatos Violeta um lugar na história do rock nacional. E a separação precoce, em 2002, quando trabalhavam no terceiro, assegurou que o seu legado se mantinha incólume. Antes do derradeiro concerto da segunda reunião da banda, esta sexta-feira no Campo Pequeno, falámos ao telefone e descobrimos que talvez este concerto não seja tão derradeiro quanto se supunha. Talvez até já exista uma canção nova. Sublinhe-se: talvez. Depois de meia hora de conversa, a entrevista terminou com um pedido de desculpas: “Se eu me enganar no nome de quem disse esta ou aquela frase, não se chateiem.” Do outro lado, os Ornatos riram-se. “Não faz mal”, lá disse o baixista Nuno Prata – ou seria o baterista Kinörm? Como é que esta reunião está a ser diferente da primeira, em 2012?Elísio Donas: A primeira foi um reencontro. Tínhamos saudades e foi uma surpresa perceber que éramos os mesmos, só que adultos. Neste caso foi diferente. Sabíamos que tínhamos prazer em estar juntos. Por isso, esta reunião foi muito mais natural. Queríamos estar juntos a fazer música e a rirmo-nos das parvoíces uns dos outros. Ainda se lembravam das músicas? De como se tocavam?Peixe: Agora ou em 2012? Agora e em 2012.Manel Cruz: Tive de voltar a ouvir tudo e de lembrar-me do que fazia com as mãos. Foi assim da primeira vez e desta também. Aquilo que muda mais, e que é determinante, é a maneira como nós nos apropriamos da matéria hoje. Há

Dead Combo na hora da despedida: “Criámos algo único”
Música Dead Combo na hora da despedida: “Criámos algo único”

Mais de década e meia depois de concertos, sombras, fatos e cartolas, os Dead Combo vão chegar ao fim. Tó Trips e Pedro Gonçalves anunciaram no início de Outubro que fariam uma última ronda de espectáculos e que em 2020 arrumariam a dupla de guitarra e contrabaixo no álbum de recordações. “Se o nosso encontro foi uma descoberta, uma grande amizade, um diálogo musical, um universo que se foi adensando e clarificando; se todos estes anos foram uma grande festa nas nossas vidas, não poderia ser de outra forma o nosso final. Decidimos acabar, mas acabar em grande”, disseram na altura. Algumas semanas mais tarde, Mark Lanegan, músico norte-americano com quem os portugueses gravaram um disco ao vivo em Paredes de Coura, deixou-lhe um elogio de monta durante uma conversa com a Time Out: “Os Dead Combo são uma das melhores bandas de sempre”. Agora, é tempo de começar a dizer adeus. A digressão final arranca com duas datas onde tudo começou, a ZDB, no Bairro Alto, sexta-feira e sábado. Aproveitámos para lhes fazermos três perguntas rápidas. Recriaram o som que se associa a Lisboa. Se noutros tempos seria a guitarra de Carlos Paredes, agora é a síntese que fizeram da cidade multicultural. O fim dos Dead Combo é também o fim de uma era sonora?Pedro Gonçalves: Quando muito será o fim da era sonora dos Dead Combo. Criámos algo único e que só poderia ser de Lisboa, mas afirmar que a nossa música marca uma era acho que é um bocado demais. Existem imensas pessoas a produzirem musica de extr

icon-chevron-right
icon-chevron-right

As melhores escapadinhas

Três hotéis para aproveitar a época baixa em alta
Hotéis Três hotéis para aproveitar a época baixa em alta

Agora que já se refez da dureza das festas e das despesas descontroladas dos últimos meses, está na hora de agarrar nuns trocos e ir de passeio para aproveitar as vantagens da época baixa. No Porto encontra um clássico da hotelaria que recria a boémia da Belle Époque, e a sul um dos resorts mais exclusivos do Algarve com estadias a metade do preço. Pelo caminho, uma paragem em Alcácer do Sal dá a conhecer um hotel rural novinho. Recomendado: Duas escapadinhas no interior de Portugal para desligar e reconectar

Um resort de cinco estrelas à beira do lago da Aguieira
Hotéis Um resort de cinco estrelas à beira do lago da Aguieira

Se nos acompanha regularmente, terá reparado que insistimos um par de vezes em dar destaque a destinos na zona Centro. Não foi por acaso. Depois de 12 meses frenéticos a correr o país, chegámos à conclusão de que 2020 será o ano em que se descobre que é realmente no meio (do país) que está a virtude. Já aqui contámos histórias da natureza intocada, dos patrimónios cultural e arquitectónico riquíssimos e até da gastronomia farta da região, mas faltava-nos falar de um dos segredos mais bem guardados do centro: a barragem da Aguieira. Não propriamente a barragem, mas tudo o que acontece à volta dos dois mil hectares que abraçam um dos maiores lagos artificiais do país, tendo como ponto de partida o discreto Montebelo Aguieira Lake Resort & Spa. Mas antes, um bocadinho de contexto: percorrendo os concelhos de Carregal do Sal, Mortágua, Penacova, Santa Comba Dão, Tábua e Tondela, a Aguieira é sobretudo conhecida pelas praias fluviais e pela oferta infidável de actividades náuticas. Desde há dez anos que tem vindo a ganhar terreno também no segmento de férias em família, muito graças ao grupo Visabeira, que aqui encontrou um cenário único para instalar o primeiro resort cinco estrelas da região. “Então mas e isso fica perto de quê, exactamente?”, perguntará. A vila de Mortágua é a urbe mais próxima, a cerca de 8 km, e Santa Comba Dão fica a pouco mais de 15 minutos de carro, mas como é pouco provável que vá querer sair do bem bom do h

Cinco bons motivos para subir à Serra do Açor
Viagens Cinco bons motivos para subir à Serra do Açor

Sempre que pensamos em ir de passeio para fora de Lisboa, parece haver uma força oculta que nos empurra automaticamente em direcção ao sul. Desta vez é diferente e vamos para cima, para o coração da Serra do Açor, o tesouro mais bem guardado de Arganil. Se for o caso de o leitor não se estar a conseguir localizar geograficamente, Arganil fica ali para os lados de Coimbra, a 40 minutos da cidade dos estudantes. A partir de Lisboa, a viagem de 260 km faz-se quase toda por autoestrada, com a parte final a obrigar a umas quantas curvas e contracurvas que podem desanimar os mais sensíveis ao enjoo. Mas não desista já de nós: traçámos o plano ambicioso de visitar o concelho em dois dias sem perder pitada das paisagens mais bonitas (e verdes) da zona Centro. Encontrámos uma aldeia presépio, praias fluviais de água cristalina, uma floresta virgem, cascatas escondidas e muito, mas mesmo muito boa comida. Eis cinco razões para ir e querer ficar. Recomendado: Dez sugestões de escapadinhas por Portugal

Vila Galé Ericeira: Comer, dormir e o mar
Hotéis Vila Galé Ericeira: Comer, dormir e o mar

“Mar sonoro, mar sem fundo, mar sem fim / A tua beleza aumenta quando estamos a sós”, escreveu um dia Sophia de Mello Breyner, adivinhando o que sentimos quando entramos no quarto do Vila Galé da Ericeira e olhamos pela janela, com o mar a perder de vista. Um pinheiro hirto e esverdeado repousa do lado de fora. Não estraga a paisagem, apenas a molda e conduz o olhar pela linha de costa. Lá ao fundo, bem longe, o Cabo da Roca. Pelo caminho, mar, mar e mar. Começou por ser um chalet de família e nos anos 1950 foi transformado em hotel, o mais luxuoso do país, com 50 suítes, court de ténis, praia privada e um bar-dançante (ou discoteca, como se diz nos nossos dias). Hoje, é o hotel mais ocidental da Europa. Mas pelo meio há muita história para contar. Recomendado: O melhor da Ericeira

A verdadeira Aldeia Natal fica na Serra da Estrela
Viagens A verdadeira Aldeia Natal fica na Serra da Estrela

Se o Pai Natal mudasse a sede de operações para Portugal, o destino óbvio seria Cabeça, uma pequena povoação na Serra da Estrela que desde há sete anos se orgulha de ser a Aldeia Natal mais bonita do país, decorada a rigor pelas gentes da terra, com materiais 100 por cento naturais. Até ao dia 1 de Janeiro do ano que está a chegar, os visitantes podem encontrar um mercado de produtos locais, animação de rua e a maior concentração de luzinhas de Natal de que há memória no país. Recomendado: Dez escapadinhas para fazer este Natal

Palacio Pl Conde de Miranda: uma casa em Madrid
Hotéis Palacio Pl Conde de Miranda: uma casa em Madrid

A localização é tudo. Ou quase tudo. Especialmente em cidades tão grandes como Madrid. Se a isso juntarmos um conforto doméstico, ficar no Palácio Plaza Conde Miranda durante uma escapadinha torna-se uma escolha quase óbvia. É o ideal para quem procura as comodidades de um hotel com as facilidades de um apartamento em pleno centro madrileno. Não é difícil sentirmo-nos em casa quando, ao chegar aos apartamentos, damos de caras com um palácio senhorial do século XVIII, cuja arquitectura é tão característica da capital espanhola. Não somos de grandezas, mas sentimos o pulsar da cidade daqui. Se de um lado estão estes apartamentos, do outro, no mesmo edifício, moram locais. A dois passos do Mercado de San Miguel e da Plaza Mayor, em pleno vaivém de turistas, tudo aqui consegue ser residencial. No total, o Palácio Plaza Conde Miranda tem 26 apartamentos, todos com temas diferentes. Para os românticos, há quartos que contam a história de Romeu e Julieta ou de Inês de Castro e D. Pedro de Portugal, mas para os amantes de histórias alternativas há Bonnie & Clyde, Dalí e Gala, Thelma e Louise, John Lennon e Yoko Ono. Já os miúdos – sim, porque estes apartamentos são óptimos para quem viaja em família – vão adorar o apartamento de Tintin e Milu, Barbie e Ken ou Popeye e Olívia. Conforme a escolha, muda a decoração e a disposição do espaço, mas nunca o gosto e o conforto. Há sempre uma cozinha moderna equipada com tudo o que faz falta e uma sala espaçosa com janelas para a rua ou até

Três novos hotéis em Cascais para uma escapadinha na Linha
Hotéis Três novos hotéis em Cascais para uma escapadinha na Linha

Quem é que disse que no Outono não acontece nada de jeito? Só nos últimos três meses abriram três novos alojamentos em Cascais: uma guesthouse em homenagem ao mar, um mini-resort para famílias que gostam do mar e um hotel de charme que a única coisa que tem em comum com o mar é a linha do horizonte. Assim de repente, são muitas coisas a acontecer. Coisas muito boas e que estão ao lado de Lisboa. Mesmo sabendo que o calendário até ao final do ano não vai ser generoso em feriados, vale a pena aproveitar o fim-de-semana para fugir da cidade e ir respirar os ares do mar. A dois, em retiro de descanso ou com os miúdos atrás, damos-lhes três bons motivos para se pôr a caminho.Recomendado: O melhor de Cascais

Roteiro perfeito em Tavira: relaxar, comer, visitar, repetir
Coisas para fazer Roteiro perfeito em Tavira: relaxar, comer, visitar, repetir

Tavira estende-se ao longo do rio Gilão, que chega ao mar através das entradas das lagoas do Parque Natural da Ria Formosa, onde se incluem todas as praias do concelho. Encantadora, esta cidade-postal distingue-se de outros destinos no Algarve pelas ruas estreitas, casas tradicionais caiadas de branco e um céu onde raramente aparecem nuvens. Fundada por fenícios, que construíram uma espessa muralha na colina hoje designada de Santa Maria, da qual ainda restam vestígios, Tavira é ainda fruto de influências romanas, islâmicas e cristãs e a sua história foi marcada tanto por momentos de prosperidade como de declínio e estabilidade. Lições de história à parte, fomos à procura do melhor da cidade, mas também do concelho, de Cabanas de Tavira a Santa Luzia, a autodenominada “Capital do Polvo”. Este é o roteiro perfeito: onde ficar e onde ir, desde os espaços culturais a não perder e as praias mais paradísiacas aos melhores restaurantes e ao sítio certo para dançar até de madrugada ou, se preferir, beber um copo e pôr a conversa em dia. Recomendado: Descobrir a Ria Formosa: guia essencial para um dia de passeio

Descobrir a Ria Formosa: guia essencial para um dia de passeio
Viagens Descobrir a Ria Formosa: guia essencial para um dia de passeio

A Quinta dos Perfumes, um agroturismo de luxo em Cabanas de Tavira, foi o ponto de partida para uma visita à cidade. Em apenas 10 minutos de bicicleta chegámos ao porto de recreio com destino marcado para o centro da cidade. Por lá, vimos Tavira com olhos de ver, descobrimos a arquitectura do centro histórico, sentámo-nos a comer o peixe mais fresco da região e ainda embarcamos num tuk tuk que nos levou pelas salinas e por uma visita guiada pela pesca de atum. Recomendado: Quinta dos perfumes: na paz das laranjeiras

Três passeios na natureza para ir com a família
Viagens Três passeios na natureza para ir com a família

A Primavera anda a brincar às escondidas e agora que chegámos àquela fase transitória em que é perfeitamente aceitável sair de casa de camisola de gola alta e sandálias, é também altura de começar a pensar em programas ao ar livre. Haverá sempre esplanadas para ocupar, pedaços de relva para se sentar e zonas ribeirinhas para ficar a ver as vistas e apanhar um solinho mas para quem, como nós, sofre de bicho-carpinteirite, é preciso muito mais para sentir que se aproveitou bem o tempo. Podíamos sugerir que subisse até ao Gerês para se maravilhar com o Parque Nacional mais bonito de que há memória mas os 405 km que separam Lisboa do destino não são especialmente motivadores para escapadinhas rápidas. Bem mais perto da capital há muito verde para explorar e muitas actividades para o entreter a si e à sua família – pensava que nos tínhamos esquecido dos miúdos, não era? Pois que não. Nestes parques que sugerimos encontra entretém para todas as idades e programação para um dia inteiro de passeio. Há programas de aventura, passeios de bicicleta por paisagens intocadas e até visitas culturais ao ar livre. Agarre na mochila, calce os ténis, prepare as pernas e venha daí.Recomendado: Três quartos de hotel onde tem de dormir uma vez na vida

Três quartos de hotel onde tem que dormir uma vez na vida
Hotéis Três quartos de hotel onde tem que dormir uma vez na vida

Quando se finaliza a reserva para uma escapadinha, o sentimento que predomina é mais ou menos este: ir, estar, fazer o menos possível e aproveitar para pôr o sono em dia. Como boa declaração de intenções que é, muitas vezes acaba por ser só isso mesmo, uma ideia idílica que rapidamente se transforma num plano completamente ao lado. A pessoa vai para não se cansar mas depois há os passeios a cavalo, as provas de vinho, os workshops de pintura de azulejos, as visitas à quinta pedagógica, os almoços e jantares naquela tasca que o cunhado do primo garantiu ser a melhor da região e quando se dá por ela já são horas de voltar a casa e descanso nem vê-lo. Isto não é vida para ninguém. Às vezes é preciso parar. Relaxar. Dormir, sobretudo.  Cumpra finalmente o desejo de tirar uns dias para não sair da cama. Nestes três quartos de hotel encontra a desculpa perfeita para desligar, morrer para a vida e ressuscitar ao terceiro dia.

Vilalara Thalassa Resort: o paraíso existe e tem vista para o mar
Hotéis Vilalara Thalassa Resort: o paraíso existe e tem vista para o mar

O Vilalara Thalassa Resort mudou a paisagem e a oferta turística do Algarve ao estacionar o primeiro resort de luxo numa falésia em cima do mar. Já lá vão 50 anos.  Imaginar o Algarve há 50 anos é um daqueles exercícios de memória que a maior parte de nós não consegue completar. Somos filhos dos anos 70, 80  e 90, conhecemos o sul do país já como estância balnear, epicentro da movida estival e anfitrião dos Verões mais loucos de Portugal. Longe, portanto, da região desertificada e profundamente rural que sobrevivia quase em exclusivo da pesca e da agricultura. Foi só nos anos 60, ainda no rescaldo da ditadura, que o país (e o resto da Europa) começou a despertar para o potencial turístico do Algarve. Praias de areia branca e mar cristalino, temperaturas acima da média todo o ano, gastronomia rica em peixe e marisco frescos e muito, mas mesmo muito, território por explorar. Recomendado: Três hotéis termais em Portugal para ficar de molho

icon-chevron-right
icon-chevron-right

Os melhores hotéis em Lisboa

Os 19 melhores hotéis com spa em Lisboa
Hotéis Os 19 melhores hotéis com spa em Lisboa

Férias nem sempre são sinónimo de apanhar um avião e estender a toalha num areal qualquer por este mundo fora ou calcorrear uma grande capital europeia de manhã à noite, com medo de voltar para casa sem se ter visitado todos os highlights do momento. Por vezes convém aproveitar aqueles dias fora do escritório para simplesmente relaxar. Encoste-se para trás, coloque o pepino nos olhos, vista um confortável roupão e aprecie a música zen nos melhores hotéis com spa em Lisboa. Não se vai arrepender: afinal, são várias as razões para trocar o vale dos lençóis por estes hotéis. Recomendado: Os melhores hotéis românticos em Lisboa

Os 14 melhores hotéis com piscina em Lisboa
Hotéis Os 14 melhores hotéis com piscina em Lisboa

Meter água é das expressões mais cobiçadas durante as semanas e meses que se seguem. No fundo, sempre que o sol aparece e o tempo aquece. A cidade está cheia de fabulosos tanques, para se banhar em grande estilo e espreguiçar à vontade. Há muito para aproveitar nos hotéis de Lisboa sem precisar para isso de fazer check-in. Um mergulho nas piscinas, é só uma delas. Estes são os melhores hotéis com piscina em Lisboa. Seja para um, dois ou três mergulhos. Tudo o que quiser. Acredite que nem se vai lembrar que a praia existe. Recomendado: Os melhores hotéis em Lisboa

Hotéis bons e baratos em Lisboa
Hotéis Hotéis bons e baratos em Lisboa

Hotéis em Lisboa há muitos e difícil é arranjar uma boa pechincha. Andámos à caça de hotéis baratos em Lisboa e descobrimos oito bons, com preços entre os 50 e os 70 euros por noite. Se o preço não for um problema, espreite os melhores hotéis de luxo em Lisboa. E se vier em clima de romance, vale a pena espreitar os melhores hotéis românticos em Lisboa.

Os melhores hotéis em Lisboa
Hotéis Os melhores hotéis em Lisboa

Passa por cá a correr ou vem para ficar? Quer namorar ou fazer amigos? Traz a família toda a reboque ou chega só e abandonado? Saiu-lhe o Euromilhões ou já está a contar tostões? Seja qual for o seu perfil de turista e o seu ideal de férias, juntámos os melhores hotéis em Lisboa para todos – nenhum com menos de 9 na pontuação atribuída pelos hóspedes no Booking. Escolha o seu preferido e faça bom proveito.

Tivoli Palácio de Seteais: à noite no museu
Hotéis Tivoli Palácio de Seteais: à noite no museu

Alerta excêntricos, criados de um dia para o outro ou não: uma das grandes novidades do Tivoli Palácio de Seteais é o programa “Own a Palace for a Day” (30 mil euros), que, como o próprio nome indica, permite que o hotel de luxo em Sintra seja vosso por um dia. Todo vosso: os 30 quartos (incluindo a impressionante suite diplomática e os cinco quartos deluxe), os salões cheios de frescos e outras obras de arte impecavelmente recuperadas e restauradas pela Fundação Ricardo Espírito Santo, os jardins ao estilo francês e a piscina com vista para o mar de um lado e para o Palácio da Pena e o Castelo dos Mouros do outro.

Regresso ao passado: o Maxime renasceu como hotel
Hotéis Regresso ao passado: o Maxime renasceu como hotel

"Já fui aqui tão feliz". As palavras são de um antigo cliente do bar, que, entrando porta adentro, foi assolado por boas memórias. Quem conta o episódio é António Gonçalves, administrador do Grupo Hotéis Real, cadeia que não só devolveu o Maxime a Lisboa (embora reinventado) como ampliou a experiência. E ampliar a experiência significou ocupar os pisos superiores do edifício, outrora com escritórios e onde agora encontramos 70 quartos standard (um deles para pessoas com mobilidade reduzida) e mais cinco temáticos com 25 metros quadrados cada. Já subimos o elevador. Vale a pena voltar atrás: a experiência começa logo à entrada com um peepshow. Numa parede, encontra um pequeno buraco a que vai querer dedicar um segundo ou dois: é que ao espreitar vemos uma criação da artista Diana Coelho, profissional do cruzamento entre as artes performativas e visuais, que aqui nos diz que as paredes têm ouvidos. Ao espreitar por esse buraquinho vemos um vídeo com caras bem conhecidas: Humphrey Bogart ou Sean Connery, sentados à mesa e rodeados de bailarinas. Uma peça inspirada em factos verídicos por alturas da II Guerra Mundial, quando Lisboa era um ninho de espiões e as bailarinas vendiam informações de uns a outros. Logo a seguir, não uma cara mas uma peça também conhecida dos antigos clientes. O grande balcão do Maxime está lá, aquela que chegou a ser a maior barra da Europa não foi a lado nenhum, num espaço que acumula como bar e restaurante (liderado pelo chef Luca Bordino) e onde se

Neya Hotel Lisboa: pegada e dormida ecológica
Hotéis Neya Hotel Lisboa: pegada e dormida ecológica

Preparado para uma estadia ecológica no meio da cidade?  Carimbado com selos de sustentabilidade e ecologia, o Neya é um eco-hotel que aquece a própria água, faz reciclagem de resíduos e tem bicicletas para os hóspedes. Quem dorme por aqui vai carregar o peso das responsabilidades sociais e ambientais – e ninguém fica ilibado no que toca ao futuro do planeta. 

12 novos hotéis em Lisboa
Hotéis 12 novos hotéis em Lisboa

Cama, mesa e roupa lavada pode ser um objectivo de vida tão válido como sonhar com uma casa no campo ou um saudoso emprego das 9 às 5. Pernoitar num hotel pode ajudar a alcançar a meta, ou sonho, de não ter de fazer a cama, de preparar uma refeição ou de engomar a roupa. E a cidade está cheia deles, alguns ainda a cheirar a novo. O mais recente inaugurou no início de Outubro e renova uma das mais antigas casas dedicada ao burlesco de Lisboa: o Maxime, na Praça da Alegria. Recomendado: Os 18 melhores hotéis com SPA em Lisboa

Os melhores hotéis românticos em Lisboa
Hotéis Os melhores hotéis românticos em Lisboa

Que Lisboa é a cidade mais romântica já nós sabíamos, mas que tinha tantos hotéis para levar as escapadinhas românticas a um novo nível foi uma surpresa. Seja com pequenos-almoços na cama ou vistas de cortar a respiração, os melhores hotéis românticos em Lisboa não desiludem.

Os melhores hotéis de luxo em Lisboa
Hotéis Os melhores hotéis de luxo em Lisboa

Dos clássicos incontornáveis que já pertencem à história da cidade, aos mais recentes que apostam no design ou no conceito boutique, estes são os melhores hotéis de luxo em Lisboa. Destinados a um público alvo muito específico, com sangue azulado a correr-lhe nas veias, estes hotéis nasceram e existem para todos os que se recusam a abdicar dos seus caprichos.

icon-chevron-right
icon-chevron-right