Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Coisas para fazer em Lisboa em Julho
Exposição Van Gogh
Duarte Drago Exposição Van Gogh

Coisas para fazer em Lisboa em Julho

Quer aproveitar a cidade e não sabe por onde começar? Descubra as melhores coisas para fazer em Lisboa em Julho

Por Editores da Time Out Lisboa
Publicidade

Na terceira fase de desconfinamento, já é possível aproveitar, em segurança, um ou outro programa fora de casa, sempre com máscara, a devida distância social e respeito pela etiqueta respiratória, claro. Para saber onde poderá ir, neste período de incerteza, fomos à procura das melhores coisas para fazer em Lisboa em Julho. A oferta cultural é bem capaz de responder ao que precisa para este tempo. Desde exposições para os miúdos até eventos de humor ao ar livre, temos a receita secreta para ter sempre coisas para fazer em Lisboa, dentro ou fora de portas. Aproveite e viva a cidade ao máximo, sem esquecer os cuidados a ter, consigo e com os outros.

Recomendado: As peças de teatro em Lisboa a não perder em Julho

Coisas para fazer este mês em Lisboa

letreiro galeria, neons
letreiro galeria, neons
© Letreiro Galeria

1. Luzes da Cidade

Arte Stolen Books, Campo Grande/Entrecampos/Alvalade

Rita Múrias e Paulo Barata (ex-Time Out Lisboa) são designers, e de há uns anos para cá têm andado de olhos postos nos letreiros, néons e reclamos – guardam-nos à espera de um museu, mas enquanto isso vão fazendo exposições sob a tutela do projecto Letreiro Galeria. “Luzes da Cidade” vai estar patente na Stolen Books, em Alvalade, até 12 de Julho. É uma exposição que apela à memória colectiva e individual e, apesar de não ter nenhum letreiro de uma casa de fado, o projecto está muito ligado à palavra e à cidade. Haverá uma zona da exposição dedicada ao bairro de Alvalade, com letreiros da Avenida de Roma e Avenida da Igreja, mas há letreiros de outras ruas lisboetas. O Letreiro Galeria tem na sua posse letreiros como os do Hotel Ritz, da Pastelaria Suíça, as letras da antiga livraria Diário de Notícias ou da livraria Aillaud Lello. 

gulbenkian
gulbenkian
©João Pimentel Ferreira/Gulbenkian

2. Jardim de Verão Gulbenkian

Coisas para fazer Fundação Calouste Gulbenkian, São Sebastião

Jardim e Verão podem soar como mel aos nossos ouvidos. Então se juntarmos as duas coisas? Está aí mais uma edição do Jardim de Verão na Gulbenkian com os três primeiros fins-de-semana de Julho recheados de programas para viver sozinho ou em família. Há performances no Grande Auditório, oficinas de serigrafia aos domingos e concertos para animar as noites de sexta a domingo no Auditório ao Ar Livre com B Fachada, Maria Reis, Luís Severo, Selma Uamusse, Norberto Lobo ou até da Orquestra Gulbenkian. A programação é obra da Zé dos Bois.

Publicidade

3. Anjos70 Art & Fleamarket

Coisas para fazer Anjos70, Lisboa

O Art & Flea Market do Anjos70 já regressou, mas com regras de segurança e higiene apertadas. A nova realidade obriga a novos hábitos e regras de circulação no mercado, tanto por parte dos vendedores como dos visitantes. A edição será repartida em dois fins-de-semana, o de 4 e 5 e o de 18 e 19 de Julho, uma vez que irão ocupar apenas 50% da capacidade de vendedores em cada um desses fins-de-semana, respeitando o limite de dois metros entre casa banca. Em ambos as bancas presentes serão diferentes, mas continuam a oferecer as habituais peças vintage, artesanato, roupa, artwork e edições independentes – como nos têm vindo a habituar. Os visitantes podem contar também com uma selecção de products ecológicos e artesanais, como chás, especiarias, produtos de higiene e beleza e até máscaras, o acessório mais trendy (e necessário) para este ano. E por falar em máscaras, estas serão de uso obrigatório tanto para feirantes como para quem compra. 

Valete
Valete
©Facebook/Valete

4. Monsanto Drive-In Fest

Coisas para fazer Instituto Politécnico de Lisboa, Benfica/Monsanto

O parque de estacionamento do Campus do Instituto Politécnico de Lisboa, em São Domingos de Benfica, vai transformar-se numa sala de espectáculos ao ar livre para concertos drive-in, entre 24 e 25 de Julho, das 19.00 às 02.00. O novo Monsanto Drive In Fest vem substituir o Festival da Juventude, que estava previsto para Março, mas foi cancelado por causa da pandemia. A 24, o aquecimento será feito pelos artistas do BBV Studio, seguindo-se Valete às 21.45, sendo que o cabeça de cartaz do primeiro dia ainda está por anunciar. Já no dia 25, é Tiago Nacarato o primeiro a dar música, pelas 20.00. Seguem-se Bárbara Tinoco, às 21.30, e Tay, às 23.00. Os bilhetes custam 10€.

Publicidade
Comédia, Humor, Stand Up, Bruno Nogueira
Comédia, Humor, Stand Up, Bruno Nogueira
© Duarte Drago

5. Re-creio

Comédia Comédia de stand-up Centro Desportivo Nacional do Jamor, Oeiras

A premissa é simples: o humor é rei, há poucos ou nenhuns filtros, e as línguas prometem-se afiadas mas divertidas. Entre 23 e 26 de Julho, faz-se Re-creio no Jamor, com espectáculos de stand-up comedy e conversas em dupla para se voltar a descontrair e a acreditar. Bruno Nogueira, Salvador Martinha, Beatriz Gosta e Rita Blanco fazem parte da programação. Para além das zonas em que se encontra o palco e o público, haverá também uma área de lazer e convívio e um espaço de street food, para matar o bichinho quando lhe der a fome. Os bilhetes, com preços a variar entre os 14€ e os 20€, são vendidos em dupla e já se encontram disponíveis na Ticketline e na plataforma 3cket.

colecção museu bordalo pinheiro
colecção museu bordalo pinheiro
museu bordalo pinheiro

6. Terapêuticas Bordalianas

Coisas para fazer Museu Bordalo Pinheiro, Campo Grande/Entrecampos/Alvalade

As Terapêuticas Bordalianas são visitas gratuitas ao Museu Bordalo Pinheiro, com a duração de meia-hora, que têm como objectivo introduzir os visitantes ao universo bordaliano. É seleccionada uma peça ou tema por dia, entre terça e sexta-feira, sempre às 15.00, e de seguida o visitante é convidado a explorar livremente o Museu. A participação requer uma inscrição prévia através de e-mail (servicoeducativo@museubordalopinheiro.pt).

Publicidade
A jóia da coroa de Pum! A Vida Secreta dos Intestinos, é este intestino real, tirado de um corpo humano
A jóia da coroa de Pum! A Vida Secreta dos Intestinos, é este intestino real, tirado de um corpo humano
Inês Félix

7. PUM! A Vida Secreta dos Intestinos

Arte Pavilhão do Conhecimento, Parque das Nações

Falar de puns e cocós sem levar um raspanete dos pais? Sim, na exposição do Pavilhão do Conhecimento, para ver até Agosto de 2020. O órgão mais subestimado do corpo humano e os seus inquilinos (bactérias, vírus e outros micro-organismos) são os grandes protagonistas de “PUM! A Vida Secreta dos Intestinos”, que transformou as páginas do bestseller A Vida Secreta dos Intestinos, de Giulia Enders, numa exposição interactiva para toda a família.

Pé d'Orelha
Pé d'Orelha
Manuel Manso

8. Pé d’Orelha

Arte Museu Bordalo Pinheiro, Campo Grande/Entrecampos/Alvalade

A exposição "Pé d’Orelha", do Museu Bordalo Pinheiro, reúne cerca de 170 peças que aludem a um diálogo artístico entre os portugueses Bordalo Pinheiro e Querubim Lapa. Já não podemos falar com nenhum dos dois (infelizmente). Mas Querubim Lapa (1925-2016) tentou falar com Rafael Bordalo Pinheiro (1846-1905) através da sua arte. É isso que se percebe em “Pé d’Orelha. Conversas entre Bordalo e Querubim”, exposição que atravessa décadas, unindo os dois artistas através do olhar do mais novo sobre a influência da obra do mais velho. Com perto de 170 peças de ambos os artistas, vindas do acervo do museu e de colecções privadas – muitas delas nunca viram a luz do dia –, esta é uma exposição de comparações constantes. Dividida em seis núcleos, a mostra arranca cronologicamente, em 1956, dois anos após Querubim ter inaugurado o seu percurso na cerâmica e é palpável a inspiração que tirava de Bordalo logo aí.

Publicidade
Grupo do Risco: Expedições a Espaços Naturais 2007-2019
Grupo do Risco: Expedições a Espaços Naturais 2007-2019
Grupo do Risco

9. Grupo do Risco: Expedições a Espaços Naturais 2007-2019

Arte Museu Nacional de História Natural e da Ciência, Princípe Real

Pouco antes de fechar portas devido à pandemia, o Museu Nacional de História Natural e da Ciência (MUHNAC) inaugurou a exposição “Grupo do Risco: Expedições a Espaços Naturais 2007-2019”. Patentes estão registos visuais – desenho de campo, fotografia de natureza e paisagem, e vídeo – dos últimos dez anos do Grupo do Risco, uma associação feita de professores universitários e profissionais das artes e ciências que faz registos da natureza em desenho e fotografia em expedições a espaços relevantes do património natural e histórico de Portugal, tendo um importante papel na sensibilização ambiental.

Dias do Piquenique
Dias do Piquenique
Jose Marques Silva

10. Piqueniques da Parques de Sintra

Coisas para fazer Quinta da Pena, Sintra

A Parques de Sintra fez nascer o Dia do Piquenique, uma iniciativa mensal em que servem uma cestinha recheada para pousar nos Parques da Pena, nos jardins de Monserrate ou nos Jardins de Queluz. Aponte na agenda: 25 de Julho, 29 de Agosto e 26 de Setembro. A toalha pode ser estendida, mediante reserva, a dois (38€) ou em família (52€), sendo que os bilhetes para os parques não estão incluídos. As reservas são feitas até às 12.00 da quarta-feira anterior à data (eventos@parquesdesintra.pt).

Publicidade

11. Tim Burton – As Marionetas de Animação

Arte Museu da Marioneta, Estrela/Lapa/Santos

A Grande Aventura de Pee-wee, Ed Wood, Eduardo Mãos de Tesoura ou Charlie e a Fábrica de Chocolate soltam-nos imediatamente o nome de Tim Burton da língua. Mas o seu trabalho vai além dos actores de carne e osso. Quando o assunto é cinema de animação, são as marionetas as protagonistas escolhidas pelo realizador. Numa exposição única em Portugal, a Monstra – Festival de Animação de Lisboa presta homenagem a essa bonecada que ganhou vida no grande ecrã, levando duas dezenas delas ao Museu da Marioneta agora até Outubro, uma vez que a exposição foi prolongada. Não foi preciso respiração boca a boca nem manobras de reanimação para trazer de volta ao mundo estas marionetas, que conhecemos de filmes como Marte Ataca! (1996), A Noiva Cadáver (2005) e Frankenweenie (2012). Bastou que fossem cuidadosamente transportadas do Reino Unido, dos estúdios Mackinnon & Saunders, para o Convento das Bernardas.

Julian Opie. Obras Inéditas
Julian Opie. Obras Inéditas
Julian Opie

12. Obras Inéditas

Arte Museu Colecção Berardo, Belém

Considerado um dos mais importantes artistas contemporâneos do mundo, Julian Opie chegou pouco antes de o Museu Berardo ter de fechar devido à pandemia. Agora é finalmente possível visitar as famosas silhuetas deste artista, conhecido pela suas cores sólidas e pela simplicidade da representação dos retratos, figuras e paisagens, resultado de alterações digitais. Julian alargou o espaço expositivo à praça em frente ao Mosteiro dos Jerónimos, aos pátios e jardins interiores do CCB e às galerias dedicadas à arte contemporânea do museu, sendo que a maioria das obras patentes na Coleção Berardo foram produzidas especificamente para esta exposição e galeria. 

Publicidade
one o mar como nunca o sentiu
one o mar como nunca o sentiu
©Pedro Pina

13. ONE | O mar como nunca o sentiu

Arte Oceanário de Lisboa, Parque das Nações

No Oceanário há sempre muito azul para explorar. Esta instalação artística no Átrio do Oceanário promove uma experiência sensorial sobre a ligação do ser humano com o oceano. Vai também poder conhecer mais a fundo grande parte do território nacional, que fica debaixo de água: é que mais de 90% de Portugal é mar salgado. O desafio foi apresentado pelo Oceanário à cineasta e fotógrafa Maya de Almeida Araújo, especialista em fotografia subaquática em movimento e que expõe pela primeira vez em Portugal, que criou uma obra com imagens recolhidas no mar português entre os Açores, Algarve, Costa Alentejana, Cascais, Sintra, Nazaré e Aveiro. Sobre a obra (que implicou dois anos de produção, incluindo oito meses de filmagens), diz a autora: "Esta é uma viagem introspetiva. Estamos ligados ao oceano de forma física, cognitiva e emocional, porque somos manifestações da própria vida e essa sabedoria vive dentro de nós. No oceano somosum."

exposições
exposições
Fotografia: DR

14. Meet Vincent Van Gogh

Coisas para fazer Terreiro das Missas, Grande Lisboa

Conhecem o nome, mas não conhecem a história. Ou melhor, conhecem as obras, associam-nas a um nome, mas não sabem quem foi realmente o pintor holandês Vincent van Gogh. “Meet Vincent van Gogh” é uma produção do Vincent van Gogh Museum, em Amesterdão, em parceria com a UAU, que depois de Pequim, Barcelona e Seul chegou a Lisboa para ocupar o recinto do Terreiro das Missas, em Belém, e já pode ser visitada novamente. A exposição é uma máquina do tempo multissensorial que convida o visitante a entrar e a remexer nos sentimentos, angústias, amores e pensamentos do artista.

Publicidade
Beeline - MAAT
Beeline - MAAT
Iwan Baan Photography

15. Beeline

Arte MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, Belém

Nesta roda-viva de novidades, o MAAT apresenta uma nova instalação, “Beeline”. Esta foi desenvolvida pelo ateliê nova-iorquino SO – IL, tendo sido desenhada e instalada à escala do museu, atravessando-o desde a sua entrada principal do lado do rio a uma nova entrada através do cais de cargas. Surgem assim novos espaços, novos pontos de encontro, novas dinâmicas entre a arte e o visitante, em dois níveis do museu, ligados por uma escada. Este espaço foi desenhado para acolher o maat Mode (até 11 de Janeiro 2021), um programa público de talks e eventos iniciado pela nova diretora do MAAT, Beatrice Leanza. Dentro da instalação é ainda possível encontrar outras exposições como “The Peepshow” ou “Sound Capsules”. 

Mais que fazer

Malapata
Fotografia: Manuel Manso

Galerias de arte em Lisboa: um roteiro alternativo

Arte Galerias

Museus e centros de difusão de arte contemporânea são o pão nosso de cada dia no habitual roteiro cultural dos lisboetas. Mas, onde andam os artistas emergentes? Esses que não correm as bocas do mundo? Nestas galerias, está claro. Ora tome lá uma lista de galerias de arte alternativas, algumas ainda meninas e moças na capital onde se compra e desfruta de arte em todos os moldes. 

papel
Domínio público

Para se divertir com estes jogos só precisa de papel e caneta

Coisas para fazer

Uma boa forma de se entreter em casa é tirar o pó às consolas ou aos jogos de tabuleiro. Mas, como nem todos temos a última novidade, o melhor mesmo é relembrar os clássicos da nossa infância. Ainda sabe jogar à Forca, ao Stop ou ao Detective? Para se divertir com estes jogos só precisa de papel e caneta.

Publicidade
yoga
@theformfitness/Unsplash

Vá ao tapete em casa com estas aulas de yoga online

Coisas para fazer

Mais do que nunca é preciso parar para pensar, para respirar e para deixar sair o stress e a ansiedade acumulados destes dias. O yoga pode ser uma daquelas lufadas de ar fresco em dias abrasadores de Verão (ou de outra estação qualquer) – ajuda a espairecer, a concentrar-se nas coisas boas e a acalmar as ânsias.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade