Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Coisas para fazer em Lisboa em Janeiro

Atenção, continuamos a tentar dar-lhe a informação mais actualizada. Mas os tempos são instáveis, por isso confirme sempre antes de sair de casa.

Meet Vincent van Gogh
©Photo Republic / Bibi Neuray Meet Vincent van Gogh

Coisas para fazer em Lisboa em Janeiro

Quer aproveitar a cidade e não sabe por onde começar? Descubra as melhores coisas para fazer em Lisboa em Janeiro.

Por Editores da Time Out Lisboa
Publicidade

Por enquanto, ainda há alguns bons programas fora de casa, para aproveitar sempre com máscara, a devida distância social e respeito pela etiqueta respiratória, claro. Por isso, fomos à procura das melhores coisas para fazer em Lisboa em Janeiro. E sim, a oferta cultural é bem capaz de responder ao que precisa para este tempo. Desde lojas temporárias a exposições, festivais ou concertos, com muita opção gratuita. Temos a receita secreta para ter sempre coisas para fazer em Lisboa, dentro ou fora de portas. Aproveite e viva a cidade ao máximo.

Recomendado: O céu de 2021: eventos astronómicos a não perder

Coisas para fazer este mês em Lisboa

Teatro Nacional de São Carlos
Teatro Nacional de São Carlos
©Alfredo Rocha

1. Festival Criasons

Música Clássica e ópera Teatro Nacional de São Carlos, Chiado

O Festival Criasons promove, desde o início da década passada, a criação musical contemporânea em Portugal. A primeira edição realizou-se em 2011, a segunda em 2018/2019, e a terceira, que arrancou a 12 de Novembro, prolonga-se até 4 de Março. O Teatro Nacional de São Carlos é o palco de concertos, programados e interpretados por nomes como Carlos Azevedo (21 de Janeiro), Tiago Derriça (9 de Fevereiro) ou Pedro Caldeira Cabral (4 de Março). Em cada actuação, vão escutar-se obras da autoria dos programadores, mas também de artistas que os influenciaram e de compositores emergentes, escolhidos por concurso. A direcção artística é do maestro Brian MacKay.

  Uma história chamada Lisboa
  Uma história chamada Lisboa
José Avelar

2. Uma História chamada Lisboa

Coisas para fazer Vários locais

Uma História chamada Lisboa é um ciclo de performances com narrativas históricas e ficcionais que têm Lisboa como protagonista e ocupam o Museu de Lisboa e os seus núcleos até Junho de 2021. A actriz e narradora Ana Sofia Paiva e o cantor e compositor Marco Oliveira propõem um percurso de histórias e lendas com narração e leitura de contos populares, histórias de vida, trechos, poemas e factos do ideário lisboeta, com interferências musicais ligadas às raízes da canção urbana e ao ambiente sonoro do quotidiano da cidade.

Publicidade
LisbonWeek
LisbonWeek
DR

3. Lisbonweek

Coisas para fazer Lisboa, Lisboa

Pôr a descoberto o que ainda é segredo para muitos na cidade. A LisbonWeek adapta-se aos novos formatos e regressa com uma edição que se divide entre transmissões online e visitas e passeios presenciais, sendo Alcântara o bairro de eleição, e onde a programação estará espalhada pelo calendário até Fevereiro. Nesta edição, a organização decidiu dar destaque a uma expressão artística e, desta vez, foi a dança a escolhida. O site e redes sociais da LisbonWeek vão sendo actualizados já com conteúdos online sobre o bairro de Alcântara, como podcasts e entrevistas.

 Manuel Gustavo Bordalo Pinheiro | Histórias Desenhadas
 Manuel Gustavo Bordalo Pinheiro | Histórias Desenhadas
Museu Bordalo Pinheiro

4. Manuel Gustavo Bordalo Pinheiro | Histórias Desenhadas

Arte Museu Bordalo Pinheiro, Campo Grande/Entrecampos/Alvalade

No ano em que se comemoram os 100 anos da morte de Manuel Gustavo Bordalo Pinheiro (1867 – 1920), o Museu Bordalo Pinheiro acolhe até Fevereiro de 2021 a exposição "Manuel Gustavo Bordalo Pinheiro | Histórias Desenhadas", que evoca o trabalho e obra do ilustrador, ceramista e filho de Rafael Bordalo Pinheiro. A exposição, instalada na Sala da Paródia, serve de retrospectiva do trabalho de Manuel Gustavo com especial foco na sua obra gráfica, pela qual ficou conhecido, sendo pioneiro da ilustração infantil em Portugal. Foi também ele que fundou em 1908 a Fábrica Bordalo Pinheiro onde conseguiu juntar a técnica naturalista das Caldas da Rainha com a Arte Nova, nas suas peças de cerâmica. A par desta mostra, há ainda uma exposição virtual dedicada ao autor na recém-lançada página do museu no Google Arts & Culture, sendo o primeiro equipamento da EGEAC a integrar a plataforma online.

Publicidade
Guerreiros e Mártires. A Cristandade e o Islão na formação de Portuga
Guerreiros e Mártires. A Cristandade e o Islão na formação de Portuga
©DR

5. Guerreiros e Mártires. A Cristandade e o Islão na formação de Portugal

Arte Museu Nacional de Arte Antiga, Estrela/Lapa/Santos

O Museu Nacional de Arte Antiga vai assinalar os 800 anos da morte dos chamados Mártires de Marrocos, um grupo de missionários franciscanos torturados no Norte de África, com uma exposição em 2020. Comissariada por Santiago Macias e Joaquim Oliveira Caetano, reúne peças de ourivesaria, cerâmica, pintura, iluminura e têxteis, entre outros objectos que remetem para este período.

Hortas de Lisboa
Hortas de Lisboa
Museu de Lisboa

6. Hortas de Lisboa

Arte Museu de Lisboa - Palácio Pimenta, Campo Grande/Entrecampos/Alvalade

São seis núcleos, quase cronológicos, sobre a evolução e a necessidade das hortas em Lisboa, que é coisa que remonta já à Idade Média. Estes pedaços de terra sempre foram um elemento particular da paisagem urbana, sobretudo no que toca à subsistência das populações. Agora, e cada vez mais, são vistas como uma forma de sustentabilidade das cidades, com o sucessivo crescimento dos parques hortícolas municipais. Ao longo da exposição "Hortas de Lisboa", patente no Palácio Pimenta, põem-se a descoberto histórias e técnicas do passado num claro cruzamento com o presente e o possível futuro destes espaços na cidade, tudo através de cartografia, pintura, vídeo e narrativas de hortelãos que mantêm vivos estes elementos da malha urbana.

Publicidade
exposição LEGO
exposição LEGO
exposição LEGO

7. Exposição de Modelos de peças LEGO®

Arte Cordoaria Nacional, Belém

Qualquer exposição que vá parar à Cordoaria Nacional promete dimensões consideráveis – é o caso. Esta galeria recebe a maior exposição europeia de modelos feitos com peças LEGO. Para se perceber a dimensão de uma exposição deste tipo é bom ter números em cima da mesa: são dois mil metros quadrados de zona expositiva, que dão palco a mais de uma centena de maquetas feitas a partir de mais de cinco milhões de peças LEGO. A exposição está dividida em vários núcleos, sendo o mais inacreditável o que contém o modelo do Titanic construído com meio millhão de peças – uma construção com 11 metros de comprimento e três de altura. É uma recriação detalhada que apresenta até os interiores do navio. Há uma zona com um mapa da Europa, um núcleo dedicado ao corpo humano e até uma área com mais de 100 peças de Star Wars.

Mais que fazer

Gulbenkian
©Márcia Lessa

Os melhores parques e jardins em Lisboa

Coisas para fazer

Agora que pode arejar as ideias, tenha preferência pelo ar puro, pelos espaços que pintam a cidade de verde. Com todos os cuidados que deve ter e mantendo a distância social recomendada pelas autoridades de saúde, faça o favor de apanhar um arzinho por aqui – se optar por juntar uma grupeta lembre-se que não poderão ser mais que dez. Seja para uma breve caminhada, corrida ou para uma visita prolongada aos relvados, seja prudente.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade