Restaurantes

Críticas de restaurantes, as últimas notícias, novos restaurantes e os melhores restaurantes em Lisboa

Os melhores pães em Lisboa
Restaurantes

Os melhores pães em Lisboa

Dos mais simples – de trigo limpo, farinha amparo –, aos levedados da breca. Das novas padarias artesanais que estão na mó de cima, com o elogio à fermentação natural e lenta, às clássicas com quem ninguém se atreve a fazer farinha. Corremos a cidade, puxámos pelo miolo, pusemos as mãos na massa e só não nos levantámos de madrugada para ir ter com os padeiros. Aqui vai poder conhecer os melhores pães em Lisboa. Compre, fatiado ou não, e faça um brilharete naquele jantar de amigos (leve um queijinho e uma garrafa de vinho). Recomendado: As melhores pastelarias com fabrico próprio em Lisboa

Três sítios para comer arroz de marisco
Restaurantes

Três sítios para comer arroz de marisco

Antes que comece já a reclamar que o jantar é outra vez arroz, tome atenção que este é arroz de marisco. Há quem o prefira mais soltinho e al dente, outros não dispensam a cremosidade (quase um risoto mas sem queijo). Mas o indispensável é mesmo a mariscada dentro do tacho. São cozidos primeiro e o caldo resultante dessa cozedura é o que dá o sabor maior ao arroz. Falamos de camarões (uma gambinha mais básica ou os senhores camarões tigres e carabineiros), amêijoas, lombos de sapateira ou lagosta, berbigão, mexilhão. Descubra três bons sítios para comer arroz de marisco nesta lista. Recomendado: Os melhores novos restaurantes em Lisboa

Zomato Gold: nestes restaurantes e bares em Lisboa o seu telemóvel vale ouro
Restaurantes

Zomato Gold: nestes restaurantes e bares em Lisboa o seu telemóvel vale ouro

Nem tudo o que brilha é ouro, mas vale a pena explorar este tesourinho que é o Zomato Gold. Ainda não conhece? Trata-se de um plano de subscrição (tipo Netflix ou Spotify, mas de restaurantes e bares – e não de filmes, séries e música) perfeito para quem acredita que todas as desculpas são óptimas desculpas para comer fora e beber um copo. Os subscritores podem usufruir de promoções únicas: nos restaurantes parceiros, nunca pagam o segundo prato mais caro da refeição; nos bares, ao pedir duas bebidas, têm sempre duas iguais de oferta.   E como é que se pode aderir? Fácil: basta clicar aqui e escolher entre os planos de duas semanas, três meses ou um ano. Durante esse período, os meninos d'ouro podem usar e abusar do Zomato Gold – todos os dias, a toda a hora, sem precisar de reservar antes. O Zomato explica.    Ouro, senhores, ouro. E para melhorar, os leitores da Time Out têm um desconto de 25% no acto da subscrição (aqui) com o código TIMEOUT. Fique já a conhecer 25 dos restaurantes e bares em Lisboa onde pode aproveitar o Zomato Gold. 

Os melhores balcões em Lisboa
Restaurantes

Os melhores balcões em Lisboa

O balcão foi durante muito tempo o gueto da sala de restaurante. “Só temos lugar ao balcão” era, aliás, um lamento clássico do empregado de mesa. Ora, o estigma está a acabar, como estão a acabar os bancos altos e instáveis e o mobiliário formatado de snack bar. Há cada vez mais balcões lindíssimos onde se come muito bem e onde ainda se consegue assistir a um showcooking de borla. Dos clássicos às novidades, das marisqueiras aos japoneses, são mais de 250 metros de balcão onde os únicos levantamentos que tem de fazer são para erguer o copo ou levar o petisco à boca. Recomendado: Os 148 melhores restaurantes em Lisboa

Os 148 melhores restaurantes em Lisboa
Restaurantes

Os 148 melhores restaurantes em Lisboa

Os críticos da Time Out visitam os restaurantes anonimamente e pagam pelas suas refeições – o mesmo é dizer, como qualquer cliente – e, na melhor parte dos casos, repetem a visita antes de se pronunciarem. Acresce que nenhum restaurante é criticado antes de cumprir três meses de porta aberta e, por princípio, nenhum é aclamado com cinco estrelas ou despachado com apenas uma sem que um segundo crítico subscreva essa avaliação. Já sabia de tudo isto? É provável que sim. Há 10 anos que a Time Out faz questão de repetir esta cartilha em tudo o que faz. Mais que isso, há 10 anos que os jornalistas e críticos que foram construindo esta casa fazem questão de respeitar essa cartilha sem cedências. O que é que isso vale? Cabe-lhe a si dizer. O que lhe podemos garantir é que todos os 148 restaurantes que encontra nesta lista foram visitados pela nossa equipa pelo menos uma vez e que resulta de uma escolha, subjectiva como se espera, mas criteriosa como se exige. Como de costume, a coisa valeu discussões e zangas. Mas lá chegámos a um consenso e estes são os restaurantes em Lisboa que tem mesmo de conhecer.   Recomendado: Os melhores bares em Lisboa

O melhor do Time Out Market

Comida para todos no Time Out Market
Restaurantes

Comida para todos no Time Out Market

Dez mil metros quadrados. Dezenas de restaurantes. Chefs famosos e premiados. O Time Out Market pode ser um verdadeiro tormento para os mais indecisos. Mas podemos aumentar ainda mais o grau de dificuldade na hora de escolher o que comer no Mercado da Ribeira, no Cais do Sodré: alergias, intolerâncias e regimes alimentares especiais, vegan ou vegetarianos. E agora? Andámos de restaurante em restaurante, falámos com chefs, picámos daqui e dali – tudo para encontrar os melhores pratos para todos (até para os mais gulosos que não passam sem uma boa sobremesa). Recomendado: Time Out Market - o melhor dos próximos dias  

Cocktails de Verão no Time Out Market
Bares

Cocktails de Verão no Time Out Market

Diz a tradição que no Inverno os cocktails devem aquecer e no Verão arrefecer, mas já nada é que como era (nem sequer o tempo), por isso em qualquer estação do ano o que interessa é estar a par das tendências. Para este Verão, o Time Out Bar, no food hall do Time Out Market, apresenta a sua colecção de cocktails: vai encontrar copos picantes, tradicionais, frescos ou até com vegetais. Celebre a estação quente e faça tchim tchim no Time Out Market, no Cais do Sodré.  

Refresque-se com os melhores gelados do Time Out Market
Restaurantes

Refresque-se com os melhores gelados do Time Out Market

Em dez mil metros quadrados de Mercado há muita coisa para fazer, comer e beber. Mas com a temperatura a aumentar lá fora, o que é que sabe mesmo bem? Um gelado, pois claro. Neste campeonato, entre os mais de 30 restaurantes no food hall do Time Out Market destaca-se obviamente o Santini, uma das melhores gelatarias da cidade (e também uma das mais antigas!). Mas há outros refrescos para experimentar, escondidos nas cartas dos chefs.  Esqueça a dieta e resfresque-se com os três melhores gelados do Time Out Market.  

Vista o avental e descubra os workshops de cozinha na Academia Time Out em Setembro
Coisas para fazer

Vista o avental e descubra os workshops de cozinha na Academia Time Out em Setembro

É possível que esteja a ler este artigo na praia. Apesar de muita gente ainda estar de férias, o regresos às aulas está aí e o Time Out Market quer que ele seja o menos amargo possível. Por isso, recheou a agenda de workshops na Academia Time Out com aulas bem gulosas, que vão do risotto aos pastéis de nata. Não precisa nem de mochila ou cadernos: basta trazer boa disposição e vontade de meter as mãos na massa.

Três sítios para comer...

Pavlova
Restaurantes

Pavlova

Parece um bolo meio desfeito mas é na verdade uma pavlova, um bolo com base de merengue feito pela primeira vez em homenagem à bailarina russa Anna Pavlova. Deve ser o equivalente a um espectáculo de fogo-de-artifício na boca, como diria Remy, o rato do Ratatouille, ou seja, deve ser crocante por fora e macio e suculento por dentro. Depois pode ter vários toppings mas o mais habitual são as frutas frescas, dos morangos às cerejas. Se não tem vagar para seguir a receita à risca em casa, e por mais desleixado que este bolo pareça, não é fácil. Siga as nossas sugestões e peça esta sobremesa num destes três sítios. Recomendado: Os melhores restaurantes em Lisboa para comer... tudo e mais alguma coisa

Panquecas salgadas
Restaurantes

Panquecas salgadas

Nunca se diz não a uma torre de panquecas, especialmente se forem altas e fofas. Mas há sempre algum amigo que não alinha nesta história do brunch enquanto refeição séria, portanto  arranjamos-lhe umas panquecas que na verdade são um bom petisco salgado e de deixar água na bora. Ora, as panquecas por norma são docinhas, tudo certo. Mas estas que lhe sugerimos aqui são salgadas e não é só mais uma invenção esquisita: são como mandam a regra (isto é, altas e fofas), mas têm tiras de bacon e ovo estrelado em cima. Há uma que é, até, uma francesinha. Nem por isso menos light, portanto tome cuidado quando for comer panquecas salgadas a um destes sítios em Lisboa. Recomendado: Os melhores brunches em Lisboa

Falafel
Restaurantes

Falafel

Se não resiste a um salgadinho e já sabe de cor o roteiro para comer os melhores croquetes, os melhores rissóis ou as melhores chamuças da cidade, chegou a hora de se atirar aos mais dignos exemplares de falafel, os croquetes de grão fritos típicos do Médio Oriente. Bem condimentados, sozinhos ou acompanhados de pão pita, húmus, tahine e salada de tomate, pepino e cebola, são o sonho de qualquer vegetariano, mas não só: os carnívoros também são muito bem-vindos nestes três restaurantes do mundo em Lisboa: Muito Bey, Ink Farm Food e Mezze.  Recomendado: Os melhores restaurantes do Médio Oriente em Lisboa

Francesinhas
Restaurantes

Francesinhas

O tema é controverso e não faltam opiniões sobre boas francesinhas em Lisboa, mesmo que haja quem diga que só no Porto é que se come bem este monumento ao colesterol. Mas que as há, há. E bem boas. Já foi eleita umas das melhores sandes do muito, embora seja muito mais do que uma sandes, ora atente nos ingredientes básicos: bife, lombo assado, salsicha, linguiça, fiambre e queijo (muito queijo!). E depois há o molho – há quem diga que o segredo de uma francesinha está exactamente no molho. Com ou sem ovo, mas sempre em camadas, dizemos-lhe três sítios para comer francesinhas em Lisboa. Recomendado: Os 149 melhores restaurantes em Lisboa

Paella
Restaurantes

Paella

A receita é espanhola, mas não é por isso que não se comem boas paellas em Lisboa, seja na sua forma mais tradicional ou reinventadas com os ingredientes que por cá se encontram mais frescos como é o caso da paella negra do Tapisco do chef Henrique Sá Pessoa feita com sépia e aioli. Mas se o que procura é a clássica paella, servida num tacho capaz de ocupar a mesa toda, então rume ao Solar dos Presuntos. Nestes três restaurantes, vai encontrar pratos coloridos, bem servidos e, acima de tudo, deliciosos.  Recomendado: Os melhores restaurantes latino-americanos em Lisboa

Pizza marinara
Restaurantes

Pizza marinara

Há umas quantas teorias populares que explicam a origem do molho marinara e, portanto, da pizza marinara. Umas dizem que era o prato preparado pelas mulheres dos marinheiros para os receber em terra, outras afirmam que este molho simples e saboroso de tomate e alho foi inventado pelos marinheiro de Nápoles no regresso das Américas e que assim que fez a primeira pizza. Em qualquer dos casos a receita está ligada ao mar como o nome revela desde o início: marinara significa "do marinheiro" em italiano. Por Lisboa, não tarda estamos na época do tomate, a melhor ocasião para comer marinaras nestes três sítios. 

Os melhores restaurantes em Lisboa para comer...

Os melhores restaurantes em Lisboa

Os melhores restaurantes vegan em Lisboa
Restaurantes

Os melhores restaurantes vegan em Lisboa

Quanto mais restaurantes vegan aparecem em Lisboa, mais criativa fica esta dieta restritiva. Não há ovos, leite ou manteigas de origem animal – e naturalmente nem vale a pena falar em carne ou peixe – mas estes menus não são um interminável desfile de saladas. Estes são os melhores restaurantes vegan em Lisboa. Animais enram, mas só pela trela.

Os melhores restaurantes mexicanos em Lisboa
Restaurantes

Os melhores restaurantes mexicanos em Lisboa

O melhor é pedir uma marguerita ou um cocktail com mezcal assim que chegar um destes restaurantes mexicanos em Lisboa – afinal a cozinha mexicana é conhecida pelo seu nível de picante (e aqui convém ter atenção às malaguetas assinaladas nas cartas, que não estão lá para enganar ninguém). As maiores influências desta cozinha vêm dos povos pré-colombianos e dos costumes dos colonizadores espanhóis, mas os pratos típicos variam consoante a zona (a partir da cozinha mexicana surgiu, entretanto, a tex-mex, que reúne os sabores do estado do Texas, nos Estados Unidos, com o México). A base da cozinha mexicana tradicional é o milho – daí que não seja fácil fugir às tortilhas, que acompanham quase todas as refeições –, o feijão e a pimenta. Prove os tacos, o chilli com carne ou as enchiladas.  Recomendado: Onde comer os melhores tacos em Lisboa

Os melhores restaurantes peruanos em Lisboa
Restaurantes

Os melhores restaurantes peruanos em Lisboa

A cozinha peruana é uma das que mais curiosidade desperta na cidade: o Qosqo foi pioneiro desta gastronomia ali para os lados da Sé e o chef Kiko com A Cevicheria criou o buzz máximo em torno dos pratos do Peru. Entretanto o grupo Portugália abriu o Segundo Muelle, o chef peruano Diego Muñoz juntou-se ao império Avillez e abriu uma Cantina dentro do Bairro e até aprendemos o que é a cozinha nikkei. Mas há mais palavras-chave para além do ceviche que deve conhecer quando entrar num restaurante peruano (e esqueça essa ideia de ser tudo comida crua): as causas, ou causitas, são pratos em que o ingrediente principal é a batata; os tiraditos são fatias de peixe, finas, ao estilo carpaccio, mas temperadas com diferentes molhos, ají é uma malagueta com muitas variedades; anticuchos são espetadas na brasa; chicharrón são pedaços de carne ou peixe panados e os tacu tacu pastéis feitos com arroz e feijão e vários recheios possíveis.  Pelo meio, brinda-se com pisco sours, cocktails que juntam aguardente de uva pisco com limão.  Siga o roteiro dos melhores restaurantes peruanos em Lisboa. Recomendado: Onde comer os melhores ceviches em Lisboa

Os melhores restaurantes chineses em Lisboa
Restaurantes

Os melhores restaurantes chineses em Lisboa

Os Golden Visa não melhoraram só o panorama do imobiliário da cidade. A procura de comida chinesa autêntica e regional aumentou e já não é tudo arroz chau chau e rebentos de soja. Do Martim Moniz ao Estoril, consegue-se comer de tudo um pouco, mesmo que por vezes tenhamos de ir ao apartamento dos senhores. Estes são os melhores restaurantes chineses em Lisboa

Os melhores restaurantes saudáveis em Lisboa
Restaurantes

Os melhores restaurantes saudáveis em Lisboa

Saudável não é sinónimo de verde, light, vegetariano ou comida para passarinhos. E também não equivale a passar fome. Corremos a cidade para lhe trazer esta barrigada de restaurantes saudáveis em Lisboa. Bom apetite e muita saudinha.

Sítios para comer comida brasileira em Lisboa
Restaurantes

Sítios para comer comida brasileira em Lisboa

Não lhe vamos falar de rodízios de carnes grelhadas em situações all you can eat ou restaurantes onde o buffet se vende ao peso. Nada contra, mas nesta lista, o caminho vai ser outro, pelos quitutes, esses petiscos pequeninos para matar a fome aqui e ali, pela Bahia, com os seus clássicos como o óleo de dendê, o camarão seco, os coentros ou o leite de coco, e pelos ingredientes brasileiros que nos últimos anos ficaram na moda deste lado do Atlântico, como a tapioca ou o açaí. Reunimos uns quantos sítios para comer comida brasileira em Lisboa onde há variedade no receituário e que estão – esperamos – a abrir caminho para mais restaurantes brasileiros em Lisboa. É que samba sem um prato à frente não enche barriga. Recomendado: Os melhores restaurantes latino-americanos em Lisboa

Mais dos melhores restaurantes em Lisboa

Críticas de restaurantes

Sangiovese
Restaurantes

Sangiovese

Nunca mando comida para trás quando estou em missão, mesmo se os pratos
 são intragáveis. Desta vez, no entanto, vacilei. Veio um cesto de focaccias e quando peguei na primeira tira estava tão
 seca que, para parti-la, tive de 
a torcer. O segundo bocado, 
de uma variedade diferente, revelou-se igualmente duro, o que me fez pensar se não teria havido um engano, se alguém não deixara um couvert do dia anterior na zona de passe. Podia ter acontecido. Um engano. Um mau arranque. De notar que este Sangiovese foi inaugurado com pompa 
e Ferrari à porta (é ir ver ao Facebook do restaurante), em Junho, nas Avenidas Novas. E teve direito a vasta comunicação na imprensa especializada. Os textos, quase todos laudatórios, referiam a qualidade de tudo, nomeadamente das farinhas que entram nos pães e nas pizzas, umas vindas de Torres Vedras, outras viajadas de Nápoles. O chef executivo era apresentado como alguém com experiência lá fora, incluindo uma passagem pelo Lupa Osteria Romana, em Nova Iorque, de Mario Batali. Talvez tivesse sido só o couvert. Talvez não. Ainda eu e o meu amigo estávamos a refazer-nos da focaccia, quando à mesa chegou um amuse bouche, simpatia da casa. Dois cubos de queijo suados e elásticos, ao lado fatias grossas de salumi, bombas de lípidos que nos deixaram sem apetite. Insistimos, e o tartare
di tonno, um dos antipasti di mare, pareceu-nos a melhor coisa para cortar com o passado. “Muito bem escolhido, é a nossa melhor entrada”, regozijou-se o empregado e r

A Time Out diz
2 /5 estrelas
Casa Lisboa
Restaurantes

Casa Lisboa

Quando olhamos para o tacho, parece básico. Arroz, miolo de bivalves, camarões. Mas depois da primeira colherada, percebemos que estamos perante um dos grandes arrozes de marisco deste país. Os bagos estão cozidos num ponto que não é al dente nem cozidinho, mas uma condição indefinida que escapa ao vocabulário da literatura de receitas, o momento entre uma coisa e outra, o pós-al dente, o pré-cozidinho, o carolino à portuguesa nas mãos de um chef dos bons. O caldo, por sua vez, é mais denso do que um caldo e menos denso do que um creme, um bisque leve, um ligeiro veludo de crustáceos e legumes que transporta o arroz, distribuindo-o pela boca, preenchendo cada cantinho da boca, sem amargos a mais, sem sal a mais, só sabor, essa coisa que nos faz salivar e nos resgata da tristeza quando a vida nos parece incomestível. À segunda colherada, pescamos uma gyoza com miolo de sapateira e santola e um mexilhão. E à terceira os camarões, calibre 15/25 (15 a 25 bichos por quilo, 40 a 66 gramas cada). E voltamos a experimentar outra coisa. Devem ter sido caramelizados em lume vivo mesmo antes
de o tacho vir para a mesa e isto produz uma dissonância tostada e ligeiramente doce sem que se perca a suculência do camarão nem a ideia de arroz de marisco. Não são os “tigre” anunciados, mas ainda assim só temos o lombo e vem limpo e devidamente descascado, pelo que se perdoa “a falha do fornecedor”. Tivéssemos ficado por aqui e eram cinco estrelas. Mas houve mais. A desilusão começou logo à c

A Time Out diz
3 /5 estrelas
Valdo Gatti
Restaurantes

Valdo Gatti

No cada vez mais competitivo campeonato das rodelas de pão assado com cenas por cima, Valdo Gatti foi o restaurante mais emocionante dos últimos tempos. A diferença não está na massa mas também está na massa. E sobre isso importa fazer três apreciações: que não se carrega em fermentos artificiais para fazer inflar as pizzas (em vez disso, poderá até haver fermentações naturais longas); que a farinha tem sabore que se mistura nela uma gordura de qualidade; que será essa gordura – azeite? – que produz o aspecto de quase fritura da massa, uma caramelização 
fina e crocante da parte exterior, que comemos já não como uma pizza napolitana, mas como uma coisa eventualmente melhor, indubitavelmente boa. Sobre a massa estamos conversados e agora podemos ir
ao resto, que é muito, com menos advérbios, de preferência, mas igual convicção. A primeira coisa fixe no Valdo Gatti é ser no Bairro Alto. Aos que ditaram a sua morte dir-se-ia que estão enganados. Regressar ao Bairro Alto e ver que ele ainda é 
um frenesim de formigas ruidosas 
e ébrias movimentando-se em colunas compactas por vielas de urina e cerveja regurgitada, cheias 
de maus restaurantes e piores bares, é inebriante. O Bairro está vivo e é a bagunça de sempre, uma zona com mau álcool, má droga e má comida, onde se encontram mulheres loiras com mais de 1,80 m de altura e alguns tesouros gastronómicos. Esta pizzaria biológica é um desses tesouros. À chegada, surpreendeu ser dos poucos lugares que, pelas 21.00 de um sábado

A Time Out diz
4 /5 estrelas
Soão
Restaurantes

Soão

Acontece muitas vezes. Apetece carne e o editor sugere para ser avaliado um restaurante vegetariano; apetece ceviche e
o destino é uma churrasqueira; apetece hambúrguer e calha uma degustação de coisinhas. O crítico também sofre, meus amigos. Mas há semanas em que as vontades se alinham. Esta foi uma delas. Estava um desses dias de calor parvo e apetecia-me almoçar barriga de atum e outros peixes crus, wasabi e gengibre, arroz glutinoso a acompanhar, mais um chazinho frio de sencha, e isto de preferência numa taberna asiática, devidamente fechada e escura, como devem ser as tabernas asiáticas, e sem ter de entrar no eixo Saldanha-Chiado. Não era pouco. Mas aconteceu. Como num sonho. O Soão, o mais ambicioso restaurante de Alvalade, é um pan-asiático que vai às origens. O grupo Sea Me, dono dos Prego na Peixaria e do restaurante
Sea Me, optou desta vez por juntar o essencial do receituário tradicional de diversos países asiáticos, sem invenções. E fez bem. A cidade já tem chefs de fusão que cheguem e o chef do Soão, o sushiman Luís Cardoso, é um ex-aluno de Takashi Yoshitake, do célebre Aya (com passagem pelo Assuka e, mais recentemente, pelo Cosy, em Braga), ou seja, vem da escola clássica. Foi Luís Cardoso quem me serviu. Fui directo para o sashimi moriawase, passando entradas e outras drogas leves, como as recomendáveis asinhas de frango com molho coreano ou a salada de wagyu e papaia verde (papaia verde, must de pan-asiáticos). Como estava sozinho, a empregada teve a si

A Time Out diz
4 /5 estrelas
A vossa opinião
5 /5 estrelas
Mais críticas de restaurantes

Os melhores pratos em Lisboa

Os melhores ceviches em Lisboa
Restaurantes

Os melhores ceviches em Lisboa

É fresco, baixo em calorias, exótico e sabe bem. O Verão pede ceviches – esse prato ícone da gastronomia peruana – por isso, andámos atrás dos melhores ceviches em Lisboa e dizemos-lhe onde os provar. E temos cá de tudo: ceviches de peixe branco do dia, de salmão, de carapau, de manga, de polvo, de camarão da nossa costa e até de tremoço, veja lá.

Os melhores frangos assados de Lisboa
Restaurantes

Os melhores frangos assados de Lisboa

É um prato tão consensual que a cadeia de fast food KFC lançou um protector solar com o seu cheiro. Sem ir tão longe, a equipa da Time Out fez uma prova cega de frangos assados e elegeu o melhor dos melhores.

Grão a grão se enche o papo
Restaurantes

Grão a grão se enche o papo

Portugal é o maior consumidor de arroz da Europa, e a abertura de três restaurantes em Lisboa onde ele é rei, só em 2016, é sinal disso mesmo. 

Os melhores pratos de massa de Lisboa
Restaurantes

Os melhores pratos de massa de Lisboa

Auspiciaram-lhes o fim, mas elas voltaram com mais força ainda. 

Doces e sobremesas em Lisboa

Os melhores chocolates de Lisboa
Compras

Os melhores chocolates de Lisboa

As feiras de chocolate tornaram-se eventos gourmet de massas. Apareceram mercados e mercadinhos da especialidade por todo o país e são um sucesso. 

As melhores pastelarias com fabrico próprio de Lisboa
Restaurantes

As melhores pastelarias com fabrico próprio de Lisboa

Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje, aproveite o pequeno-almoço, o lanche ou até qualquer hora do dia para ir experimentar as especialidades destas seis pastelarias com fabrico próprio. Prepare-se para sair de barriga cheia.

Doces Teresa Pyrrait: Campo de Ourique com mais açúcar
Notícias

Doces Teresa Pyrrait: Campo de Ourique com mais açúcar

Gulosos de Lisboa, rejubilai! Abriu uma loja de bolos em Campo de Ourique com tanta e tão boa oferta que nem o ser-humano mais focado na dieta vai conseguir resistir. O sítio chama-se Doces Teresa Pyrrait, tem três meses de vida, mas o negócio da confecção de bolos conta 27 anos no mercado. E é provável que o conheça de outros campeonatos, como a lista de sobremesas d’O Magano, do Coelho da Rocha ou do Nós é Mais Bolos. Teresa Pyrrait começou a fazer bolos na faculdade “para ganhar algum dinheiro”. Vendia para a La Trattoria, o italiano da Artilharia 1 que foi seu cliente durante vários anos, trabalho que conciliava primeiro com o curso de Economia e depois com um emprego a tempo inteiro, e há 15 anos decidiu sair e dedicar-se apenas ao negócio dos bolos em casa. Os restaurantes foram-se multiplicando - vende também para o Solar dos Duques, o Stop, a Doca Peixe ou os vários Prego da Peixaria, por exemplo - os clientes particulares idem e daí a vontade de abrir um espaço próprio.   Teresa Pyrrait Fotografia: Arlindo Camacho     No andar de baixo ficam a cozinha, a despensa (que despensa!) e os armazéns. No andar de cima está o balcão dos bolos, ou melhor, o centro da tentação, e estão algumas mesas para se sentar a comer as miniaturas que Teresa começou a cozinhar quando abriu a loja – apesar de ninguém o impedir de comer um bolo inteiro, claro, dos que estão também em exposição na montra. “A ideia não é ser bem um café. Mas um sítio onde as pessoas possam conhecer

Doce de leite
Restaurantes

Doce de leite

Uma tentação pronta para nos fazer quebrar as amarras da dieta, o doce de leite conquistou Lisboa e os lisboetas.

Restaurantes em Lisboa: por bairro

Carnide
Restaurantes

Carnide

É uma zona residencial por excelência mas não é só a Feira da Luz e as suas loiças a bom preço que arrasta os lisboetas à freguesia de Carnide. Aqui os restaurantes elevaram-se de simples tascas portuguesas a espaços de gabarito e de romarias propositadas para comer aquele prato que é, na verdade, a comida conforto que precisamos sempre. São do mais tradicional que há, têm um bom serviço, humilde e simpático, e nunca descuram na qualidade à mesa. Muitos servem bons nacos de carne na pedra, mas também há pratos tradicionais alentejanos ou um polvo à lagareiro tenro.  Recomendado: Os melhores restaurantes em Lisboa

Bairro Alto
Restaurantes

Bairro Alto

Corremos o Bairro Alto e cruzámo-nos com mais de 100 restaurantes pelo caminho, nem todos merecedores de nota, é certo. Da cozinha de autor ao restaurante israelita, estes são os oito melhores restaurantes no Bairro Alto. Recomendado: Os melhores restaurantes na Lapa e na Madragoa

Alfama
Restaurantes

Alfama

A subida vai ser recompensada, prometemos. E aqui o que interessa é a viagem, já que no caminho vai encontrar tascas, comida de autor, fado que não engana nem turistas nem lisboetas e boa comida portuguesa. Alfama é liiiiiinda.

Saldanha
Restaurantes

Saldanha

Pastelarias para as manhãs, restaurantes onde o prato do dia é a estrela e outros para ocasiões especiais. Para uma viagem ao passado, para o melhor éclair da cidade ou para comer à barra, já depois da meia-noite. Seguindo este roteiro pelos melhores restaurantes no Saldanha consegue isto tudo e nem precisa de se levantar cedo, que há uns quantos brunchs.

Avenida da Liberdade
Restaurantes

Avenida da Liberdade

Avenida da Liberdade é sinónimo de compras de luxo e, durante alguns dias, também equivale a boa música, mas quando a fome aperta, a rua mais cara da cidade também tem restaurantes para todos os gostos (e carteiras). Bom apetite.

Príncipe Real
Restaurantes

Príncipe Real

É o bairro com as lojas mais alternativas, as noites mais coloridas e os restaurantes do momento. A oferta é variada e não desilude. Asiáticos, italianos, cozinhas de autor: abram alas para a família real de restaurantes do Príncipe Real.