Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Os melhores restaurantes de petiscos em Lisboa

Os melhores restaurantes de petiscos em Lisboa

Esta lista é para quem prefere pedir uma data de pratinhos. Eis os melhores restaurantes de petiscos em Lisboa.

Tapisco - Paelha Negra
Fotografia: Manuel Manso Tapisco
Por Mariana Correia de Barros e Inês Garcia |
Publicidade

Este é o roteiro perfeito para quem não é egoísta à mesa e gosta mesmo é de partilhar tudo, das amêijoas aos petiscos mais internacionais. Para almoçaradas de amigos, finais da tarde depois da praia, para melhorar dias de chuva, para lanches ajantarados ou até para jantares fora de horas. A arte de picar é bem típica portuguesa e calha bem a qualquer hora do dia ou qualquer refeição. Descubra aqui os melhores restaurantes de petiscos em Lisboa, peça uma série de pratinhos em vez de um prato principal só para si e partilhe sem vergonha. 

Recomendado: Os melhores restaurantes em Lisboa

Os melhores restaurantes de petiscos em Lisboa

Prato com tomates da Taberna da Rua das Flores
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes, Português

A Taberna da Rua das Flores

icon-location-pin Chiado/Cais do Sodré

Para infelicidade da população em geral, esta pequena taberna do século XXI deixou de aceitar reservas no segundo dia de funcionamento — já lá vão uns aninhos. E desde essa data há fila à porta, ao almoço e ao jantar. Nas horas de luz natural, pode experimentar receitas tradicionais como a meia-desfeita; nas horas de luz artificial, há uma série de pratos e petiscos que o chef André Magalhães e comitiva inventam todos os dias com aquilo que a estação e os produtores (muitos deles perto de Lisboa), trazem.

Cervejaria Boa Esperança
©DR
Restaurantes, Frutos do mar

Cervejaria Boa Esperança

icon-location-pin Benfica/Monsanto

O crítico Alfredo Lacerda chamou-lhe a marisqueira mais invisível de Lisboa e não fossem os GPSs incorporados em telemóveis e ninguém daria por ela – isto só é válido para quem não mora na zona de Benfica, claro. Aqui comem-se pregos com alho e carne fina, amêijoas à Bulhão Pato, umas gambas do Algarve quentinhas, além de saladinhas frias (polvo, búzios e orelha), cachorros, moelas e outros petiscos que tais. Se já está a sonhar com um pós-praia perfeito, de imperial e caracóis à frente, aqui também o pode fazer.

Publicidade
Bota Sal
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes, Frutos do mar

Bota Sal

icon-location-pin Estrela/Lapa/Santos

Abriu em meados de 2017 como uma extensão do Sal, na Praia do Pego (esse mesmo, em que Madonna almoçou), onde durante anos funcionou a tasca Bota Velha, e trouxe para Lisboa os pratos e petiscos de mar, algumas carnes e, esse é o único senão, os preços elevados. Ainda assim, vale a pena ir a esta simpática petiscaria moderna provar o pica-pau de lombo, as lulinhas à algarvia, sopa de peixe com pão frito e o mítico arroz nero de choco com tiras de bacon. Ah! Tem uma happy hour de cerveja das 18.00 às 19.30

Peixinhos da horta do Coelho da Rocha
©DR
Restaurantes, Português

Coelho da Rocha

icon-location-pin Campo de Ourique

Se o que procura neste guia é um restaurante com lugares ao balcão para almoçar sozinho, marque aqui o seu lugar; se é um carnívoro inveterado e gosta tanto de carne de vaca como de porco desde se seja boa, também é possível que seja feliz aqui; se por outro lado aquilo que o faz feliz é uma refeição só à base de petiscos e quanto mais portugueses forem melhor, pode começar à procura de lugar de estacionamento em Campo de Ourique. No “CR”, como se auto-intitulam, há de tudo.

Publicidade
Fumeiro de Santa Catarina - Polvo
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes, Português

Fumeiro de Santa Catarina

icon-location-pin Chiado/Cais do Sodré

As leis do fumeiro aplicam-se a todos os pratos deste castiço restaurante vizinho do Adamastor – perfeito para jantar depois de um fim de tarde de copos a ver a vista. Quer isto dizer que das entradas às sobremesas, todos os pratos têm um elemento que passa pelo fumeiro. Recomendam-se a salada de rosbife fumado com rabanetes, a fritada de cogumelos e espargos, a sandes de costela de boi e vinho do Porto e os sonhos de bacon com espuma de cardamomo. Às quartas é dia de piano assado no forno. E que piano...

Pap'Açorda
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes

Pap'Açorda

icon-location-pin Cais do Sodré

Manuela Brandão, a cozinheira que não gosta de ser chamada de chef, veio do Pap'Açorda no Bairro Alto para o Time Out Market manteve todos suspeitos do costume: pastéis de massa tenra, costeletas de borrego panadas, tomatada de ovo escalfado e, óbvio, a mousse de chocolate, para acabar a refeição, seja de petiscos ou mais composta, em grande.

Publicidade
pharmácia esplanada
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes, Português

Pharmácia

icon-location-pin Chiado/Cais do Sodré

Passaram 10 anos desde que os lisboetas se perderam de amores por uma taberna descontraída de petiscos e pratos para dividir na Madragoa e que o nome da algarvia Susana Felicidade começou a ser falado. Dez anos depois, e já com outros projectos em mãos, o Pharmacia continua a ser o sítio que melhor espelha a sua cozinha. Tradicional sempre, criativa sempre, portuguesa sempre. Para jantares de partilha na esplanada ou na maravilhosa farmácia, ups, sala, importa é vir. A carta de cocktails acompanha a qualidade do espaço.

pica pau rubro
©DR
Restaurantes

Rubro Avenida

icon-location-pin Avenida da Liberdade

Tempos houve em que Lisboa se podia orgulhar de ter uns quantos restaurantes de tapas (finais dos 90, inícios dos anos zero). Mas hoje, quem ver comer ovos rotos a valer, umas puntillitas ou um solomillo de buey, tem de andar à procura de bons chefs portugueses que o façam. Ou então, tem de marcar mesa no Rubro, um dos restaurantes mais simpáticos da Avenida da Liberdade e arredores, e tapear à moda de nuestros hermanos, com pratos feitos a partir de bons ingredientes – então nas carnes, é tudo de qualidade.

Publicidade
Taberna da Esperança - Empadão de Codorniz com Alheira
©DR
Restaurantes, Português

Taberna da Esperança

icon-location-pin Estrela/Lapa/Santos

Susana Felicidade passou a sua Taberna Ideal a outra gerência há uns anitos, e os novos donos escolheram deixá-la tal e qual. Os pratos continuam a ser todos para dividir, as cadeiras e as loiças seguem a lógica de cada uma de sua nação e consta que até as pessoas na cozinha são as mesmas. Escusado será dizer que ainda se comem boas tibornas, saladas e outros petiscos – caso do à Brás de legumes – além de outros pratos que vão rodando com frequência. Só é pena ouvir-se mais inglês e francês do que português.

Tapisco - Esqueixada de Bacalao
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes, Petiscos

Tapisco

icon-location-pin Chiado/Cais do Sodré

O grupo Multifood tem espalhado os seus tentáculos por Lisboa, sempre de forma segura e com qualidade. O Tapisco, o casamento harmonioso entre tapas e petiscos, é mais um exemplo de restaurante bonito, com serviço simpático, empregados bem fardados, com um bar de vermutes e, cereja no topo do bolo, assinado por Henrique Sá Pessoa. É tudo para partilhar e a fórmula mágica para não disparar a conta é: dividir um tapisco e uns ovos, rachar um dos pratos das brasas ou dos tachos e finalizar com uma sobremesa.

Publicidade
Tasca da Esquina
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes

Tasca da Esquina

icon-location-pin Estrela/Lapa/Santos

Os gastrónomos desta cidade devem lembrar-se dos anos 2008 e 2009, em que vários chefs se apresentaram em registos mais descontraídos/baratos. Vítor Sobral foi um deles, com aquela que viria a ser a primeira “Esquina” da sua carreira, onde montou um restaurante de petiscos ainda hoje no topo da lista dos melhores do género em Lisboa. Já aqui dissemos noutras núpcias que o melhor é seguir o menu “fique nas mãos do chef”, porque o trio Sobral, Hugo Nascimento e Luís Espadana está sempre em novas criações.

Jobim
©Manuel Manso
Bares

Jobim

icon-location-pin Avenida da Liberdade/Príncipe Real

Quando passa à porta, são os sons da bossa nova e do jazz que convidam turistas e vizinhança a parar para fazer a merecida pausa entre o trabalho e o regresso a casa. Mas são os vinhos e os petiscos, protagonistas deste novo espaço, que o convencem a ficar. Este wine bar possui uma cuidada carta de vinhos com as melhores referencias nacionais e a complementá-la estão os petiscos do chef Cláudio, que celebram a gastronomia internacional e a reinventam com os melhores produtos nacionais. 

Publicidade
Taberna Albricoque
©Duarte Drago
Restaurantes, Mediterrâneo

Taberna Albricoque

icon-location-pin Santa Maria Maior

Bertílio Gomes trouxe para Santa Apolónia os bons petiscos da cozinha algarvia, sem pretensões de fazer algo inovador mas sim mostrar como se fazem as especialidades típicas bem, com bom produto e matéria-prima da estação. Na carta há cenoura roxa de conserva com azeitonas de sal (2,20€), tiborna de uvas e laranja (2,40€) ou as amêndoas salgadas (2,70€), tudo com pão da Gleba (2,50€). Nos petiscos, há queijo Monte da Vinha (4,20€), queijo vegano de amêndoa (5€), ostras ao natural (3,20€ a unidade), ou carapau curado (4,80€). Seguem-se as especialidades do mar como a canja de lingueirão (7€), a raia de alhada (13€) ou a abrótea arrepiada que também pode ser um xerém de algas (12€). Da terra, chegam as ervilhas com ovo bio escalfado (4,80€), o rabo de boi com grão (9,90€) ou a galinha cerejada com pêra e amêndoas (11€). Pode acompanhar tudo com um dos muitos vinhos disponíveis na carta. Todas as quartas-feiras acontece a noite de fado, cortesia da voz de Marta Rosa.

Maria Azeitona
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes, Português

Maria Azeitona

icon-location-pin Grande Lisboa

Atenção tripulação, o vosso comandante Time Out informa que uma das mesas mais difíceis de marcar de Lisboa fica na freguesia da Venteira, concelho da Amadora. Chama-se Maria Azeitona, é um restaurante bonitinho e bem decorado com madeiras claras e cadeiras desirmanadas, fortíssimo nos pratos do dia, sempre portugueses, e a apostar várias fichas em petiscos, muitas vezes reinvenções de clássicos tradicionais – caso dos mexilhões com queijo da Ilha ou os ovos rotos com linguiça. Fuja ao trânsito da cidade e não se esqueça de marcar mesa.   

Publicidade
Tapa Bucho gastrobar
©Manuel Manso
Restaurantes, Europeu

Tapabucho - Gastrobar

icon-location-pin Bairro Alto

A pequenina casa de petiscos portugueses e espanhóis Tapabucho cresceu para um espaço muito maior no Bairro Alto, onde estão abertos todo o dia. O ponto forte continuam a ser os petiscos mas a ideia é começar com um copo – há muitas referências de vinho, cocktails de assinatura e cerveja – e ir pedindo algo para comer e ir ficando.  Há nuggets de pato com mostarda (7,50€), bacalhau com pil-pil de berbigão, azeite de coentros e pão de massa azeda (9,50€) ou as sempre gostosas batatas bracas com aioli (4€).

Madame Petisca - Esplanada
Fotografia: Ana Luzia
Bares

Madame Petisca

icon-location-pin Chiado/Cais do Sodré

O último piso do hotel Monte Belvedere tem uma vista privilegiada sobre o Tejo e sobre os barcos que por ele passam. Sentadas à mesa, as pessoas convivem em redor dos petiscos. O lombinho de porco em ginja (11,50€) é um dos pratos mais pedidos. Mas há ainda chamuças de bacalhau e açafrão com molho de iogurte e coentros (9€), tábuas de enchidos nacionais (7,50€), e tábuas de queijos com compota da Madame (11,50€), entre outras coisas. 

Publicidade
Mamasan
Duarte Drago
Restaurantes, Japonês

Mamasan

icon-location-pin Grande Lisboa

Petisque em japonês. O Mamasan é um restaurante especializado em yakitori, um termo que se refere a comida em pequenos espetos, grelhados em carvão. No Japão, os restaurantes especializados em yakitori são habitualmente espaços pequenos, só com lugares ao balcão. Aqui há o balcão, com vista para a grelha a carvão, feita a medida em Portugal mas seguindo o modelo da mais tradicional grelha japonesa. O menu é pequeno e foca-se nas opções “na grelha”, com as espetadas com frango, cachaço de porco preto, camarão selvagem algarvio com lima e chili, ostras do Sado (6,50€) ou duas opções vegetarianas, couve coração e manteiga de chili ou beringela. 

Os melhores restaurantes na cidade

Solar dos Presuntos - Cozido à Portuguesa
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes

Os melhores restaurantes de cozinha tradicional em Lisboa

Do Minho ao Algarve, do interior ao litoral – não é preciso sair de Lisboa para experimentar os melhores sabores da cozinha portuguesa. Açordas, bacalhaus, rissóis e pataniscas. Entremeadas, croquetes, cozidos e empadões – o que não faltam nestes restaurantes de cozinha tradicional em Lisboa são especialidades do país inteiro.

la paparrucha
DR
Restaurantes, Argentino

Os melhores restaurantes argentinos em Lisboa

Dentro da gastronomia mais típica argentina, as carnes são o maior trunfo do país. Há bife chorizo (o chorizo é um dos cortes mais nobres na carne bovina argentina), parrilladas com diversos tipos de carne e linguiças na brasa, o lomo, uma carne macia cozinhado consoante a região ou as empanadas, petisco bem recheado com sabores mais ou menos exóticos (e com q.b de picantinho, mas sempre bem temperado). À hora da sobremesa, o melhor é nem pensar em calorias, que a ideia é lambuzar-se com dulce de leche e alfajores. Prove de tudo um pouco nestes restaurantes argentinos em Lisboa.

Publicidade
PIZZA FORNERIA
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes, Italiano

Os melhores restaurantes italianos em Lisboa

Mamma Mia! Pode começar já a treinar o seu sotaque italiano e a exercitar os dedos, porque nos melhores restaurantes italianos em Lisboa vai ter muito para falar com as mãos em sinal de apreço depois de comer os pratos mais típicos. Nesta lista vai encontrar desde burratas cremosas, pizzas em forno de lenha com bases de massa de fermentação lenta, massas frescas feitas no momento e que até pode levar para casa, ou sobremesas como o tiramisù ou pannacotta. Viaje connosco do Norte ao Sul de Itália, sem tirar os pés da cidade.   

More to explore

Publicidade