Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Mariscadas em Lisboa: quem não marisca, não petisca

Mariscadas em Lisboa: quem não marisca, não petisca

À procura de bons sítios para uma mariscada em Lisboa e arredores? Despache-se a ler isto para poder ir lambuzar os dedos à vontade

mariscada da marisqueira azul
Fotografia: Arlindo Camacho
Por Editores da Time Out Lisboa |
Publicidade

De férias ou com vontade de um bom after work, nesta lista de restaurantes de marisco em Lisboa vai encontrar boas opções no centro da cidade (com mais ou menos filas de espera, mas sempre bem fresco) ou à beira-mar, para comer marisco com os olhos postos no horizonte. Há aqui verdadeiras instituições da cidade ou recém-chegados, o que interessa é que o Verão chama por camarões e lagostins, bruxas e amêijoas, percebes e ameijôas, canilhas e ostras. Tudo bem rematado com uma toalhita com aroma de limão e um prego do lombo, a mais tradicional sobremesa de marisqueira. 

Recomendado: Os melhores restaurantes de peixe em Lisboa

Mariscadas em Lisboa: quem não marisca, não petisca

Restaurante Ramiro - Sala
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes, Frutos do mar

Ramiro

icon-location-pin Intendente

A cervejaria começou nos anos 1950 como uma casa de pasto. Entretanto com a ajuda de programas de televisão e a visita de personalidades do meio gastronómico, as filas aumentaram e para comer o bom marisco do Ramiro, é preciso ir preparado para esperar entre um mar de turistas. Mas vale a pena: dos percebes aos lagostins, das amêijoas à sapateira, é tudo bom. Remate com o prego. Se não estiver para esperar, espreite o serviço de entrega ao domícilio da casa, o Ramiro At Home, lançado em 2019.

Cais ao mar
©Manuel Manso
Restaurantes, Frutos do mar

Cais ao Mar

icon-location-pin Cais do Sodré

João Mendes Esteves e César Lourenço saíram da sociedade do Pesqueiro 25 para abrirem esta marisqueira a preceito, com marisco cozido em água e sal e sem grandes invenções nesse capítulo – deixaram a criatividade para um creme de carabineiro, a especialidade da casa no que toca a caldinhos. Aqui há de tudo um pouco: berbigão ao natural (13,50€ a dose), à bulhão pato (15,50€), sapateira (28€/kg), santola (39€/kg), bruxas do mar (125€/kg), amêijoa (17€/dose), percebes (49€/kg) e por aí fora. Tudo nacional, fora o caranguejo do Alaska e o camarão de Moçambique. Se quiser um mix de tudo, é entrar na Onda SuperNova (65€ para duas ou três pessoas) ou na SuperNova Elite (130€ para quatro a cinco pessoas).

Publicidade
O Palácio
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes, Frutos do mar

O Palácio

icon-location-pin Estrela/Lapa/Santos

Quem não é de Alcântara, costuma falar no “largo das cervejarias” para referir a intersecção entre as ruas Prior do Crato, Viera da Silva e Maria Pia. Hoje contam-se ali quatro casas de marisco e uma delas chama-se, apropriadamente, 
O Palácio, membro de pleno direito da real lista das melhores cervejarias de Lisboa. Aqui moram navalheiras, canilhas, percebes e outros vícios do mar, mas também uma ementa do dia bastante recomendável. 

Restaurantes, Cervejarias

Cervejaria Ribadouro

icon-location-pin Avenida da Liberdade

É uma das mais antigas cervejarias em Lisboa e chegou a ser palco de muitas tertúlias com escritores, artistas ou políticos. O marisco fresco é servido até tarde (fecha às 01.30), dentro do restaurante ou na esplanada em plena Avenida da Liberdade: independentemente de pedir a sapateira, os lagostins ou camarões tigres, acabe sempre com o prego do lombo.

Publicidade
Seafood sunday no Ritz
©DEBORA INES ROCHA
Hotéis

Four Seasons Hotel Ritz Lisbon

icon-location-pin São Sebastião

O Ritz criou o Seafood Sunday no Verão de 2019, um brunch só de marisco, servido no Ritz Bar aos domingos. Pode fazer uma escolha a la carte ou optar por um dos platters de marisco, uma torre gigantesca de opções frescas, para uma ou duas pessoas (110€ ou 200€, respectivamente). O marisco é maioritariamente nacional – das zonas de Sesimbra e Setúbal – e isso é bem evidenciado e valorizado assim que chega a torre. A lagosta vem do Guincho, o berbigão também, as ostras dividem-se na origem, com algumas de Aveiro, outras de Sesimbra e Algarve (as mais claras têm uma salinidade mais reduzida, as mais musculadas são do Norte). Só o camarão selvagem vem de Madagáscar. A variedade inclui ainda sapateira, mexilhão, amêijoas, burrié ou percebes. Isto tudo devidamente acompanhado por torradas com manteiga, maionese caseira e bem equipado com o babete da casa.

Teca de marisco do Mariscador
Manuel Manso
Restaurantes, Frutos do mar

O Mariscador

icon-location-pin São Sebastião

Esqueça o mar e diga antes rio. Rodrigo Castelo, da Taberna Ó Balcão em Santarém, abriu o seu primeiro restaurante em Lisboa numa homenagem a todos aqueles que trabalham o marisco de rio. Neste espaço de dois andares comem-se lagostins de rio, gambão, camarinha e caranguejo de rio.

Publicidade
marisqueira do lis, açorda de camarão
Manuel Manso
Restaurantes, Cervejarias

Marisqueira do Lis

icon-location-pin Intendente

Esta marisqueira na Almirante Reis, fundada em 1973, fica umas portas acima do Ramiro mas com a mesma qualidade e menos filas, serve até tarde. As montras de lavagantes, lagostas e sapateiras são vistosas. Têm viveiros próprios e uma oferta grande de mariscos frescos, peças de carne ou peixe na vitrine, e os bons pregos do lombo para acabar. Melhor, tem estacionamento privativo.

pesqueiro 25
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes, Frutos do mar

Pesqueiro 25

icon-location-pin Cais do Sodré

Tem muito marisco por onde escolher nesta marisqueira na rua cor-de-rosa, no Cais do Sodré e o melhor é pedir logo uma tábua de marisco super nova (74,25€ para duas a três pessoas, com uma selecção do melhor que há nesta casa) . Ao fim-de-semana há brunch de marisco (entre as 12.00 e as 16.00): comece com uns ovos rotos de sapateira e prove o camarão al ajillo. Se por esta altura ainda não tiver percebido a almoçarada que para aqui vai, as dúvidas acabam com uma tábua de mariscos, com os mais frescos do dia. No fim, há prego de atum no bolo do caco e ainda uma sobremesa. As bebidas estão incluídas no valor de 41,25€ (o brunch é servido para um mínimo de duas pessoas).

Publicidade
ostra marisqueira azul
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes

Marisqueira Azul

icon-location-pin Cais do Sodré

“O melhor marisco é aquele que está vivo”, afirma Manuel Aguiar, responsável pela Marisqueira Azul. A casa dedicada ao marisco no Time Out Market aumentou os lugares ao balcão e fez umas mudanças no espaço, mas na equipa não mexeu: os percebes continuam a vir das Berlengas, o camarão e o lingueirão do Algarve, as ostras de Setúbal.

 

Restaurante Nunes Real Marisqueira
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes, Frutos do mar

Nune's Real Marisqueira

icon-location-pin Belém

Não é tão antiga quanto o Mosteiro dos Jerónimos, a Torre de Belém ou o Padrão dos Descobrimentos, mas a Nune’s Real Marisqueira é um dos monumentos que merece visita em Belém. A gamba do Algarve cozida em água do mar é um dos mariscos mais pedidos nas mesas desta casa, mas a ementa guarda surpresas como caris de lavagante e gambas, filetes de lavagante com arroz de gambas, filetes de peixe galo com arroz de ovas, entrecôte maturada ou picanha de wagyu.

 

Publicidade
Restaurante Pinóquio - Sala
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes

Pinóquio

icon-location-pin Santa Maria Maior

O clássico Pinóquio é um dos poucos sítios da cidade onde ninguém se importa de se sentir um alien entre turistas. Pelo contrário, até dá gozo ver chegar às mesas alheias as travessas dos nacos gordos de pica-pau de lombo, as amêijoas a fumegar, as gambas cozidas com maionese, as cervejas bem geladas. Chegar e depois, claro, pedir igual. Aviso à navegação: devido às obras no prédio nos Restauradores, o Pinóquio passou para uma localização temporária, na Rua de Santa Justa, 54, mas mantém a qualidade e tudo o que lhe deu fama de uma das melhores cervejarias da cidade.

Restaurante Eduardo das Conquilhas - Balcão
fotografia: Manuel Manso
Restaurantes

Eduardo das Conquilhas

icon-location-pin Cascais

O senhor Eduardo instalou-se aqui para vender uns pastéis de bacalhau e croquetes, mas rapidamente criou viveiros para abastecer a cervejaria e o negócio resultou de tal maneira que já ninguém se lembra de pedir um rissol quando pode pedir uma sapateira recheada ou um bife à Eduardo. As mariscadas aqui têm preços em conta, por isso está sempre cheio.

Publicidade
Restaurante Relento - Balcão
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes, Frutos do mar

O Relento

icon-location-pin Oeiras

A maioria do marisco do Relento vem da costa portuguesa. Na vitrine à entrada, os únicos estrangeiros, ao lado de saladas frescas cobertas de maionese, são as pernas gigantes dos caranguejos do Alaska. Tomé, um dos sócios da casa, lembra-se de vir para aqui em miúdo passar tempo, quando o pai trabalhava na casa onde se consumia essencialmente cerveja. Quando a nova gerência pegou no sítio, há coisa de 35 anos, instalaram-se os aquários onde se vêem ainda os bichinhos e começaram a servir marisco. Antes de partir para os doces da casa, perca-se com os rissóis, pastéis de bacalhau e chamuças, tudo caseiro. 

Mar do Inferno
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes, Frutos do mar

Mar do Inferno

icon-location-pin Cascais

Bruxas do Guincho, percebes da Roca, navalheiras de Cascais: a carta de marisco do restaurante que os cascaenses tratam pelo nome próprio, Lurdes, tem como estrelas espécies das águas vizinhas e faz companhia a uma lista de peixe sempre fresco, que fica tão bem grelhado como ao sal.

Publicidade
Marisco na praça
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes

Marisco na Praça

icon-location-pin Cascais

Percebes, amêijoas, ostras, canilhas, bruxas, camarões, carabineiros, sapateira, lambujinhas e, como não pode faltar numa marisqueira que se preze, pregos. Este restaurante integrado na peixaria do mercado de Cascais funciona quase como uma ida às compras: primeiro escolhe o marisco que quer, a quantidade e a forma como o quer cozinhado. Depois decide se come ali mesmo ou se leva para casa.  

Luminosa By Furnas
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes

Luminosa By Furnas

icon-location-pin Lisboa

Já teve mais do que um dono. O último chegou em Novembro de 2016 e veio da Ericeira, da Esplanada das Furnas, o restaurante de peixe e marisco completamente virado para as ondas bem perto do centro da terra. Dessa vila piscatória vieram também alguns dos pratos mais procurados pela clientela fixa, como o bacalhau à lagareiro, o arroz de polvo com gambas e a muamba, servida às terças e sábados. Por todo o lado esta marisqueira grita mar, desde o aquário, onde há lavagantes e lagostas, aos carregamentos de marisco e peixe diários vindos lá da Ericeira, não esquecendo as traineiras, pequenos barcos cheios de mariscos dispostos como numa obra de arte.

Petiscos em Lisboa

Tapisco - Paelha Negra
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes

Os melhores restaurantes de petiscos em Lisboa

Este é o roteiro perfeito para quem não é egoísta à mesa e gosta mesmo é de partilhar tudo, das amêijoas aos petiscos mais internacionais. Para almoçaradas de amigos, finais da tarde depois da praia, para melhorar dias de chuva, para lanches ajantarados ou até para jantares fora de horas. A arte de picar é bem típica portuguesa e calha bem a qualquer hora do dia ou qualquer refeição. Descubra aqui os melhores restaurantes de petiscos em Lisboa, peça uma série de pratinhos em vez de um prato principal só para si e partilhe sem vergonha. 

Picamiolos - Corações de Galinha
©Duarte Drago
Restaurantes

Três sítios para comer corações de galinha

Corações de galinha são a melhor miudeza para se comer no espeto. Melhor ainda se forem grelhados e bem temperados. No centro de Lisboa não é muito fácil encontrar este petisco e o mais provável é acabar num restaurante brasileiro a comer um rodízio carregado de especialidades, entre as quais os corações no churrasco (comece com isto, siga depois para as picanhas e maminhas). Não negue essa barrigada, mas saiba que há um restaurante alentejano, dedicado às miudezas e extremidades, que também os tem. Se nunca provou corações de galinha, deixe-se de esquisitices e prove-os nestes restaurantes em Lisboa. 

Publicidade
Taberna do Calhau - Gaspacho
©Duarte Drago
Restaurantes

Três sítios para comer gaspacho

O gaspacho tradicional leva tomate e vários legumes cortados, como o pepino e os pimentos. Pode ser passado e bebido, qual sumo de tomate refrescante, mas à boa maneira alentejana mantém lá os ingredientes todos, para poder mastigar, e pode levar ainda uma fruta da época ou um ovo, para reforçar a dose. É uma sopa fria que resulta bem como entrada num jantar de Verão mas pode ser também uma refeição completa. Nestes três restaurantes em Lisboa, especialistas no receituário alentejano (dos pratos de tacho aos petiscos para comer com vagar e amigos), prove o gaspacho tradicional. 

Publicidade