A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Copa - bar em Santos
Gabriell Vieira

Os novos bares em Lisboa que tem mesmo de conhecer

Juntamos a sede à vontade de conhecer novidades e deixamos-lhe uma lista dos novos bares que abriram em Lisboa nos últimos meses.

Escrito por
Clara Silva
Publicidade

A noite lisboeta está a recuperar e a prova disso são os novos hóspedes que vão aparecendo – e ainda bem. As novidades são das mais diversas espécies, com boa música, cocktails e seus derivados ou até cerveja artesanal. Nesta página espere sempre isto: os bares mais frescos da cidade. Por agora, estes são os novos bares em Lisboa que tem mesmo de conhecer. E se lhe dizemos isto é porque fomos lá, experimentámos e aconselhamos vivamente. Já decidiu onde é que vai beber um copo?

Recomendado: Está pronto para voltar a sair à noite? Guiamo-lo passo a passo

Os novos bares em Lisboa que tem mesmo de conhecer

  • Noite
  • Cafés/bares
  • Chiado

O hip-hop d’O 36, bar no Bairro Alto, juntou-se à comida do Vegan Junkies, restaurante de fast food vegan perto do Campo Mártires da Pátria. Os dois projectos continuam, mas têm desde o final de Abril de 2021 esta joint venture, com hip-hop e arte urbana a tomarem conta do espaço, com um mural colorido de AKA Corleone. Quanto às bebidas, conte com cocktails de autor inspirados em artistas hip-hop, uma parceria com a Fritz Kola e “outros goodies refrescantes”. Aos fins-de-semana há live-acts de DJs, entre as 19.00 e as 22.30. Uma lufada de ar cool.

  • Noite
  • Bares abertos de madrugada
  • Avenida da Liberdade

Na lista dos 100 melhores bares do mundo, o Red Frog, na Rua do Salitre, numa porta identificada com um sapo vermelho onde era preciso tocar à campainha para entrar, estava fechado desde Março de 2020, quando começou a pandemia. Na Primavera de 2021 reabriu dentro do outro bar do grupo, o Monkey Mash, num espaço bem mais pequeno e exclusivo, mas com o mesmo espírito e decoração de speakeasy bar. Os cocktails são um best of dos que deram fama ao Red Frog, com um toque de novidade, como a reinvenção do Red Potion, o bestseller. Convém reservar mesa.

Publicidade
  • Noite
  • Baixa Pombalina

Também nas novidades de 2021, o Gala Gala abriu na Baixa e tem o melhor de dois mundos: cocktails e máquinas de arcade para reviver clássicos como Pac-Man ou Donkey Kong. O conceito reúne o lado mais geek da brasileira Isis Freitas com o lado “épicurien” de Margaux Duroux, a outra sócia. Com o lema “for amusement only”, o Gala Gala quer ser um espaço de pura diversão a piscar o olho ao luxo. Um “luxo irónico”, dizem, que se reflecte na decoração, com um projecto com uma mezzanine num espaço que em tempos foi uma lavandaria. Além da carta de bebidas, o bar tem petiscos à base de trufa preta.

  • Noite
  • Cafés/bares
  • Chiado/Cais do Sodré

É um sacrilégio pedir uma caipirinha no novo Copa, em Santos, aberto desde Junho de 2021. “Até podemos fazer, mas tentamos aconselhar outras bebidas”, diz Rafael Agapito, o dono. “O nosso foco está no outro potencial da cachaça.” No bar, há cerca de duas dezenas de rótulos de aguardente de cana, bem diferentes das que encontramos à venda habitualmente em Portugal, além da cachaça artesanal de Rafael: a Fubá, feita em Minas Gerais. Pode fazer uma degustação de quatro (entre 10€ e 12€), com explicações sobre os vários tipos e a sua origem, mas também de outras degustações que incluem runs especiais, tequila, mezcal e pisco.

Publicidade
  • Bares
  • Santos

Abriu em Maio de 2021 em Santos e tem o whisky, o piano e a tristeza como ingredientes principais. O bar era uma ideia antiga de Camila Prado Fonseca, nos tempos em que era sócia de O Bom, O Mau e O Vilão, no Cais do Sodré: “Uma noite às quartas- -feiras só com música triste.” Isso acabou por se transformar no próprio conceito deste bar, com música ao vivo ao piano e whisky. A garrafeira foi escolhida a dedo, com whiskys que começam nos 9€ e vão até aos 27€, e marcas mais difíceis de encontrar, como o James Martin. Só há um cocktail, a margarita de poejo (8€), e ostras para petiscar. À primeira vista, a decoração, com dourados e cortinas brilhantes, parece tudo menos triste. “Muita gente tem essa reacção, acha que é contraditório. Mas é como se fosse um pico de euforia, uma passagem que muitas vezes a depressão tem.”

  • Noite
  • Cafés/bares
  • Santos

Ao mesmo tempo que abriam o pequeno Bar Mais Triste da Cidade, os responsáveis pelo Flat, no mesmo quarteirão de Santos, inauguravam em Maio de 2021 o Lulu, um Pub Bonito. Se a temática no Bar Mais Triste da Cidade é a melancolia, aqui a inspiração é a actriz Louise Brooks (a Lulu) e esses loucos anos 20 do passado, que agora se podem repetir. Os cocktails de autor têm nomes de mulheres como Jane Fonda ou Cindy Lauper, mas também de cantoras nacionais como Ágata e uma homenagem a Lena d’Água (com um cocktail de medronho, mel e manjericão). Há pratos como o duck & waffle, de pato confitado, ovo de codorniz frito e waffle, aquele que acham que seria “o prato preferido – compulsivo – de Louise”. O bar terá também uma zona de DJ, que em breve se poderá tornar um bom sítio para dançar na cidade.

Publicidade
  • Noite
  • Cafés/bares
  • Lisboa

Vinhos, tapas, plantas e vinil. São estes os pilares de A Viagem das Horas, o novo bar de Arroios, com uma esplanada na Rua José Ricardo. O fundador é Ricardo Maneira, mais conhecido na noite por DJ Rykardo, que aqui junta várias paixões num ambiente familiar. Os produtos foram escolhidos a dedo, como os queijos vegan, à base de caju ou amêndoas, que vieram de longe, da Artisan & Chef’s Table, em Aljezur, ou os produtos comprados ali mesmo ao lado, no Mercado de Arroios ou na padaria Terrapão. À quarta-feira há happy hour, com um prato ou sobremesa e copo de vinho a um preço especial. Todas as semanas lançam uma playlist no Spotify que merece ficar debaixo de olho e de ouvido, como a do “começo”, a marcar a inauguração do bar, ou a de homenagem a Miles Davis, a propósito do seu aniversário, no passado dia 26 de Maio. É um bar onde também pode comprar plantas, da Bago Plant Shop, com várias escolhas e preços, sendo a mais cara a monstera deliciosa (48 euros).

Copo cheio

  • Compras
  • Lojas de bebidas alcoólicas

Ah, o prazer de ouvir a rolha a saltar da garrafa, aquele ecoar que se prolonga no ouvido e  que é sinónimo de vinho a escorregar pela goela. Ah, o gosto que dá perder minutos, horas, em frente a prateleiras com garrafas empilhadas. Ir a uma garrafeira pode ser quase terapêutico.

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade